Ambiental

24 set07:59

Dez árvores estão em exposição em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Moradores do Oeste podem conhecer até o sábado, dia 29 de setembro, as dez árvores do projeto Tree Parade Brasil. Feitas em fibra de vidro e com 1,5 metro, elas foram confeccionadas por alunos da Apae e de seis escolas municipais e três estaduais de Chapecó. As árvores estão expostas no Paseo Avenida em Chapecó. A entrada para visitação é gratuita.

A estudante Ana Fortes aproveitou a sombra da árvore para descansar.

Na abertura da exposição, no dia 21 de setembro, dia da árvore, foi realizada a entrega de 150 mudas de árvores nativas e frutíferas, além da distribuição de 300 lixeirinhas para veículo.

- Elas foram confeccionadas nos moldes do ecodesign, utilizando retalhos de tecidos e não precisam ser jogadas fora a cada lavação – disse a bióloga Priscila Rech, uma das responsáveis pelo projeto.

De acordo com Priscila, cerca de 500 pessoas, entre comunidade escolar e outras entidades, foram envolvidas.

O projeto inspirado na Cow Parade, busca através da arte promover a busca pela sensibilização e preservação ambiental.

- A Tree é muito mais que uma intervenção artística, ela quer chamar a atenção da população para a preservação ambiental – disse Priscila.

O projeto foi desenvolvido pela Ong SOS Terra, Projeto Mata Ciliar, do Consórcio Iberê, e Fundema de Chapecó, com apoio de empresas locais.

Após a mostra, as árvores, que foram patrocinadas, podem ser leiloadas ou doadas para as escolas.


Adentro

No Paseo Avenida acontece também a exposição de nove artistas da Associação dos Artistas Visuais da Região Oeste de Santa Catarina (Adentro). A mostra da Adentro segue até o dia 5 de outubro.

Serviço:

Tree Parade Brasil

Local: Paseo Avenida – Av. Getúlio Vargas, 1670 N • Centro • Chapecó – SC • (49) 3324.7034

Visitação gratuita até o sábado, dia 29 de setembro.


Escolas participantes:

- Apae;

- Escola Básica Municipal Alípio José da Rosa;

- Escola Básica Municipal Victor Meirelles;

- Escola Parque Cidadão Leonel Brizolla;

- Escola Básica Municipal Diogo Alves;

- Escola Básica Municipal Florestan Fernandes

- Escola Básica Municipal Rui Barbosa;

- EEB Bom Pastor;

- EEB Marechal Bormann;

- EEB Luiza Santin.



Comente aqui
30 ago16:45

Licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica Itapiranga é suspenso pela Justiça Federal

A Justiça Federal determinou, na tarde desta quinta-feira, dia 30, a suspensão do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica Itapiranga, no extremo-oeste catarinense, até que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) se manifeste sobre as sugestões propostas no estudo elaborado pelos técnicos do Ministério Público Federal (MPF).

A perícia do MPF constatou a necessidade de complementação e modificação de alguns pontos do termo de referência, pois o projeto elaborado não atende aos preceitos ambientais e nem assegura os direitos da população atingida. A ação civil pública foi assinada pelos procuradores da República Maria Rezende Capucci, de São Miguel do Oeste/SC, Gabriel Silveira de Queirós Campos, de Santa Rosa/RS e Fernanda Alves de Oliveira, de Passo Fundo/RS.

Em junho deste ano o MPF já havia encaminhado recomendação ao Ibama, para que as considerações dos analistas periciais fossem inseridas no termo de referência, mas não os termos de recomendação não foram acatados.

O projeto prevê o alagamento de áreas em sete municípios. Três em Santa Catarina (Itapiranga, Mondaí e São João do Oeste) e quatro no estado gaúcho (Pinheirinho do Vale, Vicente Dutra, Caiçara e Vista Alegre).



Entenda o caso

Em 2010, o MPF recomendou ao Ibama que, após a análise do termo de referência da Usina Itapiranga e antes de sua aprovação, suspendesse o processo de licenciamento ambiental até que a perícia técnica do MPF se manifestasse, a fim de sugerir alterações ou complementações.

O Ibama, no entanto, não acatou os termos da recomendação. Os procuradores da República de São Miguel do Oeste/SC, Santa Rosa/RS e Passo Fundo/RS conseguiram, então, na Justiça Federal, por meio de uma ACP, a suspensão do licenciamento até que os peritos do MPF realizassem uma análise do termo de referência e apresentassem as suas conclusões.



Comente aqui
21 mai15:07

SDR Dionísio Cerqueira visita obras do Parque Turístico Ambiental

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira visitou, na tarde da sexta-feira, dia 18, as obras do Parque Turístico Ambiental da Integração (PTAI). A ação foi realizada pelo secretário de Estado, Normélio Menegazzo, acompanhado pela gerente de Infraestrutura, engenheira Greice Miguelão e pelo prefeito de Dionísio Cerqueira, Altair Cardoso Rittes.

