Câncer

22 nov11:38

Novembro Azul, agora é a vez dos homens

Confira um artigo do médico urologista César Bombardelli:

O dia 17 de novembro foi aclamado em nosso país, como o Dia Nacional de Combate ao Câncer da Próstata. Ocasião oportuna para que todo homem possa fazer, ainda que por alguns instantes, uma reflexão sobre a importância e o impacto desta doença sobre sua saúde, bem como sua vida. Afinal, nos últimos 3 anos, o câncer da próstata contribuiu, de forma expressiva, para um incremento de até 95% no índice geral de morbidade da população masculina. Segundo dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer) até o final de 2012, estima-se que sejam diagnosticados algo em torno de 60.180 novos casos na população ou o equivalente a 62 novos casos por cada 100 mil habitantes.

O câncer da próstata ocupa a 6° posição no ranking geral das neoplasias malignas e é o segundo mais frequente na população masculina, em termos de mortalidade (ficando apenas atrás do câncer de pele). Habitualmente tem sido detectada em pacientes com 50 anos de idade ou mais, porém, não são raros os casos de pacientes mais jovens, diagnosticados com o câncer prostático. Os fatores de risco conhecidos, considerados como mais importantes para o seu surgimento, são: herança familiar (maior chance de acometimento da doença em indivíduos que apresentam história familiar positiva para o câncer da próstata); idade avançada (forma comum de neoplasia maligna na terceira idade, porém, quanto mais avançada for a idade, por ocasião do diagnóstico, menos agressivo tende a ser o câncer prostático); obesidade e diabetes melitus (pacientes com obesidade mórbida e diabéticos tendem a desenvolver formas bastante agressivas do câncer de próstata, precocemente); dieta alimentar pautada no consumo excessivo de gordura animal, do tipo saturada, ao longo da vida (carnes vermelhas, embutidos, derivados do leite, etc.).

Quando analisado de acordo com a raça/etnia, verificamos incidência do câncer de próstata relativamente baixa entre asiáticos, indígenas, e bem mais elevada entre os brancos/caucasianos, principalmente do norte da Europa e América do Norte, porém a maior incidência ocorre entre os negros, particularmente os que habitam o continente americano. Acredita-se que isto ocorra em função de uma interação entre aspectos biológicos do fator racial e hábitos alimentares.

Quando na fase inicial, o câncer de próstata é uma doença silenciosa: não produz nenhum sintoma ou manifestação clínica significativa. Isto somente ocorre quando o tumor ultrapassa os limites da glândula prostática e invade órgãos e estruturas adjacentes. Nesta fase, a cura já não é mais possível, sendo apenas indicado tratamento de controle da doença bem como tratamento paliativo. Este argumento é forte o bastante para justificar o apelo vinculado através da mídia, para que os homens reflitam sobre o assunto e assumam o compromisso de se submeterem a uma avaliação prostática, com vistas ao diagnóstico precoce do câncer da próstata. É importante se salientar que, em verdade, não se trata de exame preventivo, mas sim de rastreamento precoce do câncer, pois, tecnicamente, não temos, ainda, como evitar o aparecimento do câncer da próstata nos pacientes (uma vacina que proteja contra o câncer prostático ainda não se encontra disponível no mercado, apesar de inúmeras pesquisas científicas tentarem rumar nesta direção)

Quem deve fazer o exame prostático? A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) recomenda que comecem a fazê-lo, todos os homens a partir dos 45 anos de idade, sem histórico familiar para a doença. Este exame poderá ser feito 1 vez por ano. No caso de homens com histórico familiar bem conhecido para o câncer, o ideal seria começar a fazer o exame a partir dos 40 anos de idade e preferencialmente 1x a cada 6 meses, dependendo dos fatores de risco associados, presentes na história clínica. Esta recomendação tem sido igualmente endossada por outras associações urológicas internacionais de respeito, como a American Urological Association (AUA) e a European Association of Urology (EAU). O padrão-ouro da avaliação continua sendo a combinação entre o exame digital da próstata (toque retal) e a dosagem no sangue do PSA- Antígeno Prostático Específico

