Bancos

27 set11:22

Bancários do Oeste voltam ao trabalho nesta quinta-feira

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Depois de nove dias de paralisação bancários do Oeste aceitaram a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Febraban). Mais de 2 mil bancários de 100 agências privadas e públicas devem voltar ao trabalho a partir desta quinta-feira.

A categoria aceitou a proposta que eleva para 7,5% o índice de reajuste dos trabalhadores (aumento real de 2.02%); para 8,5% o aumento do piso salarial e dos auxílios-refeição e alimentação (ganho real de 2,95%); e para 10% no valor fixo da regra básica e no limite da parcela adicional da Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

O presidente do Sindicato dos Bancários de Concórdia e Região, Luiz Júnior Gubert, disse que a negociação ficou dentro das expectativas.

- Iremos receber 2.02% de ganho real, isso é resultado da forte mobilização da categoria em todo o país – afirmou Gubert. Ele disse ainda que no ano passado, foram necessários 21 dias de greve para conseguir 1,5% de aumento real.


Em Chapecó e Concórdia algumas agências seguem fechadas

Em Chapecó, seguem em greve funcionários da Caixa Econômica Federal e do Banrisul. De acordo com o Sindicato dos Bancários de Chapecó, Xanxerê e Região, a categoria rejeitou as propostas específicas, durante assembleia na manhã desta quinta, por entender que não continham avanços significativos.

As agências do Banco do Brasil de Concórdia também seguem com as portas fechadas. Os bancários vão se reunir na manhã desta sexta-feira para decidir se vão acatar a proposta e retomar o trabalho.


Comente aqui
25 set14:34

Fenaban chama bancários para negociar nesta terça-feira

Na noite de segunda-feira, final do sétimo dia de greve dos bancários, a Federação Nacional de Bancos (Fenaban) decidiu chamar o Comando Nacional dos Bancários para uma nova negociação. Uma nova reunião acontece nesta tarde, às 16h, no Hotel Maksoud, em São Paulo. Se a negociação entre trabalhadores e representantes do setor patronal avançar, a greve da categoria pode acabar ainda nesta semana.

>> Panorama da greve dos bancários no Oeste

No final de agosto, a Fenaban apresentou proposta de reajuste linear para salários, pisos e benefícios de 6%. A proposta passa longe da reivindicação dos trabalhadores que pedem 10,25% de reajuste, sendo 5% de aumento real.

Até segunda-feira, de acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), 9.386 agências estavam fechadas. O número representa cerca de 43% do total de 21.714 unidades no país.

Depois da reunião com a Fenaban, os bancários realizarão negociações com o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal sobre pautas específicas dos trabalhadores, de acordo com a Contraf-CUT.


AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui
06 jul12:41

Já falta dinheiro nos caixas eletrônicos

Juliano Zanotelli e Caroline Passos

juliano.zanotelli@rbsonline.com.br | caroline.passos@diario.com.br

Em pleno período de pagamento dos trabalhadores e beneficiários do INSS, agências e caixas eletrônicos de Santa Catarina estão com falta de cédulas disponíveis para saque.

O dinheiro disponível neste momento já é proveniente de depósito realizado pelos próprios clientes. As cidades de Florianópolis, Criciúma e Chapecó são as mais prejudicadas, onde o último abastecimento nos caixas eletrônicos aconteceu no domingo passado, dia 1º. O problema deve seguir pelo menos até a próxima segunda-feira, dia 9.

O motivo é a greve dos trabalhadores das empresas de transporte de valores. O Sindicato dos Empregados em Transportes de Valores (Sintravasc) estima que 1,3 mil funcionários estão de braços cruzados em Florianópolis, Criciúma, Blumenau, Itajaí, Joinville e Chapecó. Trabalhadores de Tubarão, Joaçaba e Lages, por outro lado, retornaram ao trabalho na quarta-feira.

Com a falta de abastecimento de cédulas, algumas agências limitaram os valores máximos de saque ou mesmo retiraram de operação alguns terminais de autoatendimento. Orientadas pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), várias agências estão tentando minimizar o problema abastecendo guichês de caixa e terminais com os valores depositados pelos próprios clientes.