Menegazzo pontua que o local em construção é o maior projeto prático de integração em andamento na Regional e que o grande desafio é agregar ações dos Governos de Santa Catarina, do Paraná e da província de Misiones, na Argentina.

- A obra pronta deve transformar o local em um cartão postal do Extremo-Oeste – afirma o secretário.

Conforme a gerente de Infraestrurura, Greice Miguelão, um lago será formado na fronteira entre os dois países, acompanhando o curso do rio Peperi, revitalizando suas nascentes até a aduana de migração. Além do lago, o Parque Turístico Ambiental prevê a construção de espaços para atividades recreativas, culturais, gastronômicas, comerciais e desportivas. A obra envolve Brasil e Argentina com os estados Paraná, Santa Catarina e Misiones

Segundo o secretário, Normélio Menegazzo, o Parque Turístico Ambiental de Integração terá aproximadamente 50 mil metros quadrados, divididos em 20 mil metros quadrados na cidade de Bernardo Irigoyen, Província de Misiones, na Argentina, e 30 mil metros quadrados nas cidades de Dionísio Cerqueira (SC) e Barracão (PR).

O PTAI está sendo implantado com investimentos dos governos da Argentina, do Brasil, de Santa Catarina e do Paraná. O Governo de Santa Catarina deve investir mais de R$ 2 milhões, de um total previsto em R$ 8 milhões.


Comente aqui
17 mai14:39

Abertas inscrições para mestrados nas áreas ambiental, de educação e de saúde

Três cursos de mestrado, recomendados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação, estão com as inscrições abertas na Unochapecó. São dois mestrados novos, em Ciências da Saúde e em Educação, para as primeiras turmas, e em Ciências Ambientais, para a nona turma.

O mestrado em Ciências da Saúde objetiva qualificar profissionais para produzir e aplicar conhecimentos e tecnologias inovadoras no exercício do ensino, da pesquisa, da assistência e da gestão, com foco na integralidade e no contexto regional. Para tanto, possui as linhas de pesquisa “Formação e trabalho em saúde” e “Saúde, sociedade e ambiente”. É direcionado para portadores de diploma de ensino superior interessados na produção e difusão de conhecimento em saúde.

Através do mestrado em Educação, a Unochapecó assume o desafio de investigar a formação de docentes-pesquisadores, articulada aos vários contextos sociais, de onde emergem fenômenos educativos e suas práticas político-pedagógicas. Esse curso é dirigido para profissionais com graduação em diferentes áreas do conhecimento, envolvidos com questões educacionais e suas problemáticas. Possui as linhas de pesquisa “Formação de professores, produção do conhecimento e processos pedagógicos” e “Desigualdades sociais, diversidades socioculturais e práticas educativas”

Ministrado desde 2005, o curso stricto sensu em Ciências Ambientais objetiva capacitar profissionais para atuar na área ambiental, em apoio ao desenvolvimento científico e de tecnologias inovadoras. Busca, assim, gerar conhecimentos na área e ser um fórum permanente para a discussão de questões ambientais. Atualmente, as dissertações incluem pesquisas em várias áreas relevantes para a compreensão das dinâmicas ambientais da região, contemplando o meio ambiente físico, químico, biológico, social, cultural, econômico e político. Podem participar desse mestrado profissionais das áreas de Ciências Biológicas, Ciências Humanas e Sociais, Ciências Agrárias, engenharias e saúde. As linhas de pesquisa são “Biodiversidade, conservação e manejo de recursos naturais”, “Sociedade, ambiente e sustentabilidade” e “Tecnologias ambientais e bioprospecção”.


Como fazer a inscrição

O mestrado em Ciências da Saúde – www.unochapeco.edu.br/cienciasdasaude -pode ser custeado em até 40 parcelas de R$ 976,73, enquanto o curso na área de Educação – www.unochapeco.edu.br/educacao – tem o custo de até 40 parcelas de R$ 896,77. Esses dois cursos têm inscrições abertas até 15 de junho. Já mestrado em Ciências Ambientais – www.unochapeco.edu.br/cienciasambientais – recebe inscrições até 21 de junho e o custo é de até 36 parcelas de R$ 941,28.

As inscrições para os três cursos de mestrado podem ser feitas na Central de Soluções Unochapecó (SOL), de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 22h, ou via Sedex.

Comente aqui
27 mar11:17

Projeto de Educação Ambiental na região de Concórdia

A Polícia Militar Ambiental de Concórdia realiza, desde o dia 28 de fevereiro, o projeto regional de Educação Ambiental “Sociedade, Meio Ambiente e Proteção Ambiental”.