Seguindo o exemplo do grande sucesso da campanha de detecção precoce do câncer de mama, o “Outubro Rosa” a Unimed Chapecó, de forma inovadora, resolveu lançar a campanha “Novembro Azul” inspirada no movimento “Movember”, nascido na Austrália, em Melbourne, no ano de 2004, quando um grupo de aproximadamente 30 homens deixou o bigode crescer, deliberadamente, para utilizá-lo como um símbolo emblemático em prol da conscientização dos homens, acerca de problemas relativos à saúde masculina, em particular o câncer da próstata e seu engajamento na luta contra os mesmos. A palavra “Movember representa um mix das palavras “Moustache” (bigode em inglês), com a palavra November (Novembro). Este movimento ocorre uma vez por ano, durante todo o mês de Novembro e além das ações de conscientização, promove arrecadação de fundos para a Movember Foundation, aplicadas em ações de saúde para os homens.


Comente aqui
20 out14:15

Seara faz prevenção contra câncer

A Secretaria da Saúde de Seara realiza neste sábado mais uma campanha do dia “D” do Preventivo, com coleta de material para exame de prevenção do câncer de colo uterino e câncer de mama.

A ação iniciou pela manhã e vai até 16 horas no Posto de Saúde do Bairro São João e na Rede Feminina de Combate ao Câncer. As mulheres recebem atendimento gratuito, além de orientações dos profissionais de fisioterapia, nutrição e enfermagem. Pela manhã houve caminhada de conscientização pelas ruas do centro com as integrantes da Rede Feminina de Combate ao Câncer.

-O câncer de colo de útero tem cura quando diagnosticado com antecedência, por isso a importância de se prevenir- disse o secretário da Saúde, Odair Felippe.

Comente aqui
30 ago09:19

Cigarro responde por mais de 80% dos casos de câncer de pulmão e de laringe

O Brasil gastou 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011 para tratar doenças relacionadas ao tabaco, conforme levantamento feito pela organização não governamental Aliança do Controle do Tabagismo (ACT). Os gastos somaram quase R$ 21 bilhões no ano passado.

De acordo com os dados da ACT, 82% dos casos de câncer de pulmão no país são causados pelo fumo. Outros problemas de saúde também são provocados pelo cigarro: 83% dos casos de câncer de laringe estão relacionados ao tabagismo, 13% dos casos de câncer do colo do útero e 17% dos casos de leucemia mieloide.

No Distrito Federal (DF), por exemplo, a arrecadação, em média, é R$ 6,2 milhões mensais com a venda de cigarros (o valor corresponde a 25% do preço por carteira vendida). Por outro lado, o governo local gasta R$ 18 milhões por mês com o tratamento de doenças vinculadas ao fumo, segundo o pneumologista e coordenador do Programa de Controle do Tabagismo da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Celso Rodrigues.

Para o médico, os números mostram o impacto do vício na saúde. De acordo com Rodrigues, o tabagismo cria dependência química, física e psicológica, o que influencia no tratamento.

— É muito importante que a pessoa entenda a relação dela com o cigarro. Ela tem que entender por que fuma, por que deseja parar de fumar e onde está a dificuldade, por que não parou até agora — explica.

O cigarro vicia porque o principal componente, a nicotina, faz com que o cérebro libere dopamina, hormônio que dá uma sensação agradável. O organismo do fumante passa a pedir doses maiores de nicotina para que a sensação se repita e a pessoa sente necessidade de fumar cada vez mais.

Os males causados pelo fumo não são apenas relacionados ao sistema respiratório. Segundo Mônica Andreis, vice-diretora da ACT, as pessoas ligam o cigarro somente ao câncer de pulmão, mas também causa câncer de bexiga, boca, língua, faringe, problemas de fertilidade e derrame cerebral.

AGÊNCIA BRASIL

Comente aqui
23 jul16:44

Social: Chá da Rede Feminina foi realizado em Xaxim

Foi realizado no sábado, dia 21 de julho, a 16ª edição do Chá das Tortas, promovido pela Rede Feminina de Combate ao Câncer de Xaxim. O evento que aconteceu no Salão Paroquial.

Além das guloseimas tradicionais do Chá as pessoas que participaram do evento puderam assistir a um desfile de moda com as tendências do inverno. Também foram sorteados brindes durante a tarde.

Segundo a Presidente da Rede Feminina, Odete Castaman, o evento superou as expectativas e foi preparado com muito carinho pelas voluntárias.

- Praticamente todos os ingressos foram vendidos e o recurso do chá será revertido em benefício da própria Rede – disse.

