Candidato

07 out14:58

Candidato a vereador de Saltinho é preso acusado de compra de votos

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Um candidato a vereador do município de Saltinho foi preso nesta manhã acusado de compra de votos. Após denúncia a Polícia Militar abordou o candidato e encontrou com ele R$ 2.064,00 em dinheiro e material de propaganda eleitoral.

Ele foi encaminhado para a Delegacia de Campo Erê onde foi registrado Boletim de Ocorrências. O candidato ficou preso cerca de três horas e foi liberado após pagar fiança no valor de R$ 3.110,00.

O Ministério Público vai apurar o caso.


Comente aqui
23 set17:37

Candidato a vereador é preso em São Miguel do Oeste sob acusação de compra de votos

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Um candidato a vereador foi preso em flagrante em São Miguel do Oeste sob acusação de compra de votos. A prisão foi na tarde do sábado dia 22, no momento em que o candidato estaria distribuindo vales de combustível em um bairro da cidade.

De acordo com o delegado Regional da Polícia Civil, Ricardo Casagrande, o candidato pagou fiança no valor de R$ 4 mil e foi liberado. Ele vai responder pelo artigo 299 do Código Eleitoral, que prevê pena de até quatro anos de reclusão e pagamento de multa.

O nome e o partido do candidato não foram informados. Maiores informações sobre o caso devem ser divulgadas em nota pela Polícia Civil.


Comente aqui
16 ago23:32

Candidato de São Miguel do Oeste vai recorrer ao TSE para garantir registro

A coligação A Força do Povo (PT-PP-PTB-PR e PV) anunciou que vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral para garantir o registro de candidatura de Nelson Foss da Silva (PT), que concorre à reeleição para a prefeitura de São Miguel do Oeste.

O candidato teve sua candidatura indeferida no dia 28 de julho pelo juiz eleitoral de São Miguel do Oeste, Juliano Serpa.

A coligação recorreu ao Tribunal Regional Eleitoral que, na quarta-feira, negou recurso, mantendo a decisão de primeira instância. A coligação tem três dias para recorrer. Os partidos aliados de Nelson Foss da Silva informaram que a campanha continua normalmente.

Caso seja indeferida a candidatura ela terá que ser substituída. Isso pode ser feito até na véspera da eleição.

O pedido de impugnação foi realziado pela Coligação Unidos por São Miguel (PMDB-PSD-PSDB-PDT-PSB-DEM-PSC-PCdoB), que tem como candidato o ex-prefeito João Carlos Valar (PMDB).

Eles alegam que o candidato adversário não poderia concorrer pela Lei da Ficha Limpa, já que teria condenação por infração ambiental, vazamento de uma lagoa de tratamento, quando era diretor da Cooperoeste, em 2008. Nelson Foss da Silva entende que a impugnação da candidatura é absurda.

Comente aqui
12 ago14:53

Consenso pelo segundo ano- Houve apenas inversão de partidos na majoritária

Emancipado há apenas 20 anos, pela segunda eleição municipal consecutiva Jardinópolis terá apenas um candidato a prefeito.  A cidade é uma das oito em Santa Catarina com apenas um postulante ao executivo.

O agricultor Sadi Gomes Ferreira (PMDB), 36 anos, vai disputar sozinho os 1469 votos. Quer dizer, ele e seu vice, Alderi Nadaletti, que é do PP.  A diferença em relação à eleição passada é que o PP, deixa a cabeça de chapa para ser vice e, o PMDB, que era vice, vira cabeça de chapa. Os dois partidos já foram coligados há três eleições, quando Sadi foi eleito prefeito, para o mandato de 2005 e 2008. Em 2008 houve o consenso e agora, novamente, com o apoio do PT, PSD e PSDB.

Ferreira disse que  não foi difícil manter o consenso. –Foi tranquilo pois o PP já era prefeito e abriu mão para o PMDB- explicou. Na avaliação do candidato, a união dos partidos, dá menos brigas e gastos. Além disso fica mais fácil buscar recursos estaduais e federais.

Nadaletti lembrou que na primeira eleição em Jardinópolis houve uma disputa acirrada que refletiu negativamente na comunidade. –Quem era de um partido não ia compra no comércio- lembrou.

Para ele, num município pequeno, o consenso é  o melhor. Mas não é porque eles não têm adversários que deixam de fazer campanha. A dupla pretende visitar todos os moradores e tem até material de campanha.

Mesmo que seja necessário apenas um voto para ser eleito, a meta é superar os 70% de aprovação. A maioria da população aprova a chapa única. –É mais calmo- dizem algumas moradoras.  O aposentado Generino Picoli, de 74 anos, também aprova o consenso. –Dá menos gasto e menos bagunça, é 100%- aprovou. Mas ele admite que algumas pessoas na cidade são contra. –Era só o que faltava- contou, sobre a reação contrária de um morador.

Para o diarista Norberto Klasmann, com a chapa única dá menos briga na cidade. –Não gera conflito, é bem melhor- afirmou a servidora Marli Bez. O professor de Educação Física Christian Marmentini, disse que o consenso é melhor para o crescimento da cidade.

Sadi Ferreira disse que a cidade já é quase toda pavimentada. Sua meta para o próximo mandato é atrair indústrias e incentivar a agricultura, que ainda é base da economia local.

Além da chapa única para prefeito, há apenas uma chapa para vereador, com 18 candidatos, para nove vagas. O PMDB tem sete candidatos, PP, com seis candidatos, PT, com três candidatos, PSDB e PSD com um candidato cada.


Comente aqui