Chapecó

05 set14:56

Mercoarte será aberta nesta quarta-feira em Chapecó

A 7ª Mercoarte – Feira do Artesanato Chapecoense será aberta às 17h desta quarta-feira. A feira organizada pela Fundação de Ação Social (Fasc), desde 2007, pode ser visitada gratuitamente no Calçadão da Rua Benjamin Constant, entre as avenidas Getúlio Vargas e Nereu Ramos.

Cerca de 77 expositores participam da feira que tem como objetivo divulgar o trabalho dos artesãos de Chapecó.

A Mercoarte segue até o domingo, dia 9 de setembro, das 13h às 19h.


Comente aqui
05 set14:42

Biblioteca Pública de Chapecó tem acervo atualizado

A Biblioteca Pública Municipal Neiva Maria Andreatta Costella de Chapecó participou do Projeto Portal do Livro da Fundação Biblioteca Nacional, um programa governamental de apoio às bibliotecas. Com o projeto foi contemplada com R$ 17.295,47 em livros de diferentes gêneros, adquiridos de editoras participantes do projeto.

Já foram entregues 1.343 novos livros. Os novos exemplares já estão à disposição dos leitores chapecoenses. O acervo da Biblioteca passa de 45 mil exemplares.

A Biblioteca Pública de Chapecó fica na Rua Benjamin Constant, 110E, no Calçadão. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 19h, sem fechar ao meio-dia.


Comente aqui
05 set14:32

Social: Unochapecó completa 10 anos

A noite do dia 3 de setembro foi escolhida para reunir lideranças, autoridades e a comunidade acadêmica para celebrar o aniversário da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), que completou em 27 de agosto os 10 anos de existência. O evento fez parte das ações alusivas ao aniversário da instituição, que iniciaram no dia 27 agosto e devem encerrar nesta quarta-feira, 5 de setembro, com o show gratuito do músico Vitor Ramil, promovido pelo projeto Unocultural e aberto ao público.

O Coral Universitário da Unochapecó abriu a noite com duas canções, que foram seguidas da apresentação do novo documentário institucional. O vídeo relata depoimentos de professores, alunos e técnicos-administrativos sobre a história e a importância da universidade nas várias áreas em que atua.

Lideranças e autoridades compuseram a mesa de honra juntamente com o presidente da Fundação Universitária de Desenvolvimento do Oeste (Fundeste), empresário Vincenzo Francesco Mastrogiacomo e membros da reitoria da Unochapecó, formada pelo reitor, professor Odilon Luiz Poli, pela vice-reitora de Ensino, Pesquisa e Extensão, professora Maria Aparecida Lucca Caovilla, pelo vice-reitor de Planejamento e Desenvolvimento, professor Claudio Jacoski, e pelo vice-reitor de Administração, professor Antonio Zanin.

A solenidade encerrou com um coquetel de confraternização no hall de entrada do salão de atos.


Comente aqui
05 set09:11

Palestra da Logosofia sobre o futuro da humanidade reuniu 700 pessoas em Chapecó

O que eu espero do futuro e o que o futuro espera de mim? Estes foram os questionamentos que encerraram a palestra “Que futuro espera a humanidade?”, que reuniu cerca de 700 pessoas no Centro de Eventos Plínio Arlindo de Nes, em Chapecó, na noite de terça-feira.

O evento foi promovido pela Fundação Logosófica de Chapecó, em comemoração aos 25 anos da Logosofia na cidade. A palestrante Maria Anzanello Fontes, que é médica e reside em Florianópolis, fez uma retrospectiva da história da humanidade, desde a conquista do fogo, da roda, da escrita e da imprensa.

Ela ressaltou que todo esse avanço foi por meio do conhecimento. No entanto, ela mostrou que o homem avançou muito na parte física e tecnológica, mas que em muitos aspectos ainda está numa era primitiva. Exemplo disso é a violência que ainda perdura atualmente. A palestrante comparou o homem primitivo que usava tacape ao homem moderno aperta um botão para lançar um míssil. Outro exemplo é a depressão cada vez mais comum, numa sociedade em que as pessoas têm cada vez mais conforto.

