Aeroporto

22 mar09:50

Aeroporto ficará fechado por 75 dias em Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A partir do dia 21 de abril o aeroporto municipal Serafim Enoss Bertaso será fechado por um período de 75 dias, para a reforma da pista. A informação foi repassada ontem pelo procurador geral do município, Thiago Etges, em entrevista coletiva.

Inicialmente o município tinha planejado fazer a obra em três etapas, mantendo o funcionamento parcial e interditando totalmente apenas num período de 15 a 30 dias. No entanto foi avaliado com a empresa vencedora da licitação, a Planaterra, que haveria muito transtorno na montagem e desmontagem dos equipamentos. –Levaria duas horas só para montar os equipamentos- afirmou o engenheiro da Prosul, empresa que realizou o projeto, Gulherme Manenti Peruchi.

Ele destacou que até uma usina de asfalto será montada no aeroporto, para agilizar as obras.

O Plano Operacional de Obra se Serviços foi aprovado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mas ainda deve passar por algumas adequações, segundo Etges. Desde o dia primeiro de março o aeroporto foi interditado parcialmente, pois a Anac restringiu o uso da pista para aeronaves até 72 lugares, por motivo de deterioração da pista. Antes havia a operação de aeronaves com até 144 lugares.

Etges afirmou que o período de 30 dias para a interdição foi definido para permitir às companhias aéreas adequarem suas operações. Há possibilidade de deslocar os voos para o aeroporto de Passo Fundo, que fica a 200 quilômetros de Chapecó. A Avianca já tinha transferido suas operações para o aeroporto gaúcho. A Gol começou a operar com aviões menores, a Trip manteve os voos já existentes e colocou voos charter e a NHT continuou a operar normalmente. Outra opção seria utilizar outros aeroportos da região, como o de Concórdia, mas para isso seria necessária estrutura de segurança.

De acordo com o administrador do aeroporto, Eglon Buraseska, as empresas vão vender passagens somente com sete dias de antecedência. Ele citou que após a conclusão, a nova pista poderá comportar aeronaves com até 200 passageiros e aviões cargeiros. A Gol sinalizou a operação com o Boeing 737 800 e a Avianca deve operar com o Airbus A 320. O secretário de Defesa do Cidadão, Sérgio Wallner, disse que a nova pista poderia receber até cargueiros. No entanto para ampliar as operações do aeroporto, seria necessário outras melhorias, como mais um caminhão de bombeiros e mais profissionais.

A proposta inicial é retomar a operação nos mesmos moldes de antes da interdição, quando eram realizados oito voos diários e uma movimentação mensal de 23 mil embarques e desembarques.

A reforma da pista vai custar R$ 10,6 milhões, sendo R$ 9 milhões do Governo do Estado e R$ 1,6 milhão da Prefeitura.

Negócios prejudicados e transtornos

O fechamento do aeroporto vai trazer transtornos para os usuários e vai prejudicar negócios e feiras. Já com a interdição parcial muitas pessoas tiveram que enfrentar até 11 horas de ônibus até Florianópolis por falta de vagas. As passagens chegaram a R$ 1,2 mil de Chapecó para a capital catarinesne.

A Chapecoense já teve que fazer viagens de ônibus por falta de avião. O presidente da Aurora Alimentos, Mario Lanznaster, disse que a interdição vai criar problemas para o setor produtivo, já que a região recebe inúmeras missões internacionais. No entanto ele considera que deve haver uma compreensão da sociedade pois essa é uma medida que vai resolver de ver o problema da pista.


COMO VAI FUNCIONAR A REFORMA

A pista do aeroporto de Chapecó tem 2.563 metros de comprimento.

Trecho de 0 a 1,500 metros: Neste local existe hoje uma camada de 11 centímetros de capa asfáltica, mais 32 centímetros de pedra e brita. Será realizada uma fresagem na pista para a retirada de uma camada de quatro centímetros onde o asfalto está trincado. Depois será aplicada uma nova camada de asfalto, variando de 7,5 centímetros a 15 centímetros.

