Aeroporto

05 mar09:06

Restrição parcial do aeroporto de Chapecó causa prejuízos em cascata

Alessandra Ogeda | alessandra.ogeda@diario.com.br

Depois de Santa Catarina sofrer com a estiagem que provocou perdas de cerca de R$ 550 milhões para a agricultura, agora a restrição de voos com mais de 72 passageiros no aeroporto de Chapecó provoca uma cadeia de prejuízos no Estado.

Comerciantes e empresários da região estão sendo prejudicados com a medida, que começou a valer por determinação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na última quinta-feira. Três eventos de grande porte programados para este mês e abril estariam ameaçados.

O aeroporto de Chapecó foi o que registrou o maior crescimento no Estado nos últimos cinco anos. Entre o primeiro semestre de 2007 e o mesmo período do ano passado, o número de passageiros no aeroporto de Chapecó aumentou 83,5%.

A medida da Anac prejudicou a operação das companhias Gol e Avianca, que tinham quatro voos diários entre chegadas e partidas, com destino a Florianópolis e São Paulo. Elas operavam com aeronaves de 144 (Gol), 120 e 100 (Avianca) lugares. As empresas NHT e Trip não devem ser afetadas porque operam com aeronaves com um número menor de passageiros.

O vice-presidente da Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de SC (Faesc), Enori Barbieri, acredita que metade da movimentação do aeroporto era formada por técnicos, executivos e outros funcionários que trabalham com a agroindústria. Eles terão a mobilidade prejudicada e suas empresas, que dependem do aeroporto para a chegada de insumos, este abastecimento alterado.

— Essa restrição vai trazer um grande transtorno para quem tem por hábito ir e vir de Chapecó, cidade-pólo no Oeste, principalmente para São Paulo. Ainda não temos como mensurar os prejuízos, mas eles serão consideráveis para toda a cadeia do setor de aves e suínos do Estado — explica.

Atraso nos negócios

Na prática, segundo o presidente da Faesc, as complicações podem chegar à protelação de negócios em andamento, por parte dos executivos e, no caso dos técnicos, atrasos na prestação de serviços nas diversas unidades de grandes indústrias como BRF Brasil Foods, Marfrig e Aurora.

Estas empresas, com produção no Oeste, também teriam que achar alternativas para a vinda de insumos básicos com chegada, até então, via aérea, como pintinhos com um dia de vida, materiais de laboratório e genéticos.

Além dos prejuízos diretos para a indústria, dois grandes eventos do setor, programados para o próximo mês, estariam em risco, segundo Barbieri. Tanto o InterLeite Sul 2012 – 3º Simpósio sobre Produção Competitiva de Leite Região Sul quanto o 13º Simpósio Brasil Sul de Avicultura dependeriam do aeroporto para a chegada de palestrantes internacionais e de participantes vindos de fora.

Outro evento programado para a cidade que poderá ser prejudicado é o Expen 2012 – Feira de Multisoluções em Gestão, Serviços e Tecnologia programada para o final deste mês. O presidente do Conselho das Entidades Empresariais de Chapecó, que congrega 16 sindicatos e entidades empresariais do município, Gilberto João Badalotti, acredita que os prejuízos para a região serão generalizados.

— Teremos cerca de 1 mil passageiros por dia que serão prejudicados. Para os próximos dias, já tinham sido vendidas 15 mil passagens. Esses prejuízos vão afetar a todos, das indústrias até o comércio e os prestadores de serviços — explica.

A alternativa mais próxima para os usuários do Oeste seria o aeroporto de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, distante duas horas e meia de automóvel de Chapecó.


Prejuízo para agências

Os prejuízos, segundo o presidente do conselho, serão sentidos por agentes de viagens, que deixarão de vender passagens, por comerciantes, a rede hoteleira, bares, restaurantes e taxistas, que já temem registrar uma queda expressiva no número de clientes na região.

— Chapecó está muito distante dos outros pólos do Estado. Dependemos muito do aeroporto e não temos uma cidade próxima que possa suprir esta necessidade. E o pior de tudo é que a Anac não nos avisou com uma antecedência razoável, de uma semana ou 15 dias, para que pudéssemos reprogramar compromissos — questina.

O vice-presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), Bento Zanoni, afirma que a agroindústria será bastante prejudicada com a medida da Anac, e lamenta que usuários da região tenham que procurar alternativa em um aeroporto do RS.

