Cesta Básica

09 jan14:57

Cesta básica teve aumento superior

A cesta básica de 13 produtos registrou queda de 0,98% em Chapecó, no mês de dezembro, em relação ao mês anterior. No ano passado, a variação de custo foi de 23,94%. Já o cesto de 57 produtos básicos teve variação em dezembro na ordem de 0,55%, enquanto no ano a variação chegou a 14,37%. Esses dados constam de pesquisa realizada nos dias 27 e 28 de dezembro pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, em 10 supermercados do centro e bairros da cidade.

O custo da cesta básica passou de R$ 237,12, registrados em novembro, para R$ 234,80 no último mês do ano, ou seja, R$ 2,32 a menos. Quanto ao cesto de produtos básicos, o valor identificado na pesquisa de dezembro foi de R$ 904,13, ante R$ 899,15 registrados em novembro, o que significa uma diferença de R$ 4,98 a mais no custo.

Em 2012, com a variação anual do custo da cesta básica de 23,94%, a diferença entre o valor de R$ 189,45 de janeiro e os R$ 234,80 de dezembro chegou a R$ 45,35. Já no cesto de 57 produtos básicos, com o aumento de 14,37% no ano passado, a diferença foi de R$ 113,61 entre os R$ 790,52 de janeiro de 2012 e os R$ 904,13 registrados em dezembro último.

Entre os 13 produtos da cesta básica, as quedas mais significativas ocorreram, em dezembro, nos preços do arroz, em 17,16%, e da banana, em 12,71%. As duas maiores altas foram identificadas na batata inglesa, em 7,81%, e no custo da carne, em 5,23%. 

Os preços são coletados pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó nos supermercados: Alberti (Efapi), Barp (Santa Maria), Brasão (Centro), Bedin I (Palmital), Celeiro (Itália), Cristo Rei (Cristo Rei), Moura (Efapi), Royal (Presidente Médice), Sivial (Passo dos Fortes) e Superalfa (Passo dos Fortes).  

Comente aqui
04 dez15:16

Cesta básica tem aumento de 7% em Chapecó

Dos 13 produtos que compõem a cesta básica, nove apresentaram aumentos. Os principais foram o tomate em 55,94%, seguido do arroz, com alta de 24,26%, e do leite, em 18%. Com isso o valor passou de R$ 220,35, em outubro, para R$ 237,12 em novembro.

Segundo o levantamento do curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, realizado em 10 supermercados da cidade, o aumento real foi de R$ 16,77, uma variação de 7,61%.

Já o cesto de 57 produtos básicos teve uma elevação de 0,79%, e passou de R$ 892,06, de outubro, para R$ 899,15, em novembro, o que significa uma diferença real de R$ 7,09.

Esse levantamento é realizado mensalmente pelo curso em supermercados localizados no centro e em bairros da cidade.


Comente aqui
04 out09:33

Cesta básica tem queda de 5% em Chapecó

A cesta básica registrou uma queda de 5,19%, no mês de setembro em Chapecó. Com a redução, o valor passou de R$ 244,06 para R$ 231,38.

A variação negativa da cesta básica no mês foi impulsionada pela queda no preço do tomate, em 35,03%.

Outros produtos que compõe a cesta básica também registraram queda. O leite, em 12,18%, o café moído, em 3,17%, a carne, em 1,73%, e o feijão, em 0,03%. Em setembro uma família chapecoense necessitou de 0,4 salário-mínimo para adquirir a cesta.

A cesta básica é composta por 13 produtos, que são açúcar, arroz, banana, batata inglesa, café moído, carne moída, farinha de trigo, feijão preto, leite, margarina, óleo de soja, pão francês e tomate.


Cesto de produtos básico teve aumento

Já o cesto de produtos básicos com 57 itens e destinado a famílias que ganham de até cinco salários mínimos registrou aumento de 0,30%. O valor passou de R$ 898,22, registrado em agosto, para R$ 900,90, em setembro. Um acréscimo de R$ 2,68.

Com o aumento, uma família chapecoense necessita de 1,57 salários-mínimos líquido para adquirir o cesto em Chapecó.

O cesto é composto por produtos alimentares in natura, semi-industrializados e industrializados, produtos de higiene e limpeza e serviços tarifados.

