19 dez12:56

Mais de 1 milhão em recursos liberados na área de abrangência da Credioeste

O programa Juro Zero para Microempreendedores Individuais (MEIs) completou um ano no mês de novembro, comemorando movimento de  mais de R$ 22 milhões de reais e 7.922 empréstimos de até R$ 3 mil. A iniciativa integra o  Programa Nova Economia@SC e foi criada através de uma parceria entre a Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina (Badesc), Sebrae e Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável.

O objetivo é apoiar pequenas empresas e estimular o desenvolvimento de negócios por meio de financiamentos com juro pago pelo Governo de Santa Catarina. A Credioeste, agência de microcrédito, é uma das agências responsáveis por atender Chapecó e região para repasse desses recursos aos microempreendedores, através de convênio com a Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina (Badesc).

Nesta entrevista, o presidente da Credioeste, Ivonei Barbiero, avalia os empréstimos na região e expõe de que forma os empreendedores podem ter acesso aos recursos.

Qual foi o volume de empréstimos liberados pela Credioeste por meio do Programa Juro Zero?

Ivonei Barbiero- Na área de abrangência da Credioeste, que compreende os 20 municípios da Amosc, os recursos liberados aos microempreendedores individuais foram de R$ 1.035.900,00 até o mês de novembro. Ao todo, foram beneficiados 269 empreendedores. O maior volume liberado foi para o município de Chapecó que contabilizou R$ 470.900, beneficiando 154 empreendedores. Em seguida, se destacam os municípios de Pinhalzinho e Quilombo. No Estado, cerca de 8 mil catarinenses foram beneficiados através da iniciativa.

Quais são os setores que mais buscam os recursos do Juro Zero?

Barbiero-  No Estado, os dados mostram que o comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios continua liderando o ranking como atividade com mais operações, com 15,55%, seguido dos cabeleireiros, que representam 6,83% e, em terceiro, aparecem os trabalhadores que atuam no setor de obras de alvenaria, com 5,97%. No oeste catarinense, mais especificamente na região de abrangência da Credioeste, o maior volume de recursos é liberado aos setores do comércio e serviços. Cerca de 98% dos empréstimos feitos pela Credioeste foram destinados para capital de giro, sendo 50,98% direcionados ao comércio e 39,99% para o setor de serviços. Destes, 56,45% foi liberado para pessoas do sexo masculino e 43,55% para mulheres.

A inadimplência tem sido um problema enfrentado pela Credioeste?

Barbiero-  A inadimplência da carteira de clientes do Juro Zero no dia 30 de novembro era de 0,84%. No dia 7 deste mês esse índice baixou para 0,76%. Isso mostra que os empreendedores estão valorizando a oportunidade de obter crédito sem o pagamento do juro.

 Na sua avaliação, de que forma o Programa contribui para o desenvolvimento do empreendedorismo?

Barbiero- Esse incentivo era uma demanda antiga das Oscips do Estado para proporcionar crédito com juros subsidiados para este segmento de microempreendedores que, geralmente, têm dificuldade de acesso no mercado financeiro tradicional. O Juro Zero contribui de maneira significativa para o desenvolvimento dos negócios dos empreendedores individuais, não somente através dos recursos, mas também pelas consultorias oferecidas pelo Sebrae/SC, além de representar um estímulo à formalização.

Explique como funciona o Programa Juro Zero?

Barbiero- Através do programa, o microempreendedor individual com receita de até R$ 60 mil anual pode fazer um empréstimo e parcelar em oito vezes. Ao efetuar os sete primeiros pagamentos em dia, a última parcela é isenta, o que equivale aos juros da operação. Além disso, o tomador de crédito conta com acompanhamento gerencial por meio do programa Negócio a Negócio do Sebrae. Desta forma, o microempreendedor poderá fazer bom uso do crédito e crescer com segurança.

Qual é o papel da Credioeste no Programa?

Barbiero – O papel da Credioeste é operacionalizar os recursos do Programa, fazendo com que cheguem até os microempreendedores individuais, por meio dos agentes de crédito que fazem o atendimento em Chapecó e na região. Além disso, os agentes fazem um levantamento socioeconômico para analisar a viabilidade do crédito.

Quais os critérios para a obtenção dos recursos?

Barbiero- Para conseguir o crédito, é preciso estar devidamente cadastrado e apresentar CNPJ e certificado de empreendedor individual (MEI). Também são necessários os documentos pessoais (CPF, RG, comprovante de endereço atual) e documentos pessoais do cônjuge ou companheiro (a). Além disso, o microempresário não pode ter restrição cadastral (SPC/Serasa) e precisa residir em Santa Catarina. Com tudo isso em mãos, basta somente procurar a Credioeste para encaminhar o crédito.

Por

Comentários