Ceom

23 nov15:35

Fundação Catarinense de Cultura realiza oficinas no Oeste

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC), através do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), leva a seis cidades catarinenses a “Oficina de Sustentabilidade dos Museus”. O evento terá duas palestrantes e uma delas é a responsável pelo setor Museológico do Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom/Unochapecó), Denise Argenta. Na região Oeste, o curso acontece em Xanxerê, nos dias 29 e 30 deste mês.

O programa é destinado aos profissionais da área museológica, entre eles gestores municipais de cultura, agentes e produtores culturais. Os temas abordados no encontro tratam sobre economia da cultura e economia criativa, sustentabilidade, captação de recursos, além de elaboração de projetos culturais. As oficinas fazem parte do terceiro módulo do Programa de Capacitação Museológica e ocorre nos meses de novembro e dezembro.

A oficina é gratuita e visa atender a demanda apresentada pela classe museológica do Estado. Os objetivos, segundo a pesquisadora, são de apresentar os principais problemas e soluções encontrados na prática da gestão cultural, além da importância do planejamento e metodologia para a sustentabilidade dos museus. Ela destaca que um dos principais diferenciais desta edição do evento está no fato de ser a primeira vez que profissionais de museus da região são convidados a ministrar oficinas nos programas de capacitação do Sistema Estadual de Museus da Fundação Catarinense de Cultura.


Parcerias do projeto

Para a realização do projeto, que já passou por dois municípios, Denise aponta a parceria entre o Ceom/Unochapecó e o Museu Histórico de Pinhalzinho, já que a coordenadora Fernanda Ben também irá ministrar palestras no evento. As palestras já ocorreram nos municípios de Mafra, nos dias 6 e 7 de novembro, e Rio do Sul, em 8 e 9 de novembro. Ainda no mês de novembro, Curitibanos recebe as oficinas, nos dias 27 e 28. Já em dezembro Orleans e São José terão as atividades, a primeira nos dias 4 e 5 e a última nos dias 6 e 7.

A proposta da oficina tem a perspectiva do trabalho conjunto e a região Oeste é uma das que mais desenvolve parcerias interinstitucionais a fim de garantir o funcionamento, a otimização dos trabalhos e a ampliação das ações dos museus. “Essa é apenas uma das propostas que o curso se dispõe a estimular em todas as regiões do Estado”, enfatiza Denise.

Para se inscrever em uma das edições que ainda irão acontecer, os interessados devem enviar e-mail, com nome, endereço completo, instituição, função, telefone, e-mail e a cidade desejada para a participação. Deve ser encaminhado para capacitacaosem@fcc.sc.gov.br, até 48 horas da realização da oficina.


Comente aqui
02 ago13:27

Exposição ilustra a vida do autor de “O Pequeno Príncipe”

A nova exposição do Ceom/Unochapecó retrata a vida e a obra do aviador e escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, autor do livro “O Pequeno Príncipe”. É uma parceria com a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e com a Succession Saint-Exupéry de Santa Catarina. “O aviador e o pescador: a vida de Antoine de Saint-Exupéry” entrou em cartaz na terça-feira, 10 de julho, e poderá ser visitada até o dia 10 do setembro.

Representada por ilustrações da artista Juliana Góes, a exposição transcorre entre a história e a ludicidade. Aborda a relação do aviador Antoine de Saint-Exupéry com moradores da Ilha do Campeche, em Florianópolis, de quem recebeu o apelido de “Zéperri”, graças à pronúncia diferente de seu nome. As ilustrações mesclam momentos da vida do autor, que operava como piloto da Aeropostale, uma antiga companhia de correio aéreo francesa, implantada no Brasil em 1925, com o personagem protagonista de “O pequeno príncipe”.

Conforme Denise Argenta, responsável pelo Setor Educativo e Museológico do Ceom/Unochapecó, a mostra aborda desde a história da aviação até a literatura, os costumes tradicionais da ilha de Santa Catarina e a biografia de Antoine de Saint-Exupéry.

- Mescla-se com a história de seu personagem mais famoso, o Pequeno Príncipe, e é uma exposição pra ver com tempo, a fim de apreciar a história – comenta Denise.

Ela explica, ainda, que durante o período de exibição da mostra haverá atividades educativas inspiradas na história de “O pequeno príncipe”. Entre as atividades previstas estão sessões de contação de histórias, exibição de episódios do desenho animado inspirado no personagem e oficinas de aquarela, inspiradas nas aquarelas do autor.

A exposição no Ceom/Unochapecó, localizado no segundo piso da Estação Rodoviária de Chapecó, tem entrada gratuita e os horários de visitas são de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 17h. Agendamentos em horários especiais podem ser feitos através dos telefones 49 3323-4779 ou 49 3324-6914.


