17 out15:29

Círculos no Oeste viram caso de polícia

Darci Debona/darci.debona@diario.com.br

O aparecimento de círculos em lavouras de trigo do Oeste pelo quinto ano consecutivo acabou virando caso de polícia. A proprietária da área onde os agroglifos foram encontrados, Liana Faccio, registrou boletim de ocorrência na delegacia de Ipuaçu.

Para ela o que danificou seu trigo não tem nada de extraterreno e sim foi causado por terráqueos, dos quais ela vai buscar indenização.

Ela até contratou um vigia para evitar que curiosos aumentassem ainda mais os danos à sua lavoura de trigo. Vilson Cunico está ganhando R$ 50 a R$ 60 por dia para cuidar da lavoura. Mas às vezes ele precisa do reforço de Dercílio Bernardes, que trabalha para a família Faccio. Bernardes tem que deixar de cuidar da lavoura para dar uma de vigia.

Os dois também são céticos em relação aos cerca de 30 círculos, que atingiram aproximadamente meio hectare, o equivalente a cinco mil metros quadrados, metade de um campo de futebol. –Não tem grande coisa, é só trigo amassado- desfez Bernardes. –Isso é gente que está fazendo- completou Cunico.

Ontem pela manhã o delegado da comarca de Abelardo Luz, João Luiz Miotto, e o investigador Renan Gatti, estiveram no local. E apesar de algumas pessoas ainda ficarem assustadas e até pensando em extraterrestres, os policiais não têm dúvida. –É uma brincadeira de mau gosto- afirmou Miotto. –É coisa de desocupados- completou Gatti.

Eles afirmam que os responsáveis pelo dano na lavoura serão identificados e punidos. No local eles viram sinais de que, no meio dos círculos, há diferença na textura, mostrando que o local serviu de base para amassar o trigo, provavelmente com corda e tábua. –Está achatado e com bastante terra- afirmou Miotto.

Além de indenização cabível os responsáveis podem responder por crime de dano ao patrimônio, que tem pena prevista de seis meses a um ano de detenção.

O presidente do Grupo de Estudos de Astronomia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Adolfo Stotz Neto, disse que os agroglifos encontrados no Oeste são pura brincadeira, como ocorreu desde a década de 70 na Europa.

Ele brincou que estes sinais sempre surgem em lavouras de trigo e não deixam nenhum outro sinal que não sejam as plantas amassadas. Não há sinais de algo queimado pela ação de alguma energia e não há registros em outras plantações.

Stotz Neto disse que não tem lógica alguém viajar distâncias inimagináveis para chegar na Terra e fazer círculos. Ele citou que, para chegar na estrela mais próxima, seria necessário viajar 4,5 anos na velocidade de 300 mil quilômetros por segundo. Com a atual tecnologia disponível na Terra, levaria 70 mil anos.

Ele afirmou que o universo deve ser habitado, mas isso é questão probabilística, ainda não comprovada. Mas ele não acredita que Ipuaçu seja um lugar privilegiado no universo onde a cada ano os extraterrestres vem deixar suas mensagens.

Já o prefeito de Ipuaçu, Denilso Casal, está entre os que pensam o contrário. –Isso é um fenômeno que o ser humano não faz- declarou. Normalmente os círculos são encontrados em feriados ou após finais de semana, num raio de três quilômetros da cidade. Já foram registrados círculos também em Ouro Verde, Bom Jesus e Xanxerê, que são cidades vizinhas. Ou seja, é bem provável que esses ETs sejam do Oeste mesmo.


Por

Comentários