Fotos

08 jul13:49

3ª Feira Microrregional de Economia Solidária em Chapecó reuniu mais de 20 empreendimentos

A 3ª Feira Microrregional de Economia Solidária do Oeste Catarinense: Fortalecimento Local, realizada no sábado, dia 7 de julho, no pátio do Mercado Público Regional, teve a exposição e comercialização de produtos oriundos da economia solidária. A representante da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Unochapecó (ITCP), Edilsa Frison, explica que a Feira busca mostrar para a comunidade que uma outra economia é possível.

- Na economia solidária, os próprios empreendimentos são autogestionados. São eles que produzem, transformam e comercializam os seus produtos na forma de empreendimentos menores, onde todos participam” – disse.

A Feira reuniu 25 empreendimentos da Economia Solidária da região Oeste. Um deles é a Mães de Nazaré, do Distrito de Marechal Bormann, que trabalha com a reciclagem de lã e malharias. No grupo participam 15 mulheres e a comercialização é realizada no “boca a boca”.

- A gente se encontra, conversa, trabalha, uma passa conhecimento para outra – contam as mulheres que fazem parte do grupo. De acordo com as participantes, elas trabalham com restos de lã e tecidos que iriam para o lixo.

Também participaram da Feira a Associação Regional de Artesãos e Artistas Plásticos do Oeste Catarinense (Araapoc) e empreendimentos dos municípios da região como Coronel Freitas, Formosa do Sul, Cordilheira Alta, entre outros. Entre os empreendimentos podemos citar um que vem da agricultura familiar que é a Associação Catarinense de Citricultores (Acacitros), com 120 associados, e que expôs laranjas e sucos orgânicos produzidos no empreendimento.

O representante do MST, Pedro Rocha, comenta a diversidade de produtos da economia solidária.

- Se não existir a produção na agricultura familiar, não tem alimento na cidade e o nosso desafio é produzir – disse.

A 3ª Feira Microrregional de Economia Solidária foi realizada pelas entidades que compõem o Fórum Regional da Economia Solidária: Instituto Marista de Solidariedade, Secretaria Nacional de Economia Solidária, Ministério do Trabalho e Emprego e Governo Federal, com o apoio do Instituto Saga, Unochapecó, SESC Chapecó, Cidema, Cresol, Cáritas Brasileira e Fórum Brasileiro de Economia Solidária.


Comente aqui
08 jul11:32

Parte de agência bancária pega fogo após ataque de caixeiros em Xavantina

Caixeiros voltaram a agir em Santa Catarina. Dois caixas eletrônicos foram arrombados em agência do Banco do Brasil em Xavantina, no Oeste catarinense. Os criminosos esperaram a porta da agência ser liberada às 6h do sábado, dia 7 de julho, para atacar. A informação é da Polícia Militar (PM).

Na hora de perfurar os caixas com maçarico, o fogo se alastrou e atingiu outras partes da agência. O Corpo de Bombeiros de Seara tive dificuldade para conter as chamas.

Ainda conforme a polícia, os ladrões demonstraram conhecimento estratégico, já que colocaram miguelitos (pregos) nos pneus da viatura da PM. Quando o policial saiu para atender a ocorrência, percebeu que os pneus estavam furados. Reforço da PM em Seara e Concórdia foi acionado.

A gerência do banco informou que a quantia roubada foi pequena, mas não deu detalhes sobre o valor. Até por volta das 11h30min ninguém havia sido preso.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
08 jul09:35

Enfim futebol na Arena Condá

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Depois de 70 dias sem uma partida oficial a Arena Condá recebe neste domingo o confronto entre Chapecoense e Vila Nova, a partir das 15 horas, pela Série C do Campeonato Brasileiro. É quase tanto tempo quanto a interdição da pista do aeroporto de Chapecó, que ficou 75 dias sem receber aeronaves.

A diferença é que enquanto o aeroporto tem uma pista novinha, o gramado do estádio continua com buracos. Mesmo assim a equipe catarinense espera que a força da torcida ajude a buscar um bom resultado contra os goianos, que na estreia venceram o Oeste por 4 a 1.

-Vai ser um grande jogo- prevê o capitão Souza. -Esperamos que a torcida lote o estádio- declarou o técnico Itamar Schulle.

