Casas

14 set10:11

‘Que tal dirigir uma casa?’

Em Chapecó é comum ver casas serem transportadas por caminhões. Essa estava ‘estacionada’ na Linha Faxinal dos Rosa, interior da cidade.

Segundo o secretário de defesa do cidadão, Sérgio Walner, em Chapecó são transportadas cerca de duas casas por semana, uma média de 10 por mês.

Para levar essa casa a pessoa pega uma autorização na Prefeitura e os agentes de trânsito acompanham a troca de endereço que é sempre realizado em horários que não atrapalham o trânsito.


1 comentário
31 jul10:37

Cinco casas ameaçam desabar e Piratuba decreta situação de emergência

Daisy Trombetta | daisy.trombetta@diario.com.br

Por risco de desmoronamento de terra, cinco casas foram interditadas em Piratuba, no Meio-Oeste. As famílias tiveram que deixar os locais durante o final de semana e estão na casa de parentes. A quantidade de chuva que cai sobre a região aumenta o risco e a cidade decretou situação de emergência.

A desocupação das casas ocorreu depois que as estruturas começaram a apresentar rachaduras. A terra também cedeu e há uma grande fissura na rua que passa em frente às casas. O tráfego de veículos está impedido no local.

A causa do problema ainda está sendo investigada, mas a suspeita é de que uma escavação que fica nos fundos das casas tenha provocado as rachaduras. No local, seria construída uma creche municipal, mas a obra também está interditada.

Mesmo sem o laudo final, a prefeitura decretou situação de emergência ontem, já que o problema está sendo agravado pelos altos volumes de chuva dos últimos dias. Somente alguns moradores puderam retirar os pertences das casas.

Conforme o presidente da Comissão Municipal da Defesa Civil de Piratuba, Fábio Matzenbacher, o órgão está acompanhando a situação e, além das cinco casas interditadas, outras duas permanecem em observação devido aos riscos de desabamento.

Ele salienta que um geólogo já esteve no local para avaliar o problema e determinou a desocupação imediata das áreas, principalmente diante da previsão de mais chuva para os próximos dias.

— Vamos aguardar o laudo e continuar observado os locais. As famílias já deixaram as casas e é difícil apontar a causa somente com levantamento preliminar — diz.


Problema é antigo

Embora não tenham causado danos, outras rachaduras já haviam aparecido no local no ano passado. Na época, um laudo de geólogos contratados pela prefeitura atestou que não haveria risco de desmoronamento.

O policial militar Claércio Huf mora no local há quatro anos e disse que, desta vez, notou as primeiras fissuras no sábado, quando resolveu deixar a casa por questão de segurança. Ele e a esposa saíram apenas com as roupas e alguns pertences pessoais. Alguns móveis puderam ser retirados de casa na tarde de ontem.

— Estamos aguardando um parecer, mas não tenho mais segurança para morar aqui. Pretendo procurar outro local para morar — afirma.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
04 jun10:12

Vendaval destelhou casas em São José do Cedro

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Os fortes ventos acompanhados por chuva na madrugada deste domingo, dia 3, causaram prejuízos e assustaram moradores de três comunidades do interior de São José do Cedro. Segundo o prefeito Renato Bruetto, cerca de 80 pessoas foram afetadas. Na manhã desta segunda-feira o prefeito esteve reunido com as secretarias de obras, agricultura, Defesa Civil e Corpo de Bombeiros. Uma equipe está fazendo o levantamento dos danos para encaminhar a avaliação para a Defesa Civil do Estado.

De acordo com o prefeito os fortes ventos atingiram duas propriedades na comunidade Santo Antônio, três na linha São Roque e outras 12 na comunidade de Derrubada Baixa. Nesta comunidade a Igreja e o Salão Comunitário foram totalmente destruídos. Árvores também foram arrancadas. Algumas caíram às margens da BR 163.

>> Vendaval destelha 50 casas em Campo Erê

>> GALERIA DE FOTOS da destruição em São José do Cedro foi provocada por vendaval

Corpo de Bombeiros e a secretaria de obras do município realizaram os primeiros atendimentos na manhã do domingo. Equipes da Celesc também trabalharam no local para restabelecer a energia elétrica.

O município de 13 mil habitantes, já havia decretado situação de emergência devido a estiagem, que assola a região desde novembro de 2011.

