China

21 abr08:58

Comitiva de empresários chapecoenses está na China

O presidente da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC), Maurício Zolet, acompanha a comitiva de empresários e autoridades da região em missão à China até a quinta-feira, dia 26. Os catarinenses chegaram ao país em viagem de trabalho à localidade de Ninghai, cidade de Ningbo, parte Leste da China.

Uma Carta assinada pelo prefeito de Chapecó José Cláudio Caramori foi entregue às lideranças de Ninghai pelo presidente da maior entidade empresarial do oeste de Santa Catarina.

O documento reforça a importância do Protocolo de Intenções firmado, durante visita da comitiva chinesa ao Brasil em maio de 2011, entre o município de Chapecó e a localidade de Ninghai, no que se refere ao desenvolvimento econômico e social.

- É uma oportunidade para troca de contato e experiências com os empresários chineses. Muitas inovações poderão servir de exemplo ao Brasil, assim como nossas empresas poderão vislumbrar novos mercados no País – disse Zolet.


Comente aqui
12 abr17:41

Empresários representam Chapecó em missão à China

Uma comitiva liderada por empresários locais e membros da Associação Comercial Industrial – Acic estará representando o Poder Público e o município de Chapecó nos próximos dias 19 e 20 de abril, durante viagem de trabalho à localidade de Ninghai, cidade de Ningbo, na parte Leste da China.

Durante reunião nesta semana o Prefeito José Caramori assinou e repassou ao Presidente da Acic, Maurício Zolet, uma Carta, que será entregue às lideranças de Ninghai. A viagem à China é uma retribuição do município de Chapecó à visita realizada por uma comitiva chinesa em maio de 2011. No entanto, devido à proximidade das eleições municipais, o Prefeito José Caramori está impedido de realizar o deslocamento ao Continente Asiático e, portanto, incumbiu aos empresários à tarefa de representá-lo.

De acordo com o Prefeito, a Carta enviada através da Acic reforça a importância do Protocolo de Intenções firmado entre o município de Chapecó e a localidade de Ninghai, no que se refere ao desenvolvimento econômico e social. Além de ser mais uma oportunidade de cooperação e amizade, trazendo benefícios para brasileiros e chineses.


A visita chinesa

A visita da comitiva chinesa ao município de Chapecó teve como objetivo a discussão de ações de cooperação internacional e intercâmbio de informações, além de estreitar os laços de amizade e colaboração.

A comitiva oficial foi formada pelo vice-prefeito de Ninghai, Wu Ruyue; Diretor de Pessoas Xu Yun; Diretor do Escritório de Assuntos Rurais Ying Xiaojun; Diretor de Estatística Bao Yuancun; Diretor de Agricultura e Indústria Lu Guoping; e Lin Chorngrong, do Gabinete do Governo de Ninghai.

Além da assinatura do protocolo de intenções, a missão fez visita à empresa Nord Eletric, à Serra do Rio Uruguai/Goio-Em e ao Frigorífico Aurora/saída para o Guatambu.


Ninghai

Ninghai é uma localidade na cidade de Ningbo na parte oriental da Província de Zhejiang ao sul do rio Yangtze na costa Leste da China. Conta com cerca de 600 mil habitantes. Cerca de 4 mil empresas industriais são os pilares da economia, baseada nos segmentos do vestuário & têxteis, alimentos enlatados, borracha & plásticos, metalúrgica, válvulas, máquinas, artigos de papelaria, peças de automóveis, eletrodomésticos, indústria química e fabricação de moldes.


Comente aqui
29 fev15:02

Ídolos do Grêmio em Chapecó

Mil torcedores da região estão sendo esperados no 2º Encontro Regional de Gremistas em Chapecó. O evento tricolor será realizado neste sábado, dia 3 no CTG Vaqueanos do Oeste. Ídolos do Grêmio participam da programação que inicia às 14 horas e inclui o lançamento oficial da Escolinha de Futebol do Grêmio em Chapecó.

