19 out23:30

Rock movido à polenta

Darci Debona|darci.debona@diario.com.br

Um vídeo que ensina a fazer polenta e que está nas redes sociais é uma das estratégias de lançamento do disco “Chamando Chuva”, segundo trabalho paralelo dos Irmãos Panarotto, que também são integrantes fundadores da banda Repolho.

Sirli Freitas

Dois shows de pré-lançamento (só não é lançamento porque o disco não ficou pronto) serão realizados no sábado e no domingo, a partir das 20 horas, no Sesc Chapecó. –Fizemos em dois dias para o pessoal não ter desculpa para não ir- explicou Roberto Panarotto, o caçula da dupla. O atraso na conclusão do disco é culpa do período eleitoral. –Tinha eleição para a direção da fábrica-brincou.

Mesmo assim o público poderá fazer uma audição coletiva antes do show, metade do disco cada dia. Quem quiser ouvir inteiro tem que ir nos dois dias. O show terá oito das 16 músicas que integram a obra. Chamando Chuva é uma referência à sonoridade da dupla. –Não é samba, não é chorinho, não é rock, tamo (sic) só chamando chuva- explicou Demétrio Panarotto.

Em tempos de estiagem no Oeste os artistas da terra do Índio Condá vão utilizar um instrumento de percussão muito peculiar, um balde. O instrumento é a referência ao primeiro disco da dupla, 2Violão e 1Balde, lançado em 2004.

Aliás, o show terá cinco músicas deste álbum para alegrar os nostálgicos. Demétrio lembrou que uma das diferenças dos dois discos é que, no primeiro, eles tinham que esperar diminuir o barulho da construção eu ficava próximo ao local de gravação.

Agora, a produção ficou mais sofisticada e ganhou mais densidade de instrumentos. Tudo com a produção de Marcelo Birck, mestre em composição, que participa do show. O disco foi montado numa linguagem cinematográfica, de gravação e montagem. Eles gravaram as músicas e depois foram montando, cortando, colando ou inserindo instrumentos.

Birck definiu o disco como eletroacústico. Os Irmãos Panarotto consideram uma evolução da “Colonagem Cibernética”, que é uma adaptação do jeito “colono” de ser às novas tecnologias. Aí que entra a polenta para os “Tropicalistas Mais Bem Alimentados” definição que o baixista Frank Jorge deu para a dupla que não corre o risco de sofrer com anorexia.

A intimidade com a culinária veio dos tempos de criança, em que nas férias saíam de Chapecó para visitar os parentes em Caxias do Sul. –Em vez de ir para a praia nós comíamos polenta e uva nos parreirais- lembrou Roberto.

O tom debochado continua. A faixa “Samba Paraguaio” dá a impressão de que não se trata de um samba original. Mas, segundo Demétrio, é um samba diferente, como o que existia antes de Getúlio Vargas. –Nossa ideia é valorizar o Paraguai- afirmou Roberto. Já as faixas “Sertamesmo” e “Eu Gosto de Pagode” são tentativas da dupla em se ajustar aos estilos que fazem sucesso atualmente. –Cansamos de ser alternativos, agora queremos andar de lancha no Rio Uruguai- declarou Roberto.

O disco mesmo só deve estar nas lojas em novembro. Quem quiser conferir alguns vídeos, inclusive o da receita da polenta brustolada, pode acessar o site polentabrustolada.wordpress.com. E quem levar um pacote de farinha de milho no show terá uma senha para acessar conteúdos exclusivos da banda.

Antes que alguém tenha indigestão, os Irmãos Panarotto alertam que eles não são músicos, apenas fazem música. Ou algo parecido com isso.



BOX

O quê: Show de pré-lançamento do disco Chamando Chuva, dos Irmãos Panarotto, com a participação especial de Marcelo Birck

Quando: Sábado e domingo

Onde: Sesc de Chapecó

Horário: 20 horas

Ingressos: Gratuitos e limitados a 100 lugares por dia. Devem ser retirados antes do show.

Por

Comentários