— O número de pessoas que voavam por Chapecó a cada mês era bastante significativo, e agora poderão ser usadas aeronaves com até 72 lugares. As companhias aéreas não estão preparadas para isto, e esta alternativa não irá suprir a demanda.


Comente aqui
04 mar14:52

Adaptações no aeroporto de Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A companhia aérea Gol disponibilizou três horários de voos de Chapecó com destino a Florianópolis para os passageiros que já tinham comprado bilhetes antes da interdição parcial da pista do aeroporto Serafim Enoss Bertaso. As linhas saem diariamente às 15h e às 18h, e de segunda a sábado, a partir das 5h30. O primeiro voo saiu do Aeroporto Serafim Enoss Bertaso, às 15h do sábado, dia 3.

A aeronave, um Embraer ERJ-145, da Companhia Passaredo, oferece 50 lugares. As vendas de passagens novas para estes voos só devem iniciar na terça-feira, dia 6.

A Avianca ainda estuda medidas. No final de semana estava disponibilizando como opção para os passageiros, que haviam comprado bilhetes, ir até Passo Fundo de ônibus e depois seguir para Florianópolis.

As empresas aéreas NHT e Trip operam normalmente. A restrição de operações de aviões com mais de 72 lugares no Aeroporto foi divulgada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na quinta-feira, dia primeiro. O motivo, segundo a nota, foi a constatação da degradação na pista. Técnicos da agência estiveram em Chapecó no dia 6 de fevereiro. De acordo com o secretário de Infraestrutura do Estado, Valdir Cobalchini, que esteve na Anac na semana passada, uma nova visita de representantes da Anac será realizada nesta semana, em Chapecó.

O prefeito José Cláudio Caramori disse que o município encaminhou o Plano Operacional de Obras e Serviços, para recuperação da pista, que deve ser apreciado pela Anac. Após a aprovação as obras devem iniciar, com prazo de conclusão de 45 a 60 dias. O custo da obra é de R$ 11 milhões e a empresa vencedora é a Planaterra.


Comente aqui
02 mar07:25

Anac restringe operação no aeroporto de Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Aviões com mais de 72 lugares não podem operar desde o final da manhã de ontem no aeroporto Serafim Enoss Bertaso, em Chapecó. O motivo é uma determinação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que constatou degradação na pista. Técnicos da agência estiveram em Chapecó no dia 6 de fevereiro.

A medida atinge em cheio as principais empresas que operam na cidade, Gol e Avianca, que tinham quatro voos diários entre chegadas e partidas, com destino a Florianópolis e São Paulo. Elas operavam com aeronaves de 144 (Gol) , 120 e 100 (Avianca) lugares. Mas outras duas empresas, como a NHT e Trip não devem ser afetadas.

A NHT opera com um avião de 18 lugares que chega às 13h48 de Francisco Beltrão e decola às 14h20 para Curitiba. A Trip sai de Porto Alegre, pousa às 8h10 em Chapecó, sai às 8h40 para Londrina, retorna às 21h30 e decola às 21h50 para Porto Alegre.

Ontem à tarde a confusão reinou no aeroporto de Chapecó. Primeiro chegou a informação de que os voos da Avianca e da Gol estavam atrasados por problemas numa aeronave no aeroporto de Florianópolis. Por volta das 15 horas a Avianca cancelou o voo e funcionários informavam que o motivo era a restrição da Anac. A Gol ainda tentava um voo vindo de Congonhas que, posteriormente, foi cancelado, segundo os funcionários por problemas climáticos. A remarcação de passagens até iniciou mas foi suspensa posteriormente.

Os passageiros foram encaminhados a hotéis e depois pegaram ônibus fretados. O construtor Civil Hectory Santana, que é de Belo Horizonte e foi a Chapecó comprar portas, teve que pegar um ônibus para Porto Alegre. O oficial de justiça Cícero Brum, de São Lourenço do Oeste, pegou o próprio carro para ir a Florianópolis, onde participaria de um evento do Tribunal de Justiça. Mas ele perdeu o início do evento, ontem à noite. O técnico em informática Dari Martins dos Santos disse que perdeu o trabalho que teria hoje em Piracicaba. Ele lamentou que o problema da pista já era conhecido no final da manhã e somente às 15 horas isso foi repassado aos passageiros. Enquanto isso eram dada informações desencontradas.