Comente aqui
22 jun15:24

Exposição em Chapecó alia arte, poesia e meio ambiente

A exposição de arte contemporânea “Arte-poesia: Ninhos” aberta na quinta-feira, dia 21, às 19h na sede do Ceom, pode ser visitada até o dia 30 de julho. O projeto foi desenvolvido pelas artistas plásticas chapecoenses Mara Paulina Arruda e Ingrid Fátima Wentz Antunes em parceria com o poeta Rubens da Cunha, da cidade de Joinville. Segundo os artistas, a mostra propõe uma experiência de fazer arte com os elementos naturais que a própria terra proporciona.

“Arte-poesia: Ninhos” é inspirada em ninhos de pássaros. Um dos ninhos foi encontrado pela artista Mara Paulina, os outros fazem parte da coleção da artista, Ingrid Wentz. Baseado nos ninhos, o poeta Rubens elaborou uma coletânea de poemas especialmente para compor a mostra.

Esses poemas compõem o “Livro dos Ninhos”, obra feita em madeira, com textos e fotografias, que os visitantes poderão folhear durante a visitação. O encontro dos três artistas constrói a poética da exposição, que tem como objetivo aliar arte, poesia e meio ambiente, além de alcançar diferentes públicos.

A exposição integra o Programa de Difusão Cultural e Museológica do Ceom/Unochapecó, que tem como objetivo exibir e comunicar diversos temas relacionados à cultura regional. Outro objetivo é oportunizar o contato com diferentes formas de expressão cultural para a sociedade. De acordo com a responsável pelo programa de Difusão Cultural e Museológica do Ceom/Unochapecó, Denise Argenta, devido a exposição relaciona arte, literatura e até mesmo questões ambientais e ecológicas, além de possibilitar a realização de trabalhos educativos para públicos de todas as idades.

A entrada é gratuita e os horários de visitação são de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h. Horários especiais e agendamentos podem ser feitos através dos telefones 49 3323-4779 ou 49 3324-6914.


Comente aqui
23 mai12:48

Ceom participa da Semana Nacional de Museus

Durante a 10ª Semana Nacional de Museus, comemorada em todo o Brasil, o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom), projeto da Unochapecó, está presente. O tema deste ano é “Museus em um mundo em transformação: novos desafios, novas inspirações”. Ao todo, são 3.420 eventos entre exposições, palestras, oficinas, seminários e ações educativas, acontecendo em 1.114 museus e instituições culturais de todo o país.

A Exposição Fotográfica “Harald Schultz – Olhar antropológico”, com 58 ampliações fotográficas de 12 etnias indígenas de todo o Brasil. Entre as décadas de 40 e 60 o fotografo percorreu o país retratando aspectos do cotidiano do universo mágico-religioso, da cosmologia e da medicina de diferentes povos. Essa exposição acontece em parceria com o Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre, da cidade de Tupã/SP.

A exposição fotográfica “Harald Schultz – Olhar Antropológico” acontece no Ceom, na Rua Líbano, 111-D, Bairro Passo dos Fortes, no segundo Piso da Rodoviária de Chapecó, até 28 de junho. O horário de visitação é de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 17h, ou agendamento de horários especiais para grupos pelo telefone (49) 3323 4779.


Em Concórdia

O Museu Histórico Hermano Zanoni e a Fundação Municipal de Cultura da cidade de Concórdia também participa da Semana dos Museus em parceria com o Ceom da Unochapecó. Apresenta na Galeria Municipal de Artes, a exposição “Amor à moda antiga – casamentos de 1900 a 1970″, com fotografias de casamentos, acontece durante todo o mês de maio.


Comente aqui
09 mai19:08

Chapecoense completa 39 anos de história

Nesta quinta-feira, dia 10 de maio, a Associação Chapecoense de Futebol completa 39 anos de fundação. Para comemorar a data será realizado um evento no Clube Chapecoense. Além do jantar, os convidados vão poder acompanhar a trajetória da equipe através de 12 fotografias que representam momentos da história do time fundado em 1973.

O evento contará com homenagens a ex-presidentes, exposição de troféus das quatro conquistas (1977, 1996, 2007 e 2011), e apresentação do trabalho que o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (CEOM), da Unochapecó, realizou durante o ano de 2011.

O objetivo do CEOM é realizar um diagnóstico do acervo histórico da Associação Chapecoense de Futebol. Nesse período conseguiu reunir e mapear diferentes materiais como, clipagens de notícias veiculadas na imprensa entre as décadas de 1970 e 2011, imagens fotográficas, documentos e, registro fotográfico de objetos mantidos por torcedores e ex-dirigentes do clube.