Para a palestrante, o que falta para o ser humano é desenvolver o mundo interno. Para isso é necessário conhecer-se a si mesmo. Essa já era uma aspiração desde a antiguidade e que, de acordo com a palestrante, é possível graças a um método desenvolvido pela Logosofia.

Mariza Fontes afirmou que a Logosofia traz um método de estudo que permite identificar componentes internos como os pensamentos, sentimentos, faculdades mentais e o espírito que anima cada ser.

Citou que os pensamentos tem vida própria e passam de uma mente para outra. Lembrou que é comum as pessoas serem induzidas por um pensamento de consumo mostrado numa propaganda ou então reproduzindo ideias de outras pessoas como se fossem suas. Mariza Fontes citou o seguinte pensamento da Logosofia: “A vida é um espelho onde se reflete o que o ser pensa e faz, ou o que os pensamentos próprios ou alheios o levam a fazer”.

Para a palestrante, o ser humano precisa identificar suas falhas para corrigi-las e assim ser uma pessoa melhor e mais feliz no futuro. Lembrou que no início de seus estudos de Logosofia, o primeiro pensamento que identificou na sua mente estava ligada à impulsividade. Disse que se fosse levada por essa característica psicológica iria cometer um equívoco, que seria irremediável. Ou seja, a impulsividade é uma das deficiências do ser humano que causa aborrecimentos e mal estar. Por isso precisa ser controlada.

Mariza Fontes disse que cada ser humano pode herdar a si mesmo. Para isso basta semear boas sementes, bons pensamentos, trabalhando valores positivos que vão dar um resultado no futuro. Ou seja, cada um vai ser no futuro o que está plantando hoje.

Ela destacou a importância de buscar um mundo melhor para nossos descendentes. E encerrou com o seguinte pensamento do criador da Logosofia, Carlos Bernardo González Pecotche:

“Conseguir que as gerações futuras sejam mais felizes do que a nossa será o prêmio mais grandioso a que se possa aspirar. Não haverá valor comparável ao cumprimento dessa grande missão, que consiste em preparar para a humanidade futura um mundo melhor”.



Comente aqui
05 set09:08

Estiagem amplia prejuízos de agricultores no Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Santa Catarina mal acabou de sair de um período de estiagem, que trouxe prejuízos de R$ 777 milhões, e a falta de chuva já começa a trazer problemas no estado, principalmente na região Oeste. Ontem houve uma reunião da Defesa Civil de Chapecó para tomar algumas medidas de fornecimento de água, que já está faltando em algumas propriedades do interior.

Agosto, com 2,3 milímetros, foi o mês com menor chuva já registrado na Estação Meteorológica da Epagri em Chapecó. Isso em 43 anos de registro, segundo o observador meteorológico Francisco Schervinski.

De acordo com o secretário de Agricultura de Chapoecó, Altair Silva, a produção de leite no município já caiu 30%, devido às pastagens secas, e o plantio das lavouras de milho está atrasado cerca de 15 dias.

O produtor Flávio Fonseca, por exemplo, deveria ter plantado 20 hectares de milho.

– Já deveria estar nascido – explicou. Ele lamenta que teve prejuízo na safra passada, onde perdeu 70% das lavouras de milho e soja.

– Deixei de colocar no bolso R$ 600 mil.  Agora está preocupado pois novamente falta água para as plantas. Pelo menos ele conseguiu um desconto R$ 17 mil no financiamento de R$ 30 mil do Programa Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf).

Outro produtor que teve perdas na safra passada e agora novamente amarga prejuízo é Claudemir Laval. Ele perdeu 50% da safra de milho e de soja. Agora já tem quebra de 50% nos 43 hectares de trigo e, nos 26 hectares de milho, não germinaram 35% das plantas.

– Já é uma lavoura estragada – explicou.

Se chover nos próximos dias ele vai tentar replantar manualmente nos espaços onde o milho não nasceu. Ele afirmou que o ano de 2012 não está favorável ao agricultor.

– Às vezes dá vontade de vender tudo e ir para o Mato Grosso – desabafou.