O vice-presidente de futebol do clube, João Carlos “Maringá”, espera um público de seis mil pessoas. Ele afirmou que a partida tem vários atraentes, como a volta de um jogo após mais de dois meses, a oportunidade de a torcida conferir o novo time após o Campeonato Catarinense e o adversário de qualidade, que demonstrou ser um dos favoritos da Série C.

-É um jogo para avaliarmos o patamar do nosso time- calculou Maringá. O diretor ressaltou que o clube vem de um bom resultado na estreia, o empate sem gols fora de casa, contra o Santo André.

Maringá disse que o momento é do torcedor comprar a ideia da Série C, como fez o torcedor do Joinville no ano passado. Ele argumentou que uma vaga na Série B representaria um novo patamar para o clube e para a cidade.

Par o jogo de hoje o técnico Itamar Schulle contará com o retorno do zagueiro Fabiano e do meia-atacante e ala Eliomar. Chicão e Thuram vão para o banco. Outra possível mudança seria a saída de Neném para a entrada de Rafael Mineiro. Tudo para ver se o time decola no campeonato.

Comente aqui
07 jul10:20

Um passeio pelo Meio-Oeste catarinense

Sâmia Frantz | samia.frantz@horasc.com.br

Galos de madeira que se erguem do alto dos casarões de Treze Tílias. Animais exóticos em Piratuba. E o locomóvel fabricado em 1900 que ainda funciona em Água Doce. Para reparar em detalhes assim, só mesmo vencendo a preguiça: em cada um desses lugares do Meio-Oeste, circule a pé. A maioria dos municípios é pequenino, com poucos habitantes. E estão cheios de surpresas agradáveis.

Só com uma caminhada dá para flagrar conversas em alemão (típico de Treze Tílias) ou cruzar com pessoas usando roupão de banho pelas ruas (supercomum em Piratuba). Há também Porto União e suas mais de cem cachoeiras e corredeiras, e Itá, com as impressionantes torres submersas da igreja como resquício da cidade velha inundada em 1996.

Viajar pela região é, também, embarcar em uma viagem pela história. Literalmente. Este ano, a Guerra do Contestado – o conflito armado mais sangrento do país – completa cem anos. Por isso, não estranhe se você encontrar aulas de história ao ar livre. Aproveite.


Treze Tílias

Em Treze Tílias há uma fábrica de cerveja. E outra de vinho. Há também duas fábricas de chocolate. E uma de sorvete. E, claro, também há a famosa fábrica de leite, Tirol. Juntas, elas tornam a pequena Treze Tílias quase autossustentável: muito do que a cidade consome e oferece aos turistas sai de lá mesmo. A maioria está aberta à visitação.

Há uma única coisa que não vem de Treze Tílias e, mesmo assim, faz muito sucesso por lá: a edelweiss. Dizem que, depois de colhida, a flor típica da Áustria e dos gelados Alpes europeus dura mais de cem anos. Lenda? Os nativos juram que não. Neta do fundador da cidade, a escultora Mariana Thaler, 59 anos, guarda até hoje uma edelweiss que a mãe recebeu de presente do pai em 1933, na Áustria, assim que ele partiu para o Brasil com a família.

- A lenda funcionou. Quatro anos depois, ela veio atrás dele para se casar. A flor ainda existe, intacta, há quase 80 anos. Agora é uma relíquia de família.

A edelweiss é também o principal símbolo de Treze Tílias. Ninguém sai de lá sem levar uma: a flor é vendida à exaustão pelas lojinhas locais, in natura, em colares, bijuterias e broches. Mas Treze Tílias tem mais.

É também a cidade das coleções. Tem os mais de 5,2 mil canecos de chope de Leonardo Boesing, à mostra no seu restaurante, o Bier Haus. E tem também os 3.755 mil chaveiros, as 850 canetas e as 141 garrafinhas em miniatura de Valter Felder, expostas no Parque Lindendorf, que ele mantém com a família.

Aliás, Treze Tílias também é a cidade dos parques. O Lindendorf é um dos mais visitados. Lá existe outra Treze Tílias, em miniatura. A minicidade, feita pelo próprio Valter, traz réplicas de 48 construções originais. No mais, o local oferece comida, música e dança bem típicas da Áustria, além de trilhas e um lago com carpas alaranjadas. Outro parque é o dos Sonhos, onde há um labirinto verde e onde está a fábrica de sorvetes. Há ainda o Parque do Imigrante, com capela, via-sacra e lago com pedalinho.

