Aduana

03 ago20:18

Aduana de Dionísio Cerqueira pronta só em novembro

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

As obras de reforma da Aduana de Dionísio Cerqueira, que deveriam ser concluídas neste mês, devem terminar somente em novembro. E esse é um dos motivos que reduziu em 29,5% o movimento de caminhões na fronteira. Os outros dois problemas, segundo o inspetor chefe da Receita Federal, Arnaldo Borteze, foram as restrições comerciais entre Brasil e Argentina e a greve dos funcionário s da receita federal e Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Borteze informou que as obras atrasaram porque a reforma está sendo feita sem paralisação da liberação das cargas. O pátio e o galpão de conferência já foram concluídos. O novo prédio administrativo está em andamento e falta o prédio dos despachantes, cerca e iluminação. O valor da obra, que iniciou há um ano, é R$ 9,8 milhões.

A redução no movimento afetou principalmente as importações, de vinho, frutas, inseticidas e cosméticos, que diminuíram em 16,2%. Mesmo assim as exportações aumentaram em 76%. Borteze explicou que esse acréscimo se deve principalmente ao aumento das vendas de carne bovina para o Chile. Uma carga de 25 toneladas representa cerca de US$ 100 mil.

No entanto a venda para o Chile teve uma redução de 40% em julho, que foi um dos meses mais fracos dos últimos anos na aduana. No entanto a Argentina deu sinal de retomada das compras de carne suína do Brasil. Também foram retomas as exportações de banana.

Os motoristas de caminhão até aprovam a reforma da Aduana, mas estão reclamando da greve. José Bonifácio, que é de Barracão-PR e está transportando maçã do Chile para São Paulo, disse que chega a ficar uma semana para ter a carga liberada. –Normalmente demorava dois dias- informou.

E não é só na aduana de cargas que houve redução no movimento. Na aduana turística, entre Dionísio Cerqueira e Bernardo de Irigoyen, no início do ano passavam três mil veículos por dia. Agora, passam somente cerca de mil.

O motivo é a inflação argentina, que elevou o preço dos produtos, principalmente combustíveis. Anteriormente muitos brasileiros atravessavam a fronteira para abastecer o veículo e fazer compras.


MOVIMENTO NA ADUANA DE DIONÍSO CERQUEIRA

Importações de janeiro a julho de 2012: US$ 203 milhões

Importações de janeiro a julho de 2011: US$ 242 milhões

Comparativo 2012 a 2011: Queda de 16,2%


Exportações de janeiro a julho de 2012: US$ 229 milhões

Exportações de janeiro a julho de 2011: US$ 137 milhões

Comparativo 2012 a 2011: Aumento de 76,4%


Movimento total de janeiro a julho de 2012: US$ 432 milhões

Movimento total de janeiro a julho de 2011: US$ 380 milhões

Comparativo 2012 a 2011: Aumento de 13,6%


Movimento de caminhões de janeiro a julho de 2012: 9.320

Movimento de caminhões de janeiro a julho de 2011: 13.225

Comparativo 2012 a 2011: Queda de 29,5%


Despachos de janeiro a julho de 2012: 8.965

Despachos de janeiro a julho de 2012: 12.357

Comparativo 2012 a 2011: Queda de 27,4%


FONTE: Receita Federal de Dionísio Cerqueira


Comente aqui
05 jul19:20

Movimento de caminhões cai 38% na aduana de Dionísio Cerqueira

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O movimento na Aduana de Cargas de Dionísio Cerqueira, na fronteira com a Argentina, caiu 38% no mês de junho, em relação ao mesmo período do ano passado. O número caiu de 2001 veículos para 1228, segundo dados da Receita Federal.

Mas essa queda não é reflexo da greve dos fiscais da receita federal e sim da reforma na aduana e a briga comercial entre Brasil e Argentina, segundo o inspetor chefe da Receita Federal em Dionísio Cerqueira, Arnaldo Borteze.

A greve da receita federal iniciou no dia 18 de junho mas não houve acréscimo nas filas, em virtude da queda no movimento. A maioria dos caminhões são liberados em dois dias, segundo Borteze. No entanto alguns caminhões chegaram a ficar dois meses na aduana, até que o governo brasileiro liberasse a importação, como resposta à restrição de importação de produtos brasileiros, como a carne suína. Apesar do anúncio da liberação da venda desses produtos na prática ainda nada ocorreu.