>> Em SC são 148 decretos devido a estiagem

Comente aqui
05 abr14:56

Vendaval atinge mais de 100 casas no Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Pelo menos 100 casas foram atingidas por um vendaval ocorrido próximo ao meio-dia de hoje, em Chapecó. Os bombeiros atenderam dezenas de ligações e retiraram pelo menos 20 árvores caídas. Uma delas caiu na praça do bairro Presidente Medici. Ninguém tinha sido ferido até o início da tarde de hoje.

Cerca de 30 bombeiros estão auxiliando moradores com lonas e na retirada de árvores das vias públicas. Até quem tava de folga foi chamado.

Os bairros mais atingidos foram Santo Antônio, Jardim América e Presidente Medici. Karolay Daiane Machado estava almoçando na casa da mãe dela quando começou o vento forte. Quando chegou em casa viu que estava sem parte do telhado, a sala e um dos quartos molhados.

– Molhou a cama, a tevê e o sofá- disse.

Para proteger o restante da casa da chuva ela conseguiu uma lona com o padrasto. Seu marido, Pedro Ferreira, teve que subir no telhado para arrumar o telhado.

Prática essa que é condenada pelos bombeiros, devido ao risco de queda. Após o vento forte veio a chuva e uma garoa continuava a cair na cidade até o meio da tarde.

>> Chuva e ventos fortes em Chapecó


Comente aqui
22 mar10:03

Famílias em área de risco e áreas verdes são relocadas em Itá

A Secretaria de Habitação e Ação Social de Itá iniciou o processo de relocação de 26 famílias que moram em áreas de risco e em áreas verdes. As famílias estão recebendo novas moradias nos bairros das Palmeiras e São João. Segundo a Secretária Municipal da pasta, Ivete Mendes, até agora 11 famílias já foram contempladas. Nos próximos dias será efetuada a entrega de novas residências no Bairro São João, onde foram edificadas 16 residências novas.

- O objetivo é oferecer uma melhor qualidade de vida com melhores condições de moradia para essas famílias. As antigas foram interditas pela Defesa Civil devido a rachaduras e desmoronamento de terra no Bairro Floresta onde vive boa parte das famílias atingidas e outras que residem na Vila Gerasul, local considerado como área verde – explica Ivete.

Segundo o prefeito Egidio Gritti, a construção das novas casas foi viabilizada por meio de uma parceira, formulada entre a empresa Tractebel, Defesa Civil Estadual e prefeitura de Itá, e sem custo para as famílias relocadas.

O prefeito e a secretária de Habitação e Ação Social, Ivete Mendes visitaram as famílias que já estão em suas novas casas. A partir de agora será iniciado um programa de acompanhamento social para que as famílias possam se adaptar melhor ao novo local. O município também disponibilizará um programa de ajardinamento.


Comente aqui
24 jan09:25

Casas são demolidas em Xanxerê

Começaram a ser demolidas as casas que serão reconstruídas na Chácara 242, no bairro São Romero, em Xanxerê. De acordo com o diretor de Habitação, Evandro Berto, o Projeto de Urbanização e Regularização Fundiária prevê a construção de 25 novas residências e a regularização fundiária das 72 famílias que residem no local.

Já está sendo realizado o trabalho social com as 72 famílias que serão beneficiadas com a construção de novas casas e com a regularização fundiária, recebendo a escritura definitiva de seus terrenos.

A prefeitura está fazendo a limpeza dos seis primeiros terrenos, onde serão construídas as seis primeiras residências. O diretor de Habitação, Evandro Berto, ressalta ainda que as seis famílias estão recebendo aluguel social.

O projeto é uma parceria entre a Prefeitura de Xanxerê e o Governo Federal. – As famílias receberão estas casas gratuitamente, bem como a regularização – disse o diretor.


Comente aqui
19 jan17:13

Famílias do interior de São Carlos terão novas residências

Mais 17 famílias de agricultores assinaram contrato de construção de casas no meio rural, através do programa Minha Casa Minha Vida do Governo Federal. O ato foi realizado na prefeitura de São Carlos com o acompanhamento de representantes da Caixa Econômica Federal (CEF) e da Secretaria Municipal de Agricultura. – Com esta liberação ultrapassamos o número de 300 casas próprias construídas no município em menos de oito anos, através de parcerias com os governos do Estado e Federal – enfatizou o prefeito Elio Godoy.