Treze Tílias também é a cidade das esculturas: são 21 profissionais que transformam toras de madeira em objetos de decoração ou de arte sacra. Os ateliês, espalhados por tudo, merecem visita.



Água Doce

Em Água Doce, que sedia o maior parque eólico do Estado, há outro local que também se tornou atração imperdível: a vinícola Villaggio Grando, integrante da Associação Catarinense dos Produtores de Vinhos Finos de Altitude (Acavitis). O portal de entrada fica às margens da SC-451, mas para chegar à fábrica trafega-se por alguns quilômetros de estrada de chão cercada por grandes parreirais de uva.

A vinícola tem 13 anos e uma história curiosa para contar. Antes, o proprietário Maurício Grando nem sonhava em fabricar vinhos: tinha uma das maiores madeireiras da região. Um dia, um cliente francês visitou o estabelecimento e ficou admirado ao ver o quanto a área era propícia para a produção. Na mesma época, um amigo colocava à venda as terras onde, mais tarde, se instalaria a Villaggio. Maurício fechou a madeireira e apostou todas as fichas na vinícola. Deu certo.

A empresa comercializa hoje nove tipos de bebidas: três vinhos brancos, três vinhos tintos e três espumantes — agora exportados também aos Estados Unidos, México e Porto Rico. Em breve, mais uma novidade: o vinho Malbec. No espaço para degustação, a vista para o lago e o pôr do sol enchem os olhos. No terreno de 2 mil hectares ainda há duas cachoeiras.


Piratuba

Já brincou bastante nas piscinas de águas termais de Piratuba e agora procura outro programa? As opções são poucas, mas existem, sim. Há mirantes, cachoeiras e parques para visitar – o Três Pinheiros tem passeio de pôneis, mais de cem espécies de animais exóticos e ornamentais, degustação de cachaça produzida lá mesmo. Há ainda a Usina Hidrelétrica de Machadinho, com seis comportas que proporcionam uma queda d’água de 90 metros de altura.

Os hotéis locais também oferecem boas alternativas, como noites de bailes e café coloniais aos sábados. O Thermas de Piratuba Park Hotel disponibiliza o Espaço Wellness, com massagens, banhos de ofurô e spa de pés e mãos. O Hotel Fazenda do Engenho tem passeios a cavalo, de charrete, trenzinho, cabo de aço e trilhas, que ficam abertos ao público em geral aos domingos.

E, claro, não deixe de reservar um dia para a maria-fumaça mais famosa do Estado. Construída na Bélgica em 1906, a locomotiva a vapor continua em funcionamento com passeios de cerca de quatro horas que atravessam os limites do Estado e seguem até a cidade gaúcha de Marcelino Ramos.

Como não poderia deixar de ser, o famoso Parque Termal de Piratuba – que marcou a cidade no mapa do turismo nacional – também merece uma boa visita. As águas são aquecidas a 38ºC, vindas de uma fonte natural a 30 metros de profundidade. O complexo tem mais de 20 piscinas variadas: rasas, fundas, semi-olímpicas, cobertas e ao ar livre.



Mais informações:

Secretaria do Turismo de Treze Tílias: (49) 3537-0997

Site: rotadaamizade.com.br



Vale do Contestado

Viagem: de Treze Tílias a Piratuba, passando por Água Doce.

Total: 116 quilômetros.

Tempo ideal: mínimo de três dias.



Algumas atrações em Treze Tílias:

Vinícola Franz: fundada em 2007, produz vinhos e espumantes de qualidade, sucos e geleia de frutas.

Laticínios Tirol: a famosa fábrica de leite da cidade é aberta para visitação. Agendamento: diretoria@tirol.com.br

Castelinho (Museu Andreas Thaler): ex-residência do fundador da cidade, abriga o museu da Imigração Austríaca

Adega Tirolesa: produção de destilados típicos, chocolates e o famoso licor de Flor de Tília, além de souvenirs.

Consulado honorário da Áustria: ajuda a obter cidadania austríaca. Vale pelo belo visual.



Mais passeios

Cem um trenzinho improvisado com faróis de Fusca, volante de Jipe, acelerador de trator e assentos de caminhão. Por uma hora, o professor aposentado Luís Boff faz piadas e leva os turistas aonde quiserem. Também na cidade, sacoleje pela zona rural em quadriciclos do Treze Tílias Park Hotel. Em Piratura, jardineiras da Rota do Engenho passeiam pelos pontos turísticos da região.