O secretário de Infra-estrutura do Estado, Valdir Cobalchini, esteve ontem em Brasília com o diretor da Anac, Marcelo Guaranys, para tentar uma solução. Ficou acertada a ida de técnicos da Anac para Chapecó na próxima semana, para dar início aos trabalhos de reforma da pista. No final da tarde de ontem o prefeito de Chapecó, José Cláudio Caramori, disse que aguarda da Anac a aprovação do Plano Operacional de Obras e Serviços, que permite refazer a pista sem fechar completamente o aeroporto. O plano só foi encaminhado na semana passada. A obra de R$ 11,6 milhões e que já estava prevista, será executada pela empresa Planaterra. Caramori disse que assim que for aprovado o plano devem iniciar os trabalhos. Ele prevê que o aeroporto ficará fechado de 30 a 45 dias, a partir da ordem de serviço.

Os recursos, R$ 9 milhões do Governo do Estado e R$ 2,6 milhões do município, já estão aprovados. Ele espera que as empresas busquem aeronaves menores para atender a demanda, que é de 23 mil passageiros por mês. A representante da Avianca na região, Luciana Lang, disse que até ontem à noite não tinha sido definido se haverá locação de aeronaves menores e como os passageiros que tinham adquirido passagens serão ressarcidos.

Comente aqui
01 mar16:29

Voos desta quinta-feira foram cancelados no aeroporto de Chapecó

[Atualizado 18h19]

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Os voos do Aeroporto Serafim Enoss Bertaso de Chapecó de hoje à tarde foram cancelados. A Avianca anunciou o cancelamento até domingo. A Gol também não está mais vendendo passagens. A primeira companhia a cancelar foi a Avianca, que já estava atrasada por problemas no aeroporto de Florianópolis. Segundo informação dos funcionários o motivo do cancelamento seria problemas na pista de Chapecó e a suspensão por tempo indeterminado. As empresas NHT e Gol, também cancelaram os voos, devido ao mau tempo.

As informações sobre a restrição da Agência Nacional de Aviação Civil – Anac, divulgadas na manhã desta quinta-feira ainda são desencontradas.

>> Anac restringe operações do aeroporto de Chapecó

Segundo a Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Chapecó, o secretário de defesa do cidadão Sergio Wallner, responsável pela administração do Aeroporto, está em contato com Florianópolis e Brasília. No final da tarde ele deve se pronunciar sobre o caso. No setor administrativo do aeroporto a informação é que não havia sido oficializado o cancelamentod os vôos.

Tanto que a Gol continua a vender passagens para os vôos de amanhã. Alguns passageiros estão optando por viajar amanhã. Outros pegaram ônibus para Florianópolis.



Jogadores da Chapecoense voltam de ônibus

Os jogadores da Chapecoense que embarcariam no começo da tarde de Florianópolis para Chapecó tiveram que pegar ônibus. Segundo o diretor de futebol Cadu Gaúcho, eles saíram da capital por volta das 15h45 e devem chegar em Chapecó próximo a meia-noite.


1 comentário
01 mar13:25

Anac restringe operações do aeroporto de Chapecó

O aeroporto de Chapecó teve suas operações restritas pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) nesta quinta-feira. De acordo com o órgão, em inspeção realizada no dia 6 de fevereiro deste ano, foi constatada degradação do piso da pista do aeródromo, que está inadequado para o tráfego de aviões de grande porte (acima de 100 passageiros).

As companhias que cancelarem seus voos para o aeroporto de Chapecó deverão atender aos passageiros que compraram bilhetes. Entre os direitos dos passageiros estão assistência material e acomodação.

Até às 11h20, o aeroporto não havia sido notificado pela agência e os voos continuavam a operar normalmente.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
01 mar07:58

Azul deve operar em Chapecó somente em maio

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras, que iniciaria as operações no dia 27 de fevereiro em Chapecó, só deve realizar voos na cidade a partir do mês de maio. O motivo segundo o diretor de relações institucionais da empresa, Adalberto Febeliano, é que faltam no Aeroporto Serafim Enoss Bertaso um caminhão específico para o combate de incêndio e mais bombeiros.

- Um caminhão como esse custa cerca de R$ 1 milhão de dólares e o prazo para entrega é longo – disse.

Febeliano alertou que, caso o caminhão não chegue até o final de março e a operação não seja liberada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a empresa só iniciará as operações no Oeste no final de 2012. – Sem o caminhão a gente não voa – disse.