Responsabilidade é dos bancos, diz órgão de defesa

A Febraban, por nota, afirmou que a responsabilidade pela falta de dinheiro não pode ser imputada aos bancos em função da legislação vigente (Lei 7.102/83), que define que o transporte de numerário só pode ser efetuado por empresas de transporte de valores.

Já o presidente do Instituto de Defesa do Consumidor Bancário (IBDConB), Luciano Duarte Peres, contesta a posição da entidade e ressalta que, mesmo com a greve, a normalidade do serviço é de responsabilidade dos bancos.

— É responsabilidade dos bancos manter os caixas eletrônicos abastecidos. Em casos como este, eles têm a obrigação de dar alternativas aos clientes e orientar da melhor forma para não gerar prejuízos ao consumidor. Os consumidores lesados devem procurar o Procon, Banco Central e até abrir uma demanda no judiciário, dependendo do prejuízo gerado — diz.

A orientação do especialista ao consumidor que não conseguir sacar o dinheiro é que imprima um comprovante de que esteve no local tentando retirar a quantia desejada e, com o papel em mãos, procure os órgãos responsáveis.


Dicas para driblar o desabastecimento

A falta de cédulas nos bancos está sendo causada pela greve dos transportadores de valores, no entanto os bancos continuam abertos e com serviços funcionando. O pagamento de contas continua sendo processado normalmente nos bancos e meios eletrônicos (autoatendimento, internet e telefone).

O consumidor que se sentir prejudicado pela falta de dinheiro nos terminais deve imprimir um comprovante e, com o papel em mãos, procurar Procon e Banco Central para reclamar seus direitos.

Sem dinheiro nos bancos, consumidores podem recorrer aos correspondentes casas lotéricas (da Caixa) e Correios (do Banco do Brasil). Nos caixas de supermercado é possível pagar algumas faturas com cartão de débito.

No caso de um débito que não possa ser pago com boleto, cheque ou transferência direta entre contas-corrente, especialistas aconselham negociar prorrogação do prazo para pagamento até que o serviço bancário normalize.


Fonte: Febraban


Comente aqui
05 jul12:55

Alguns bancos de SC limitam saque em caixas eletrônicos

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Alguns bancos de Santa Catarina limitaram para R$ 300 o valor para saque nos caixas eletrônicos. A medida seria para garantir que não falte dinheiro, ainda mais neste período do mês, quando as pessoas recebem salários e benefícios do INSS.

Em Chapecó, alguns terminais de autoatendimento da Caixa Econômica Federal estão fora de operação.

- O nível de dinheiro dentro das agências vai baixando com o passar dos dias – disse o assessor de imprensa da Caixa em Chapecó, Lauro Hennemann. Ele disse ainda que o dinheiro que circula neste momento é proveniente de depósito realizado pelos clientes.

Na Grande Florianópolis um cartaz na entrada das agências da Caixa orienta que clientes realizem transferências de valores e procurem as lotéricas para efetuar saques maiores, pois foi estipulado um limite de saque, no valor de R$ 1 mil por cliente, na boca do caixa. Já o Banco do Brasil reduziu o saque máximo pela metade de R$ 1 mil para R$ 500. Outras instituições do estado também reduziram os valores de saque.

As agências não são abastecidas desde o domingo, dia 1º de julho, porém as empresas estão tomando medidas para que o dinheiro circule nos bancos.

A greve dos trabalhadores em transportes de valores em Santa Catarina iniciou na segunda-feira, dia 2. Segundo o Sindicato dos Empregados em Transportes de Valores de Santa Catarina (Sintravasc), cerca de 1,3 mil funcionários estão de braços cruzados em Florianópolis, Criciúma, Blumenau, Itajaí, Joinville e Chapecó. Funcionários de Tubarão, Joaçaba e Lages retornaram ao trabalho na quarta-feira.


Trabalhadores seguem paralisados em frente a empresa em Chapecó.


Ainda na quarta-feira foi realizada uma audiência em Florianópolis, com o Sintravasc e o Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de Santa Catarina (Sindesp/SC).

O presidente do Sintravasc, Vilson Soares dos Santos, disse que as empresas não apresentaram uma nova proposta e por isso a greve continua.