Exposição

Contestado – nos trilhos da história, sobre os cem anos do conflito, fica até 26/8 em Videira. Depois, segue para Salto Veloso e Caçador. Entrada franca.

Comente aqui
07 jul10:02

Qual filme é melhor? "Homem-Aranha", de 2002, ou o novo "O Espetacular Homem-Aranha"?

Ticiano Osório | ticiano.osorio@zerohora.com.br

Dez anos separam este O Espetacular Homem-Aranha, de Marc Webb, que reconta a origem do super-herói dos gibis, com novo elenco, do Homem-Aranha dirigido por Sam Raimi, que deu a largada em 2002 a uma trilogia bem-sucedida nas bilheterias (os dois primeiros também conquistaram os críticos). Com tão curto intervalo entre um filme e outro, fica a pergunta: vale a pena assistir à superprodução que está em cartaz no Cinema Arcoplex Shopping Pátio Chapecó, em cópias 3D e convencionais, legendadas ou dubladas? ZH comparou os dois títulos.

>>

Veja o veredicto:

Andrew Garfield é a nova cara do super-herói antes vivido por Tobey Maguire.

A trama

> Como se espelhasse uma teia de aranha, o roteiro de O Espetacular Homem-Aranha interliga uma série de personagens e eventos. Na infância, Peter Parker é deixado aos cuidados de tia May e tio Ben – o pai, funcionário da Oscorp (a empresa de Norman Osborn, futuro vilão Duende Verde), ameaçado, precisa fugir. Já adolescente, o rapaz procura desvendar esse desaparecimento. Descobre que seu pai estava envolvido em um projeto com aranhas desenvolvidas em laboratório, ao lado do cientista Curt Connors – que, como os leitores dos gibis sabem, vai se transformar no Lagarto. Completando a ciranda, quem trabalha como estagiária de Connors na Oscorp é Gwen Stacy, a paixão platônica de Parker na escola.

A trama de Homem-Aranha é muito mais simples e bem resolvida. Um dos acertos é não forçar a mão nas coincidências – só há, basicamente, o fato de Norman Osborn ser pai do melhor amigo de Peter. Aliás, faz-se um bom uso do espelhamento na relação do Aranha com o Duende Verde: ambos surgem ao mundo na mesma noite.


Homem-Aranha > O Espetacular Homem-Aranha

Origem do herói

> Nos dois filmes, Parker é picado por uma aranha modificada geneticamente e descobre seus superpoderes em situações cotidianas, com humor – aos poucos no longa de Sam Raimi, com mais velocidade no de Marc Webb. Em ambos, um ringue de luta livre inspira a confecção do uniforme. A principal diferença: no primeiro, a teia é orgânica; no segundo, um artefato desenvolvido por Parker. Pode ser fiel aos quadrinhos, mas – me desculpem os fãs xiitas – faz mais sentido que um sujeito, ao adquirir poderes de aranha, também seja capaz de lançar teias.


Homem-Aranha > O Espetacular Homem-Aranha

O protagonista

> Visto na pele do brasileiro Eduardo Saverin em A Rede Social (2010), Andrew Garfield, o novo Peter Parker, tem recursos dramáticos que faltam a Tobey Maguire – que passa quase todo o filme de 2002 com uma cara de bobão. O ator americano de 28 anos (mas com cara de 18) transmite convincentemente a inaptidão de Peter para as relações humanas, sua alegria infantil diante das novas habilidades, sua fúria vingativa contra o assassino de um ente querido – e também sabe emprestar ironia e sarcasmo ao Aranha.


O Espetacular Homem-Aranha > Homem-Aranha

A mocinha

> Emma Stone é mais bonita e sensual do que Kirsten Dunst, mas a ruiva interpretada pela loira no filme de 2002 tem mais carne e osso do que a loira interpretada pela ruiva em 2012. Você compra desde a primeira cena a Mary Jane de Kirsten – uma suburbana que namora o valentão da escola, mas que, no fundo, sonha com uma vida totalmente diferente. Não dá para engolir que a Gwen Stacy de Emma seja um gênio da ciência. Ah, e o beijo de ponta-cabeça entre Aranha e MJ virou ícone – sem mais perguntas, meritíssimo.


