Casan

18 out12:09

Casan irá investir R$ 3,7 milhões em São Miguel do Oeste

Em reunião realizada nesta terça-feira, 16, na Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) de São Miguel do Oeste, o diretor de operação e meio ambiente, Valter José Gallina, afirmou que dois projetos estão em andamento para o município de São Miguel do Oeste, que resultam no investimento de cerca de R$ 3,7 milhões. Segundo ele, as ações irão suprir a dificuldade enfrentada na distribuição de água no município durante o período de verão.

O projeto emergencial e que deve estar pronto em janeiro do próximo ano, é de uma estação de tratamento móvel. O gerente da Casan de São Miguel do Oeste, Gilmar Rigo, explica que será instalada em um ponto da cidade e que irá atender os Bairros que mais sofrem com a falta de água. “Dois pontos próximos aos Bairros Santa Rita e Progresso estão sendo estudados”, declara Rigo. O valor previsto para este primeiro projeto é de R$ 700 mil.

O segundo projeto, envolvendo cerca de R$ 3 milhões, já está em fase final. Trata-se de um recalque com adutora para captação da água do poço profundo que será direcionada diretamente aos reservatórios de distribuição, localizados no centro da cidade. “Nos próximos meses, vamos entrar com o processo de licitação. Queremos iniciar as obras no início do ano que vem”, afirma diretor da Casan Valter Gallina. Ao todo, serão, aproximadamente, cinco quilômetros de extensão com canos de ferro fundido de 300 milímetros. “A obra irá atender toda a demanda da cidade por vários anos”, finaliza o diretor.

Diversas autoridades participaram da reunião, entre elas: o empresário e prefeito eleito de São Miguel do Oeste, João Carlos Valar, o presidente da Câmara de Vereadores, Flávio Ramos, o vereador Airton Fávero e demais servidores e funcionários da Casan.


Comente aqui
10 out16:06

Táxi cai em buraco

Um táxi caiu num buraco no início da manhã desta quarta-feira em Chapecó, nas esquina da ruas Sete de Setembro e Minas Gerais. De acordo com informações da Secretaria de Defesa do Cidadão, no local estava sendo realizado o conserto de um vazamento na rede de água, pela Companhia Catarinense de Águas e Saneamento. O local foi sinalizado mas o mau tempo está atrapalhando o conserto. O proprietário do táxi teve um prejuízo estimado em 9 mil reais e deve acionar judicialmente os responsáveis.

Comente aqui
13 set15:55

Eleitor chapecoense indignado com a falta da água

O eleitor chapecoense Edgar Cavalheiro, 44 anos, sofre com a falta de água em casa e para demonstrar a sua indignação adesivou o próprio veículo com a seguinte frase: “Vendo 1 voto ou troco um água limpa da Casan”.

Cavalheiro, que trabalha há 11 anos com a venda de pães, e mora há 50 metros de uma caixa de água da companhia, está com problemas no recebimento de água.

- Pago o talão todo o mês, mas a água não vem com freqüência – disse.

>> Acesse o Blog Palanque Eleitoral


Comente aqui
16 mai11:03

Bomba do poço profundo de Seara é retirada

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) anunciou na tarde da terça-feira, dia 15, a retirada da bomba que estava presa no poço profundo, em Seara. A informação foi repassada pelo presidente da Casan, Dalírio Beber para a secretária de Desenvolvimento Regional de Seara, Gládis dos Santos.

O poço parou de funcionar no dia 15 de dezembro em função da bomba de sucção ter queimado. Na tentativa de retirar a bomba para o conserto, um dos canos se rompeu e 22 toneladas de equipamento ficaram presas há cerca de 400 metros de profundidade.

A peça foi retirada por uma empresa paulista, especializada no estudo, projeto, perfuração e manutenção de poços tubulares profundos. A maior dificuldade enfrentada pelos técnicos foi encontrar ferramentas adequadas para retirar os equipamentos presos dentro do poço. A Companhia investiu mais de 400 mil reais no serviço.

Não há ainda uma data definida para que o poço profundo volte a abastecer o município.


Comente aqui
14 mar14:58

Casan de Seara contratou caminhões para abastecer o município

A Casan de Seara voltou a utilizar caminhões pipa para captar água no rio Uvá de Itá e garantir o abastecimento da cidade. Ainda assim, os moradores vão continuar recebendo água só de 12 em 12 horas.

Como não chove há mais de 20 dias o nível do rio do Caçador diminuiu e o volume de água é insuficiente para atender a demanda. Para amenizar a situação, na manhã desta quarta-feira três carretas iniciaram o trabalho de captar água no Rio. O trajeto rio para reservatório da Casan em Seara é de 18 Km.

- Cada caminhão devem fazer 10 viagens por dia para atender a demanda – disse o Carlos Peressoni, chefe da Agência em Seara.