Durante a tarde de ontem o diretor esteve reunido com o Prefeito de Chapecó, José Caramori. O prefeito informou que está buscando resolver as questões junto aos governos do Estado e Federal.

A companhia aérea, que seria a quinta a operar no aeroporto, iria utilizar os jatos Embraer 190, com capacidade para cem passageiros, e Embraer 195, com capacidade para 122 passageiros. A Azul já atua em 40 cidades, com 300 voos diários. Em Chapecó seriam seis voos diários com destino a Campinas/SP e Porto Alegre/RS. Com a inclusão de Chapecó na malha da aérea, serão ao todo quatro cidades servidas pela Azul no Estado, ao lado de Florianópolis, Joinville e Navegantes.

Hoje, a movimentação no aeroporto de Chapecó chega a 22 mil embarques e desembarques por mês.


Voos de Chapecó

Avianca (todos os dias) Sai diariamente para Florianópolis e São Paulo às 6h15 e às 14h10. Retornam às 13h40 e 0h30.

Gol (todos os dias) Sai diariamente para Florianópolis e São Paulo às 5h35 e às 15h10, retornando às 14h40 e às 0h45

NHT (segunda à sexta-feira) Pousa às 13h48 vindo de Curitiba-PR e Francisco Beltrão e sai às 14h08 para Curitiba-PR

TRIP (segunda à sábado) Pousa às 8h10 vindo de Porto Alegre, sai às 8h30 para Londrina-Maringá e Campo Grande, retorna às 21h30 e decola às 21h50 para Porto Alegre.



Comente aqui
09 fev10:21

Chapecoense chega no início da tarde e faz treino na Arena Condá

Os jogadores da Chapecoense, comandados por Gilberto Pereira, chegam no voo das 13h45 no Aeroporto Serafim Enoss Bertaso em Chapecó. Mesmo com a primeira derrota por 3 a 1 para o Joinville, a Chapecoense segue na liderança do Catarinense.

Eles seguem direto para a Arena Condá onde participam de um treinamento. Os trabalhos devem iniciar pelas 16h.

Na sexta-feira pela manhã, eles tem folga, e treinam a tarde.

No domingo, o Verdão enfrenta o Metropolitano, a partir das 17h, na Arena Condá.

Comente aqui
08 fev14:10

Paraquedismo em São Miguel do Oeste

Nos dias 10, 11 e 12 de fevereiro, o Clube de Paraquedismo Aerubu, de São Miguel do Oeste, realiza mais uma atividade de paraquedismo no Aeroporto Municipal Helio Wassun. De acordo com o vice-presidente do Clube Aerubu, Heleno Junior Foggiatto, as inscrições para o curso A.S.L. (Accelerated Static Line) e para o salto duplo já estão abertas.

- Os participantes do curso serão capacitados e poderão saltar em qualquer lugar, uma vez que o curso é padronizado mundialmente – afirma Heleno.

As vagas para o curso são limitadas e as inscrições para os saltos podem ser realizadas até a quinta-feira dia 9 com os integrantes do Clube pelos telefones (49) 3622-5094 ou (49) 9101-0393 ou ainda pelo e-mail paraquedismo@aerubu.com.br. Maiores informações no site www.aerubu.com.br.

O ingresso para assistir aos saltos é gratuito.


Sobre o curso A.S.L.

O curso A.S.L. (Accelerated Static Line) proporciona conhecimento completo do equipamento, salto, navegação, pouso e tudo o que o aluno precisa saber para tornar a atividade segura. O treinamento inclui 10 horas/aula de teoria e prática, iniciando na sexta-feira, 10, no período da noite e sendo concluído no sábado, dia 11. Após o devido conhecimento, o aluno realiza o salto com o acompanhamento do instrutor.

O acompanhamento das atividades é feito por profissionais autorizados e filiados à Federação Catarinense de Paraquedismo (Fecap), à Confederação Brasileira de Paraquedismo (CBPQ) e à Federation Aeronautique Internationale (FAI). – Os equipamentos utilizados nos saltos são devidamente autorizados pelas entidades competentes, sendo utilizados padrões de nível mundial – complementa o vice-presidente, Heleno Foggiatto.