A promoção da Associação Gremista de Chapecó – AGC tem apoio do Consulado local do Grêmio e da própria escolinha. Para o presidente da associação Rosber Biazus o encontro pelas suas características e expressividade será um marco na história do Grêmio. – Não temos dúvidas que o evento vai ser exitoso, para jamais ser esquecido – disse o Cônsul do Grêmio e diretor Consular Regional Marcelo Fiorini.

A segunda edição da iniciativa contará com a presença de ex-atletas do Grêmio como Mazaropi, China, Luiz Eduardo, Ancheta e diretores do Grêmio. Todos, com torcedores gremistas, desfilarão por algumas das principais ruas da cidade em ônibus da ARENA do Grêmio. Participam de eventos esportivos durante a tarde de sábado e do jantar de confraternizações no CTG a partir das 20 horas.

Os ingressos estão sendo vendidos por R$ 70 com direito a mesa para quatro pessoas. O cardápio prevê macarronada com galeto e acompanhamentos. Os pontos de venda estão localizados no Consultório Marcelo Fiorini (Edifício CPC, fone 49 3323.324000 e Clipweb (Bairro São Cristovão, próximo ao SENAC fone 49 3329.0044). A Academia Reação Sport Center (Rua Sete de Setembro, 78 E, Centro, fone 49 3323.5571) também disponibiliza ingressos, bem como sócios da AGC.


Programação

O diretor da Escolinha do Grêmio, Claudio Bissolotti, em Chapecó, que já tem mais de 60 crianças inscritas e treinando no local, disse que a partir das 14h deste sábado no campo do Gigantinho as categorias sub 16 da Escolinha do Grêmio de Porto Alegre e da Escolinha de Chapecó, do técnico Marcelo, disputam amistoso. Às 16h30 jogos festivos entre as categorias sub 06 e sub 08 na sede da Escolinha com os técnicos Evandro e Betinho.

Às 17h15, no mesmo local, está previsto o início do jogo festivo reunindo, de um lado o time veterano do Grêmio, de outro, autoridades e convidados da AGC, sob responsabilidade do presidente da associação. Em seguida as equipes Sub 11 e Sub 13 da escolinha, receberão a premiação como terceiras colocadas na Copa Água Santa. O ato solene que marca a instalação e inauguração oficial da escolinha está marcado para as 18h45.

A carreata pela cidade começa às 19h finalizando no CTG Vaqueano do Oeste com o jantar e uma série de outras atividades paralelas.


Comente aqui
02 fev10:05

Primeiro embarque de carne para China

A Coopercentral Aurora, uma das poucas empresas brasileiras de processamento de carnes habilitadas a exportar para a China, faz no próximo dia 9 de fevereiro o primeiro embarque de carne suína para aquele país.

O anúncio foi feito pelo presidente Mário Lanznaster, mas a empresa não revelou o valor da primeira transação comercial concretizada.

A primeira remessa é constituída de 120 toneladas (cinco contêineres) de diversos itens de cortes suínos com e sem osso que embarcam nos dias 8 e 9 no porto de Itajaí com dois destinos: uma parte ficará no porto de Shangai e outra parte no porto de Yantian. O transit time (tempo para chegada do navio no destino) é de aproximadamente 37 dias.

- Esse é o primeiro negócio e, gradativamente, serão definidos os itens de melhor aceitação, bem como o padrão de cada corte, de acordo com as orientações de nossos clientes chineses – observou o gerente de comércio exterior Dilvo Casagrande.

Para chegar ao primeiro embarque, a empresa criou ainda em 2011 uma estrutura especial para atender as especificidades do país importador. Uma delas é o sistema de rastreabilidade da produção que tem origem no campo até o produto final a ser exportado.

Um grupo de 35 propriedades rurais do oeste catarinense foi selecionado pela Aurora, homologado pela Cidasc com protocolo de produção aprovado pelo Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura. Uma fábrica de rações da CooperAuriVerde (cooperativa filiada à Coopercentral Aurora) está processando ração específica para abastecer os plantéis.