Mesmo assim, o rodízio no abastecimento vai ser mantido. Por 12 horas é distribuído água para uma região da cidade e 12 horas para a outra. Sistema que não garante o abastecimento de todas as residências. Quando a água chega até a casa de Dona Amália ela armazena o que pode. – Economizo em tudo, até o banho tem que ser rápido – disse a aposentada Amália Sartori.


Poço Profundo

A maior parte dos equipamentos que ficaram presos dentro do poço, após um cano se romper, foram retirados. Mas ainda é preciso retirar o motor da bomba de sucção que está a 400 metros de profundidade.

- Esse é um trabalho delicado e ainda não temos data para ser finalizado – disse Peressoni.


Comente aqui
12 mar15:59

Seara retoma rodízio no abastecimento de água

A Casan de Seara voltou a implantar sistema de rodízio no abastecimento de água da cidade.

Como o poço profundo ainda não foi consertado e o nível da barragem de captação de água do rio Caçador está cada dia mais baixo, a companhia está racionando o abastecimento.

Durante 12 horas é abastecida a parte baixa da cidade e no restante do dia a parte alta. A ordem na cidade é evitar o desperdício. Esta é a terceira vez só neste ano que Seara adota sistema de rodízio no abastecimento de água.




Comente aqui
10 fev17:50

Rodízio de água em Seara

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Os moradores de Seara, que antes ficavam 12 horas sem receber água, em esquema de rodízio, a partir de hoje ficarão até 24 horas sem o fornecimento. O gerente da Casan em Seara, Marcelo Cozzer, disse que isso acontece porque a vazão do rio Caçador diminuiu ainda mais e é preciso buscar complemento na barragem de Itá. Com isso é preciso esperar mais tempo para tratar água e assim abastecer o município.

- E caso não chova nos próximos dias a tendência é que o período sem água aumente – comentou Marcelo.

O racionamento por falta de água, provocada pela estiagem, se deve porque o poço profundo que poderia abastecer a cidade, está com uma bomba e tubulação entalados desde dezembro. A bomba queimou no dia 15 de dezembro e, na troca, dia 20 de dezembro, o equipamento com 22 toneladas caiu mais de 100 metros dentro do poço, que tem 589 metros.

A barragem do Rio Caçador, que seria a alternativa, não tem volume de água suficiente. Para tentar acumular mais água foi realizado durante 10 dias um trabalho de desassoreamento na barragem de captação. – Agora está tudo limpo, só falta chover – disse Marcelo.

O Superintendente Regional da Casan, Écio Bordignon disse que, além de Seara, outros municípios estão com rodízio no abastecimento: Jardinópolis, Formosa do Sul, Caxambu do Sul e São Miguel do Oeste.


Caminhões puxam água

A população de 17 mil habitantes consome uma média 1,8 mil litros por dia. Para amenizar a situação três caminhões da Prefeitura buscam cerca de 200 mil litros de água por dia na estação de tratamento da Casan em Itá, distante 18 Km da cidade. – São cerca de 20 viagens diárias – disse o presidente da Defesa Civil em Seara, Fabio Stocco.

A prefeitura estuda também a possibilidade da contratação de mais três caminhões para buscar água. –Devemos iniciar o trabalho com esses caminhões a partir da segunda-feira – acredita Stocco. O custo diário para a locação e transporte para o poder municipal será de aproximadamente R$ 4,5 mil.

Na manhã desta sexta-feira o presidente da Defesa Civil se reuniu com diretores da Seara Alimentos. A empresa, que utiliza 5,4 mil litros de água por dia, vai disponibilizar a estrutura de captação no Rio Uvá. – A ideia é colocar a nossa estrutura a disposição da Prefeitura – disse Neri Cosmann, gerente geral da Unidade em Seara.


Comente aqui
25 jan14:51

Poço de Seara sem data para entrar em funcionamento

RBS TV CONCÓRDIA

Ainda não se sabe ao certo quando o poço profundo de Seara vai voltar a funcionar. A Casan investiu mais de 400 mil reais na contratação de uma empresa que trabalha há 10 dias no local, mas ainda não conseguiu retirar a bomba de sucção que está presa há cerca de 400 metros de profundidade.

A maior dificuldade enfrentada pelos técnicos é encontrar ferramentas adequadas para retirar os equipamentos presos dentro do poço. – A bomba que tem três metros de comprimento está a 398 metros de profundidade. Sobre ela estão vários canos – disse o geólogo Will Roberto Lesche.

Como este é um caso incomum, a empresa teve que confeccionar peças em São Paulo, o que atrasou o serviço.

O poço parou de funcionar no dia 15 de dezembro em função da bomba de sucção ter queimado. Na tentativa de retirar a bomba para o conserto, um dos canos se rompeu e 22 toneladas de equipamento ficaram presas dentro do poço.