A Rede Feminina está em Xaxim há 19 anos e realiza de forma voluntária o trabalho de prevenção à Saúde da Mulher.


Comente aqui
21 jul16:02

Desvende mitos e verdades sobre transmissão, prevenção e tratamento do HPV

O câncer de colo do útero é um dos tumores mais comuns em mulheres. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca) é de que, neste ano, surgirão quase 18 mil casos no Brasil e que metade das pacientes não vai sobreviver. Para evitar que o número de mortes continue alto, especialistas apostam na vacina contra o papilomavírus humano, mais conhecido como HPV, indicada para meninos e meninas de nove a 14 anos. O governo já estuda incluí-la no programa nacional de imunização, mas, por enquanto, a vacina está disponível apenas na rede privada.

De acordo com a pesquisadora do Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer Luisa Lina Villa, estudos indicam que a vacina é totalmente eficaz na população que ainda não se expôs ao HPV, que é um vírus sexualmente transmissível. No Brasil, a vacina quadrivalente, que protege contra quatro tipos de HPV, incluindo os que provocam a erupção da pele, é comercializada desde 2006. A bivalente foi aprovada dois anos depois.

Apesar de ser mais indicada para crianças e adolescentes, a vacina quadrivalente contra o HPV pode oferecer benefícios para mulheres entre 26 e 45 anos, incluindo as que já foram infectadas pelo vírus.

A seguir, desvende alguns mitos e verdades sobre o HPV:


:: O HPV pode ser curado.

Mito. Não há nenhum tratamento específico que elimine a infecção viral. Portanto, a pessoa infectada será sempre um vetor de contágio. Em geral, a maioria das infecções por HPV é controlada pelo sistema imune e eliminada naturalmente pelo organismo, mas algumas persistem e podem causar tumores.


:: A infecção não apresenta sintomas.

Verdade. Como é assintomático, a maioria das mulheres descobre que tem HPV por intermédio de um resultado anormal do Papanicolau: por isso, a importância do exame.


:: Os homens não desenvolvem doenças relacionadas ao HPV.

Mito. Nos homens, assim como nas mulheres, as manifestações clínicas mais comuns são as verrugas genitais, mas alguns tipos de HPV de alto risco, como o 16 e o 18, também causam câncer de pênis, de ânus, de cabeça e de pescoço.

:: O HPV pode ser transmitido por meio de contato com toalhas, roupas íntimas e até pelo vaso sanitário.

Verdade. Toalhas, roupas e até a tampa do vaso sanitário podem ter o HPV e ser uma fonte de infecção, apesar de rara.


VIDA E SAÚDE



Comente aqui
19 jul11:16

Refluxo pode provocar, nos piores cenários, infarto e câncer

Você come muito rápido? Dorme logo após a janta? Toma muito líquido durante as refeições? Ingere bebidas com gás e cafeína? Tem azia com frequência? Isso tudo é muito comum em quem sofre de refluxo, uma doença provocada pela passagem do suco gástrico do estômago para o esôfago, podendo alcançar outros órgãos dos aparelhos digestivo e respiratório. Nos piores cenários, o contato constante do líquido gástrico, altamente ácido, com o esôfago pode causar até mesmo enfarto e câncer.

— Os sintomas mais comuns são tosse crônica e crise de asma, mas o refluxo também pode causar faringite, laringite, pigarro, voz rouca, problemas dentários e até enfarto. Sem tratamento adequado, no longo prazo pode se transformar em uma esofagite (inflamação) ou até mesmo em câncer de esôfago — alerta o cirurgião Ricardo Minas, do Hospital São Luiz, de São Paulo.

Segundo ele, o tratamento pode ser clínico, mas muitos pacientes têm optado pela laparoscopia, uma técnica cirúrgica que estrangula a passagem do esôfago para o estômago, impedindo que o líquido estomacal retorne.

— É uma cirurgia muito tranquila, de cerca de uma hora, que faz com que o refluxo desapareça já no dia seguinte em 95% dos casos, livrando o indivíduo dos medicamentos — afirma o especialista.

O paciente passa apenas uma noite no hospital e o pós-cirúrgico consiste em dieta líquida por uma semana e pastosa por um mês. Além disso, a cirurgia também ajuda a emagrecer.