- Foi oferecido apenas 4% de reajuste, enquanto a nossa reivindicação é um aumento de 14,88%, vale alimentação nas férias e plano de saúde integral – disse. Conforme o sindicato a remuneração inicial dos funcionários é de R$ 1.085,72 em Santa Catarina enquanto no Paraná é de R$ 1.465,78.

Uma audiência de conciliação está marcada para as 14 horas, na segunda-feira, dia 9 de julho na 2ª Vara de Trabalho em Itajaí.

De acordo com a advogada do Sindesp, Thais Pazin, caso os sindicatos não entrem em acordo será encaminhado um dissídio coletivo e a Justiça do Trabalho que irá decidir quais reivindicações, tanto dos empregados, como das empresas serão atendidas.


Comente aqui
10 mai16:04

Bancos da Praça de São Carlos são fixados

Na tarde desta quinta-feira, dia 10, iniciaram os trabalhos de fixação dos bancos da Praça da Matriz em São Carlos. De acordo com o responsável pelo Departamento de Obras e Serviços Urbanos, Dosu, Arlindo Statzmann, a medida evita que os bancos sejam retirados de seus lugares, e colocados em outros inadequados.

- Os bancos são constantemente colocados no meio do passeio, atrapalhando quem passa por ali. A calçada é pública, todos tem o direito de caminhar. Por isso, os bancos serão fixados, em pontos estratégicos, evitando esses transtornos – explicou.

Segundo ele, esta ação evita também que os bancos, que são patrimônio público, sejam quebrados ou danificados ao serem arrastados de um lado ao outro.


Comente aqui
01 mai09:54

Em cadeia de rádio e TV, Dilma volta a cobrar dos bancos juros mais baixos

Em pronunciamento transmitido em rede de rádio e televisão para comemorar ao Dia do Trabalho (1º de maio), a presidente Dilma Rousseff cobrou dos bancos privados mais esforços para reduzir as taxas de juros cobradas em empréstimos, cartões de crédito e no cheque especial. E aconselhou o brasileiro a procurar os bancos que ofereçam as taxas mais baixas.

— É inadmissível que o Brasil, que tem um dos sistemas financeiros mais sólidos e lucrativos, continue com um dos juros mais altos do mundo. Esses valores não podem continuar tão altos. O Brasil de hoje não justifica isso. Os bancos não podem continuar cobrando os mesmos juros para empresas e para o consumidor, enquanto a taxa básica Selic cai, a economia se mantém estável e a maioria esmagadora dos brasileiros honra com presteza e honestidade os seus compromissos — disse Dilma no discurso veiculado esta noite.

Para a presidente, com a queda da taxa básica de juros e inflação estável, os bancos privados estão sem argumento para explicar a manutenção dos altos juros cobrados dos clientes.

— O setor financeiro, portanto, não tem como explicar essa lógica perversa aos brasileiros. A Selic baixa, a inflação permanece estável, mas os juros do cheque especial, das prestações ou do cartão de crédito não diminuem.

Dilma espera que os bancos privados sigam os mesmos passos dos bancos públicos, que reduziram as taxas das linhas de crédito voltadas ao consumo e do cheque especial.

— A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil escolheram o caminho do bom exemplo e da saudável concorrência de mercado, provando que é possível baixar os juros cobrados dos seus clientes em empréstimos, cartões, cheque especial, inclusive no crédito consignado’.

De acordo com a presidente, somente quando os juros nacionais chegarem ao patamar das taxas internacionais, a economia brasileira “será plenamente competitiva”, saudável e moderna.

Para fortalecer a economia do país e estimular a abertura de vagas de trabalho, Dilma citou que, no governo dela, retirou impostos incidentes sobre a folha de pagamento, “dando mais alívio ao empregador e mais segurança ao empregado”. E defendeu a necessidade de se investir em educação de qualidade “em todos os níveis” e, também, na qualificação e treinamento dos trabalhadores.


Contra a corrupção

Dilma afirmou ainda presidente Dilma Rousseff garantiu que irá combater “malfeitos e malfeitores”.

— Garanto às trabalhadoras e aos trabalhadores brasileiros que vamos continuar buscando meios de baixar impostos, de combater os malfeitos e os malfeitores e, cada vez mais, estimular as coisas bem feitas e as pessoas honestas de nosso país — disse Dilma.