Ontem 120 caminhões estavam no pátio da Aduana. Mas esse número é considerado até abaixo do normal, que são 200 caminhões. Borteze lembrou que, em abril, havia uma fila de 200 caminhões somente no lado argentino, no lado de fora do pátio. O motivo era a safra da cebola e a redução pela metade da capacidade do pátio, que estava em reforma.

Agora estão liberadas as 200 vagas de estacionamento, faltando a estrutura administrativa e outras melhorias, que devem ser concluídas até outubro.

Apesar da queda no número de caminhões o movimento econômico da Aduana cresceu 15,3%, de R$ 52 milhões em junho do ano passado para R$ 60 milhões em junho deste ano. A importação caiu 10% mas as exportações cresceram 65%, principalmente em virtude do aumento da venda de carne suína para o Chile.

A despachante responsável pela importação e exportação da NJK Despachos Aduaneiros, Maria Lúcia Veit, confirmou que não há filas na aduana, justamente em virtude da briga comercial entre Brasil e Argentina. Ela destacou que houve redução nas compras em virtude das exigências burocráticas. Um caminhão que foi liberado ontem estava há 12 dias na fila.

Em relação à “Operação Padrão” dos fiscais da Receita Federal, que estão aumentando as exigências para liberar as cargas, há a demora de até cinco dias em algumas cargas. Mas outras podem ser liberadas no mesmo dia.


Comente aqui
22 mai11:41

Exportações crescem 66% pela Aduana de Dionísio Cerqueira

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Mesmo com as dificuldades impostas pela Argentina para a entrada de produtos brasileiros as exportações pela aduana de Dionísio Cerqueira aumentaram 66% no primeiro quadrimestre, em relação aos quatro primeiros meses do ano passado. Em 2012 as exportações movimentaram US$ 138 milhões nesse período, contra US$ 83 milhões no ano passado.

O inspetor chefe da Receita Federal em Dionísio Cerqueira, Arnaldo Borteze, desde 2005 a Aduana não registrava superávit nas exportações. O motivo do crescimento é a venda de carne bovina para o Chile, que estava interrompido desde os focos da aftosa no Mato Grosso do Sul e Paraná, em 2005, e foram retomadas no ano passado. Essa carne é proveniente de São Paulo e Centro Oeste, apenas passando pela aduana catarinense.

Borteze destacou que diariamente 30 caminhões saem do Brasil carregados, sendo 80% para o Chile. No ano passado, mais de 70% das vendas eram para a Argentina, que caíram cerca de 60% após a adoção de algumas medidas como licenças prévias de exportação e autorização da Receita Federal de Buenos Aires, que antes não existiam. Com isso as cargas que demoravam três dias agora levam 10 a 15 dias para serem liberadas.

Com isso houve uma redução no movimento de caminhões, mas o valor das cargas de carne, que é de US$ 100 mil para contêineres de 22 a 27 toneladas, é bem maior que os US$ 3 mil a US$ 4 mil por uma carga de banana.

O motorista Ivolnei dos Santos, confirma o aumento das viagens para o Chile. –Aumentou 20 a 25%- calculou. Antes ele fazia 1,5 a duas viagens por mês. Agora, faz pelo menos 2,5 viagens. Ele leva carne bovina do Mato Grosso para Santiago do Chile. A viagem dura uma semana para percorrer mais de quatro mil quilômetros. Mas compensa na melhor remuneração.

Borteze disse que a tendência é fechar um ano em superávit mantida a atual tendências nas vendas, mesmo com os problemas com a Argentina. Além da carne o Chile compra bobinas de papel. Já a Argentina compra produtos como carnes bovina, suína e de frango; banana, abacaxi e tomate.

O Brasil importa dos dois países frutas, inseticidas, cosméticos, enlatados, farinha, cebola e vinhos.


Obras em aduana causa filas

As obras da nova aduana de Dionísio Cerqueira, que iniciaram no ano passado, tem gerado filas na fronteira. Na semana passada mais de 200 caminhões estavam na fila no lado argentino e 30 no lado brasileiro. A aduana libera em média 80 cargas por dia. Hélio Boito, que estava levando pera do Chile para Pato Branco-PR, estava há oito dias na fila. –Antes das obras levava dois a três dias- lembrou. Ele reclamou que os motoristas ficam na beira da estrada sem banheiro e local de alimentação.

O inspetor chefe da Receita Federal em Dionísio Cerqueira, Arnaldo Borteze, disse que há um movimento grande por causa da safra de cebola e o pátio de estacionamento da aduana foi reduzido de 190 para 80 vagas, com as obras.