— Geralmente, quem tem refluxo está acima do peso. A cirurgia faz com que a pessoa perca de 5 a 10 kg e também a obriga a reeducar sua alimentação.

Comente aqui
09 jun20:51

Aumento do fator mínimo de proteção reforça papel do filtro solar na prevenção do câncer de pele

Taís Seibt | tais.seibt@zerohora.com.br

Qualquer aumento no fator de proteção solar é importante para a pele. A consideração do presidente regional da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Gustavo Corrêa, sobre as novas normas para a fabricação de protetores solares divulgadas esta semana pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se justifica pela importância do produto na proteção da pele contra os efeitos do sol. O próprio Instituto Nacional do Câncer (Inca) recomenda uso de protetor solar para evitar o câncer de pele, tanto que se discute se ele não deveria ganhar status de medicamento em vez de cosmético.

Pelas novas regras, o fator mínimo de proteção solar (FPS) aumenta de 2 para 6. O FPS mede a ação contra os raios ultravioleta B (UVB). A proteção contra os raios UVA terá de ser de pelo menos um terço do valor do FPS e deverá estar expressa no rótulo. Fica proibido usar expressões como “bloqueador solar” ou “100% proteção” e será obrigatório informar a necessidade de reaplicação do produto. A norma fixa ainda diretrizes para atestar a resistência do filtro à água e ao suor.

Para Corrêa, mais importante do que a medida da Anvisa é a conscientização. Além de ser fator de risco para melanomas, a radiação solar causa envelhecimento precoce e, em excesso, pode gerar também queimaduras graves. Prejuízos que poderiam ser afastados se o hábito de usar protetor solar fosse levado mais a sério.

A dermatologista Márcia Donadussi considera que as mudanças chegam para colocar às claras o que os dermatologistas já vinham recomendando há tempos. Para ela, inclusive, o fator mínimo poderia ser 15.

— É importante associar outros itens para proteção de melasmas, como uso de chapéu, boné e guarda-sol — orienta.

Estimativas do Inca indicam que o Brasil deve registrar 134.170 novos casos de câncer de pele em 2012. A doença responde por 25% do total de tumores malignos detectados no país e é o tipo de câncer mais comum em pessoas com mais de 40 anos.


Entenda as mudanças

Os fabricantes têm dois anos para se adequar às novas regras. A resolução segue as diretrizes do Regulamento Técnico Mercosul sobre Protetores Solares em Cosméticos, válidas para Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.


:: O que muda

— FPS mínimo aumenta de 2 para 6


:: O que fica proibido

— Escrever no rótulo “100% de proteção” ou usar o termo “bloqueador solar”


:: O que se torna obrigatório

— Proteção UVA de pelo menos um terço do FPS e expressa no rótulo

— Necessidade de reaplicação do produto também deve estar expressa na embalagem

— Resistência à água e ao suor deve ser certificada por meio de testes específicos


Comente aqui
24 mai14:26

Médico comenta controvérsias entre pesquisas que relacionam a cafeína ao risco de câncer

O café tem sido objeto de polêmica científica há muito tempo. Enquanto uns apontam que a substância pode diminuir o risco de câncer de esôfago, outros indicam que pode gerar maior risco de câncer de estômago com a ingestão de mais de três xícaras por dia. Estudos recentes já buscaram evidências de que o consumo do café possa ter alguma relação com câncer de próstata, de mama, de ovário e de pâncreas. Mas nem todas as pesquisas encontraram resultados similares.

Para o oncologista Stephen Stefani, do Instituto do Câncer Mãe e Deus, apesar de os dados serem conflitantes sobre o papel do café como causa de câncer, a maioria dos estudos descreve um papel protetor da cafeína, embora modesto.

— Uma das explicações conhecidas é que o café provoca a redução de substâncias produzidas pelo corpo que podem estimular câncer. Também há dados de laboratório que mostram que a cafeína funciona como um protetor solar natural, reduzindo o risco de câncer de pele — comenta Stefani.


Funções antioxidantes

Segundo o médico, dentre outros componentes, o café é fonte de polifenois diferentes, que podem ter ações antioxidantes contra várias doenças relacionadas com o estresse oxidativo, tais como o câncer e as doenças cardiovasculares. O estresse oxidativo representa um desequilíbrio de agentes oxidantes no organismo, resultando em aumento de radicais livres, que ocasionam lesões celulares.

