21 set16:17

Um curso para quem gosta de árvores

darci.debona@diario.com.br

Desde pequeno Diego Ricardo Bressan gostava de árvores e de ficar ao ar livre, em contato com a natureza. Começou trabalhando como eletricista mas, quando surgiu o curso de Engenharia Florestal, em 2004, na Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), pensou que seria o curso ideal para suas aspirações. –Sempre gostei e mato e, pesquisando o mercado, vi que era uma boa- afirmou.

Sirli Freitas

Depois de formado, ele levou quatro meses para conseguir emprego, num escritório de licenciamento ambiental, onde trabalha até hoje. Sua especialidade é desenvolver projetos para Pequenas Centrais Hidrelétricas. –Já fiz uns 20 projetos- calculou.

Seu trabalho consiste em identificar a vegetação das áreas que serão alagadas e elaborar projeto de compensação ambiental. Bressan tem que escolher a área adequada, e reproduzir nesses locais uma vegetação o mais próximo possível da original.

Além de garantir a biodiversidade, ele tem que saber como combinar e dispor as espécies. Algumas plantas, como os sarandis, precisam ficar próximos de córregos. Já a Araucárias não gostam de áreas úmidas.

Bressan disse que a engenharia florestal é uma profissão que garante a sustentabilidade, pois trabalha uma forma de reparar os impactos das hidrelétricas.

Mas esta é apenas uma das áreas de atuação da profissão. A coordenadora do curso de Engenharia Florestal da Unoesc, Graciele Barbieri Martarello, disse que há uma demanda grande na região oeste de profissionais para projetos de reflorestamento com o objetivo de fornecer energia para as agroindústrias.

Gracieli disse que o engenheiro florestal planeja a implantação de espécies mais adequadas ao clima e solo da região, para ter um melhor desenvolvimento. Além da produção de energia os reflorestamentos também podem ser utilizados para a indústria de celulose e moveleira.

Em Pinhalzinho há demanda por profissionais que desenvolvem chapas de madeira mais resistentes, para as indústrias de móveis.

O curso de engenharia Florestal foi implantado a partir de uma pesquisa que indicou a demanda por esses profissionais na região.  Foi o terceiro curso no estado, depois da UNC  de Canoinhas e da Furb de Blumenau. Atualmente a Udesc também oferece o curso em Lages.

O curso tem cinco anos de duração com bastante foco em engenharia e botânica. Em Xanxerê há disciplinas complementares mais voltadas para as necessidades da região. As três principais linhas de atuação são a implantação de reflorestamentos, o manejo de florestas exóticas e nativas e o processamento de madeira.

Graciele estima que 95% dos 150 alunos já formados, em cinco turmas, conseguiram emprego. A maioria trabalha na região mas muitos conseguiram emprego nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Tocantins e Piauí.

Por

Comentários