O projeto visa levar a discussão sobre Proteção Ambiental regional para dentro das escolas e propiciar a todos os estudantes da rede Estadual de ensino que estejam frequentando da 5ª a 8ª series e do 1ª ao 3º ano uma reflexão sobre os problemas ambientais.

- Este esforço dá-se em função da percepção por parte da corporação de reincidências de alguns crimes ambientais, os quais do nosso ponto de vista poderiam ser evitados pelo dispositivo da conscientização dos nossos produtores rurais e dos empreendedores urbanos – disse Luiz Carlos Chaves, soldado da Polícia Militar Ambiental e membro da Gerência de Educação Ambiental.

Segundo Chaves a Perspectiva da PMA é que os estudantes levem as reflexões, os esclarecimentos e as informações para suas casas e para sua comunidade nos 11 municípios que compõem a área de atuação. – Queremos que eles promovam a reflexão com seus familiares e com seus vizinhos sobre a importância da observância dos parâmetros legais de proteção ambiental, principalmente quando da implantação, melhoria e manutenção de empreendimentos que requerem licenciamento ambiental no campo ou na cidade – disse.

A meta do projeto é atender 3 mil pré-adolescentes e/ou adolescente no ano de 2012 e a mesma quantidade no ano de 2013. Quando haverá uma avaliação geral que apontará os rumos para os próximos anos.


Comente aqui
15 dez17:09

PM Ambiental de Concórdia apreende peixes e objetos de pesca proibida

A apreensão dos peixes e objetos utilizados para pesca foi, na manhã da quarta-feira, 14, na Linha Fátima, interior de Itá. Segundo a Polícia Militar Ambiental, uma caminhonete com placas de Concórdia, transportava objetos de pesca proibidos e pescados, 26 dourados e 18 mandi-pintado, totalizando 83 Kg. Uma motocicleta, conduzida por um morador de Itá, era usada como batedor.

Durante a abordagem da caminhonete, o caroneiro conseguiu fugiu, mas foi identificado pelas Guarnições e deve responder pelo junto com os outros dois condutores.

Os veículos envolvidos, por estarem com várias infrações de trânsito, a moto sem placa e caminhonete sem documentos, também foram apreendidos e levados até o pátio da Polícia Militar Ambiental de Concórdia.

O condutor e proprietário da caminhonete, morador de Concórdia e portador de carteira de Pescador Profissional, foi autuado administrativamente com multa imposta no valor de R$ 17.060,00.

Entre os objetos apreendidos estão: um motor de popa 8 HP, um tanque de combustível, uma rede, uma tarrafa, um binóculo, uma lanterna, entre outros. Os pescados após análise da vigilância sanitária de Itá foram descartados, pois estavam sem refrigeração e em estado de deterioração.

Além do Processo Administrativo, as três pessoas envolvidas vão responder por crime ambiental na esfera penal, que prevê uma pena de detenção de um a três anos.


Comente aqui
06 dez23:47

Senado aprova novo Código Florestal

Atualizada em 07/12/2011 às 01h05min

O Senado aprovou, após mais cinco horas de discussão, o novo Código Florestal. Foram 58 votos a favor e oito contrários ao texto-base. Das 81 mudanças sugeridas, o relator Jorge Viana (PT-AC) acatou 26, que foram aprovadas pelos parlamentares. Já os quatro destaques propostos foram rejeitados pela Casa.


Senadores apreciaram texto que ficou mais de seis meses em discussão.


Agora, o texto volta para a Câmara dos Deputados, porque foi alterado pelos senadores. Os deputados ainda poderão rejeitar em parte ou integralmente o que foi modificado no Senado. Entretanto, não será possível fazer novas alterações. A última etapa de aprovação do projeto é a sanção da presidente Dilma Rousseff.

No discurso na tribuna do plenário, Viana defendeu que o projeto busca o entendimento entre ambientalistas e produtores rurais:

— O Código cria condições para que o desmatamento ilegal no Brasil seja zero, mas também estende a mão para o produtor que quer sair da ilegalidade.

O texto traça os limites entre o que deve ser preservado da vegetação nativa e as áreas que podem ser ocupadas para as diferentes atividades econômicas. No Senado, o tema ficou sete meses em discussão e passou pelas comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), de Ciência e Tecnologia (CCT) e de Meio Ambiente (CMA).


Opiniões divididas

Nas mais de cinco horas de debate em plenário, o tema dividiu os senadores.

A senadora Kátia Abreu (PSDB-TO) citou dados sobre a redução do desmatamento na Amazônia divulgados na segunda, disse que os opositores ao texto são “meia dúzia de ambientalistas xiitas” e defendeu a valorização do agronegócio. Já o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) criticou duramente o texto, argumentando que ele aumenta as áreas passíveis de desmatamento em encostas e permite uso agrossilvopastoril em topos de morro. Para o parlamentar, a mudança na legislação provocará desmatamento em todo o país, em especial de mata atlântica.