Os animais prontos são conduzidos para a unidade industrial de Chapecó (FACH1) onde está programado o “turno dedicado”: em um dia a cada quinzena, o frigorífico abate cerca de 4600 suínos que geram 200 toneladas de produtos embalados, congelados e estocados para o mercado chinês. O abate segregado iniciou em 9 de janeiro. Essa produção é integralmente destinada à China e, conforme evoluírem os negócios, o abate será ampliado para mais dias na quinzena.

Casagranda lembra que a China somente consumia a carne brasileira através das importações via Hong Kong. A partir de 2009 passou a comprar diretamente produtos de frango e, em abril de 2011, com o acordo firmado pela presidente Dilma Rousseff, a exportação de carne suína direta Brasil/China foi autorizada, mas exigiu um árduo trabalho de diversos setores da empresa para adequar o processo ao protocolo exigido.

Nesse novo estágio, a China passa a comprar direto do Brasil, que poderá incrementar as vendas, oferecer volumes e cortes mais específicos para a demanda chinesa e entrar no país mais populoso, com renda emergente, que prevê aumentar o consumo de carne nas próximas décadas.


Frango

A Aurora já exporta frango para o mercado chinês: em 2009 as plantas de aves de Maravilha e de Quilombo receberam a aprovação para a exportação para a China Continental, após anos de negociação entre os dois países, que culminou com a habilitação de 23 plantas brasileiras a exportar para aquele mercado.

Em outubro de 2010, uma comitiva chinesa visitou oficialmente as agroindústrias no Brasil, e a Aurora foi classificada para exportação de carne suína diretamente à China continental através do SIF 3548 que identifica o FACH1 (Frigorífico Aurora Chapecó).


Comente aqui
18 jan09:48

Com negócios à vista, Coopercentral inicia abate para o mercado chinês

A Coopercentral Aurora (Aurora Alimentos) – uma das poucas empresas brasileiras de processamento de carnes habilitadas a exportar para a China – inicia em fevereiro os embarques de carne suína. Por conta disso, iniciou neste mês o abate de suínos e o processamento de carnes para o mercado chinês.

O vice-presidente Neivor Canton informa que a empresa criou uma estrutura especial para atender as especificidades do país importador. Uma delas é o sistema de rastreabilidade da produção que tem origem no campo até o produto final a ser exportado.

Um grupo de 33 propriedades rurais do oeste catarinense foi selecionado pela Aurora, homologado pela Cidasc com protocolo de produção aprovado pelo Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura. Uma fábrica de rações da CooperAuriVerde (cooperativa filiada à Coopercentral Aurora) está processando ração específica para abastecer os plantéis.

Os animais prontos são conduzidos para a unidade industrial de Chapecó (FACH1) onde está programado o “turno dedicado”: em um dia a cada quinzena, o frigorífico abate cerca de 4.600 suínos que geram 200 toneladas de produtos embalados, congelados e estocados para o mercado chinês.

A assessora técnica de produção e médica veterinária Eliana Bodanese explica que essa produção é integralmente destinada à China e, conforme evoluírem os negócios, o abate segregado será ampliado para mais dias na quinzena.

O gerente de mercado internacional Dilvo Casagranda lembra que a China somente consumia a carne brasileira através das importações via Hong Kong. A partir de 2009 passou a comprar diretamente produtos de frango e, em abril de 2011, com o acordo firmado pela presidente Dilma Rousseff, a exportação de carne suína direta Brasil/China foi autorizada, mas exigiu um árduo trabalho de diversos setores da empresa para adequar o processo ao protocolo exigido.

Nesse novo estágio, a China passa a comprar direto do Brasil, que poderá incrementar as vendas, oferecer volumes e cortes mais específicos para a demanda chinesa e entrar no país mais populoso, com renda emergente, que prevê aumentar o consumo de carne nas próximas décadas.