Os polifenois também estão presentes em outros alimentos, tais como alguns tipos de verduras, legumes e frutas. Por exemplo, o cravo-da-índia é um dos alimentos mais ricos em polifenois. Devido a suas propriedades, esses compostos começaram a ser estudados em relação às suas possibilidades de quimioprevenção. Há evidências de que eles podem atuar, de diferentes maneiras, na regulação do processo de morte celular.

— Mesmo que exista alguma evidência de que o café possa proteger contra alguns tipos de câncer, não existe sentido em recomendar o consumo dessa substância para a proteção do câncer. Também não há evidências suficientes de que o café possa ser fator de risco para alguns tipos de câncer — observa o oncologista.


Com moderação

O que se sabe, até então, é que o consumo de café em quantidades razoáveis não é fator carcinogênico comprovado.

— É necessário que as pessoas se conscientizem que, para a prevenção do câncer, é preciso parar de fumar, ter uma alimentação saudável e realizar exercícios físicos — recomenda Stefani.

Sendo assim, está liberado o cafezinho para marcar a passagem do Dia Nacional do Café, comemorado nesta quinta-feira, 24 de maio. Só não vele exagerar na dose.


BEM-ESTAR



Comente aqui
24 mai08:52

Conheça os direitos do paciente com câncer

A maioria dos brasileiros portadores de câncer não sabe, mas eles têm direito a uma série de benefícios. Para garantir o acesso, é preciso pedir ao médico toda a documentação necessária para comprovar sua condição de saúde.

Por segurança, todo requerimento deve ser feito em duas vias, para que o paciente possa ficar com uma cópia. É importante exigir o protocolo de entrega, com data e assinatura, e guardar bem essa via, pois os prazos para exigências judiciais começam a contar a partir da data da entrega do requerimento.


Veja quais são os direitos do paciente com câncer e como encaminhar os pedidos:


:: Isenção de IR

Portadores de câncer são judicialmente dispensados do pagamento do Imposto de Renda. Caso o paciente ainda não seja aposentado, o benefício pode ser conseguido por meio da justiça. A isenção pode ser requerida junto ao INSS, mediantpatológico e laudo médico que contenha: diagnóstico expresso da doença; classificação Internacional de Doenças (CID); mençe requerimento, cópia do laudo histoão às leis 7.713/88; nº 8.541/92; 9250/95 e instrução normativa SRF nº15/01; data de início da doença; estágio clínico atual da doença e do paciente carimbo legível do médico com o número do Conselho Regional de Medicina (CRM). Além disso, é possível que os valores da compra de órteses e próteses sejam deduzidos da declaração anual do imposto de renda.


:: Saque de FGTS

Todo paciente com câncer pode sacar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), assim como o PIS/PASEP, para auxílio do pagamento das despesas com o tratamento. O saque deve ser feito nas unidades da Caixa Econômica Federal e pode ser efetuado quantas vezes for solicitado pelo trabalhador. Para tanto, deve-se providenciar os seguintes documentos: carteira de trabalho (original e cópia); comprovante de inscrição PIS/PASEP; original e cópia do laudo histopatológico; atestado médico (validade de 30 dias)com diagnóstico expresso da doença, classificação internacional de doenças (CID), menção à lei 8922 de 25/07/94, estágio clínico atual da doença e do paciente e carimbo legível do médico com número do Conselho Regional de Medicina (CRM). O saque do FGTS, em alguns casos, também pode ser feito por familiares do paciente, para que eles possam auxiliar nas despesas do tratamento.


:: Licença médica e auxílio doença

Caso o câncer traga sequelas que afastem o paciente de sua atividade profissional, ele tem direito a licença médica e auxílio doença. Desde que o paciente tenha inscrição no Regime Geral de Previdência Social (INSS) e que seja comprovado seu estado por laudo médico, não existe carência (número de contribuições) para requerer auxílio doença. O paciente tem direito à ajuda até que possa voltar a trabalhar.


:: Aposentadoria por invelidez

Quando é comprovado, por meio de perícia médica, que o paciente não tem condições de ser reinserido no mercado de trabalho, ele tem direito à aposentadoria por invalidez. Caso o aposentado por invalidez necessite de assistência permanente de outra pessoa, também a critério da perícia médica, o valor deve ser aumentado em 25% a partir da data de sua solicitação.


