Cavalgada

18 out11:17

Uma Cavalgada pela história

Sirli Freitas sirliane.freitas@diario.com.br

 Um grupo de cavaleiros do CTG Vaqueanos do Oeste de Chapecó seguiu nesta quinta  para uma viagem bem especial. Eles vão fazer parte das comemorações aos 100 anos da Guerra do Contestado que ocorre domingo, na cidade de Irani, no meio Oeste.

 

É no trote manso do cavalo que o grupo de nove senhores e uma senhora segue para mais uma aventura de três dias e 120 quilômetros até o destino. Para descansar e alimentar os cavalos, eles serão recepcionados por outros CTGs espalhados pela região.


A única mulher a participar da viagem diz que a paixão começou com o marido Miguel, esta é a décima sétima viagem de Selma Giliolli de 70 anos. –Eu gosto muito das cavalgadas e sempre acompanho o grupo. –diz a cavalariana Selma Giliolli,


Para esses cavaleiros que levam a tradição do lenço branco para identificar os chimangos é mais uma união dos cavaleiros antigos e cheios de conhecimento, com a expectativa e euforia dos novos. –É muito bom poder rever os amigos e cultivar a tradição. –declara Auri Casalli


O grupo de cavalarianos foi criado em 1985. E a cada ano novos integrantes vão chegando para participar das cavalgadas que já viraram rotina na vida deste grupo.







Comente aqui
06 out14:38

Cavalgada ecológica

A atividade inicia às 9h e segue até o meio dia, do sábado, dia oito. A cavalgada sairá do centro da cidade, próximo ao ginásio de esportes. Durante o evento será realizado o plantio de uma Grápia (árvore símbolo de Itá). Após o plantio, a cavalgada segue para a comunidade de Linha Fátima, onde será plantada outra Grápia e após servido almoço gratuito aos participantes.

As mudas de Grápia e Orquídeas receberão a Benção do Padre Sérgio da Igreja Católica.

Durante o dia também serão desenvolvidas outras atividades do Projeto Itá Pensando no Futuro:

Plantio de Orquídeas: com a participação do grupo dos Escoteiros Itaguaçu, Pelotão Ecológico e Casa Lar serão plantadas mudas de orquídeas nas árvores da cidade;

Campanha do lixo eletrônico: Os alunos envolvidos (Oitava série da Escola Valentim Bernardi e Terceiro ano do Liberato Bitencourt) irão passar no comércio e residências informando sobre a campanha, coletando o lixo eletrônico, para então dar o destino correto;

Campanha do Descarte Responsável: a Farmácia Itá Farma estará fazendo a Campanha do Descarte Responsável dos Medicamentos Vencidos. Quem trouxer qualquer medicamento vencido ganha uma muda de árvore nativa.

As atividades  são promovidas pelo Projeto Itá Pensando no Futuro, com o apoio do CTG Caudilhos do Oeste, Grupo Escoteiros Itaguaçu, Casa Lar, Colégio Valentim Bernardi e Liberato Bitencourt, Catequistas da Igreja Católica, Pelotão Ecológico, Comunidade da Linha Fátima, Ita Farma, Horto Botânico da UHE Ita, Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente e Prefeitura de Itá.


Comente aqui
18 ago16:19

Três cavaleiros fazem 200 quilômetros margeando o Rio Uruguai

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Uma aventura que resgatou tradições dos tempos da colonização do Oeste Catarinense, no início do século passado, encerrou na terça-feira (16). Depois de percorrerem 200 quilômetros a cavalo durante nove dias, de Chapecó até o Salto do Yucumã, no município de Derrubadas-RS, três profissionais liberais chapecoenses retornaram ontem para casa.

Chapecoenses resolveram resgatar a tradição dos colonizadores do Oeste

O empresário Auri Casali, 44 anos, o advogado Osmar Macedo, 53 anos, e o professor aposentado João Sebastião Batista, de 78 anos, realizaram um sonho. –Eu me emocionei ao rever os caminhos que percorri a cavalo quando era mais jovem- lembrou Batista.

Os três saíram de Chapecó com chuva. Além dos cavalos, onde cada um levava seus pertences pessoais, duas mulas com 50 quilos cada levou os mantimentos, como charque, salame e lingüiça. Tudo dentro das bruacas, que são compartimentos de couros que eram utilizados pelos tropeiros no século passado.

Mas nem tudo foi bonito. Os aventureiros encontraram muito lixo nas rodovias e um cavalo acabou se cortando com cacos de garrafa próximo a Palmitos. Uma das mulas teve que ser utilizada para transporte.

Os três só tinham definido pontos de parada nos primeiros dias, em casa de conhecidos. Depois, foram conseguindo pousada em centros comunitários, clubes e Centros de Tradições Gaúchas.

- A receptividade foi muito boa por onde a gente passou- disse Auri. No Dia dos Pais, já em solo gaúcho, eles não tinham almoçado quando uma famílias os convidou para almoçar com eles.

Uma das vantagens da aventura foi poder observar mais calmamente as belezas da fauna e flora e os contornos do Rio Uruguai, que ganhavam diferentes tons conforme a intensidade do sol. O advogado Osmar Macedo disse que a viagem permite um olhar para dentro de si, fugindo da rotina dos compromissos profissionais.

Em Derrubadas os três chegaram ao Salto do Yucumã, que é o maior salto longitudinal do mundo, com 1,8 quilômetro de extensão. Este era o grande obstáculos dos balseiros que levavam madeira do Oeste Catarinense para a Argentina, pelo rio. O local somente permitia passagem em épocas em que a cheia cobria o “Salto Grande”, inspiração de muitas músicas. Mesmo com o fim do ciclo da madeira, o local continua a impressionar pela beleza e a inspirar novos aventureiros.

TRAJETO

Chapecó- Salto do Yucumã (no município de Derrubadas-RS, na fronteira com a Argentina.

Saída: 8h30 do dia 8 de agosto.

Municípios percorridos: Chapecó, Guatambu, Planalto Alegre, Caxambu do Sul, Águas de Chapecó, São Carlos, Palmitos, Caibi, Riqueza, Mondaí, Itapiranga, Barra do Guarita-RS e Derrubadas-RS.

Trecho percorrido: 200 quilômetros a cavalo, durante nove dias, e retorno de caminhão.

1 comentário