O curso de Ciências Econômicas da Unochapecó desenvolve mensalmente o levantamento dos preços e o cálculo da cesta básica para o município de Chapecó. Tem como base elementos da Pesquisa de Orçamento Familiar, elaborada em 1994.

O levantamento é realizado mensalmente pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó. Os preços são coletados atualmente nos seguintes locais de compra: Alberti (Efapi), Barp e Brasão (Centro), Bedin I (Palmital), Celeiro (Itália), Cristo Rei e Moura & Santos (Efapi), Royal (Presidente Médice), Sivial (Passo dos Fortes) e Superalfa.


Comente aqui
04 set18:20

Cesta básica aumenta 1% em Chapecó, mas elevação dos produtos supera 3%

O valor do cesto de 57 produtos básicos teve em agosto aumento de 3,58% em Chapecó, em relação ao mês anterior. Já a cesta de 13 produtos apresentou elevação de 1,01%. Esses são índices mostrados por levantamento que é realizado mensalmente pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó. A maior elevação de custo registrada no cesto de produtos foi da carne suína, com o expressivo índice de 75,10%, enquanto na cesta básica a batata inglesa liderou o aumento, com 1,55% de variação positiva.

Dos 57 itens pesquisados para o cesto de produtos básicos, 34 registraram aumento no mês passado. O valor do cesto de produtos básicos, que era de R$ 867,18 em julho, passou para R$ 898,22 em agosto, o que significa uma diferença de R$ 31,04 a mais no valor. Com isso, o aumento de 3,58% no mês passado representa o maior registrado nos últimos 12 meses, enquanto a queda mais expressiva ocorreu em junho deste ano, de 1,33%.

De agosto de 2011 a agosto deste ano o aumento acumulado dos 57 produtos básicos chega a 17,02%, passando o cesto de R$ 767,56 para os R$ 898,22 registrados no último mês, ou seja, uma elevação nominal de R$ 130,66. Enquanto a maior elevação foi evidenciada na carne suína, a queda mais significativa de custo em agosto foi verificada na banana, em 28,06%.


Cesta básica

Em agosto, a cesta básica chegou ao valor de R$ 244,06, ante o custo de R$ 241,22 que havia sido registrado em julho. Para o aumento de 1,01% na cesta básica em agosto, todos os 13 produtos contribuíram com elevações. Além de 1,55% no aumento do preço da batata inglesa, os outros produtos com variação mais significativa foram o açúcar, que teve elevação de 1,14%, e a carne de gado, com majoração de 1,04%.


Comente aqui
10 mai14:38

Preços de produtos básicos desaceleram em Chapecó

O cesto de 57 produtos básicos, depois de ter apresentado em março elevação de 3,08% no custo, teve no mês de abril aumento de 0,91%. Com essa diferença de R$ 7,43, o cesto de produtos básicos passou de R$ 816,95 para R$ 824,38, conforme mostra pesquisa realizada pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó.

Dos 57 produtos pesquisados, 32 registraram aumento, 23 tiveram redução e dois não sofreram alteração. Os produtos que lideraram as quedas e altas são do grupo de alimentos, exceto o sabão em barras.

Os ovos lideraram a alta, com 24,36%, seguindo-se a batata inglesa, em 13,36% e a margarina, em 13,33%. A maior queda de preço ocorreu no tomate, em 18,11%, a segunda foi no sabão em barras, em 15,94%, e a terceira no queijo de colônia, em 14,47%.

Quanto à evolução do custo, de abril de 2011 a abril de 2012 há um aumento acumulado de 6,57%. Com isso, em 12 meses o valor passou de R$ 773,57, de abril do ano passado, para R$ 824,38, de abril último, o que representa uma diferença de R$ 50,81.


Cesta de 13 produtos

Em outro índice levantado pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, quanto à cesta básica de 13 produtos, houve redução. Essa queda foi de 4,36% em abril passado no município de Chapecó. Com isso, o custo passou de R$ 189,87, em março, de 2012, para R$ 181,60 em abril último.