Para esta noite de honra do ‘Verdão do Oeste’ também foi produzido o artigo “Associação Chapecoense de Futebol: história, paixão e identidade regional” que será publicado em breve em periódico especializado. O material reunido durante as atividades de 2011 foi organizado pela equipe do CEOM e disponibilizado para pesquisadores e a comunidade regional.

A parceira Chapecoense, CEOM e Unochapecó deve continuar em 2012. A ideia é apresentar um projeto visando a criação de espaço para a preservação e a divulgação da história do clube.


1 comentário
10 nov18:09

Ceom comemora 25 anos

Para comemorar 25 anos de atuação em defesa da história e do patrimônio cultural regional, o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom/Unochapecó) realiza evento nesta sexta-feira, 11 de novembro. O evento conta com o lançamento do livro “Antes do Oeste Catarinense: arqueologia dos povos indígenas”, publicado pela Editora Argos, com pesquisas feitas pelo Ceom e por pesquisadores de outras instituições que atuaram na região.

Além do lançamento, acontece conferência com a participação de um dos organizadores da obra, o arqueólogo Pedro Ignacio Schmitz. As atividades acontecem no salão de atos da Unochapecó, com início às 19h30. Participam acadêmicos, professores, pesquisadores, historiadores, arqueólogos e público em geral interessado.

O livro sobre a arqueologia dos povos indígenas na região está dividido em seis partes e reúne 11 textos, de 13 pesquisadores brasileiros. A obra traz informações sobre diferentes momentos da pré-história regional, incluindo a ocupação das terras por grupos de caçadores-coletores, há cerca de 8 mil anos, a vinda dos grupos indígenas agricultores há aproximadamente 1.500 anos, o contato cultural entre esses grupos pré-históricos e a história das pesquisas arqueológicas na região.

Desde sua criação, o Ceom mantêm como características a divulgação científica, o vínculo com os museus, a biblioteca setorial, a preocupação com os vestígios arqueológicos e o desenvolvimento da história a partir da oralidade. Conforme a coordenadora do Centro de Memória, Mirian Carbonera, o evento foi pensado para a comunidade acadêmica e regional. – O Centro tem como objetivo refletir sobre o quanto se avançou na área cultural nesse período, sem perder de vista o quanto ainda temos que fazer no que tange à preservação da história e do patrimônio, especialmente o patrimônio arqueológico – disse.

O arqueólogo Pedro Ignacio Schmitz, que ajudou a organizar a obra juntamente com Mirian Carbonera, tratará na conferência sobre as casas subterrâneas em Santa Catarina, representadas por vestígios deixados por antepassados ligados à família Macro-Jê, originária do Planalto Central Brasileiro. Pedro, que é professor e pesquisador no Instituto Anchietano de Pesquisas da Unisinos, foi um dos primeiros pesquisadores a investigar o passado pré-histórico da região Oeste Catarinense.



Comente aqui
05 nov11:39

História do Oeste Catarinense é contada através de artefatos

A arqueologia é a ciência que estuda o passado do homem, especialmente no período conhecido como pré-história, fase da história humana da qual não se dispõe de registros escritos. O arqueólogo amplia o conhecimento sobre o passado e expõe seu trabalho para a comunidade. Desde 2004, o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom/Unochapecó), conta com o Núcleo de Estudos Etnológicos e Arqueológicos (NEEA), que busca, através de resgates arqueológicos, a valorização do passado regional.

Atualmente o Núcleo conta com acervo de mais de 10 mil objetos arqueológicos. Entre eles, estão: vestígios cerâmicos, utensílios de pedra, entre outros; relatórios de pesquisa; mapas; croquis de escavações; e imagens fotográficas de sítios arqueológicos do Oeste Catarinense.

Segundo a técnica em arqueologia e responsável pelo Ceom/Unochapecó, Mirian Carbonera, do ponto de vista do visitante, o que mais chama a atenção no acervo são as vasilhas cerâmicas inteiras, as cerâmicas com pintura e a coleção de pontas de flechas. Mirian afirma que a maior atração para o público é perceber como os homens que viveram há milhares de anos já tinham domínio técnico para produzir tais objetos. – No senso comum, se tem a ideia que os homens da pré-história não possuíam tecnologia nenhuma. Os visitantes ao conhecer as peças, são atraídos tanto pela beleza quanto pela habilidade técnica dessas sociedades para produção desses artefatos – disse a responsável.

Ainda segundo Mirian, a pesquisa arqueológica é muito complexa e deve ser feita por profissionais habilitados. Uma etapa de campo dura em média de 20 a 30 dias. Depois vem a etapa de laboratório, quando é feita a limpeza do material, catalogação e em seguida a análise. O tempo necessário entre a pesquisa de campo, o trabalho de laboratório e depois a publicação dos primeiros dados gira em torno de dois anos.

