Aurora

27 dez10:33

Aurora planeja iniciar o abate de aves na unidade arrendada de Xaxim em março

Sirli Freitas*

sirli.freitas@diario.com.br

Na busca por aumentar sua participação no mercado de aves, a Coopercentral Aurora Alimentos anunciou, nesta quarta-feira, os detalhes do arrendamento da unidade industrial de abate da Chapecó Alimentos em Xaxim. A empresa planeja começar o alojamento dos animais em janeiro, e o abate, em março.

A unidade deve começar abatendo 50 mil frangos por dia. Mas a Aurora quer chegar a 220 mil aves  abatidas por dia até a metade do ano. Quando estiver em pleno funcionamento, a unidade deve empregar 2,2 mil pessoas.

A Aurora arrendou a indústria de Xaxim por três anos. Fez parte das condições do negócio um período de carência de 90 dias, o aluguel mensal de R$ 425 mil e mais R$ 0,08 por frango que passar da cota de 5 milhões de cabeças por mês.

A Aurora anunciou que investirá R$ 50 milhões na unidade, incluindo gastos com reforma da estrutura e capital de giro. Está incluído neste valor a troca de duas linhas de produção, que será descontada no aluguel.

Segundo o síndico da Massa Falida da Chapecó Alimentos, Alexandre Brito de Araújo, depois dos três anos de arrendamento, a unidade deve ser vendida por R$ 180 milhões, com a Aurora tendo prioridade da compra. 

Com a indústria de Xaxim, a Aurora vai aumentar em 30% o volume do abate de aves, que passará de 700 mil para mais de 900 mil aves por dia.

— Frango é a carne mais barata e mais fácil de vender. Hoje, 60% da nossa renda vêm dos suínos. Precisamos crescer em frango, que tem um mercado muito bom. Somos a segunda divisão na produção de frangos, mas queremos mostrar ao adversário que estamos aqui e vamos crescer — declarou o presidente da Aurora, Mário Lanznaster.


Associação setorial vê solução como positiva

Ainda no primeiro semestre deste ano, a Diplomata começou a atrasar a entrega de ração aos produtores e também o pagamento dos lotes. Alguns avicultores chegaram a ficar até quatro dias sem ter como alimentar os frangos.

Em agosto, a empresa entrou com pedido de recuperação judicial. Com dificuldades de conseguir crédito no mercado, no início deste mês, a Diplomata suspendeu o alojamento de frangos e deu férias coletiva aos funcionários.

O diretor executivo da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), Ricardo Gouvêa, avaliou a saída para a unidade de Xaxim como positiva.

— A crise do milho pegou todo o setor no Estado e afetou muitas empresas, o que leva a uma concentração de frigoríficos. Por outro lado, à medida que a Aurora arrenda essa planta, dá continuidade ao trabalho para a região e permite que os trabalhadores continuem a produzir.

* Colaborou Danilo Duarte

Comente aqui
23 nov18:36

Justiça determina afastamento da Diplomata

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O síndico da Massa Falida da Chapecó Alimentos, Alexandre Brito de Araújo, tomou posse do frigorífico de Xaxim que estava sob administração da Diplomata desde 2003. Ele cumpriu uma decisão liminar do juiz da 3ª Vara Cível do Fórum de Chapecó, Marcelo Volpato de Souza, que decretou nulidade do contrato de arrendamento da Chapecó Alimentos para a Diplomata.

A decisão foi baseada num pedido da massa falida da Chapecó, que agiu após pedidos de sindicatos rurais, de trabalhadores, associação comercial, Prefeitura, Câmara de Vereadores e Câmara de Dirigentes Lojistas.

-Eles nos pediram providências já que havia animais morrendo no campo e havia risco de deterioração do capital da empresa- afirmou Araújo.

Ele informou que mesmo com a decisão de afastamento da Diplomata, autorizou a continuidade dos abates pela empresa até o dia 21 de dezembro, já que existem animais no campo. No entanto a Diplomata está autorizada somente a retirar produtos do frigorífico. Nenhum equipamento ou bem móvel pode ser retirado.

A Diplomata entrou com pedido de Recuperação Judicial e vem enfrentando problemas com atraso no fornecimento de ração, atraso no pagamento de funcionários e com fornecedores. Também estava devendo mais de R$ 3 milhões em aluguel.

O síndico da Massa Falida informou que já está conversando com a Aurora Alimentos. –Vamos formalizar um contrato- afirmou. O objetivo é garantir a continuidade da produção.

