Campo Erê

20 jul09:31

Bombeiros Comunitários são formados em Campo Erê

Vinte e nove pessoas da região Oeste concluíram o Curso de Formação da primeira turma de Bombeiros Comunitários. A formatura do curso, que iniciou no em novembro de 2011, foi na cidade de Campo Erê.

O Curso de Bombeiro Comunitário foi dividido em três fases, sendo a primeira de conhecimento básico no atendimento de emergências, a segunda de conhecimento específico e atendimento avançado e por último estágio supervisionado. No total foram 244 horas entre o conhecimento teórico e o estágio.

O programa Bombeiro Comunitário é realizado em todo o Estado de Santa Catarina e tem por objetivo capacitar pessoas da sociedade para atuar num primeiro atendimento a vítimas de trauma ou emergência médica, seja no local de trabalho, na sua comunidade ou onde mais estiver. Os Bombeiros Comunitários são pessoas capacitadas pelo Corpo de Bombeiros Militar que doam seu tempo a serviço da comunidade.

Após o curso de formação, os Bombeiros Comunitários recebem fardamento e passam a integrar as guarnições de serviço, auxiliando voluntariamente nos mais diversos tipos de ocorrência.

A solenidade contou com a presença do Major Luiz Carlos Balsan, comandante do 6º Batalhão de Bombeiros Militar, com o Presidente da Associação de Bombeiros Comunitários de Campo Erê, Willian Pais Viganó.


1 comentário
30 jun18:03

Polícia do Paraguai investiga morte de catarinense em bar

Francisco Amorim e Lara Ely

Em trabalho conjunto, polícia e Ministério Público paraguaios investigam a segunda morte de um brasileiro no país. Tadeo Fritzzen, 47 anos, natural de Campo Erê (SC), foi assassinado com oito tiros na noite de sexta-feira ao sair de um bar em Santa Rosa Del Monday. A polícia local suspeita que o brasiguaio tenha sido vítima de uma execução, já que nada foi levado pelos agressores.

O assassinato causou comoção na cidade paraguaia. A sobrinha Marisete Fritzzen informou que o tio costumava frequentar o estabelecimento diariamente após o trabalho. Gostava de tomar uma cerveja com o dono. Ao deixar o local para entrar na caminhonete e pegar o rumo de casa, Fritzzen levou os disparos pela frente.

Segundo a jovem, não se sabe ainda se os dois homens que mataram o tio eram brasileiros ou paraguaios. Sabe-se apenas que os sujeitos também estavam tomando cerveja no mesmo bar, na mesa ao lado de Fritzzen.

— Estão todos muito abalados. Crimes deste tipo não são comuns na cidade. É muito ruim saber de uma morte cruel como essa, sem explicação — afirmou a sobrinha.

Filha de Paulo, irmão mais velho da vítima, Marisete descarta questões políticas, afirmando que o tio não se envolvia muito com o tema. Separado há cerca de 10 anos, Fritzzen tinha dois filhos.

Radicado no país vizinho havia quase 40 anos, o catarinense é proveniente de uma família gaúcha. Atualmente ele trabalhava no mercado imobiliário local. De tradição agrícola, os Fritzzen saíram da cidade de Montenegro, no Rio Grande do Sul, e foram desbravando terras em busca de melhores solos agrícolas. Antes de chegar ao Paraguai, viveram por um tempo em Santa Catarina e passaram também pela cidade de Toledo, no Paraná. De lá, cruzaram a fronteira e estabeleceram junto com outros brasileiros na pacata Santa Cruz, cidade que vive basicamente de agricultura, especialmente do plantio de canola, trigo, soja e milho.

Fritzzen morava na região de Santa Rosa Del Monday desde os 10 anos. Nos últimos tempos, deixou a agricultura de lado para trabalhar como corretor de imóveis.

Localizada na região leste paraguaia, vizinha a Vilas de Curupaity, Tavapi, Santa Rita e Los Cedrales, Santa Rosa Del Monday fica a 68 quilômetros de Ciudad del Este e tem uma população de cerca de 5 mil habitantes, boa parte naturais do Rio Grande do Sul.