Homem-Aranha > O Espetacular Homem-Aranha

O vilão

> É quase covardia. Em 2002, o inimigo era o maior de todos, o Duende Verde, encarnado com gana por Willem Dafoe, que um pouco antes havia sido indicado ao Oscar por A Sombra do Vampiro. Em 2012, o rival é até mais antigo – o Lagarto surgiu em 1963, um ano antes – e guarda em comum com o antecessor o desejo de brincar de Deus. Mas, no ranking dos vilões do Aranha, está abaixo de outros três personagens: Dr. Octopus, Escorpião e Venom (meu coraçãozinho oitentista inclui Kraven, o Caçador, protagonista de um gibi clássico daquela década, A Última Caçada de Kraven). Quem interpreta o Lagarto, com uma sobriedade digna de elogio quando está na pele de Curt Connors, é Rhys Ifans, de Um Lugar Chamado Notting Hill. Quando é o Lagarto em si que aparece em cena, o personagem vira apenas um barulhento monstro gerado em computação gráfica.


Homem-Aranha > O Espetacular Homem-Aranha

Os coadjuvantes

> O capitão Stacy encarnado por Denis Leary faz as vezes do impagável J. Jonah Jameson (JK Simmons) da trilogia original: é a, digamos, autoridade que empreende campanha contra o aracnídeo – e também uma das veias cômicas do filme (a tirada sobre Tóquio é hilária). O tio Ben, interpretado por Martin Sheen no novo filme, é mais robusto do que o vivido por Cliff Robertson em 2002 – e suas piadas, mais engraçadas, como aquela sobre o bolo de carne da tia May. Esta, por sua vez, foi melhor caracterizada em 2002: Rosemary Harris era a cara e o jeito da personagem, enquanto Sally Field nem se dignou a tingir os cabelos de branco – por favor, tia May já nasceu velhinha!


Homem-Aranha = O Espetacular Homem-Aranha

Cenas de ação e efeitos

> Se o filme de Webb perdesse nesse quesito, seria de fechar o estúdio que o produziu. No Homem-Aranha, chegam a ser fajutas as primeiras cenas de Parker voando pelos arranha-céus de Nova York – depois, já com o uniforme definitivo, a coisa melhora. Há bons combates do Aranha com o Duende, como a sequência na ponte do Brooklyn (“a escolha sádica de um lunático”, nas palavras do vilão), mas nada que se equipare a O Espetacular Homem-Aranha – curiosamente, de novo há uma eletrizante (e até tocante) cena na mesma ponte.


O Espetacular Homem-Aranha > Homem-Aranha

Fator Stan Lee

> Criador dos principais super-heróis da editora Marvel, Stan Lee, 89 anos, faz pontinhas nas adaptações para o cinema de seus personagens. No filme de 2002, a aparição é muito rápida e nada singular, durante um ataque do Duende Verde em Nova York. O Espetacular Homem-Aranha dá ao gênio a merecida reverência, em uma sequência mais extensa, mais criativa e bem divertida.


O Espetacular Homem-Aranha > Homem-Aranha

A transcendência

> Os gibis da Marvel se destacaram nos anos 1960 por não se resumirem a aventuras de super-herói. Os X-Men serviam de metáfora da perseguição às minorias étnicas e sexuais; o Hulk simboliza o inconsciente reprimido; o Surfista Prateado panfleteava mensagens de paz e ecologia. Ao Homem-Aranha, cabia refletir sobre as delícias e as torturas do universo adolescente. O Espetacular Homem-Aranha opera isso de modo mais cruel – logo, mais realista. Porém, comete o pecado de não citar, ipsis litteris, a frase-mantra do personagem e de qualquer garoto prestes a entrar na vida adulta: “Um grande poder traz grande responsabilidade”, dita com todas as letras por tio Ben em Homem-Aranha.


O Espetacular Homem-Aranha = Homem-Aranha

Veredicto

> Homem-Aranha 6×5 O Espetacular Homem-Aranha. Parece apertado, mas o primeiro reina nos quesitos mais nobres, e o novo ganha em categorias técnicas.