Saltos Duplos

Os interessados também já podem realizar suas inscrições para o salto duplo. Nesta atividade o participante parte direto para um salto livre de aproximadamente três mil metros de altura, o que proporciona cerca de 35 segundos de queda livre e cinco a 10 minutos com o paraquedas aberto até o pouso. O salto é junto com um instrutor que terá o controle da queda, navegação e pouso, tendo ainda a opção de ter o salto filmado ou não.


Comente aqui
07 fev14:29

Paraquedismo foi destaque em Concórdia

Paraquedistas experientes e iniciantes viveram momentos inesquecíveis, neste final de semana, em Concórdia. O Skydive Concórdia realizou saltos duplos, Cursos de Paraquedismo, e voos panorâmicos no Aeroclube da cidade.

Famílias inteiras acompanharam atentos cada movimento dos paraquedistas e dos aviões. – Aproveitamos o tempo bom para passear. E nada melhor do que um lugar como esse para nos divertimos – disse o auxiliar de marceneiro, Fernando Rech.

O Curso de Paraquedismo, ministrado pela equipe do Skydive, atrai há cada encontro pessoas de diversas regiões do Brasil. Com uma estrutura privilegiada e atendendo todas as diretrizes de qualidade e segurança exigidas para a prática do esporte. – Para quem busca segurança e adrenalina o Skydive é o lugar certo – comentou o jovem aluno, Ian Stempczinski Prado.

Segundo o piloto de avião comercial, Ivonei Gonçalves da Silva, que saltou pela primeira vez no domingo, dia 5, a emoção de saltar em queda livre é totalmente diferente de pilotar um avião. – Quando estou trabalhando não sinto a adrenalina que senti durante o salto de paraquedas. E na hora do pouso a habilidade técnica do instrutor e os equipamentos de qualidade também fizeram a diferença. O pouso é macio, preciso e seguro – contou o piloto ao aterrissar no chão.

Para a esposa do piloto, Loreni Gonçalves da Silva, o salto duplo é a melhor maneira de se conhecer o esporte sem precisar fazer o curso de paraquedismo.

- Vencido o desafio de se atirar na imensidão azul. O momento é de aproveitar cada segundo em queda livre. Saltar de um avião a 10 mil pés de altura e cair em queda livre a 200km/h é uma sensação que todas as pessoas deveriam sentir pelo menos uma vez na vida – reiterou o experiente instrutor, Felipe Hardt.


No Carnaval

De 17 a 22 de fevereiro durante a folia do carnaval a equipe do Skydive Concórdia participa do Vertical Speed em Governador Celso Ramos/ SC.


Novidades em 2012

Pensando no bem estar das pessoas o Skydive Concórdia está preparando uma super novidade para este ano. Um avião com capacidade para nove passageiros e dois pilotos deve entrar em ação no Aeroclube de Concórdia dentro de alguns meses.


Comente aqui
02 fev00:18

Susto em Chapecó

Oitenta passageiros de um voo da Avianca, que sairia nesta quarta-feira, às 14h15min, do Aeroporto Serafim Enoss Bertaso, em Chapecó, com destino a Florianópolis, levaram um grande susto. Durante o procedimento de decolagem, um dos pneus estourou após entrar em contato com uma pedra.

Segundo testemunhas que não quiseram se identificar, houve um forte estrondo e a aeronove ficou instável. Houve pânico e gritaria entre os passageiros, mas ninguém saiu ferido. A decolagem foi abortada e os passageiros foram levados para dois hotéis da região. Eles foram remanejados para voos durante esta quinta-feira.

A prefeitura, que administra o aeroporto, divulgou na noite de quarta-feira uma nota oficial em que afirma que o incidente “não se deve a problemas relacionados às condições de conservação ou de obstrução da pista de pouso e decolagem”. De acordo com o texto, “o comandante da aeronave adentrou numa área interditada e não homologada, devidamente sinalizada sobre este impedimento, durante manobra preparatória para decolagem, motivo pelo qual ocorreu dano no pneu da referida aeronave”.

A prefeitura informou ainda que “os fatos descritos podem ser comprovados no relatório realizado no local pelo Corpo de Bombeiros e amplo material fotográfico que registraram a invasão da referida área”. Ainda segundo a nota oficial, “todos os documentos estão à disposição dos interessados e serão utilizados para futuros procedimentos legais na apuração do episódio ocorrido”.

A administração do aeroporto reiterou que realiza fiscalização permanente na pista para assegurar a segurança exigida no momento da realização de pousos e decolagens.



1 comentário