Na quinta-feira, outro brasileiro foi morto no país. O ataque praticado supostamente pelo grupo insurgente Exército do Povo Paraguaio (EPP), ocorreu em uma fazenda cerca de 500 quilômetros ao norte de Assunção, segundo informou a polícia.

O corpo de Osni Oliveira foi encontrado baleado em uma área arborizada perto de três tratores que foram queimados. O assassinato foi registrado na propriedade “Terrado” pertencente ao pecuarista brasileiro Pedro Pintos.

Comente aqui
25 jun15:45

Ambulância do Corpo de Bombeiros de Campo Erê é equipada

A Secretaria de Saúde de Campo Erê entregou nesta segunda-feira uma ambulância equipada para o Corpo de Bombeiros. O veículo foi adquirido com recursos da secretaria de estado da Segurança Pública e equipada com recursos da secretaria municipal de Saúde.

O veículo custou R$ 80 mil pagos pelo estado e o município investiu mais R$ 42 mil para equipar a ambulância.

O Corpo de Bombeiros de Campo Erê, recém inaugurado, conta com uma ambulância, dois caminhões e dois veículos pequenos além de equipamentos importantes, como o desencarceirador, utilizado para resgatar vítimas de acidentes presas em ferragens.

A Associação ainda adquiriu R$ 10 mil em outros materiais necessários, entre eles, mangueira, esguicho, coletes, macas e abafadores.


Comente aqui
15 jun12:14

Rede municipal de Campo Erê recebe laptops

A administração municipal de Campo Erê realizou a entrega de 260 laptops para alunos da rede municipal. As entregas foram nas escolas João Telles Padilha, Maria Nelly Catusso e 12 de Novembro.

Os computadores tem acesso a internet e serão utilizados durante as aulas em diferentes disciplinas por alunos de 3ª, 4ª e 5ª séries. O investimento nesta ação foi de R$ 98 mil buscados pelo município junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Fundeb).

A diretora da escola João Telles Padilha, professora Maristela Dal Piva, disse que o uso da internet durante as aulas é mais eficiente para a formação dos alunos.

- Na sala de aula, os estudantes contam com orientação dos professores e concentram a atenção apenas nos conteúdos educativos, enquanto em casa podem acessar páginas que não contribuem com a educação – destacou a professora.


Comente aqui
05 jun09:21

Temporal no Oeste

Darci Debona* | darci.debona@diario.com.br

As rachaduras e pedaços quebrados na imagem de Nossa Senhora da Saúde revelam que nem a santa escapou do vendaval que atingiu São José do Cedro e Campo Erê na madrugada de domingo. Cerca 100 famílias foram atingidas nas duas cidades, que até hoje vão decretar situação de emergência.

Na igreja onde a imagem estava, na linha Derrubada Baixa, em São José do Cedro, o telhado veio abaixo com a força do vento. Uma parede chegou a entortar e parte de outra parede caiu. –Diz que onde mora santo não estraga mas aqui estragou- disse Roque Gerelli, que foi ajudar a filha a cobrir a casa na tarde de ontem. O presidente da comunidade, Élcio Zatti, disse que nem a igreja, nem o pavilhão, tinham seguro. –O pessoal até fazia piada que em casa de santo não aconteceria nada- lembrou. Agora a comunidade terá que gastar cerca de R$ 70 mil para recuperar a igreja e o pavilhão. –É triste, cheguei a desanimar no começo, mas agora vamos fazer uma rifa e em 60 dias vamos reconstruir tudo- disse Zatti.

Em volta da igreja era possível ver as árvores quebradas pelo vendo. Logo abaixo, o agricultor Nediro Bavaresco tentava reconstruir o telhado da casa com a ajuda de vizinhos. Ele lembrou que na madrugada de domingo chegou a ir no vizinho Renato Maldaner para pedir ajuda e, viu que seu vizinho estava em situação ainda pior.