ZERO HORA



1 comentário
06 jul19:04

Duas pessoas ficam feridas em acidente na SC 468

Um acidente na manhã desta sexta-feira, dia 6 de julho, no Km 60 da SC 468, entre Coronel Freitas e Quilombo, deixou duas pessoas feridas. Segundo a Policia Rodoviária Estadual os veículos seguiam em sentido contrário quando ocorreu a colisão. Uma das hipóteses é de o carro vermelho tenha rodado na pista. A rodovia ficou interditada nos dois sentidos por cerca de 40 minutos.

Segundo os bombeiros e os policiais rodoviários que atenderam a ocorrência uma das causas do acidente pode ter sido a falta de aderência dos pneus traseiros do veículo com placas de Chapecó. O motorista do carro preto, de Quilombo, Walter Sponchiado, de 62 anos chegou a ficar preso nas ferragens.

O trabalho de resgate dos bombeiros durou cerca de meia hora. O motorista do veículo de Chapecó, Rui Carlos Vidal, de 26 anos, teve ferimentos leves. Os dois foram atendidos no Hospital de Quilombo e passam bem.


Comente aqui
06 jul18:41

Música: A hora do Teatro Mágico

Juliana Giongo* | juliana.giongo@atlantida.com.br

Desde 2003 O Teatro Mágico faz sucesso fora da grande mídia. Independente, o grupo foi criado pelo paulista Fernando Anitelli e reúne elementos do teatro, do circo, da música, da poesia, da política e do cancioneiro popular.

O Teatro Mágico é um projeto referência em música livre. Atualmente o som “Nosso Pequeno Castelo” está no Top 10 da MTV e toca na programação da Rede Atlântida.

Inspiradas nas obras de Hermann Hesse, escritor alemão ganhador do Prêmio Nobel de Literatura que apresentou o conceito de teatro mágico em seu livro O Lobo da Estepe, as composições tratam dos personagens que as pessoas precisam assumir nas diversas situações do cotidiano.

É a arte e a literatura invadindo a mídia de massa!!! Viva!!!


* Juliana Giongo é jornalista e comunicadora da Rádio Atlântida Chapecó.


Comente aqui
06 jul12:41

Já falta dinheiro nos caixas eletrônicos

Juliano Zanotelli e Caroline Passos

juliano.zanotelli@rbsonline.com.br | caroline.passos@diario.com.br

Em pleno período de pagamento dos trabalhadores e beneficiários do INSS, agências e caixas eletrônicos de Santa Catarina estão com falta de cédulas disponíveis para saque.

O dinheiro disponível neste momento já é proveniente de depósito realizado pelos próprios clientes. As cidades de Florianópolis, Criciúma e Chapecó são as mais prejudicadas, onde o último abastecimento nos caixas eletrônicos aconteceu no domingo passado, dia 1º. O problema deve seguir pelo menos até a próxima segunda-feira, dia 9.

O motivo é a greve dos trabalhadores das empresas de transporte de valores. O Sindicato dos Empregados em Transportes de Valores (Sintravasc) estima que 1,3 mil funcionários estão de braços cruzados em Florianópolis, Criciúma, Blumenau, Itajaí, Joinville e Chapecó. Trabalhadores de Tubarão, Joaçaba e Lages, por outro lado, retornaram ao trabalho na quarta-feira.

Com a falta de abastecimento de cédulas, algumas agências limitaram os valores máximos de saque ou mesmo retiraram de operação alguns terminais de autoatendimento. Orientadas pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), várias agências estão tentando minimizar o problema abastecendo guichês de caixa e terminais com os valores depositados pelos próprios clientes.


Responsabilidade é dos bancos, diz órgão de defesa

A Febraban, por nota, afirmou que a responsabilidade pela falta de dinheiro não pode ser imputada aos bancos em função da legislação vigente (Lei 7.102/83), que define que o transporte de numerário só pode ser efetuado por empresas de transporte de valores.

Já o presidente do Instituto de Defesa do Consumidor Bancário (IBDConB), Luciano Duarte Peres, contesta a posição da entidade e ressalta que, mesmo com a greve, a normalidade do serviço é de responsabilidade dos bancos.

— É responsabilidade dos bancos manter os caixas eletrônicos abastecidos. Em casos como este, eles têm a obrigação de dar alternativas aos clientes e orientar da melhor forma para não gerar prejuízos ao consumidor. Os consumidores lesados devem procurar o Procon, Banco Central e até abrir uma demanda no judiciário, dependendo do prejuízo gerado — diz.