Trecho de 1.500 metros a 2063 metros: Tem atualmente 10,5 centímetros de capa asfáltica, mais 20 centímetros de brita e 35 centímetros de solo compactado. Esse trecho está interditado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Serão removidos o asfalto e o subleito e mais uma camada de terra, totalizando 1,5 metro.

Depois serão colocados 35 centímetros de pedra, 20 centímetros de brita, 7,5 centímetros de asfalto mais simples denominado binder e outra camada de 5 centímetros de asfalto mais resistente.

Trecho de 2.063 a 2.563: Trecho não homologado e que não será necessário ser mexido.


DADOS DA OBRA

Veículos: 25 caminhões, duas fresadeiras, dois vibroacabadores, oito rolos compactadores, uma retroescavadeira, uma valetadeira, quatro escavadeiras, uma carregadeira, uma máquina de pintura, duas motoniveladoras, três tratores agrícolas, três tratores de esteira.

Trabalhadores: 70

Turno de trabalho: 20 horas por dia

Período de execução: de 21 de abril a 5 de julho

Drenagem: 12 mil metros

Retirada de terra: 10 mil metros cúbicos, para as quais serão necessárias mil viagens de caminhão.

Retirada de resíduos de asfalto: 7,6 mil toneladas

Volume de pedra utilizado na obra: 22 mil toneladas

Volume de massa asfáltica: 26 mil toneladas

Será instalada uma usina móvel no aeroporto



1 comentário
21 mar16:25

Aeroporto Municipal Serafim Enoss Bertaso de Chapecó ficará 75 dias fechado

O Aeroporto Municipal Serafim Enoss Bertaso será fechado para operações de pouso e decolagens entre 21 de abril e 5 de julho em razão das obras de fresagem do pavimento – remoção e restauração completa da atual pavimentação incluindo obras complementares a exemplo dos serviços de drenagem. A expectativa é concluir todos os serviços em 75 dias.

De acordo com o Procurador Geral do Município Thiago Etges a interrupção total das operações de voo no Aeroporto representa um cenário ‘razoável’ e ‘menos problemático’ para usuários e operadoras, além de atender exigências e recomendações da Agência Nacional de Aviação Civil – Anac. Para minimizar os transtornos, usuários e operadoras tem 30 dias para organizar viagens conforme o cronograma das obras programadas para iniciar em 21 de abril.

Os serviços consistem na remoção total do pavimento e na implantação de drenagens em diversos pontos da pista. Serão executados pela Planaterra com recursos de R$ 11,6 milhões, dos quais R$ 9 milhões são do Governo do Estado e R$ 2,6 milhão do município.

A empresa montará uma usina móvel de asfalto junto ao canteiro de obras para agilizar os serviços. Além disso, trabalhará com dois turnos de 10 horas contínuos, a partir das 4h da manhã. Deverá movimentar 25 toneladas de asfalto e 45 mil metros cúbicos de terra e pedra.

Thiago Etges reiterou o entendimento de que a solução encontrada, ainda que difícil, é a mais apropriada. Citou o caso do Afonso Pena, de Curitiba/PR. Lá, as obras iniciaram em setembro do ano passado e devem se estender até outubro ou novembro deste ano, paralisando 3,8 mil voos. Os trabalhos são realizados das 24h às 4h da manhã. Além disso, no caso de Chapecó, em algum estágio das obras, as operações seriam interrompidas, necessariamente, por pelo menos 30 dias. Com o cronograma anunciado, todos os grandes eventos programados para o segundo semestre – como feiras, congressos, convenções, etc. – poderão ser mantidos sem problemas.


5 comentários
16 mar13:35

Horários de voos

Confira os horários de partida dos voos que saem do Aeroporto Municipal Serafim Enoss Bertaso. Das cinco companhias, apenas quatro estão operando voos no Aeroporto devido a restrição imposta pela Anac.

>> Horários de voos

Nos próximos dias será possível acompanhar também os horários de chegadas.


