Balde

26 abr15:03

Morre menino de um ano que se afogou em balde em Chapecó

[Atualizado 17h07]

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O menino de um ano que se afogou em um balde em Chapecó morreu próximo ao meio-dia desta quinta-feira. Ele estava internado há três dias em estado grave na UTI do Hospital Regional de Chapecó. O menino respira com ajuda de aparelhos.

Ele brincava dentro de casa na noite da segunda-feira, dia 23, no bairro Palmital, quando foi encontrado caído dentro do balde com água. O menino foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e Samu e encaminhado para o Hospital Regional, onde ficou três dias internado em estado grave.

O velório será no Ginásio do Bairro Palmital e o enterro deve acontecer na manhã desta sexta-feira em Chapecó.


Comente aqui
25 abr12:12

Menino de um ano que se afogou em balde segue na UTI do Hospital Regional de Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O menino de um ano que se afogou em um balde segue internado em estado grave na UTI do Hospital Regional de Chapecó (HRO). O estado do menino é grave e ele respira com a ajuda de aparelhos.

O menino brincava dentro de casa na noite desta segunda-feira, dia 23, no bairro Palmital, em Chapecó, quando foi encontrado caído por familiares dentro de um balde.


Comente aqui
24 abr10:54

Criança de um ano que se afogou em Chapecó está em estado grave na UTI

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Segue internado na UTI do Hospital Regional de Chapecó (HRO), o menino de um ano que se afogou em um balde na noite desta segunda-feira, no bairro Palmital, em Chapecó. Segundo a Boletim Médico o estado do menino é grave e ele respira com a ajuda de aparelhos.

De acordo com familiares da criança, ele estava brincando dentro de casa na hora do acidente. Próximo a sala onde ele brincava havia um balde com água. Quando os familiares perceberam que o menino não fazia mais barulhos foram procurá-lo e o encontraram caído dentro do balde.

O Corpo de Bombeiros e o Samu foram chamados. O menino foi entubado, medicado e conduzido por volta das 22h30, pelo Samu, com ajuda dos Bombeiros para o Hospital Materno Infantil.

Próximo da meia-noite ele foi transferido para a UTI do HRO onde segue internado.


Comente aqui
09 fev11:07

Falta de água em Seara

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Enquanto a bomba e a tubulação do poço profundo não são consertadas e não chover o suficiente para encher a barragem do rio Caçador a população de Seara vai sofrendo com a falta de água nas torneiras. A Casan e a Prefeitura tentam abastecer o interior e as partes altas da cidade com caminhões pipa. Mesmo assim eles só conseguem amenizar a situação.

Um dos locais mais problemáticos é na Vila Esperança. O auxiliar de lavagem Írio Oliveira chegou a buscar água com um balde num poço no mato. Como a água turva ele só a utilizava para tomar banho e lavar a louça. O banho era de bacia.

Paulo Cesar Oliveira armazenou água em baldes depois de ficar 5 dias sem.

- Só me lavava com a mão- explicou. A água potável era trazida em litros de refrigerante, pela irmã. Ele chegou a ficar cinco dias sem receber água na rede. Írio mora com a família do irmão, Paulo César Oliveira. Paulo César, que é auxiliar de produção, tomava banho no trabalho. E a roupa e louça ficaram acumulados até ontem, quando chegou um caminhão pipa. Oliveira aproveitou para encher o tanque, tambores e panelas.

>> Limpeza na barragem para acumular água em Seara

A família de Elisama de Oliveira teve mais sorte. Eles ficaram “apenas” dois dias sem água. Ontem ela chegou a mãe de Elisama aproveitou para lavar a roupa. Ela ficou de “guarda” perto da torneira para encher 19 litros de refrigerante, com a ajuda do irmão Elizeu. Assim eles conseguiram um estoque para os próximos dias. Ela também aproveitou para lavar a louça que estava acumulada.

- Falta dois dias daí vem um pouco – relata.

Essa rotina da família desde dezembro. Ela relata que às vezes o pai chega cansado do trabalho e não tem água para tomar banho. A solução é esperar até meia-noite ou então ir na casa dos avós.


Comente aqui
06 jan09:12

Do banho de balde ao banho de chuva

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Quando começou a garoa na tarde da quinta-feira, 05, em Seara, Stefani dos Santos, 12 anos, pediu para a mãe. – Posso tomar banho de chuva? Diante de dias tão secos Giane Bianchin não quis frustrar a filha de desfrutar da alegria de sentir uns pingos de água.

No dia anterior a família havia tomado banho de balde por falta de água na torneira. Eles estavam sem água desde segunda-feira e somente ontem receberam 500 litros com caminhão-pipa.

– Faz mais de uma semana que não lavo roupa- disse Giane.

Muitas vezes ela aproveita para tomar banho no trabalho. – No final de ano nem pudemos receber os familiares pois não tínhamos água- lamentou.


Comente aqui