A orientação do especialista ao consumidor que não conseguir sacar o dinheiro é que imprima um comprovante de que esteve no local tentando retirar a quantia desejada e, com o papel em mãos, procure os órgãos responsáveis.


Dicas para driblar o desabastecimento

A falta de cédulas nos bancos está sendo causada pela greve dos transportadores de valores, no entanto os bancos continuam abertos e com serviços funcionando. O pagamento de contas continua sendo processado normalmente nos bancos e meios eletrônicos (autoatendimento, internet e telefone).

O consumidor que se sentir prejudicado pela falta de dinheiro nos terminais deve imprimir um comprovante e, com o papel em mãos, procurar Procon e Banco Central para reclamar seus direitos.

Sem dinheiro nos bancos, consumidores podem recorrer aos correspondentes casas lotéricas (da Caixa) e Correios (do Banco do Brasil). Nos caixas de supermercado é possível pagar algumas faturas com cartão de débito.

No caso de um débito que não possa ser pago com boleto, cheque ou transferência direta entre contas-corrente, especialistas aconselham negociar prorrogação do prazo para pagamento até que o serviço bancário normalize.


Fonte: Febraban


Comente aqui
06 jul11:04

Primeiros voos no Aeroporto de Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O Embraer 145 da Força Aérea Brasileira foi a terceira aeronave a pousar no Aeroporto Serafim Enoss Bertaso de Chapecó, após a reforma da pista e liberação pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O voo chegou às 10h14 desta sexta-feira. Na aeronave com capacidade para até 50 passageiros estavam sete pessoas, quatro da tripulação e três passageiros, entre eles, a ministra-chefe, Ideli Salvatti, da Secretaria de Relações Institucionais.

A ministra vai participar do ato de assinatura do Termo de Cooperação com 55 municípios dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul participantes do Projeto Alto Uruguai 2 – Cidadania, Energia e Meio Ambiente. O evento é uma parceria da Eletrosul, Eletrobras, MAB, MPA e Universidade Federal da Fronteira Sul.

O Aeroporto ficou fechado por 75 dias. O tráfego aéreo foi liberado nesta sexta-feira, dia 6 de julho, a partir da 0h. Dez minutos depois da abertura um avião particular Baron, para seis passageiros estreou a pista. E nesta manhã, às 9h33 outra aeronave, um Senica, também para seis passageiros aterrissou na nova pista de 2.063 metros.

Segundo o controlador de operação aeronáutica do Aeroporto de Chapecó, Adilson Schroeder, mais dois voos estavam programados para esta manhã, mas devido a presença de nevoeiro não permitiu a aterrissagem

– Um deles foi para Pato Branco/PR e outro nem decolou de Florianópolis – disse o controlador.

Adilson disse ainda que mais voos estão programados para a tarde desta sexta-feira.

- Se vão conseguir pousar ou não vai depender das condições climáticas – completou.



Comente aqui
06 jul08:26

Seminário de Socialização será realizado em Chapecó

Com o objetivo de mostrar para o mercado publicitário de Chapecó e também para a comunidade em geral os Projetos Experimentais desenvolvidos pelos estudantes de Publicidade e Propaganda da Unochapecó, será realizado o Seminário de Socialização. O evento será às 20 horas do dia 12 de julho, no Sindicato dos Bancários em Chapecó.

De acordo com o professor da disciplina, Hilario Junior dos Santos, os projetos experimentais foram desenvolvidos pelos estudantes durante um ano, entre o projeto, o referencial teórico, pesquisas e implementação de ações. Ele comenta que nessa disciplina os alunos trabalham com clientes reais e buscam soluções de comunicação para essas empresas.

- Essa é a 7ª edição do evento e em 2012, serão apresentados 13 trabalhos – disse.

O professor explica que os Projetos Experimentais de 2012 têm os mais variados temas, entre eles, planejamento de comunicação, videoclipes, editoriais de moda, brandbook e campanhas.

Segundo Hilário a atividade objetiva também mostrar para a comunidade e para o mercado a qualidade dos trabalhos desenvolvidos pelos.

- Durante toda a formação, eles estudam cases das agências de comunicação de Chapecó e de todo o Brasil, e agora é a vez de mostrar para público externo da universidade o que esses alunos produziram e também, de certa forma, apresentá-los para o mercado – completou.


Comente aqui