17 nov08:00

Diplomata anuncia suspensão de atividades

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Diplomata anunciou que vai suspender as atividades na unidade de Xaxim, assim que terminar o abate dos 10 milhões de frangos que estão alojados no campo. A empresa enfrenta dificuldades financeiras e entrou com um pedido de recuperação judicial. Em nota a Diplomata afirmou que ainda no mês passado solicitou desbloqueio de valores, o que não foi atendido, dificultando o fluxo de caixa da empresa. Os cerca de cinco mil funcionários devem ter férias coletivas, segundo a nota.

Na quinta-feira foram abatidos mais de 100 mil aves em Xaxim mas, na sexta-feira, foram abatidos apenas alguns animais, que acabaram servindo para ração.

A maioria dos cerca de mil funcionários participou de um ato público na Praça Frei Bruno, durante a manhã, que pedia uma solução para a crise. Entre eles estava Cleosmar Nunes que só recebeu 50% do salário de outubro. A eles se somaram avicultores, funcionários das empresas de Xaxim e lideranças políticas de toda a região.

São 650 avicultores integrados à unidade. Antonio Mendo disse que tem R$ 8 mil para receber e está com aviário parado. Outro avicultor, Valdecir de Sordi, tem R$ 14 mil para receber e rescindiu o contrato com a Diplomata, via judicial, passando a trabalhar com a Aurora.

A Aurora, aliás, vem sendo citada como a alternativa para assumir a unidade. No entanto a direção da cooperativa afirmou que não está negociando com a Diplomata e que só fará isso se a unidade voltar para a massa falida da Chapecó.

A Diplomata e a massa falida estão discutindo judicialmente a propriedade da unidade. O síndico da massa falida, Alexandre Brito de Araújo, afirma que houve um arrendamento e que a unidade é da massa falida da Chapecó. O complexo de Xaxim é avaliado em R$ 186 milhões.

O presidente da Associação Comercial e Industrial de Xaxim, Aldicir Alessi, calcula que já houve uma queda de 35% nas vendas do comércio, pelo atraso nos pagamentos de avicultores, funcionários e fornecedores. Ontem o comércio fechou as portas e colocou laços pretos para apoiar o ato.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Carnes de Xaxim, Pedro Kalinoski, disse que 300 funcionários já foram demitidos.



Por

Comentários