O acervo arqueológico pode ser consultado através de visita ao Ceom ou acessando o Banco de Dados Digital (www.ceom.unochapeco.edu.br/ceom), que contém imagens de peças e relatórios.


Comente aqui
30 out16:07

Novo sítio arqueológico indígena é catalogado

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Cerca de 300 peças de um sítio arqueológico encontrado recentemente, em Itá, estão sendo catalogadas no Centro de Memória do Oeste Catarinense (CEOM), situado no segundo piso do Terminal Rodoviário de Chapecó.

São fragmentos de vasos e potes de cerâmica que, segundo a doutoranda em Arqueologia, Miriam Carbonera, devem ter sido utilizados para guardar ou cozinhar alimentos ou até terem sido utilizados para rituais.

Os fragmentos são da etnia Guarani. Miriam disse que as peças Guarani apresentam pinturas, diferente das confeccionadas pelas da etnia Kaingang. Além disso elas geralmente são mais espessas. O material encontrado na Linha Fátima, próximo ao Rio Uruguai, aflorou após as fortes chuvas de setembro. Um morador da região que procurava pontos para trilha de motocicletas encontrou as peças e comunicou o CEOM, que é vinculado à Unochapecó.

Miriam Carbonera disse que a descoberta é importante pois há cerca de 300 metros do local foi encontrado outro sítio, da etnia Kaingang, que é do ramos dos povos Jês, que tem origem no Brasil Central. Os Tupi-Guaranis são originários da região amazônica.

-É uma descoberta que vai ajudar a montar o quebra-cabeças da pré-história regional- avaliou.

A arqueóloga afirmou que há indícios que os primeiros grupos de indígenas caçadores e coletores chegou na região há cerca de oito mil anos. Os Guaranis já são grupos ceramistas e agricultores. Ela estima que as cerâmicas encontradas em Itá têm entre 300 e 1,5 mil anos. Mas, para uma datação mais precisa, vai encaminhar amostras para um teste de termoluminescência, em São Paulo.

O CEOM também encaminhou um relatório ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), sobre a descoberta. Até agora foi realizada apenas uma coleta superficial do material mas há a necessidade de escavações para recolher o restante do material. A arqueóloga afirmou que as pessoas que encontram esses vestígios podem ligar para o CEOM, no telefone 49-3323-4779. Ela lamentou que algumas pessoas ignoram ou destroem os vestígios, o que dificulta do trabalho científico.



Comente aqui
17 set12:35

Ceom participa da Primavera dos Museus

Em todo o Brasil, a chegada da primavera é saudada com festa nos museus e centros culturais, com o evento Primavera dos Museus, proposto pelo Instituto Brasileiro de Museus. Em sua quinta edição, o evento acontece anualmente na semana do início da primavera assinalada em 21 de setembro. O objetivo do evento é estimular as instituições museológicas do país a promoverem ações culturais, incentivando a participação da comunidade nos museus e valorizando as iniciativas em rede.

Nesta edição da Primavera dos Museus o tema nacional escolhido foi “Mulheres, Museus e Memórias”. Participam em todo o Brasil, 589 instituições com 1.779 eventos em 310 cidades brasileiras.

O Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom) da Unochapecó, também participa desta festa cultural com a exposição “Experimentos de Arte Moderna: revisitação por jovens estudantes”.

A exposição será lançada na segunda, dia 19, às 19h30min no Ceom, localizado no segundo piso da rodoviária de Chapecó. Os autores são os alunos do ensino médio da Escola Antonio Morandini de Chapecó, que buscam através de pinturas em tela, retratar obras inspiradas em artistas do período modernista brasileiro como Cândido Portinari, Tarsila do Amaral, Lazar Segall, Anita Malfatti e Di Cavalcanti.

Serão expostas cerca de 60 pinturas, que abordam temas como: paisagens rurais e urbanas, o cotidiano e a figura feminina – que aparece assimétrica e imperfeita, reforçando a característica da arte modernista de romper com padrões estéticos formais.

Para a organizadora do evento, Denise Argenta, a exposição faz parte do Programa de Educação Patrimonial do Ceom que, desde o início de 2011 vem procurando aproximar ainda mais a comunidade da Universidade, através de ações que estimulem e valorizem a cultura local.

A exposição ficará em cartaz até 31 de outubro, com visitação 8h ao 12h e de 13h30 às 17h, de segunda a sexta-feira. Horários especiais para grupos e escolas podem ser agendados pelo telefone (49) 3323-4779.


Comente aqui