Telefones:

Avianca: 49 3323-0444 | www.avianca.com.br

Azul Linhas Aéreas: | www.voeazul.com.br

Gol Linhas Aéreas: 49 3322-2092 | www.voegol.com.br

NHT Linha Aéreas: 49 3329.9179 |www.voenht.com.br

Trip Linhas Aéreas: 49 3323-5585 | www.voetrip.com.br



Comente aqui
16 mar13:20

Concórdia pode operar voos que atuavam no aeroporto de Chapecó

O prefeito João Girardi encaminhou ofício, na manhã desta sexta-feira, para as empresa aéreas Trip, NHT, Avianca e Gol, que atuam no aeroporto Serafim Enoss Bertaso de Chapecó. Ele colocou o aeroporto de Concórdia à disposição para voos.

A decisão foi tomada em função da restrição do aeroporto de Chapecó que, devido às obras de melhorias a serem efetuadas, poderá ficar fechado por um período de até 60 dias. – Concórdia tem um aeroporto dotado da infraestrutura necessária para aeronaves com até 60 passageiros e, com certeza, podemos disponibilizá-lo – disse o prefeito.

O aeroporto municipal está homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil – Anac para voos regulares. Possui balizamento noturno, com farol indicativo e também tem instalado o Papi – Pouso Assistido Por Instrumentos.

- O terminal de embarque e desembarque foi reformado para oferecer melhor mobilidade e conforto aos passageiros – lembrou o prefeito.

Segundo Girardi, é uma forma de colaborar com as pessoas que precisam deste meio de transporte e estão tendo que se deslocar para aeroportos mais distantes.


Comente aqui
15 mar09:59

Bilhetes entre Chapecó e Florianópolis por R$ 1,2 mil

A Gol fretou aeronaves da Passaredo mas os passageiros estão reclamando do valor das passagens. Na segunda-feira, uma passagem para o voo das 7 horas de sábado para Florianópolis estava mais de R$ 1 mil.

>> Confira os horários de voos

Eduardo Damo,gerente de uma agência de viagens de Chapecó, informou que nesta semana foi vendido um bilhete só de ida para Florianópolis por R$ 1,2 mil. Para se ter uma ideia na baixa temporada é possível ir para a Europa e voltar para Chapecó por R$ 2,2 mil. O número de assentos de tarifas econômicas também diminuiu, pois antes as aeronaves tinham 144 lugares e, agora, tem 50. Por isso as vagas promocionais esgotam antes. Além disso ele observou um acréscimo de 30% nas tarifas econômicas. –Antes as passagens mais baratas saíam por R$ 140, R$ 150 e agora estão em torno de R$ 230- explicou. Damo disse que há passageiros desistindo do avião e optando por ônibus ou carro.


O empresário Cidnei Luiz Barozzi vai gastar quase o triplo do que iria gastar para ir a São Paulo.


O empresário Cidnei Luiz Barozzi vai gastar quase o triplo do que iria gastar para ir a São Paulo. Ele tinha comprado uma passagem antecipadamente, no final de fevereiro, com a Avianca, saindo de Chapecó amanhã de manhã, pois tem uma reunião do Conselho Fiscal da Associação Brasileira da Indústria Gráfica na capital paulista. O valor de ida e volta era de R$ 600. Como a empresa não está operando com voos de Chapecó desde a interdição, ele teve que comprar uma passagem com a Gol. Mesmo comprando com sete dias de antecedência, pagou R$ 1.713 mil, quase o triplo do valor inicial. Barozzi até pensou em viajar de ônibus. Mas, como tinha posse como diretor financeiro da Associação Comercial e Industrial de Chapecó, noite de hoje, foi obrigado a pagar o valor que considera “abusivo”.

>> Aeroporto de Chapecó ficará fechado entre 15 e 60 dias

O gerente executivo da Associação Comercial e Industrial de Chapecó, Fábio Magro, disse que tem recebido várias reclamações dos preços das passagens aéreas. Ele lembrou que antes da interdição era possível comprar passagens por pouco mais de R$ 100 para Florianópolis. Agora elas custam R$ 300, R$ 400, R$ 500, segundo o diretor.