Memória

A Aurora exporta frango para a China desde 2009. Nesse ano, as plantas de aves de Maravilha e de Quilombo receberam a aprovação para a exportação para a China Continental, após anos de negociação entre o Brasil e China, que culminou com a habilitação de 23 plantas brasileiras a exportar para aquele mercado.

Em outubro de 2010, uma comitiva chinesa visitou oficialmente as agroindústrias no Brasil e a Aurora foi classificada para exportação de carne suína diretamente à China continental através do SIF 3548 que identifica o FACH1 (Frigorífico Aurora Chapecó).


Comente aqui
22 nov17:13

Agroindústria do Oeste conquista mercado da China

Mercado cobiçado há muitos anos, a China está, finalmente, comprando carne diretamente do Brasil – e não mais via Hong Kong. Por enquanto, carnes de aves, mas, em breve, comprará carne suína. A Coopercentral Aurora,  uma das poucas empresas brasileiras de processamento de carnes de aves e suínos habilitadas a vender para aquele país asiático – já embarcou 30 milhões de dólares em produtos de frango neste ano e em janeiro inicia os embarques de carne suína.

O presidente Mário Lanznaster e o gerente de mercado internacional Dilvo Casagranda expõem em entrevista o novo e promissor relacionamento comercial com a China.


A China não comprava carne brasileira de forma direta?

A China somente consumia a carne brasileira através das importações de Hong Kong, que repassa a carne para a China. A partir de 2009 passou a comprar diretamente frango e, em abril de 2011, com o acordo firmado pela presidente Dilma Rousseff, a exportação de carne suína direta Brasil/China foi autorizada. Isso é bom para os dois países: para a China, porque vai comprar sem atravessador, a preço menor e, para o Brasil, porque poderá incrementar as vendas, oferecer cortes mais nobres e entrar num país com população de renda emergente que, certamente, aumentará o consumo de carne progressivamente nas próximas décadas. O consumo da carne de frango confirma essa expectativa: em 2009, a China importou do Brasil 20 mil toneladas e, em 2010, pulou para 120 mil toneladas.


Quando iniciaram as exportações da Coopercentral Aurora Diretamente para a China?

Iniciamos no ano de 2009, quando as plantas de aves de Maravilha e de Quilombo receberam a aprovação para a exportação para a China Continental, após anos de negociação entre o Brasil e China, que culminou com a habilitação de 23 plantas brasileiras à exportar para aquele mercado.


Quais os produtos exportados?

Os principais são: Asa inteira, asa porcionada (ponta, meio e coxinha da asa) e pés de frango.


Qual o volume físico e valor financeiro de cada produto exportado?

Em 2011 foram exportadas até o mês de outubro 12.500 toneladas de produtos de aves, diretamente para a China, com faturamento aproximado de 30 milhões de dólares.


Essas vendas foram feitas diretamente pela Aurora ou foram via ABIPECS, APEX etc?

As vendas foram feitas diretamente pela equipe comercial do mercado externo da Coopercentral Aurora, que buscou atuar diretamente junto aos clientes chineses. As instituições Apex, Ubabef e Abipecs serviram de canais de prospecção, mas todos os negócios foram conduzidos exclusivamente pela Aurora .


Qual a projeção de vendas para 2012?

A Aurora espera incrementar as vendas para o continente asiático e principalmente para a China, já que as relações comerciais têm crescido significativamente entre Brasil e China, contando agora também com o início das exportações de carne suína para aquele país.


O mercado chinês pode também comprar produtos de alto valor agregado ou só cortes de segunda linha?

As características de consumo da China são de produtos resfriados, sendo que para as importações a demanda é pelos produtos congelados que servirão de matéria prima para a elaboração de produtos finais industrializados e ou para pratos em cadeias de restaurantes. Mas, como a China tem disponibilidade de mão de obra, é natural que importe matérias-primas para utilizar em indústria local. Os países têm um certo protecionismo que dificulta a entrada de produtos elaborados, além das características peculiares de sabor e costumes que dificultam a chegada ao mercado com o produto pronto.