Nesta semana, devem ter início os trabalhos da CPI criada para investigar o envolvimento de parlamentares e agentes públicos e privados com o empresário goiano Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, suspeito de comandar um esquema de jogos ilegais. A comissão é presidida pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), partido da base governista.


Educação e capacitação

No pronunciamento, a presidente disse que, além de cuidar da economia, quer ser conhecida pela defesa da capacitação profissional do trabalhador brasileiro.

— Não quero ser a presidenta que cuida apenas do desenvolvimento do país, mas aquela que cuida, em especial, do desenvolvimento das pessoas — disse.

Uma das iniciativas nesse sentido, segundo Dilma, é a concessão de bolsas para 100 mil brasileiros estudarem em universidades estrangeiras por meio do Programa Ciência sem Fronteira, que a presidenta chamou, no pronunciamento, de Brasil sem Fronteira.

A capacitação profissional, continuou a presidente, contribui para a luta contra a pobreza extrema, a conquista de melhores salários e, consequentemente, permite ao trabalhador ter acesso a mais bens e serviços.


AGÊNCIA BRASIL



Comente aqui
09 mar09:08

Febraban diz que esvaziar caixas eletrônicos à noite é operação inviável

Diogo Vargas | diogo.vargas@diario.com.br

O apelo da polícia catarinense aos bancos de esvaziar os caixas eletrônicos à noite como alternativa para reduzir a onda de ataques com explosivos no Estado é inviável operacionalmente. Além disso, os carros-fortes passariam a ser grandes atrativos para as quadrilhas.

A avaliação é da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), com sede em São Paulo, dada ao Diário Catarinense. Em nota enviada à reportagem, a Febraban afirmou que não há logística operacional para retirar os valores dos caixas eletrônicos à noite. Principalmente no horário da meia-noite às 4 horas da madrugada, o período crítico dos ataques – desde janeiro do ano passado houve em SC 57 ações dos bandidos que utilizam dinamite para explodir os terminais.

A entidade que representa os bancos observou que os carros-fortes podem transitar das 8h às 20h e que para além desse horário seria necessário o acompanhamento por funcionário da agência. No caso de estabelecimentos comerciais, como área de supermercado por exemplo, a federação lembra que também precisaria da autorização do proprietário para a operação.

“Uma movimentação de numerário neste horário por carro forte (repleto de dinheiro) faria uma sequência de desabastecimento a meia-noite, e um reabastecimento por volta das 06h torna-se um grande atrativo para as quadrilhas. Ao invés de explodirem terminais passarão a promover assaltos nos embarques e desembarques de numerário dos carros fortes”, pensa a Febraban.

Blindar os caixas eletrônicos, a outra medida sugerida pela polícia para frear os ataques, também não é a solução, conforme os bancos. A Febraban considera que todo acesso ao terminal precisa de porta de acesso e que com um simples pé de cabra seria possível quebrá-la. Sobre a instalação de portas giratórias, entende que haveria a necessidade de manter vigilante no local, o que esbarraria em restrições legais.

A Febraban defende estudos técnicos mais aprofundados, legais e com condições operacionais para o assunto. As sugestões da polícia foram apresentadas na terça-feira em reunião da cúpula da segurança com o sindicato dos bancários, os bancos Bradesco e Banco do Brasil, em Florianópolis.

A polícia disse que as medidas seriam apenas enquanto durarem as investigações sobre as quadrilhas, que ainda não foram presas. Para o vice-presidente da comissão de segurança da Assembleia Legislativa, deputado sargento Amauri Soares, os crimes só vão cessar quando a polícia prender os criminosos e o Estado investir em efetivo policial e inteligência.


Comente aqui
27 fev10:20

Retirada da porta giratória gera polêmica nos bancos

Janaina Cavalli | janaina.cavalli@diario.com.br

Em São Paulo, o movimento de retirada das portas giratórias das agências bancárias já começou. Em SC, a polêmica gira em torno do confronto da legislação nacional, que não especifica os itens de segurança necessários, com uma lei estadual de 1997 que obriga o uso das portas giratórias nos bancos.

No país, os bancos Itaú e Bradesco estariam preocupados com o número de processos judiciais iniciados por clientes que foram barrados nas travas das portas. O Itaú prevê a retirada das entradas giratórias em todas as agências do Brasil, menos naquelas localizadas em locais com legislação específica, como SC.