Ele afirmou que a previsão de conclusão é agosto ou setembro. O novo pátio de estacionamento será entregue em duas semanas. O galpão de conferência, que antes não existia, está quase concluído. Também estão em fase final os banheiros. A nova sede administrativa está nas fundações. O investimento total é de R$ 10 milhões.

Borteze disse que a nova obra vai trazer mais conforto e agilidade para os funcionários e motoristas. Além de gerar filas, as obras e as restrições burocráticas da argentina reduziram o movimento de caminhões na aduana.

Nos primeiros quatro meses do ano passaram pela aduana 5.513 caminhões, contra 7.743 no mesmo período do ano passado.


MOVIMENTO NA ADUANA DE DIONÍSIO CERQUEIRA

EXPORTAÇÃO

2003: US$ 175 milhões

2004: US$ 220 milhões

2005: US$ 177 milhões

2006: US$ 59 milhões

2007: US$ 76 milhões

2008: US$ 95 milhões

2009: US$ 88 milhões

2010: US$ 211 milhões

2011: US$ 340 milhões

2012*: US$ 138 milhões

*janeiro a abril


IMPORTAÇÃO

2003: US$ 60 milhões

2004: US$ 76 milhões

2005: US$ 118 milhões

2006: US$ 177milhões

2007: US$ 226 milhões

2008: US$ 287 milhões

2009: US$ 286 milhões

2010: US$ 371 milhões

2011: US$ 415 milhões

2012*: US$ 118 milhões

*janeiro a abril


Fonte: Inspetoria da Receita Federal de Dionísio Cerqueira


Comente aqui
16 mai09:27

Exportação para a Argentina cai

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

As exportações do Brasil para a Argentina pela aduana de Dionísio Cerqueira caíram 60 a 70% no primeiro quadrimestre de 2012, segundo o inspetor chefe da Receita Federal local, Arnaldo Borteze.

Ele afirmou que o movimento de caminhões com destino ao exterior baixou de 2.126 para 1.765. Esse número só não foi maior devido ao aumento da venda de carne bovina para o Chile. – No ano passado cerca de 60% das cargas eram para Argentina, hoje 80% vai para o Chile – disse Borteze.

O motivo da queda foram as novas exigências de licenças adotadas pelo país vizinho desde o início do ano. A liberação das cargas, que antes era automática ao passar pela aduana, agora depende de uma aprovação vinda da Secretaria de Comércio Exterior, em Buenos Aires. Essa licença demora de uma semana a 10 dias.

Borteze disse que cargas perecíveis, como banana e tomate, chegaram a estragar. Por isso as empresas exportadoras não estão nem mandando as cargas para a aduana. No ano passado, eram 10 a 15 cargas de banana passavam por Dionísio Cerqueira e entravam na Argentina. Agora, passa no máximo uma carga por dia.

Diariamente são exportadas 30 cargas mas quase todas para o Chile. Borteze disse que o movimento da aduana só não diminuiu no primeiro quadrimestre porque as cargas de carne bovina são bem mais valiosas. Enquanto uma carga de banana custa US$ 3 mil a US$ 4 mil, uma carga com 22 a 25 tonelada de carne custa US$ 100 mil.

A Aduana como um todo movimentou US$ 256 milhões no primeiro quadrimestre. Disto, US$ 138 milhões foram de exportações. O movimento total de caminhões, entre importação e exportação, foi 5.513 no primeiro quadrimestre, contra 7.463 do mesmo período do ano passado. Além dos problemas com a Argentina a reforma na aduana também está atrapalhando o movimento.

Mesmo com os problemas com a Argentina as filas são de apenas 30 caminhões no lado brasileiro, pois as empresas nem mandam mais cargas de produtos perecíveis para a aduana. No lado argentino a fila é maior, entre 100 e 150 caminhões, em virtude da safra de cebola argentina.


Comente aqui
25 fev08:08

Protecionismo argentino reduz exportações em 40%

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

As medidas protecionistas da Argentina adotadas a partir deste mês reduziram em cerca de 40% o movimento das exportações na Aduana de Dionísio Cerqueira. Em fevereiro do ano passado 511 caminhões passaram pelo local rumo à Argentina e Chile. Neste mês, o número não deve chegar a 300 segundo o Inspetor Chefe da Receita Federal em Dionísio Cerqueira, Arnaldo Borteze. Até quinta-feira, apenas 247 cargas tinham saído do país por Santa Catarina.