Na área de carne suína, quando iniciou a aproximação definitiva com a China?

Em outubro de 2010, uma comitiva chinesa visitou oficialmente 13 agroindústrias no Brasil e três foram classificadas para exportação de carne suína: Coopercentral Aurora (SC), Cotrijuí (RS) e Rio Verde – BRF (GO). Outras 10 foram condicionadas a melhorias internas ou de controle e serão liberadas quando o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) aprovar as adequações.


Quando a Coopercentral Aurora inicia a exportação de carne suína?

Em janeiro faremos o primeiro embarque.


Qual é o status da suinocultura chinesa no mundo?

A China é o maior produtor mundial de suínos, com plantel de 446 milhões de cabeças. No mundo inteiro são 774,5 milhões de cabeças e no Brasil o plantel é de 33,5 milhões de cabeças. Já em termos de produção, a China produz metade da carne suína do mundo com 48,7 milhões de toneladas e consome 100% de volume. O Brasil produz 3 milhões de toneladas e exporta 600 mil toneladas de carnes suínas. Dentro desse cenário está Santa Catarina que produz 750 mil toneladas e exporta 170 mil toneladas de carnes suínas.


Comente aqui
13 nov11:00

Expectativa na suinocultura

A expectativa da abertura de novos mercados para a carne suína, como Japão e Coreia do Sul, além do início dos embarques à China ainda neste mês pode trazer um ânimo para as exportações, em volume, da proteína em 2012.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Pedro de Camargo Neto, ainda não arrisca uma quantidade de carne suína a ser exportada no ano que vem, mas prevê a retomada dos níveis históricos, que eram por volta de 600 mil toneladas/ano.

- Acredito que Japão e Coreia do Sul vão autorizar os embarques de Santa Catarina no ano que vem. O volume a ser acrescentado será relevante, mas será um processo gradual. Talvez no primeiro ano consigamos um aumento de 100 mil toneladas – afirmou o executivo em entrevista à Agência Estado. Para ele, Japão é um dos maiores mercados importadores da proteína e a China, para onde os embarques brasileiros começarão nos próximos dias, é o segundo maior e tem potencial de ultrapassar o Japão no ranking mundial.

No final de outubro, uma comitiva do Estado de Santa Catarina, com a presença do governador Raimundo Colombo (PSD) visitou o Japão e a Coreia do Sul para estreitar o relacionamento e tentar agilizar o processo de abertura dos mercados à proteína do Estado.

- Foi uma visita política importante e a presença do governador deu mais força às negociações, o que é fundamental. Ainda há trâmites técnicos a serem resolvido com os dois países, o que é de praxe. A Coreia ficou de dar uma resposta até o dia 10. Estamos otimistas – comentou Camargo Neto.


Rússia

O presidente da Abipecs afirmou que mesmo com o embargo russo que já dura cerca de cinco meses, as vendas para outros países como Hong Kong e Ucrânia começam a compensar as perdas com a interrupção dos embarques ao país.

- Por conta do embargo russo vamos ter uma queda em volume em 2011, ficando abaixo das 540,417 mil toneladas exportadas no ano passado. Mas o comércio com esses outros países está fazendo com que possamos manter o volume mensal, o que é um indicativo de que estamos deixando de ser dependentes da Rússia – explica Camargo Neto.

Para ele, a vinda de técnicos russos ao Brasil no fim do mês pode ajudar o Brasil a reverter o embargo. Essa independência com o mercado russo também será sentida nas vendas de final de ano.

- Normalmente, entre novembro e dezembro registrávamos uma queda significativa nas exportações, já que as vendas à Rússia eram mínimas devido ao congelamento dos portos. Esse ano, com a diversificação de mercados, poderá ser diferente e as vendas deverão ficar estáveis ante os meses anteriores – disse Camargo Neto.


Agência Estado


Comente aqui