O funcionário da Agropecuária Locatelli, Paulo Kreibich, aguarda a chuva para plantar os 150 hectares de milho, que já deveriam estar na terra.

– Estamos com as máquinas prontas e paradas há duas semanas – explicou. O solo chega a estar rachando de tão seco.

O secretário adjunto de Agricultura do Estado, Airton Spies, afirmou que as perdas são mais concentradas na região Oeste. Mas ainda não tem um levantamento de quanto é o prejuízo. Spies disse que a falta de chuva já começa a comprometer a próxima safra. E lembrou que a estiagem passada, que causou perda de 900 mil toneladas de milho no Estado, é um dos fatores que está agravando a crise na suinocultura e avicultura, causada pelo alto custo de produção.

Ele lembrou que, no início do ano, a saca de milho de 60 quilos estava em R$ 24 ou R$ 25. Atualmente, está em R$ 35. Se não chover, o problema pode se estender para a próxima safra.

>> 33 municípios seguem em situação de emergência em Santa Catarina

Previsão de chuva a partir da segunda quinzena de setembro

Até metade de setembro os moradores de Santa Catarina ainda vão conviver com a falta de chuva. Segundo o meteorologista do Grupo RBS, Leandro Puchalski, há uma massa de ar seco que funciona como um bloqueio atmosférico desviando as massas de ar frio, que vem da Argentina, para o Oceano Atlântico. Puchalski disse que a falta de chuva não é uma estiagem nova e nem continuidade da ocorrida no verão passado.

– É uma condição pontual – explicou.

A boa notícia é que as chuvas devem normalizar a partir da segunda quinzena de setembro. As chuvas podem até ser acima do normal se confirmar o fenômeno El Niño, que é o aquecimento das águas do Oceano Pacífico na altura da linha do Equador.

–Há uma expectativa de El Niño – disse Puchalski. O efeito deste fenômeno é o contrário do La Niña, que provocou estiagem em Santa Catarina.

O secretário adjunto da Agricultura, Airton Spies, disse que a Epagri/Ciram também prevê normalização das chuvas a partir da segunda quinzena de setembrol. Em outubro as chuvas podem passar de 200 milímetros no Oeste e Meio Oeste, com volume de 140 a 180 milímetros do Planalto ao litoral.

Em Chapecó 375 famílias do interior já estão recebendo água em caminhões pipa. O volume transportado é de 65 mil a 80 mil litros por dia. No verão passado esse volume chegou a 350 mil litros/dia.


Oito meses de chuva abaixo da média

Em Chapecó, nos últimos 10 meses, houve chuva abaixo da média em oito, segundo registro da Epagri. Apenas em abril e julho o volume superou a média.


2011

Novembro: 91,1 milímetros (média de 166,7 mm)

Dezembro: 56,7 milímetros (média de 167,5 mm)

2012

Janeiro: 86,2 milímetros (média de 182,5 mm)

Fevereiro: 98,5 milímetros (média de 184,8 mm)

Março: 85 milímetros (média de 125,9 mm)

Abril: 197,4 milímetros (média de 167,9 mm)

Maio: 47 milímetros (média de 167,6 mm)

Junho: 101,6 milímetros (média de 170,7 mm)

Julho: 180.4 milímetros (média de 155,9 mm)

Agosto: 2,3 milímetros (média de 142,5 mm)


Observação: Um milímetro é um litro de água por metro quadrado


Comente aqui
04 set18:20

Cesta básica aumenta 1% em Chapecó, mas elevação dos produtos supera 3%

O valor do cesto de 57 produtos básicos teve em agosto aumento de 3,58% em Chapecó, em relação ao mês anterior. Já a cesta de 13 produtos apresentou elevação de 1,01%. Esses são índices mostrados por levantamento que é realizado mensalmente pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó. A maior elevação de custo registrada no cesto de produtos foi da carne suína, com o expressivo índice de 75,10%, enquanto na cesta básica a batata inglesa liderou o aumento, com 1,55% de variação positiva.