Na manhã desta quarta-feira, dia 23, foi realizada uma microfilmagem do local. O vídeo mostra alguns cabos de energia sobre os canos. Só depois que estes cabos forem retirados do poço é que vai ser possível retirar os canos e também a bomba.


Abastecimento pode voltar ao sistema de rodízio

Enquanto o poço profundo é consertado, a cidade é abastecida pelo rio Caçador. Mas como a barragem de captação está cheia de terra, o nível do reservatório da Casan está baixo. O que garante o abastecimento para mais cinco dias.

Se não chover neste período, o rodízio na distribuição de água pode ser implantado novamente na cidade.


Comente aqui
23 dez10:00

Falta de chuva preocupa

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Planalto Alegre foi a primeira cidade do Oeste a decretar Situação de Emergência devido a estiagem. Não chove há 40 dias no município. A maior preocupação é a falta de água para o consumo humano. Um caminhão pipa da Prefeitura está há mais de uma semana abastecendo cerca de 20 famílias do interior do município que estão sem água para o consumo.

Segundo o prefeito Edgar Rohrbeck a situação poderia ser ainda pior se não fosse o sistema de captação de água no Rio Chapecó. – O que realmente preocupa é que muitas fontes do interior secaram – disse o prefeito.

As perdas na agricultura são perceptíveis, na cultura da melancia e milho a produtividade teve queda de 35%. Na produção de leite a quebra é de 25%. – Técnicos da Secretaria de Agricultura e Epagri fazem o levantamento, mas já podemos dizer que os agricultores vão ter prejuízos – lamenta o Secretário de Agricultura, Carlos Panho.

O prefeito de Ipuaçu Denilso Casal também assinou decreto de Situação de Emergência devido a estiagem. A produção de milho é a mais castigada. O levantamento dos prejuízos será feito pela Epagri e Secretaria Municipal de Agricultura. De acordo com o Denilso a prefeitura vai disponibilizar o abastecimento de água para o interior, visando amenizar os prejuízos e riscos existentes.

O prefeito em exercício de Guaraciaba Nelson Hüning deve assinar na manhã desta sexta-feira o decreto de Situação de Emergência. Ele esteve em Brasília para a assinatura de um convênio de mais de R$ 3,5 milhões para investir em abastecimento de água no município.


Chapecó

A falta de chuva começa a preocupar e a prejudicar o abastecimento de água em Chapecó. Desde o dia 21 de novembro não é registrada uma chuva significativa na cidade. Segundo o observador metereológico da Epagri Francisco Schervinski a única chuva representativa no mês de dezembro, até agora foi no dia 09, quando foram registrados 19 mm de chuva. – Tivemos também outros dois dias com pancadas isoladas na cidade que totalizam 22 mm de chuva no mês. Bem diferente da média histórica que é de 170 mm e da registrada em dezembro de 2010, que foi de 392 mm. Esse verão não será tão chuvoso como o do ano passado – salientou o observador.

A umidade baixa do ar também tem preocupado. Na tarde da quarta-feira, 21, a umidade chegou a 21%. Na manhã desta quinta-feira estava em 45%, o ideal seria de 60%. Uma das conseqüências disso pode ser o aumento no atendimento de crianças e adultos com problemas respiratórios. Segundo informações do Hospital Materno Infantil os atendimentos ainda não tiveram alterações.

Ainda segundo o observador metereológico a previsão para os próximos dias é de pancadas de chuva em pontos isolados.


Caminhão pipa no interior

O interior de Chapecó está recebendo água de caminhões pipa. Segundo o secretário de agricultura Ricardo Lunardi, cinco comunidades estão sendo atendidas com água. O secretário disse ainda que desde 2005 já foram construídos 200 poços artesianos no interior.


Sistema de rodízio nos bairros

A Casan iniciou um sistema de rodízio para garantir o abastecimento de água nos bairros de Chapecó. As residências ficam com o abastecimento de água interrompido durante um período do dia:

Bela Vista, Cristo Rei e Eldorado – 20h as 6h;

Passo dos Fortes, Loteamento Valville e Don Fabiano – 20h30 as 5h30;

Santo Antonio, Palmital, Quedas do Palmital e Universitário – 20h30 as 6h;

Grande Efapi e Centro – 21h as 5h30;

Seminário, Santa Maria e Esplanada – 20h as 6h.


O superintendente regional da Casan Nilso Macieski havia convidado a imprensa  para esclarecer e apresentar as obras que estão sendo realizadas para resolver o problema nesta sexta-feira. Porém o encontrou foi cancelado na tarde da quinta-feira.

- Voltaremos a marcar uma nova data para que seja possível acompanhar o sistema já em  funcionamento – disse Macieski.



Comente aqui