:: Quitação de dívida

No caso de pacientes que têm um imóvel financiado, em contratos com seguro, é possível que haja a quitação da dívida. Isso acontece em caso de invalidez ou morte. O doente que tem financiamento imobiliário pelo Sistema Financeiro da Habitação e paga o seguro por invalidez ou morte, junto com as prestações, pode solicitar a quitação total da dívida. Além disso, caso o paciente não possa garantir seu sustento, nem sua família tenha essa possibilidade, e não seja vinculado a nenhum regime de previdência social, ele terá direito a uma renda mensal vitalícia de um salário mínimo. O benefício é garantido diante de alguns pré-requisitos, como renda mensal familiar de cada um dos membros inferior a um quarto do salário mínimo e que o indivíduo não receba nenhum outro benefício.


:: Planos de saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabelece que os planos de saúde também devem cobrir procedimentos ligados ao tratamento do paciente com câncer. Os procedimentos variam de acordo com o tipo de plano. Os planos ambulatoriais cobrem consultas, exames, radioterapia e quimioterapia ambulatoriais; não cobrem cirurgias e hospitalizações. Os planos hospitalares cobrem cirurgias, internações, exames (quando internado), radioterapia e quimioterapia. Não cobrem consultas ou exames quando o cliente não está internado. Existe ainda a fusão desses dois tipos, os planos ambulatoriais-hospitalares, que incluem a cobertura de todos esses serviços. Existe ainda uma norma da ANS que obriga o convênio a pagar os medicamentos antineoplásicos.


:: Transporte e deslocamento

Conforme portaria do Ministério da Saúde, pessoas com câncer que precisam se tratar fora do perímetro urbano onde reside (distante mais de 50 quilômetros) têm direito a transporte, pousada e alimentação para o tratamento. Se residente em regiões metropolitanas, o paciente tem direito ao transporte urbano, que depende de regulamentação municipal. Pacientes com alguma deficiência nos membros superiores ou inferiores têm direito à isenção de IPVA, IPI e ICMS na compra de um veículo adaptado. As sequelas deixadas pela doença dão direito ainda à liberação do pagamento de passagens interestaduais de ônibus, trem ou barco pelo interior do Brasil, caso o paciente comprove que não tem condições de arcar com os gastos.


Fonte: Oncomed — Centro de Prevenção e Tratamento de Doenças Neoplásicas


BEM-ESTAR



Comente aqui
23 mai10:29

Veja que aspectos da sua pele podem indicar a formação de tumores

Maio é o mês de conscientização sobre o câncer de pele, que tem na exposição excessiva ao sol seu principal fator de risco. De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Brasil, cerca de 62 mil novos casos de câncer de pele não melanoma podem ser registrados em homens e 71 mil em mulheres, até 2013. A Região Sul é a mais afetada. Dados da Secretaria Estadual da Saúde informam que são esperados, em Porto Alegre, cerca de 210 novos casos de melanoma em 2012. No ano passado, foram registradas 209 mortes no Rio Grande do Sul em consequência da doença.

O uso do protetor solar é uma estratégia eficaz para a prevenção. A pele branca, por ter menor proteção em relação aos raios de sol, principalmente a radiação ultravioleta, está mais sujeita aos efeitos nocivos do sol. Camelôs, feirantes, agricultores, jardineiros, lixeiros, guardas de trânsito, carteiros, motoboys, operários da construção civil, pescadores e outros profissionais que cumprem suas jornadas de trabalho ao ar livre devem redobrar a atenção.

De acordo com a presidente do Instituto Oncoguia, Luciana Holtz, o melhor método para detectar precocemente o câncer de pele é prestar atenção aos sinais no corpo. Queimaduras, rugas, sardas, manchas brancas, textura rugosa da pele, capilares dilatados, massas escamosas são alguns dos aspectos. Se diagnosticado e tratado enquanto o tumor ainda não invadiu profundamente a pele, o câncer pode ser curado.


Preste atenção nos sinais

Manchas na pele devem ser observadas com cuidado. Fique atento a aspectos como:


:: Assimetria — uma metade diferente da outra

:: Bordas irregulares — contorno mal definido

:: Cor variável — várias cores numa mesma lesão: preta, castanho, branca, avermelhada ou azul

:: Diâmetro — maior que 6 mm


BEM ESTAR

Comente aqui