Cerca de 30 pessoas auxiliavam ontem a família Maldaner a retirar as árvores caídas, limpar o pátio e recolocar as telhas na casa e galpão. O chão estava cheio de frutas que caíram com o vento. Um açude ainda estava com nível baixo em virtude da estiagem, que destruiu os nove hectares de milho. Ao lado, as pontas de árvores quebradas mostravam que a chuva veio não da forma que eles esperavam. –Vamos levar dois a três meses para arrumar o que o vento estragou- disse. Eles não tinham dormido desde domingo, quando acordaram com o barulho do vento que levou o telhado da casa. A primeira coisa que fizeram foi cobrir a moradia com lona até amanhecer, quando viram tudo destruído em volta. Até ontem eles nem energia elétrica tinham.

Na linha Santo Antônio, Neodi Rigo ainda tinha o curativo na testa resultado de três pontos de um ferimento durante o temporar. –Nem vi como foi, só notei quando estava saindo sangue- contou. Ele acordou com o barulho do vento e a filha dizendo que estava com medo. O agricultor, a mulher e os dois filhos tentaram ir para o banheiro se proteger e a porta da sala emperrou. Foi a sorte porque naquilo caiu a caixa de água de mil litros que ficava acima do banheiro. Rigo disse que foi tudo muito rápido. –Quando vimos o céu ficou aberto- explicou. O telhado de 90 metros quadrados foi parar no outro lado da rua, a 20 metros da casa. Mas algumas folhas de zinco voaram a 200 metros. O prefeito Renato Broetto disse que 25 propriedades tiveram prejuízos. O município já tinha um decreto de emergência por estiagem e agora terá outro pela chuva. O presidente da Defesa Civil do município, Ataídes Ottobelli, disse que as perdas já ultrapassam R$ 1 milhão. Em Campo Erê, onde pelo menos 70 casas foram destelhadas a estimativa é de um valor similar.

O meteorologista da RBS, Leandro Puchalski, analisou algumas imagens e disse que os indicativos são de um tornado ou micro-explosões. Há algumas árvores cortadas na Copa como se fosse um golpe de machado o que indica um tornado, que é uma espécie de funil que desce da nuvem até o solo, em diferentes pontos. Já a micro-explosão é um vento muito forte que desce da nuvem em um único sentido, mas pode provocar a queda de árvores em diferentes direções, uma para a esquerda e outra para a direita. Em São José do Cedro foram encontradas árvores com essa descrição. Puchalski disse que não há previsão de novos ventos fortes pois isso ocorre quando uma massa de ar frio choca-se com uma massa de ar quente, como no domingo, quando chegou a frente fria ao estado.


*Colaborou Juliano Zanotelli



Comente aqui
04 jun08:55

Vendaval destelha 50 casas no Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Uma semana depois de sofrer um temporal de granizo o município de Campo Erê foi atingido por um temporal que destelhou 50 casas. No Bairro São Cristóvão três casas tiveram queda até de paredes. As famílias tiveram que se abrigar na casa de familiares ou parentes Na linha Santa Lúcia, interior do município, um aposentado também teve a casa destruída e teve que procurar abrigo num vizinho.

-Foi um vento muito forte, a gente não tem confirmação científica mas foi tipo um tornado- avaliou o coordenador da Defesa Civil do Município, Edson de Melo. Na área urbana além do São Cristóvão foram atingidos os bairros Jardim Esperança e Industrial.

Ele destacou que a força do vento oscilou e o estrago foi maior nas casas de construção mais precária. No interior houve destelhamento de galpões, estrebarias e pocilgas.

Dezenas de árvores caíram e outras foram arrancadas com raiz e tudo. Até as antenas de internet e de televisão foram pro chão. –Estou sem internet e sinal de tevê- afirmou o empresário Jandir Sabedot, que registrou os estragos por fotografia. –O vento pegou uma parte da cidade e foi levando tudo- completou.