A assessoria de imprensa da Aurora Alimentos confirmou o interesse em assumir a unidade de Xaxim, desde que não haja passivos. A Aurora vai fazer uma avaliação das condições da unidade. Se estiver em boas condições vai iniciar os procedimentos, recontratando os funcionários e fazendo novos contratos com os avicultores. Mas a Aurora ressalta que só irá assumir quando a Diplomata não estiver mais na unidade.

No entanto a Diplomata vai recorrer da decisão. A assessoria de imprensa da agroindústria informou que considera absurda a decisão judicial, já que existe um contrato de arrendamento com opção de compra.


Comente aqui
16 nov14:57

Aurora nega negociação com a Diplomata

Darci Debona|darci.debona@diario.com.br

A Aurora Alimentos informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não está negociando com a Diplomata para assumir a unidade de Xaxim. Na manhã desta sexta-feira, essa possibilidade foi citada em discursos na Praça Frei Bruno, em ato que reuniu cerca de duas mil pessoas, incluindo avicultores, funcionários e lideranças sindicais e políticas.

De acordo com a direção da Aurora, se a gestão da unidade voltar para a massa falida da Chapecó Alimentos, a cooperativa poderá analisar essa possibilidade.

No entanto a prioridade da agroindústria é a compra da unidade arrendada da Chapecó Alimentos em Chapecó, onde abate atualmente 600 mil suínos por ano.


Comente aqui
18 set09:55

Aurora assume controle da Bondio

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A partir de outubro, a Aurora Alimentos assume a unidade frigorífica da Bondio Alimentos localizada em Guatambu. O contrato de arrendamento, com opção de compra após o período de aluguel, foi confirmado nesta segunda à tarde pela direção da Aurora, em Chapecó.

Com a incorporação, a Aurora vai aumentar seu abate de aves em 20% até o final do ano e em 25% até 2014. A Aurora é uma das maiores abatedoras de suínos do país mas a participação no abate de aves ainda é modesta em comparação com gigantes como a BR Foods.

O presidente da Aurora, Mário Lanznaster, explica que a cooperativa está apostando que o Brasil vai crescer ainda mais na exportação de aves, uma carne que não tem restrições culturais e religiosas.

— É mais fácil vender frango do que suíno — compara.

Ele destaca que a negociação ocorreu devido à crise do setor de carnes, motivada pela falta de milho e soja, que tiveram aumento de custos. O farelo de soja, por exemplo, aumentou de R$ 0,70 o quilo para R$ 1,40.

Para o diretor de agropecuária da Aurora, Marcos Zordan, a negociação com a Bondio foi a oportunidade de aumentar a produção imediatamente e sem desembolsar grandes volumes de recurso na construção de uma nova unidade. Esta é a quarta unidade que a cooperativa arrenda com opção de compra.

— Assim não mexemos no nosso capital de giro — explica Zordan.


Funcionários serão recontratados

O vice-presidente Neivor Canton afirma que os mil empregados da Bondio serão demitidos e recontratados, com ampliação de vagas. A meta é chegar a 1,4 mil funcionários em um mês.

O valor da transação não foi divulgado a pedido da Bondio. O diretor da empresa, Mario Sperandio, não foi localizado para comentar a negociação. Lanznaster diz que não está definido o prazo para fechar a compra mas garante que a Aurora está entrando na unidade para não sair mais.


Reflexos no preço da carne

O presidente da Cidasc, Enori Barbieri, considera que a incorporação da Bondio pela Aurora é boa para os produtores, que poderiam ficar desamparados em caso de agravamento da crise. Mas ele considera que os consumidores vão pagar mais caro:

— Com esse custos de produção, inevitavelmente as carnes vão subir.

A fusão e incorporação de empresas é uma tendência de mercado, lembra o economista da Universidade do Oeste do Estado (Unoesc), Odair Balen. Ele afirma que as empresas precisam ganhar em escala para comprar insumos com menor custo. No entanto, avalia que a concentração é ruim para o consumidor, que tem suas opções reduzidas.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
11 set00:00

Aurora arrenda Bondio e aumenta abate em 20%

Darci Debona/darci.debona@diario.com.br

A partir de outubro a Aurora Alimentos assume a unidade frigorífica da Bondio Alimentos localizada em Guatambu. O arrendamento, com opção de compra, foi confirmado em coletiva no início da tarde da segunda-feira, pela direção da Aurora, em Chapecó.