Dos 57 itens pesquisados para o cesto de produtos básicos, 34 registraram aumento no mês passado. O valor do cesto de produtos básicos, que era de R$ 867,18 em julho, passou para R$ 898,22 em agosto, o que significa uma diferença de R$ 31,04 a mais no valor. Com isso, o aumento de 3,58% no mês passado representa o maior registrado nos últimos 12 meses, enquanto a queda mais expressiva ocorreu em junho deste ano, de 1,33%.

De agosto de 2011 a agosto deste ano o aumento acumulado dos 57 produtos básicos chega a 17,02%, passando o cesto de R$ 767,56 para os R$ 898,22 registrados no último mês, ou seja, uma elevação nominal de R$ 130,66. Enquanto a maior elevação foi evidenciada na carne suína, a queda mais significativa de custo em agosto foi verificada na banana, em 28,06%.


Cesta básica

Em agosto, a cesta básica chegou ao valor de R$ 244,06, ante o custo de R$ 241,22 que havia sido registrado em julho. Para o aumento de 1,01% na cesta básica em agosto, todos os 13 produtos contribuíram com elevações. Além de 1,55% no aumento do preço da batata inglesa, os outros produtos com variação mais significativa foram o açúcar, que teve elevação de 1,14%, e a carne de gado, com majoração de 1,04%.


Comente aqui
04 set18:01

Cinco cidades de Santa Catarina vão ganhar câmeras de vigilância nas ruas

Mais cinco cidades catarinenses vão contar com o sistema de videomonitoramento como prevenção à criminalidade.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) agendou a inauguração do sistema para o dia 12 de setembro nas cidades de Navegantes, Tijucas, Tubarão, Corupá e Chapecó.

Passarão a funcionar 79 câmeras em Navegantes (6), Tijucas (10), Tubarão (8), Corupá (5) e Chapecó (55). O investimento faz parte do projeto Bem-te-vi – Segurança Por Videomonitoramento. O investimento é de R$ 800 mil.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
04 set16:54

33 municípios seguem em situação de emergência em Santa Catarina

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Dos 152 municípios catarinenses que encaminharam decreto de situação de emergência devido à estiagem, 48 solicitaram prorrogação por mais 90 dias e 33 estão vigentes.

Segundo a Defesa Civil do Estado 826.815 mil pessoas foram afetadas com a estiagem, que durou cerca de setes meses em Santa Catarina. Conforme avaliação de danos da Defesa, os prejuízos na agricultura e pecuária passaram de R$ 728.292 milhões.




Rios em Belmonte, no Extremo-Oeste, estavam com nível baixo em janeiro deste ano. (12/01/2012)



Agosto seco no Oeste

Chapecó nunca registrou um mês de agosto tão seco quanto o de 2012. Além do calor acima do normal foram registrados apenas 2,3 milímetros de chuva, bem distante da média histórica para o mês, que é de 146 milímetros.

A estiagem já prejudica a agricultura no Oeste, que responde por 37% do valor bruto da agropecuária catarinense. A situação, que se estende desde novembro de 2011, é preocupante e pode comprometer a economia da região.

De acordo com o gerente da Epagri em Chapecó, Ivan Baldissera, a estiagem afeta a cultura de trigo, as pastagens de inverno, do milho e a produção leiteira.

- O milho começaria a ser plantado nos próximos dias, mas a orientação é que os produtores não façam, pois o solo está praticamente seco – disse Baldissera.


Chuva só depois do dia 15

A primeira semana de setembro vai se configurando mais seca do que o normal no estado. De acordo com o levantamento feito pela Epagri/Ciram,órgão que monitora as condições meteorológicas de Santa Catarina, os volumes de chuva devem ficar próximo da média climatológica até o final do mês.

Na região Oeste a chuva está prevista somente para depois do dia 15 de setembro.

- O mesmo bloqueio atmosférico que favoreceu o predomínio de uma massa de ar seco no estado no mês de agosto persiste sobre a região na primeira quinzena do mês – disse o observador metereológico da Epagri em Chapecó, Francisco Schervinski.