>> Fotos do Vendaval que destelhou 50 casas em Campo Erê

De acordo com os Bombeiros da cidade o temporal começou por volta das 3 horas. O vendaval durou cerca de 15 minutos. Mas a chuva, que atingiu 100 milímetros o equivalente a metade da média de um mês, foi até às 6 horas da manhã.

Bombeiros e Defesa Civil e outros órgãos do município auxiliaram no atendimento à população. Foram distribuídos oito rolos de lona com 100 metros de comprimento e oito metros de largura cada.

Não houve registro de mortes e feridos no temporal. No entanto algumas pessoas tiveram ferimentos leves tentando arrumar os telhados. A Defesa Civil informou que o município já estava em situação de Emergência devido ao granizo.

Um levantamento das perdas será feito hoje e encaminhado para a Defesa Civil do Estado para tentar auxílio às famílias atingidas.


Comente aqui
19 mar11:31

Duas mulheres foram presas em Campo Erê

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A Polícia Rodoviária Federal de Campo Erê prendeu neste domingo, dia 18, por contrabando de cigarros paraguaios Lucia Borges Paim e Alda Paim, residentes em Caxias do Sul/RS.

Segundo o delegado da Polícia Federal, Renato Silvy Tieze, elas conduziam dois veículos totalmente carregados com cigarros. – Questionadas sobre os produtos elas admitiram o contrabando e disseram que iriam comercializar o produto na cidade gaúcha – disse o delegado.

Lucia pagou fiança no valor de mil reais e foi liberada. Alda permanece presa na delegacia de Dionísio Cerqueira.


Comente aqui
19 mar10:19

Campo Erê realiza abertura da colheita estadual

A secretaria municipal de Agricultura e o Sindicato dos Produtores Rurais de Campo Erê realizaram, neste domingo, dia 18, a Abertura da Colheita Estadual. O ato simbólico da abertura da colheita de grãos acontece todos os anos no município, que já obteve em algumas safras, o título de maior produtor brasileiro de milho por área.

No entanto, nem mesmo as terras produtivas e a tecnologia livraram as lavouras do município de uma safra afetada pela seca. As pequenas espigas demonstram a quebra na produção. A esperança é de que no próximo ano o prejuízo seja compensado.

A abertura da safra ocorreu na propriedade de Orestes Roman, ao mesmo tempo em que era realizado o rodeio do CTG Estância do Oeste. Participaram do ato representantes e autoridades estaduais.


Comente aqui
02 mar15:40

Polícia Civil apreende fuzil em Campo Erê

Durante operação para cumprimento de quatro mandados de busca e apreensão nos bairros Vila Feliz e Mello, em Campo Erê, os policiais apreenderam uma espingarda calibre 32 e um fuzil, que provavelmente era usado pelo Exército Brasileiro.

As armas foram encaminhadas para perícia, somente assim será possível saber a origem exata do armamento apreendido. Na residência foram recolhidos ainda, munições e produtos para recarga de cartuchos.

O responsável pelas armas, Clésio Lira, foi preso em flagrante e encaminhado ao Presídio Regional de Xanxerê. Ele já possui várias passagens pela polícia.


Comente aqui
02 mar12:07

Creche será inaugurada em Campo Erê

A construtora responsável pela construção da Creche no bairro Primavera em Campo Erê entregou as chaves do local para a secretaria de educação. O local deve ser inaugurado ainda neste mês.

A secretária de Educação, de Campo Erê, Paula Tonial, lembra que a escola está provisoriamente pronta, faltando apenas pequenos ajustes nos acabamentos, que devem ser feitos em poucos dias.

Entre construção e mobília foram investidos quase um R$ 1,4 milhão. A maior parte destes recursos foi buscada pela administração municipal em Brasília, junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). São 1.118 metros quadrados de área construída com capacidade para 224 alunos. Em breve a secretaria de Educação inicia as matrículas, dando preferência para crianças que não frequentam nenhuma creche do município.

Comente aqui