Com a incorporação a Aurora vai aumentar seu abate de aves em 20%, até o final do ano, e em 25% até 2014. A Aurora é uma das maiores abatedoras de suínos do país mas a participação no abate de aves é modesta, em comparação com a BR Foods, que somente na unidade de Capinzal abate 400 mil aves.

O presidente da Aurora, disse que a cooperativa está apostando que o Brasil vai crescer ainda mais na exportação de aves, pois é uma carne que não tem restrições culturais e religiosas.

– É mais fácil vender frango do que suíno – afirmou Lanznaster.

Ele destacou que a negociação ocorreu devido à crise do setor de carnes, motivada pela falta de milho e soja, que tiveram aumento de custos. O farelo de soja, por exemplo, aumentou de R$ 0,70 ao quilo para R$ 1,40.

– É uma notícia boa para a Aurora que veio de algo ruim para o setor- explicou.

Ele recebeu sondagem de pelo menos 10 frigoríficos, de todo o país, interessados em negociar com a Aurora.

Para o diretor de agropecuária da Aurora, Marcos Zordan, a negociação com a Bondio foi a oportunidade de aumentar a produção imediatamente e sem desembolsar grandes volumes de recurso na construção de uma nova unidade. Esta é a quarta unidade que a cooperativa arrenda com opção de compra.

– Assim não mexemos no nosso capital de giro – afirmou Zordan.

O vice-presidente Neivor Canton afirmou que os funcionários da Bondio serão demitidos e recontratados, com ampliação de vagas. A meta é chegar a 1,4 mil funcionários em um mês.

O valor da transação não foi divulgado a pedido dos proprietários da Bondio. O diretor da empresa, Mario Sperandio, não foi localizado para comentar a negociação. Lanznaster disse que não está definido o prazo para a aquisição mas garante que a Aurora está entrando na unidade para não sair mais.

Ele afirmou que a cooperativa está com um bom resultado e o faturamento deve passar de R$ 3,8 bilhões no ano passado para R$ 4,1 bilhões em 2012.


UNIDADES ARRENDADAS PELA AURORA COM OPÇÃO DE COMPRA

 

Chapecó Alimentos

Cidade: Chapecó

Ano: 2004

Como está: Abate 2,3 mil suínos por dia e  tem 1,7 mil funcionários

Como estava: Parada



Cotrel

Cidade: Erechim-RS

Ano: 2005

Como está: Abate 120 mil aves por dia e 1,9 mil suínos por dia e tem 2,2 mil funcionários

Como estava: O abate foi mantido


Avepar

Cidade: Abelardo Luz

Ano: 2010

Como está: Abate 140 mil aves/dia e tem 1,4 mil funcionários

Como estava: Abatia 70 mil aves/dia


Bondio

Cidade: Chapecó

Ano: 2012

Como está: Abate 110 mil aves/dia mas estava reduzindo para 65 mil aves/dia e tinha dispensado 300 funcionários.

Como vai ficar: A Aurora vai retomar a produção de 110 mil aves e quer aumentar para 140 mil aves/dia até 2014. Os funcionários devem passar de mil para 1,4 mil



OUTRAS UNIDADES PRÓPRIAS DA AURORA

Chapecó: Abate 4,6 mil suínos por dia

São Gabriel do Oeste-MS: Abate 2 mil suínos dia

Sarandi-RS: Abate 1,8 mil suínos dia

Quilombo: Abate 135 mil aves/dia

Maravilha: Abate 135 mil aves/dia

Pinhalzinho: Laticínio que processa 1,4 milhão de litros por dia

OBS: Mais 30 mil aves por dia são abatidos por terceiros e industrializados 600 mil litros de leite dia também com parcerias.


O que muda:

Funcionários: Passa de 16,1 mil para 17,5 mil

Abate total de aves: Passa de 560 mil para 700 mil

Integrados de aves: Passa de 1,5 mil para 1,8 mil


Outros dados da Aurora

Abate de suínos: 14 mil/dia

Faturamento em 2011: R$ 3,8 bilhões

Faturamento previsto para 2012: R$ 4,1 bilhões


Comente aqui
10 set20:31

Concentração é tendência e previsão é de alta nas carnes

A fusão e incorporação de empresas é uma tendência de mercado, lembra o economista da Universidade do Oeste do Estado de Santa Catarina (Unoesc), Odair Balen.