Isso traz prejuízo para os exportadores e para o país. Em fevereiro do ano passado as vendas externas que passaram pela Aduana chegaram a US$ 25 milhões. Neste ano, somaram US$ 17 milhões até agora e deve atingir apenas R$ 19 milhões. São US$ 6 milhões a menos do que no ano anterior. E o inspetor chefe da Receita Federal acredita que esse prejuízo é ainda maior, pois havia uma expectativa de venda de US$ 40 milhões, que foi a média do último trimestre do ano passado. Esse acréscimo se dá a um crescimento na venda de carne bovina para o Chile e a um acréscimo natural que a aduana vinha tendo nos últimos anos. Desde outubro de 2009, quando 251 caminhões saíram do país, a aduana não tinha um movimento tão baixo.

Borteze lembrou que até janeiro, a liberação das cargas era feita em um a dois dias. Bastava uma conferência da carga, o despacho aduaneiro no Brasil e depois o despacho aduaneiro no lado argentino. A partir de primeiro de fevereiro os exportadores necessitam de uma Declaração Jurada Antecipada de Exportação, que demora até 10 dias. Depois disso, o caminhão vai para a aduana. Ontem a fila estava em 70 caminhões no lado brasileiro. E só não estava maior porque os transportadores esperam esta declaração antes de enviar as cargas. O problema continua depois porque, além da declaração antecipada e dos despachos aduaneiros, a carga agora necessita de uma Autorização de Entrada de Mercadoria, que é fornecida pela Secretaria de Comércio Exterior. Esse documento pode demorar até 10 dias.

O diretor da Tropical Exportação e Importação Ltda, Luciano Wendramin, disse que deveria exportar 45 cargas de frutas neste mês e, até agora, encaminhou apenas 17. Além disso ele trabalha com um produto perecível, que é banana. –Com a demora na liberação nosso produto perde qualidade e muitas vezes se deteriora- disse. Wendramin afirmou que seus clientes estão ficando sem matéria- prima e, além disso, atrapalha também a importação de outras frutas, como pera e maçã argentina. –O caminhão que levaria a banana busca também outras frutas na Argentina- explicou.

Com isso a empresa perde dinheiro e aumenta os gastos com transporte. Um caminhão parado representa prejuízo de US$ 190 por dia. –O pior ainda é a incerteza de quando as cargas serão liberadas- afirmou.

O motorista Ivaldo Alberton, que está levando banana de Luís Alves para Buenos Aires, já está há uma semana na Aduana. Ele esperava liberar a carga até o final da tarde de ontem, senão teria que esperar no mínimo até terça-feira, já que na segunda-feira é feriado no país vizinho.

Mas não é só no lado brasileiro que há fila. Na parte argentina também há cerca de 170 caminhões parados. Boaventura de Paula Neto está desde segunda-feira na fila, com uma carga de alho, que está transportando de Mendoza para Pato Branco-PR. Ele reclama da falta de infraestrutura, como banheiros e restaurantes.

Arnaldo Borteze explicou que há um aumento no fluxo de importação, pela safra da cebola. Outro problema é a construção da nova aduana, que diminuiu as vagas no pátio de 190 para 90. A obra no valor de R$ 10 milhões começou em agosto do ano passado e tem prazo de conclusão de um ano. Borteze afirmou que a nova estrutura conta com algumas melhorias, como local de conferência de mercadorias. –Essa obra deve agilizar o fluxo das mercadorias- garante o inspetor chefe da Receita Federal.


DADOS DA ADUANA DE DIONÍSIO CERQUEIRA

Exportações em 2010: US$ 211 milhões

Exportações em 2011: US$ 340 milhões

Exportações em fevereiro de 2011: US$ 25 milhões

Exportações em fevereiro de 2012: US$ 17 milhões até quinta-feira, devendo chegar a US$ 19 milhões até o final do mês

Importações em 2010: US$ 371 milhões

Importações em 2011: US$ 415 milhões

Importações em fevereiro de 2012: US$ 25 milhões

Caminhões de exportação que passaram pela aduana em fevereiro 2011: 511

Caminhões de exportação que passaram pela aduana em fevereiro de 2012: 247 até quinta-feira, podendo chegar a 300 até o final do mês

Principais produtos de exportação para a Argentina: Carne suína, carne de frango, frutas tropicais e móveis. (O Chile compra bom volume de carne bovina)

Participação da Argentina no volume exportado: 50%

Participação da Argentina no faturamento exportado: 30%

Fonte: Receita Federal


Comente aqui