28 set19:35

Ato ecumênico marca 10 meses da morte de Marcelino Chiarello

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Um ato ecumênico na Praça Coronel Bertaso com posterior caminhada pela a Avenida Getúlio Vargas, em Chapecó, marcou os dez meses da morte do vereador Marcelino Chiarello. Compareceram familiares, amigos, professores, lideranças políticas e pessoas ligadas a movimentos sociais, que tinham apoio do vereador. Eles usavam uma camiseta preta com a foto de Chiarello.

- Queremos manter viva a luta e ação que ele fez, ele foi um mártir- afirmou o amigo Jaime Bianchi.

Rosângela Dal Bosco, da coordenação do Fórum de Lutas por Justiça, Vida e Democracia, disse que todos os meses é realizado um ato para lembrar a data da morte de Chiarello.

– Não podemos ficar sem uma resposta sobre quem matou e porque matou- afirmou, sobre a demora nas investigações, convencida de que Chiarello não praticaria suicídio, pelo seu perfil de lutas.

>> Leia mais notícias sobre o caso Marcelino Chiarello

No dia 28 de novembro do ano passado, Chiarello foi encontrado morte no quarto de visitas de sua casa, numa cena que dava impressão de suicídio. No entanto a Polícia Civil declarou que se tratava de uma simulação.

Posteriormente o médico legista que fez a necropsia do corpo apontou para homicídio. Análises posteriores de outros profissionais do Instituto Geral de Perícias apontaram para suicídio. Diante da imprecisão dos laudos a Polícia Civil concluiu o inquérito apontando que o vereador morreu enforcado, mas sem definir se isso ocorreu por suicídio ou homicídio.

O Ministério Público deu prosseguimento às investigações e solicitou apoio da Polícia Federal. Em julho o corpo de Chiarello foi exumado, levado para São Paulo, onde ficaram algumas amostras para exames mais detalhados.

A Polícia Federal não está repassando informações sobre a investigação.


Por

Comentários