Municípios com decreto de estiagem vigente

Água Doce

Agrolândia

Alto Bela Vista

Armazém

Arroio Trinta

Balneário Gaivota

Brunópolis

Campos Novos

Capinzal

Catanduvas

Criciúma

Erval Velho

Herval D’Oeste

Ibicaré

Içara

Joaçaba

Lacerdópolis

Luzerna

Macieira

Maracajá

Meleiro

Palmitos

Rio das Antas

Salto Veloso

Santa Rosa do Sul

Santa Terezinha

São João do Sul

Sombrio

Timbé do Sul

Turvo

Vargem

Videira


Comente aqui
04 set16:43

Tributo à milonga

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A milonga, estilo musical originado na Espanha e difundido principalmente na Argentina, Uruguai e sul Brasil, é a base do show que será apresentado nesta quarta-feira, a partir das 20 horas, no Lang Palace Hotel, em Chapecó.

O compositor gaúcho Vitor Ramil e o violonista argentino Carlos Moscardini vão apresentar as músicas do disco “délibáb”, lançado em 2010. As 12 faixas foram gravadas em Buenos Aires. Ramil compôs as músicas para versos de poemas de Jorge Luís Borges, escritor argentino que é uma das referências da literatura mundial, e do gaúcho João da Cunha Vargas.

Irmão da dupla Kleiton & Kledir, Ramil, Ramil já produziu nove discos e também é escritor, sendo autor do livro “A estética do frio”.

O show em Chapecó faz parte do projeto Unocultural, que tem como objetivo propiciar ao público do Oeste de Santa Catarina contato com diversas artes e que não estão no cenário atual da mídia.

Em 2012 foram seis shows musicais com artistas de Chapecó, Curitiba e Porto Alegre, além de duas exposições, uma do grupo “Isto Não é Uma Fotografia”, que reúne artistas plásticos de Chapecó, e outra do desenhista Samicler Gonçalves, que também é de Chapecó.

Para o coordenador do projeto Unocultural, Roberto Panarotto, a idéia é oferecer ao público algo diferente do que ele está acostumado.

– Queremos algo diferente, que cause um estranhamento- explicou. A proposta é pela diversidade de manifestações culturais.

Panarotto argumentou que Vitor Ramil tem um foco mais regional, mas que dialoga com o Brasil inteiro. Ele destacou que a milonga, por exemplo, vai além das fronteiras da América do Sul. No disco “délibáb” há ainda a relação entre a música e a literatura.

Além do show, Ramil também participará de uma conversa com artistas e público interessado na Universidade Comunitária Regional de Chapecó (Unochapecó), na terça-feira, às 20 horas. A Unochapecó é a patrocinadora do Unocultural. Para a apresentação de Ramil e Moscardini também houve captação de recursos da Lei Roaunet.

Os eventos são gratuitos e os ingressos para o show de amanhã devem ser retirados com duas horas de antecedência, no Lang Palace Hotel.


Show com Vitor Ramil e Carlos Moscardini

Dia: 5 de setembro, quarta-feira

Hora: 20h

Local: Auditório do Lang Palace Hotel (Rua Nereu Ramos, 1057 E, em Chapecó)

Ingresso: Entrada franca, ingressos são limitados e devem ser retirados no local a partir das 18h


Comente aqui
04 set15:22

Aeroporto de Chapecó vai receber novos Bombeiros

Será anunciado nesta quarta-feira, dia 5 de setembro, a abertura do Concurso Público de Formação de Soldado Bombeiro Militar para o Aeroporto Municipal Serafim Enoss Bertaso de Chapecó e do Aeroporto de Correia Pinto. O anúncio será feito pelo comandante geral do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, Coronel Marcos de Oliveira. Participa do ato o Secretário de governo de Chapecó, Ricardo Lunardi e o Secretário de Defesa do Cidadão, Sérgio Walner.

Ao todo serão 40 vagas. Destes, 24 vão compor o quadro de bombeiros que atuam no Aeroporto de Chapecó.

A inclusão dos novos soldados atende a expectativa de que o aeródromo de Chapecó mude de categoria, ingressando na classe 6, o que exige um número de seis bombeiros por dia, além de um novo caminhão.

>> Confira os horários de voos do Aeroporto de Chapecó

Comente aqui