A assessoria de imprensa da Gol afirmou que o preço médio das passagens até reduziu, e que é possível encontrar tafiras promocionais por R$ 223. Mas reconhece que o número de tarifas promocionais é proporcional ao número de assentos de cada aeronave.


Comente aqui
14 mar23:09

Aeroporto de Chapecó ficará fechado entre 15 e 60 dias

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br*

O aeroporto Serafim Enosso Bertaso, em Chapecó, que opera com restrição desde o dia primeiro de março, por problemas de degeneração na pista, terá que ser interditado de 15 a 60 dias para reforma da pista. A informação foi confirmada na tarde de ontem pelo Secretário de Planejamento do município, Nemésio Carlos da Silva.

Ele afirmou que a previsão consta do Plano de Operacional de Obras e Serviços, que está sendo analisado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Nemésio disse que a partir do momento que for aprovado o plano, iniciam as obras. Os recursos, de R$ 9 milhões do Governo do Estado e mais R$ 2,6 milhões da Prefeitura já estão disponíveis. A empresa vencedora da licitação para reforma da pista já foi definida por edital, que é a Planaterra.

A proposta da reforma encaminhada pela prefeitura prevê duas etapas. A primeira será nos 500 metros que foram interditados pela Anac e vai levar 30 dias. A segunda será nos 1.763 metros restantes, que necessitam da interrupção dos voos. Nemésio Carlos da Silva disse que esta etapa pode ser feita entre 15 e 60 dias, que é o prazo solicitado para a Anac. A ideia é remover a atual pista e fazer uma completamente nova, com drenagem para corrigir as infiltrações de água no subleito. A nova pista terá uma camada de 70 centímetros e vai permitir o pouso de aeronaves maiores, com o A 320 da Avianca e o Boeing 737 800 da Gol, que tem 184 lugares. Antes da interdição a maior aeronave em operação era o Boeing 737 da Gol, com 144 lugares. Atualmente, só podem operar aeronaves com até 72 lugares. Ele destacou que a data da interdição e a forma como a obra vai ser executada dependem da aprovação da Anac. A agência informou que recebeu o plano na semana passada e está fazendo a análise técnica.

A interdição vem trazendo uma série de transtornos para o usuários do aeroporto. O casal Ricardo Bettanin e Lizandra Cornélis, que trabalha na Alemanha e veio passar as férias com o familiares em Pinhalzinho, teve que pousar em Passo Fundo e viajar de van três horas até Chapecó. Desde a interdição a Avianca está sem operar em Chapecó. Bettanin reclamou do desencontro de informações.

O aeroporto de Chapecó movimenta cerca de 23 mil passageiros por mês. Antes da interdição tinha a Gol e Avianca operando duas saídas e duas chegadas por dia para Florianópolis e São Paulo. Também tinha a Trip operando diariamente para Porto Alegre  e interior do Paraná, além da NHT com linha para Curitiba.

A partir de hoje a Trip vai passar a oferecer novos voos charter para Florianópolis e, a partir do dia 18, a Azul também começa a operar voos diários para Campinas-SP. Com isso deve melhorar o atendimento à demanda.

Muitos passageiros estão indo de carro ou de ônibus. A Reunidas, por exemplo, registrou um aumento de até 50% na procura de passagens para Florianópolis, segundo alguns funcionários. A empresa até colocou um ônibus leito extra para Florianópolis no final de semana para atender o aumento na demanda.

A Federação das Indústrias de Santa Catarina está preocupada com a situação do aeroporto de Chapecó, pois isso pode interferir na economia do estado, já que a região é polo mundial no setor agroindustrial. Frequentemente a região recebe missões internacionais que vão prospectar e fechar negócios. Ontem teve uma reunião na sede da Fiesc, com a participação do prefeito José Cláudio Caramori. O prefeito disse que o município está tomando as medidas para reestabelecer a normalidade da pista. –Em breve esse problema estará resolvido, mas precisamos mais investimentos do Governo Federal- disse.