Ele afirmou que as empresas precisam ganhar em escala para comprar insumos com menor custo e assim competir no mercado globalizado. No entanto ele avalia que a concentração é ruim para o consumidor, que tem suas opções reduzidas.

O presidente da Companhia Integrada para o Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri, considera que a incorporação da Aurora pela Bondio é boa para os produtores, que poderiam ficar desamparados em caso de agravamento da crise. Mas ele considera que os consumidores vão pagar mais caro pela carne.

-Com esse custos de produção inevitavelmente as carnes vão subir- disse Barbieri.

Comente aqui
10 set14:55

Aurora de Chapecó assume operação da Bondio a partir de 1° de outubro

A Coopercentral Aurora Alimentos – um dos maiores conglomerados agroindustriais do País – assumirá a partir de 1º de outubro as operações da indústria de aves da Bondio Alimentos, localizada na rodovia SC-283, no quilômetro 3, no município de Guatambu.

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, dia 10, pelos diretores da cooperativa Mário Lanznaster (presidente), Neivor Canton (vice-presidente) e Marcos Antonio Zordan (diretor de agropecuária).



Diretores da Coopercentral Aurora Alimentos Neivor Canton (vice-presidente), Mário Lanznaster (presidente) e Marcos Antonio Zordan (diretor de agropecuária).



A efetivação do negócio (arrendamento com opção de compra) surgiu após reunião, na última semana, com os dirigentes da Coopercentral Aurora Alimentos e da Bondio Alimentos, representada pelos empresários Mário Antônio Sperandio, Valdir Luís Sperandio e Maria Auxiliadora Sperandio.

De acordo com a negociação, a partir de 1º de outubro a Coopercentral Aurora Alimentos inicia as operações da unidade fabril da Bondio Alimentos em Guatambu, em sua capacidade plena. Os diretores da cooperativa asseguram que desta maneira será mantido o mesmo nível de emprego. Atualmente a unidade possui aproximadamente mil colaboradores e a previsão inicial é de ampliar para 1,4 mil empregos diretos. A unidade abate 110 mil aves por dia e produz cortes congelados.

Os valores da negociação e os planos de expansão da Coopercentral Aurora Alimentos não foram divulgados. As atividades da Bondio Alimentos abrangem toda a cadeia produtiva, desde a produção de ovos férteis, integração e processamento de carne de frango para consumo.

Aurora

A Coopercentral Aurora Alimentos é um conglomerado agroindustrial sediado em Chapecó (SC) que pertence a 13 cooperativas agropecuárias. Faturou R$ 3,8 bilhões de reais em 2011. Com a incorporação da estrutura produtiva da Bondio Alimentos, passa a sustentar cerca de 17.500 empregos diretos. Sua capacidade de processamento é de 14 mil suínos/dia, 700 mil aves/dia e 2,0 milhões de litros de leite/dia.

Mantém, no campo, plantéis permanentes de 850 mil suínos e 19 milhões de frangos. A sua base produtiva é formada por 9 mil produtores de leite, 3,6 mil criadores de suínos e 1,8 mil criadores de aves.

Possui sete unidades industriais para processamento de suínos, seis plantas para processamento de aves, quatro fábricas de rações, uma indústria de lácteos, dez unidades de ativos biológicos (granjas de reprodutores suínos e matrizes de aves, incubatórios e silos), uma unidade de disseminação de genes (UDG), nove unidades comerciais e 100 mil pontos de vendas no país.


Comente aqui
10 set09:35

Estela Benetti: Aurora e Bondio negociam

A Aurora Alimentos, central de cooperativas do Oeste do Estado que no ano passado obteve receita bruta de R$ 3,8 bilhões, e a Bondio Alimentos, do município de Guatambu, também do Oeste, estão negociando acordo para produção e venda de frangos, segmento em que a Bondio atua.

A expectativa é de que os detalhes da operação – se vai ser um arrendamento ou incorporação por parte da Aurora – sejam anunciados nesta segunda-feira. No domingo, as duas companhias foram procuradas pelo Diário Catarinense, mas disseram que só falarão nesta segunda.

A rádio Tropical FM, do Oeste, informou no sábado, dia 8 de setembro, que a Aurora arrendou a Bondio por sete anos, com opção de compra. O acordo envolve desde a produção junto a integrados até a comercialização. A negociação foi realizada em função da série de obstáculos causados pelo alto preço da ração devido à seca nos EUA. Em operação desde 2004, a Bondio emprega cerca de 1 mil pessoas, abate 110 mil frangos por dia e vende seus produtos no Brasil e no exterior.