De acordo com a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), as agências e postos de atendimento seguem uma lei nacional que exige a submissão de um plano de segurança à Polícia Federal. O plano deve ter pelo menos três dispositivos de segurança, sendo dois específicos, que são a presença de vigilantes armados e alarme. O terceiro é opcional e a porta giratória está entre os itens.

O especialista em segurança Eugênio Moretzsohn diz que a lei estadual tem sérias controvérsias quanto à constitucionalidade, uma vez que a lei federal não obriga a existência das portas nas agências.

— Os juristas entendem que se a lei maior não obriga, o estado-membro deveria segui-la — observa.

Por outro lado, na análise do especialista, a não obrigatoriedade — e a retirada das portas giratórias — é um retrocesso e oferece riscos à sociedade, no geral. Ele acrescenta que se, nos centros maiores o contato com os serviços bancários está cada vez mais virtual, nas cidades menores, onde as agências ainda são muito movimentadas, a porta giratória é indispensável.

— Sou totalmente favorável à permanência das portas giratórias e acho até que deveriam ser blindadas. Sua maior vantagem é, justamente, o fato de conter as pessoas em seu interior quando detectam a presença de objetos metálicos — afirma.

O diretor do Sindicato dos Bancários de Florianópolis e Região (Seeb), Milano Cavalcante, acrescenta que a lei federal, de 1983, está defasada, porque, na época, a ameaça dos assaltos era menor. Moretzsohn complementa que, no ano em que a lei foi aprovada, a tecnologia para as portas giratórias ainda nem existia.

— A lei está defasada, principalmente, quando coloca a porta giratória como item opcional. E qualquer motivo apresentando pelos bancos, desde o número de processos até a mudança de layout, é insuficiente. Se o número de processos justificasse, então também o detector de metais dos aeroportos poderia ser retirado — pondera Cavalcante.

Ele lembra que as portas giratórias reduziram o número de assaltos a banco, apontando estatísticas dos órgãos policiais e da Febraban, que indicam um número de 1.903 assaltos em 2000, no país, e 337 em 2010.

Comente aqui
21 fev16:19

Bancos voltam a funcionar ao meio-dia desta quarta-feira

Os bancos voltarão a funcionar a partir das 12h desta Quarta-feira de Cinzas, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Ontem e nesta terça-feira não houve expediente bancário em função do feriado de Carnaval. As contas de consumo (água, luz, telefone e TV a cabo, por exemplo) e os carnês que venceram durante o carnaval poderão ser pagos, sem a incidência de multa, amanhã.

A população também poderá usar os canais alternativos de atendimento para as operações bancárias, como caixas eletrônicos, Internet Banking, Mobile Banking, banco por telefone e correspondentes (casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos comerciais credenciados).

Os tributos, normalmente, já estão com a data de pagamento ajustada conforme o calendário de feriados nacionais, estaduais e municipais. Os clientes podem ainda agendar nos bancos o pagamento das contas de consumo ou pagá-las (as que têm código de barras) nos próprios caixas automáticos ou nos correspondentes. Já os boletos bancários de clientes cadastrados como sacados eletrônicos poderão ser agendados ou pagos por meio do Débito Direto Autorizado.


AGÊNCIA BRASIL

Comente aqui
19 out10:57

Funcionários do Banrisul terminam greve

Na tarde de terça-feira os banrisulenses aprovaram as propostas do banco e voltam ao trabalho a partir desta quarta-feira. O Banrisul foi o último a negociar: o encontro entre o Comando dos bancários e a direção do banco iniciou às 10h da manhã de terça-feira, 18, e foi concluída no início da tarde, após a reformulação da proposta global apresentada pelo Banco em negociações anteriores.

A greve no Banrisul foi a maior dos últimos vinte anos, atingindo cerca de 83% da rede de atendimento na última sexta-feira, dia 14. O processo de negociação foi muito desgastante e sua finalização trouxe avanços importantes para os funcionários, como a ampliação da 13ª cesta-alimentação; a melhoria da gratificação de caixa; a criação de uma gratificação fixa para os operadores de negócios; entre outras. O banco também seguiu o reajuste geral de 9% apresentado pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos).


Comente aqui