Ele destacou que o aeroporto serve para uma região de mais de 300 municípios dos três estados do Sul e deve ser encarado como estratégico para o Mercosul.

O município tem um projeto de novo terminal de passageiros, no valor superior a R$ 60 milhões, dando ao aeroporto um padrão internacional. Ele informou que a concessão do Governo do Estado para o município termina em 2013 e a intenção do município é realizar uma concessão para a iniciativa privada.


Números do aeroporto

Pousos e decolagens em 2010: 92 mil

Pousos e decolagens em 2011: 123 mil

Voos diários: 8

Pista: tem 2563 metros, sendo 500 não homologados. Outros 500 estão interditados. Opera atualmente com 1763 metros.


*Colaborou Juliano Zanotelli



4 comentários
12 mar12:33

Trip terá novos voos diários entre Florianópolis e Chapecó a partir do dia 15

A Trip Linhas Aéreas foi autorizada a operar novos voos diários entre Chapecó e Florianópolis. Será a primeira vez que a companhia irá disponibilizar ligações de Florianópolis com o interior de Santa Catarina. O objetivo é que os passagerios tenham mais opções de destinos a partir de Florianópolis, beneficiando principalmente aqueles que viajam a negócios. A rota Florianópolis-Chapecó será operada por aviões turboélices ATR 72 e os voos serão disponibilizados a partir de 15 de março de 2012.


Confira abaixo os horários dos novos voos:

Florianópolis – Chapecó saída às 10h20, chegada às 11h35

Florianópolis – Chapecó saída às 20h00, chegada às 21h15

Chapecó – Florianópolis saída às 7h45, chegada às 9h00

Chapecó – Florianópolis saída às 17h45, chegada às 19h00.


A Trip tem atualmente 56 aeronaves que operam em 88 cidades do Brasil.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
08 mar16:50

Azul vai operar no Aeroporto de Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A Azul Linhas Aéreas será a quinta companhia aérea a operar no Aeroporto Serafim Enoss Bertaso de Chapecó. A empresa confirmou através de nota na tarde desta quinta-feira, um voo diário partindo de Chapecó para o Aeroporto Viracopos de Campinas/SP. Os voos partem de segunda a sexta, às 14h35, no sábado às 12h05 e no domingo às 16h. As passagens já estão à venda no site da empresa.

Por conta das restrições feitas pela Agência Nacional de Aviação Civil – Anac, na pista do aeroporto, a empresa fez mudanças no pedido encaminhado à agência reguladora. As operações seriam com jatos com capacidade para 106 e 118 passageiros, agora serão com turboélices ATR 72-600, com capacidade para 70 lugares.

Em abril, após aprovação da Anac, a companhia deverá oferecer mais um voo diário em Chapecó. A empresa atua também nas cidades catarinenses de Florianópolis, Navegantes e Joinville.


1 comentário
08 mar09:58

Gol retoma venda de passagens em Chapecó

A empresa aérea Gol retomou  a venda de passagens na linha Chapecó/Florianópolis, que estava suspensa desde o dia primeiro de março, por determinação da Agência Nacional de Aviação Civil.

Os horários saindo de Chapecó são: 07h , 12h, 15h05 e 18h35. Os horários partindo de Florianópolis são 13h40, 17h e 20h.


Trip também vai operar voos fretados

A Trip Linhas Aéreas foi autorizada a fazer voos fretados de Chapecó para Florianópolis e Curitiba. O objetivo é permitir que moradores da principal cidade do Oeste tenham acesso direto entre as capitais. Haverá conexões a partir Curitiba. Serão usados aeronaves ATR 72.

As operações iniciam no dia 15 de março.



Comente aqui
06 mar09:31

Voos locados podem ser alternativa para o Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A utilização de voos locados para o Oeste de Santa Catarina pode ser uma alternativa para suprir a demanda dos passageiros, após a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) restringir os voos de Chapecó para aviões até 72 lugares.