Comente aqui
06 nov07:26

De novo a batata

O custo da cesta básica, calculado pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, com base nos preços dos principais supermercados de Chapecó, apresentou elevação de 4,37% no mês de outubro. Com essa variação, o valor de aquisição passou de R$ 181,57, registrados em setembro, para R$ 189,51 no mês passado.

Conforme o coordenador da pesquisa, professor Guilherme de Oliveira, a causa do aumento se dá por alguns produtos que compõem a cesta estarem no período da entressafra, como é o caso da batata e do tomate. A entressafra é o período que medeia entre uma safra e outra imediata, de determinado produto. O que ocorreu com a batata e o tomate é que a produção diminui entre uma safra e outra e, conseqüentemente, a oferta de produto é menor e o preço maior.

No mês de outubro, dos 13 produtos que compõem a cesta básica, os aumentos mais significativos foram na batata inglesa, em 26,73%, no tomate, 20,13%, na banana caturra, 9,37%, no café moído, 3,69%, e no leite tipo C, em 3,44%. Considerando o salário mínimo de R$ 545,00, o gasto com os 13 produtos da cesta básica passou a representar 34,77% dessa remuneração. Já considerando o salário mínimo líquido de R$ 501,04 (descontado 8% da Previdência Social), essa participação é de 37,80%.

Com essa variação de outubro, a cesta básica acumula uma alta no ano para o bolso do consumidor em Chapecó de R$ 8,34, ou seja, um aumento de 10,32%. Essa variação acumulada de janeiro a outubro em Chapecó é maior do que a acumulada na capital Florianópolis, que segundo a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, feita pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), ficou em 9,6%.

Segundo o professor Guilherme de Oliveira, o fato do valor acumulado da cesta básica no ano, em Chapecó, ser maior do que na capital já era esperado, devido à transição que a economia da cidade está passando. “Chapecó passa de uma economia industrial para uma economia de serviços, enquanto Florianópolis já é uma economia de serviços. Além disso, Chapecó sofre a pressão de outros municípios, uma pressão migratória, pois conforme pesquisa divulgada pelo IBGE o crescimento populacional do município já está acima de 3%”, afirma o professor. Acrescenta, ainda, que outro fator que leva à variação positiva da cesta no ano é a importação de hortifrutis que vêm do Paraná e do Mato Grosso, além da entressafra de alguns produtos que compõe a cesta.

Cesto de produtos básicos

Outro levantamento realizado pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó é do custo do cesto de 57 produtos básicos. No mês de outubro, o custo do cesto de produtos básicos apresentou elevação média 0,72%. O valor para sua aquisição ficou em R$ 773,29.

O cesto de produtos básicos considera famílias que residem em Chapecó e ganham de um a cinco salários mínimos. É composto por produtos alimentares in natura, semi-industrializados e industrializados, além de produtos de higiene e materiais de limpeza, bem como o item diversos.



Comente aqui
08 out10:50

Fritas estão mais caras

O custo da cesta básica, calculado pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, com base nos preços dos principais supermercados de Chapecó, apresentou elevação de 1,19% em setembro. Com essa variação, o valor de aquisição passou de R$ 179,44, registrados em agosto, para R$ 181,57 em setembro.

Conforme o coordenador da pesquisa, professor Guilherme de Oliveira, com essa elevação em setembro a cesta básica acumula no ano uma variação positiva de 5,7%.

No mês de setembro, dos 13 produtos que compõem a cesta básica, nove apresentaram aumentos de preços. São eles: batata inglesa, em 7,04%; tomate, 2,77%; açúcar, 2,75%; café moído, 2,56%; carne moída 2ª, 1,70; margarina, 1,44%; arroz, 1,14%; óleo de soja, 1,04%; e pão francês, 0,91%.

Considerando o salário mínimo de R$ 545,00, o gasto com os 13 produtos da cesta básica passou a representar 33,32% dessa remuneração. Já considerando o salário mínimo líquido de R$ 501,04 (descontado 8% da Previdência Social) essa participação é de 36,21%.

O curso de Ciências Econômicas da Unochapecó acompanha, desde 1994, a variação do custo da cesta básica. O levantamento realizado pelo curso baseia-se na composição dos principais alimentos definidos pelo decreto-lei 399, de 30 de abril de 1938.