A ministra do Meio Ambiente, Izabela Teixeira, acompanhou a votação no Senado e elogiou a redação final do texto.




ZERO HORA



Comente aqui
06 dez11:42

“A Criança e a Natureza: Educação Ambiental na Terra do Porquinho”

A 8ª edição do Projeto A Criança e a Natureza foi encerrada na tarde da segunda-feira, dia 05, em Xavantina. Durante os meses de outubro e novembro mais de 800 alunos da rede fundamental de escolas municipais e estaduais do Alto Uruguai Catarinense participaram.

Nesta etapa a equipe do Consórcio Lambari preparou atividades especiais para discutir e vivenciar uma aula prática sobre “Dejetos suínos e suas alternativas”. A ideia foi de despertar nos alunos, o senso da preservação e recuperação ambiental através da realização de trilhas ecológicas interpretativas, dinâmicas de educação ambiental, além de visitas as propriedades rurais.

Em 2012 o Consórcio Lambari deve realizar mais uma edição do projeto. A cidade que receberá a ação será escolhida no começo do ano.


Comente aqui
05 dez15:35

Conscientização Ambiental

Com a proposta de conscientização ambiental, os acadêmicos do segundo período do curso de Ciências Biológicas da Unochapecó promoveram, na última sexta-feira, 02 de dezembro, uma trilha interpretativa. A atividade aconteceu no espaço verde do Bairro Colatto e contou com a participação de cerca de 100 estudantes de quinta a oitava séries da Escola Municipal Diogo Alves.

Segundo a coordenadora de primeira a quinta séries da escola, Helenara Maria Clara da Silva, há um projeto escolar chamado “Meu bairro sustentável”, que promove visitas às áreas verdes do bairro, mas o trabalho realizado pela escola já não é o bastante. Diante disso, a escola percebeu a necessidade de procurar a universidade para uma parceria dos projetos em prol da comunidade. – O espaço verde do Colatto está abandonado, precisa de atenção e de revitalização disse a coordenadora.

Uma atividade semelhante acontece no Bairro São Francisco, destacou a professora Sandra Mara Sabedot, do curso de Ciências Biológicas. Ela vê na proposta uma oportunidade de aproximar a universidade das escolas, fazer a divulgação científica do curso e estimular o interesse dos alunos pela qualidade ambiental.

O projeto levou para o local um jogo de perguntas e respostas sobre meio ambiente, desafios da natureza e reciclagem, espaço para conhecer os tipos de floresta do estado de Santa Catarina e espaço de exibição de um filme educativo sobre as quatro ecologias de Leonardo Boff. Além disso, a trilha instigou a percepção do meio ambiente, através da audição e visão. No primeiro momento os alunos ouviam os sons da natureza, e no segundo aprendiam sobre as aves e tiveram a oportunidade de observá-las, procurando em meio às copas verdes do lugar. Os acadêmicos faziam a identificação e explicavam sobre as aves observadas.

A trilha foi promovida pelo projeto Natureza, Saúde e Bem-estar, do Pró-Saúde, em parceria com o projeto Biologia na Praça, do curso de Ciências Biológicas. Em 2012, o projeto Natureza, Saúde e Bem-estar terá a proposta de cuidado e revitalização que deve haver em áreas verdes da cidade, além de alertar sobre o uso consciente de bens públicos e naturais.


Comente aqui
26 out15:44

Unochapecó promove IV Prêmio Jornalismo Ambiental

Com o objetivo de selecionar as melhores reportagens em mídias impressas e eletrônicas que enfoquem a temática “Recursos hídricos e o impacto ambiental”, a Unochapecó, em parceria com a Caixa Econômica Federal, promove o IV Prêmio Jornalismo Ambiental. As inscrições encerram na segunda-feira, dia 31 de outubro.

Podem participar estudantes de jornalismo e profissionais graduados na área. Uma das exigências do concurso é o período de produção das reportagens. Elas devem ser produzidas no mesmo período da inscrição, de janeiro a 31 de outubro de 2011.

Na categoria profissional, serão quatro prêmios em dinheiro e publicação em sites e portais especializados em meio ambiente e em suplemento especial nos jornais diários de Chapecó. As reportagens impressas (jornais ou revistas) classificadas em primeiro e segundo lugar recebem R$ 2 mil e R$ 1 mil, respectivamente. Da mesma forma, as reportagens vencedoras em mídia eletrônica (rádio, TV e web) ganham R$ 2 mil (1º lugar) e R$ 1 mil (2º lugar).

Já na categoria estudante, as duas melhores reportagens recebem R$ 1.500 (1º lugar) e R$ 1 mil(2º lugar). Os interessados podem conhecer o regulamento e se inscrever para participar do IV Prêmio de Jornalismo Ambiental.


Comente aqui