A Trip já solicitou 12 voos “Charter” para a administração do aeroporto Serafim Enoss Bertaso, que ainda dependem de aprovação da Anac.

A Anac interditou parcialmente o aeroporto na quinta-feira passada, por sinais de deterioração na pista. Alguns voos foram cancelados. A Gol contratou aeronaves de 50 lugares da Passaredo para levar quem já tinha comprado passagem. São seis voos diários. A advogada Melissa Dandels, que voou de Passo Fundo para Florianópolis, disse que os voos atenderam bem sua demanda e que não sofreu nenhum contratempo.

O mesmo não se pode dizer de outros passageiros. O corretor de imóveis Vandré Lazzarotto, tinha passagem às 14 horas de Chapecó para Florianópolis e recebeu a informação que teria voo apenas às 18 horas. A mesma situação é do garçom Vadeni Portella de Lima.

Os negócios da região também estão sendo prejudicados. O agente de viagens João Paulo Ribeiro disse que tem quatro empresários norte-americanos que estão com passagens marcadas para chegar em Chapecó no dia 12 e retornar no dia 14. –Eles vem fechar negócios na área industrial- explicou. No entanto, ele não consegue garantia de voos para eles e isso pode acabar cancelando a transação.

A administração do aeroporto informou que há chances da Azul antecipar sua operação, que dependia da instalação de mais um caminhão de bombeiros e mais profissionais. Com o cancelamento dos voos da Avianca e Gol, haveria possibilidade de operação.

A Prefeitura de Chapecó aguarda para hoje ou amanhã a vinda de técnicos da Anac para avaliar o Plano Operacional de Obras e Serviços proposto. A ideia é recuperar na primeira etapa 500 metros no lado Leste da pista, na segunda etapa 500 metros no lado Oeste e, na terceira etapa, os mil metros restante. Nessa terceira etapa o aeroporto teria que ficar fechado por 15 dias. No total a recuperação custará R$ 11 milhões e deverá demorar de 30 a 45 dias, depois de iniciados os trabalhos.

O objetivo é recuperar a pista que está se deteriorando. A Anac interditou 500 metros de pistas o que impede o pouso de aeronaves maiores. A agência também rebaixou o índice de resistência da pista.

Um dos maiores problemas é que não estão sendo vendidas novas passagens por tempo indeterminado. Apenas a Trip, que faz Porto Alegre e Londrina, e a NHT, que tem voos para Curitiba, estão operando normalmente, pois têm aeronaves menores.


Por que os aviões maiores que 72 passageiros não podem operar

-A pista do aeroporto de Chapecó tem 2.563 metros. Destes, 500 metros são novos e não estão homologados ainda. Restariam 2.053 metros. Mas a Anac interditou 300 metros no ano passado, reduzindo a pista para 1763 metros. O motivo foi a deterioração no piso. Agora, a Anac reduziu em mais 200 metros, reduzido a pista para 1.563 metros. O problema é que aeronaves maiores necessitam de, pelo menos 1,7 mil metros de pista para pousar com segurança. O motivo é que Chapecó fica numa região de cerca de 600 metros de altitude, onde a resistência do ar é menor. Os aviões pousam aqui a cerca de 250 quilômetros por hora, contra 200 quilômetros por hora em pistas como Guarulhos, que tem 1,4 mil metros.

-A pista de Chapecó foi reformada em 2000 e teve uma classificação de PCN (Número de Classificação do Pavimento) 34, que permite pouso de aviões de até 60 toneladas, como o Boing 737 utilizado pela Gol e o Airbus 318 utilizado pela Avianca. Devido à deterioração do piso, causada pela idade do asfalto de 10 anos, problemas no subleito da pista e aumento do número de voos em Chapecó, a classificação do PCN foi rebaixada para 16, que permite pouso de aeronaves com cerca de 20 toneladas, como os Embraer 145, da Passaredo, que estão sendo utilizados pela GOL.


Comente aqui