Cesto de produtos básicos

Outro levantamento realizado pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó é do custo do cesto de 57 produtos básicos. No mês de setembro, o custo desse cesto apresentou elevação média 0,03%. O valor para sua aquisição no mês passado ficou em R$ 767,77.

Nos grupos de alimentos, constatou-se a redução nos preços dos in natura e semindustrializados, enquanto os industrializados apresentaram elevação de 1,04%. O valor gasto com os produtos alimentares ficou em R$ 545,74, que representam 71,08% dos gastos totais para aquisição do cesto.

O cesto de produtos básicos considera famílias que residem em Chapecó e ganham de um a cinco salários mínimos. É composto por produtos alimentares in natura, semi-industrializados e industrializados, além de produtos de higiene e materiais de limpeza, bem como o item diversos.


Comente aqui
04 out14:46

Banana é a vilão do aumento

RBSTV Chapecó

Cesta básica subiu 3,74% em Concórdia no mês de setembro e chegou a R$ 199,11. Esse é o segundo maior valor do ano, atrás apenas do mês de maio, quando a cesta básica ultrapassou R$ 200.

A pesquisa feita pelo Sindicato dos Comerciários envolve 13 produtos. Apesar da inflação o custo de quatro itens da lista sofreu redução neste último mês. O preço do açúcar foi o que teve a maior queda. De agosto para setembro o valor do produto diminuiu em média 6%. O custo do feijão teve uma redução de 5%, a farinha 1,65% e o Café 0,02%.

Os outros nove itens da lista subiram. O maio reajuste envolve a banana, a batata e o leite. A banana foi à vilã da história, subiu 22,4%. A batata 6,2% e o leite subiu quase 5%.

Juntos, os 13 itens da cesta básica custaram em média R$ 199,11 em Concórdia. Este foi o segundo maior valor do ano, atrás apenas de maio, quando o custo da cesta básica chegou a R$ 200,47.

De acordo com o Sindicato dos Comerciários, diante do atual custo da cesta básica, o salário mínimo deveria ser de R$ 2.152, quase quatro vezes mais que os R$ 545 estabelecidos pelo governo.


Comente aqui
09 set16:18

Cenoura impulsiona alta

O custo da cesta básica, calculado pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, com base nos preços dos principais supermercados da cidade, apresentou elevação de 2,33% em agosto. O valor passou de R$ 175,35, registrados em julho para R$ 179,44 em agosto, ou seja, R$ 4,09 mais cara para o bolso do consumidor.


O produto responsável pelo aumento é a cenoura, que registrou alta de 42,91% no mês e o pão francês, com 5,58%. Segundo a economista e professora da Unochapecó, Rosemari F. Orlowski, o aumento da cenoura se deu porque a safra foi prejudicada com os frios e geadas na região. Para abastecer os supermercados de Chapecó a hortaliça está vindo de São Paulo e Minas Gerais.

Já o pão absorveu R$ 32,80 ou 18,28% do custo total da cesta. Além do pão e da cenoura mais nove produtos que fazem parte da cesta básica também registraram aumento em agosto, entre eles se destacam a banana caturra, em 7,49%; açúcar, em 3,66% e leite ‘tipo C’, em 2,92.

Conforme o coordenador da pesquisa, professor Guilherme de Oliveira, considerando o salário mínimo líquido de R$ 501,04 o gasto com os 13 produtos da cesta básica passou a representar 35,79% dessa remuneração.

O curso de Ciências Econômicas da Unochapecó acompanha, desde 1994, a variação do custo da cesta básica. O levantamento realizado pelo curso baseia-se na composição dos principais alimentos definidos pelo Decreto-lei nº 399, de 30 de abril de 1938. A coleta de preços é realizada em 10 supermercados da cidade.


Cesto de produtos básicos

Outro levantamento realizado pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó é do custo do cesto de 57 produtos básicos. No mês de agosto, o custo do cesto de produtos básicos apresentou uma elevação média 1,32%. O valor para sua aquisição ficou em R$ 767,56. O cesto de produtos básicos considera famílias que residem em Chapecó e ganham de um a cinco salários mínimos. É composto por produtos alimentares in natura, semi-industrializados e industrializados, além de produtos de higiene e materiais de limpeza, bem como o item diversos.


Comente aqui