Conforme o secretário de agricultura Silvério Heck, as famílias estão divididas nos Grupos um e dois (G1 e G2), que tem especificações diferentes em relação ao tamanho, valores e forma de pagamento das casas.

Para os agricultores do G1 a construção será de 53,9 metros quadrados, enquanto para o G2 será de 69,75 metros quadrados, onde os valores das obras variam entre R$ 22 mil e R$ 23 mil, respectivamente. Ainda segundo o secretário, para as casas de ambos os grupos os projetos são padrões da CEF.

No G1 o valor do material é completamente subsidiado como fundo perdido pelo governo, e a contrapartida do produtor é a mão-de-obra. Já para o G2 o produtor tem aproximadamente R$ 7 mil de subsídio e o restante é financiado em 10 anos, com prestações semestrais.

- Agora os agricultores devem providenciar as notas fiscais de compra dos materiais para a Caixa liberar 15% para cada família – explicou Heck.


Comente aqui
06 dez13:36

Casas irregulares são demolidas em Xanxerê

Em função do alto risco que vinham proporcionando, três casas que estavam em construção foram demolidas nos bairros Santa Cruz e Santos Dias, em Xanxerê. A Defesa Civil já havia notificado os proprietários e interdição das obras.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil de Xanxerê, Rosito Miglioranza, a população está insistindo em construir nas áreas de risco, o que levou a Defesa Civil e o Departamento de Engenharia da Prefeitura de Xanxerê a fazer a demolição.

Miglioranza destaca que mais de 100 famílias estão morando em áreas de risco na cidade. – Estamos notificando os casos mais graves, de alto risco, e pedindo para as famílias saírem do local – ressaltou.

O diretor de Engenharia e Obras, Enio da Silva Winckler disse que o objetivo não é prejudicar os moradores, mas sim uma preocupação com a segurança das famílias no local.


Comente aqui
02 dez11:53

Casas com aquecimento solar em Concórdia

O prefeito de Concórdia, João Girardi visitou as obras do Loteamento Frei Lency II, que deve entregar 205 casas no mês de fevereiro de 2012. – As obras estão dentro do prazo determinado e acreditamos que em fevereiro vamos entregar as casas às famílias selecionadas – disse Girardi.

As casas em construção têm 38m² e devem ser entregues prontas para morar, com aquecimento solar, energia elétrica e sistema de tratamento de esgoto instalados. As famílias vão passar por várias etapas de orientação antes de morar nas casas.

No dia 12 de dezembro, as famílias serão divididas em três turnos para conhecer o programa que possibilitou a nova moradia. – Além disso, vai ser explicado como funciona o sistema solar e o quanto de energia será poupado com o uso desta tecnologia – explicou a assessora de Planejamento, Marilu Mattiello.

1 comentário
09 set19:49

Famílias são retiradas de áreas alagadas em Abelardo Luz

Por medida de segurança três famílias, moradoras as margens do Rio Chapecó foram retiradas das residências na manhã desta sexta-feira em Abelardo Luz. Com as fortes chuvas dos últimos dias, o leito do rio subiu mais de dois metros e chegou próximo a porta das casas.


As famílias atingidas estão abrigadas provisoriamente no ginásio de esportes. Elas devem permanecer no local até o final de semana. A Defesa Civil está monitorando o volume do leito do rio, que pela parte da tarde já começou a diminuir.


Alagamentos

Na tarde de quinta-feira e na sexta-feira, equipes da prefeitura registraram vários alagamentos em diversos pontos da cidade. A situação mais preocupante foi no interior do município, onde rios transbordaram e invadiram as estradas, dificultando o acesso dos veículos e o transporte da produção leiteira.

Em alguns trechos nas comunidades de Canhadão e Passo das Antas, por exemplo, as estradas se transformaram em rios dificultando a passagem dos veículos. Além de atingir dezenas de propriedades, as fortes chuvas danificaram pastagens, estradas, bueiros e pontes, podendo também prejudicar o plantio das lavouras de milho.

Na cidade, o volume da água do Rio Chapecó cobriu parte da avenida Beira Rio. Aguns veículos de uma oficina, que fica nas proximidades, ficaram submersos.

A Defesa Civil continua em alerta e esta dando todo apoio necessário aos afetados. O município pode decretar situação de emergência nos próximos dias.



Comente aqui