>> Confira mais informações no Blog da Estela Benetti

Comente aqui
31 jul20:35

Mobilização dos caminhoneiros paralisou agroindústria no Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A paralisação dos caminhoneiros está afetando a produção dos frigoríficos e laticínios do Oeste. A Aurora Alimentos paralisou nesta terça-feira a produção total nas unidades de São Miguel do Oeste e Abelardo Luz e parcialmente numa das unidades de Chapecó. O Laticínio Terra Viva, de São Miguel do Oeste, também está funcionando parcialmente.

De acordo com o presidente da Aurora Mário Lanznaster, somente deixaram de ser abatidos 1,9 mil suínos por dia na unidade de São Miguel do Oeste e 140 mil aves em Abelardo Luz. Em Chapecó duas linhas de produção de salsicha e mortadela deixaram de produzir 160 toneladas somente nesta terça, segundo o gerente da unidade, Caciano Capello. E a produção de lingüiça para churrasco foi interrompida há noite. Tudo por falta de matéria prima vinda de outras unidades.

Somente a Aurora dispensou 2340 funcionários. Outros 5,6 mil podem paralisar a partir desta quinta-feira. Lanznaster disse que as duas unidades de Chapecó, mas as unidades de Maravilha e Quilombo, também podem suspender os abates.

O motivo é que não há mais espaço para estocagem. De acordo com o gerente de logística da Aurora, Celso Cappelaro, somente em São Miguel do Oeste e Abelardo Luz são mil toneladas de produtos que estão parados. A Aurora produz diariamente 2,5 mil toneladas de produtos. São 120 a 130 carretas que saem por dia do frigorífico.

Além da carne não escoar, já começa a faltar ração para as aves e suínos.

– Os animais já começam a passar fome – afrimou Mário Lanznaster.

Na fábrica de rações da cooperativa em Cunha Porã, há 70 caminhões parados.

E até a fábrica de leite da Aurora em Pinhalzinho pode fechar a partir de quinta-feira, pois está terminando as embalagens de envasamento de leite. O secretário do Sindicato das Indústrias de Leite de Santa Catarina (Sindileite), Ferrnando Neckel, disse que se a greve não terminasse durante a noite de terça-feira, as indústrias iriam se reunir na manhã de hoje e a tendência era de suspender o recolhimento de leite no campo.

Para o presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), Marcos Zordan, todo esse problema vem sendo gerado pela implantação de um lei sem uma discussão melhor com as bases e infraestrutura para o cumprimento dela.

– Os caminhoneiros não tem onde ficar – disse.

Zordan, que também é diretor agropecuário da Aurora, disse que somente a cooperativa teria que aumentar em 50% a frota de 574 caminhões com câmaras frigoríficas.

- Os custos serão repassados para o consumidor – alertou.

A estimativa é de um aumento de 5% no preço dos produtos ao consumidor.

Para o presidente da Companhia Integrada para o Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri, a situação é grave.

– Essa greve está atingindo o centro produtivo do estado – afirmou.

Barbieri disse que a continuidade da mobilização pode trazer sérios prejuízos para a cadeia produtiva de Santa Catarina.








Comente aqui
31 jul15:58

Agroindústria do Oeste suspende abate devido a paralisação dos caminhoneiros

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Duas unidades da Coopercentral Aurora suspenderam o abate de suínos e aves no Oeste devido a paralisação dos caminhoneiros. A agroindústria não tem onde estocar os produtos, pois os caminhões, que levariam as mercadorias para os grandes centros estão impedidos de circular.

Nesta terça-feira cerca de dois mil funcionários da agroindústria em São Miguel do Oeste e Abelardo Luz tiveram treinamento e foram liberados. Em São Miguel, onde são abatidos 1900 suínos por dia, a suspensão iniciou ainda na noite de ontem. Já em Abelardo Luz, que abate 140 mil aves por dia, o abate foi suspenso nesta manhã.

Em Chapecó, as linhas, de salsicha e mortadela, do Frigorífico localizado no Bairro Saic também foram paralisadas nesta manhã.

Em coletiva, nesta tarde em Chapecó, o presidente da Aurora, Mario Lanznaster, disse que mais quatro unidades, duas em Chapecó, uma em Quilombo e outra em Maravilha podem suspender completamente o abate a partir desta quinta-feira.


Comente aqui