Chuva

26 dez17:18

Situação de emergência em Coronel Freitas

A estiagem tem deixado produtores de Coronel Freitas preocupados. Desde a primeira quinzena do mês de dezembro não são registradas chuvas significativas no município. Devido a isso o prefeito Mauri José Zucco assinou decreto de situação de emergência. Assinatura foi na quinta-feira, dia 22.

De acordo com o diretor de agricultura, Roberto Cordazzo, a chuva que caiu no último final de semana amenizou, mas não resolveu a situação de diversas famílias que enfrentam problemas com a falta de água nas propriedades rurais. – Dois caminhões pipa estão fazendo o transporte de água para cerca de 30 propriedades rurais – disse Cordazzo.

>> Falta de chuva preocupa no Oeste

>> Prefeitura de Xanxerê avalia situação da estiagem no município

A agricultura é a que mais sofre com a estiagem. De acordo com um levantamento feito pela Secretária Municipal de Agricultura, as lavouras de milho e as pastagens são as áreas mais castigadas. Os dados apontam perdas de 30% na produção de milho e 25% na produção de leite no município.

Preocupada com a situação a prefeitura está disponibilizando toda a estrutura necessária para o transporte de água para os agricultores.


Comente aqui
25 dez17:27

Nem 30 milímetros de chuva no final de semana em Chapecó

Segundo o observador metereológico da Epagri, Leandro Zanquetta, choveu até o final da tarde deste domingo, 48,8 milímetros de chuva em Chapecó. Um número ainda distante da média para o mês de dezembro na cidade que é de 170 mm.

Até o final da tarde de sexta-feira havia chovido na cidade apenas 19 milímetros. Com os 29,8 mm, registrados no final de semana o número chega quase aos 50 mm.

Para esta segunda-feira, dia 26, a previsão é de pancadas isoladas na região Oeste. Em Chapecó está previsto 1 mm de chuva. A temperatura máxima não deve passar dos 26° C.

Confira a previsão para a semana em Chapecó.


>> Falta de chuva preocupa


Comente aqui
23 dez10:28

Prefeitura de Xanxerê avalia situação da estiagem no município

Estiveram reunidos nesta sexta-feira na prefeitura de Xanxerê, o prefeito, Bruno Linhares Bortoluzzi, o secretário do Desenvolvimento Agropecuário, Valdir Zembruski, o diretor da secretaria de Políticas Ambientais, Gilso Cherobin, e o coordenador da Defesa Civil, Rosito Miglioranza, para discutir a situação da longa estiagem que atinge o município.

De acordo com o secretário do Desenvolvimento Agropecuário, Valdir Zembruski, as perdas mais significativas são registradas nas lavouras de milho, ainda não quantificadas. Foram plantados 5,5 mil hectares nesta safra e o que preocupa é a baixa qualidade nos 2,2 mil hectares plantados para silagem. – Isso pode comprometer a atividade leiteira – destacou o secretário.

Segundo ele, outra situação que causa apreensão é com os 13 mil hectares de soja plantados no município. – A cultura encontra-se em fase de formação vegetativa e, com a falta de chuva, também pode ser afetada – disse Zembruski.


Volume de chuva

O secretário do Desenvolvimento Agropecuário salienta que foi registrado em dezembro apenas 15 milímetros de chuva, sendo que a média histórica para o mês é de 180 mm.

Valdir Zembruski enfatiza ainda que, de janeiro até o momento foram registrados 2170 milímetros de chuva, o que representa um volume acima da média. – Infelizmente a situação agora nos deixa muito apreensivos, pois a safra encontra-se em desenvolvimento e, não chovendo, as perdas devem acumular – finalizou.

Como há previsão de chuva para o final de semana foi decidido aguardar até o início da próxima semana para saber se será decretada ou não situação de emergência no município em função da estiagem.


Comente aqui
23 dez10:00

Falta de chuva preocupa

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Planalto Alegre foi a primeira cidade do Oeste a decretar Situação de Emergência devido a estiagem. Não chove há 40 dias no município. A maior preocupação é a falta de água para o consumo humano. Um caminhão pipa da Prefeitura está há mais de uma semana abastecendo cerca de 20 famílias do interior do município que estão sem água para o consumo.

Segundo o prefeito Edgar Rohrbeck a situação poderia ser ainda pior se não fosse o sistema de captação de água no Rio Chapecó. – O que realmente preocupa é que muitas fontes do interior secaram – disse o prefeito.

As perdas na agricultura são perceptíveis, na cultura da melancia e milho a produtividade teve queda de 35%. Na produção de leite a quebra é de 25%. – Técnicos da Secretaria de Agricultura e Epagri fazem o levantamento, mas já podemos dizer que os agricultores vão ter prejuízos – lamenta o Secretário de Agricultura, Carlos Panho.

O prefeito de Ipuaçu Denilso Casal também assinou decreto de Situação de Emergência devido a estiagem. A produção de milho é a mais castigada. O levantamento dos prejuízos será feito pela Epagri e Secretaria Municipal de Agricultura. De acordo com o Denilso a prefeitura vai disponibilizar o abastecimento de água para o interior, visando amenizar os prejuízos e riscos existentes.

O prefeito em exercício de Guaraciaba Nelson Hüning deve assinar na manhã desta sexta-feira o decreto de Situação de Emergência. Ele esteve em Brasília para a assinatura de um convênio de mais de R$ 3,5 milhões para investir em abastecimento de água no município.


Chapecó

A falta de chuva começa a preocupar e a prejudicar o abastecimento de água em Chapecó. Desde o dia 21 de novembro não é registrada uma chuva significativa na cidade. Segundo o observador metereológico da Epagri Francisco Schervinski a única chuva representativa no mês de dezembro, até agora foi no dia 09, quando foram registrados 19 mm de chuva. – Tivemos também outros dois dias com pancadas isoladas na cidade que totalizam 22 mm de chuva no mês. Bem diferente da média histórica que é de 170 mm e da registrada em dezembro de 2010, que foi de 392 mm. Esse verão não será tão chuvoso como o do ano passado – salientou o observador.

A umidade baixa do ar também tem preocupado. Na tarde da quarta-feira, 21, a umidade chegou a 21%. Na manhã desta quinta-feira estava em 45%, o ideal seria de 60%. Uma das conseqüências disso pode ser o aumento no atendimento de crianças e adultos com problemas respiratórios. Segundo informações do Hospital Materno Infantil os atendimentos ainda não tiveram alterações.

Ainda segundo o observador metereológico a previsão para os próximos dias é de pancadas de chuva em pontos isolados.


Caminhão pipa no interior

O interior de Chapecó está recebendo água de caminhões pipa. Segundo o secretário de agricultura Ricardo Lunardi, cinco comunidades estão sendo atendidas com água. O secretário disse ainda que desde 2005 já foram construídos 200 poços artesianos no interior.


Sistema de rodízio nos bairros

A Casan iniciou um sistema de rodízio para garantir o abastecimento de água nos bairros de Chapecó. As residências ficam com o abastecimento de água interrompido durante um período do dia:

Bela Vista, Cristo Rei e Eldorado – 20h as 6h;

Passo dos Fortes, Loteamento Valville e Don Fabiano – 20h30 as 5h30;

Santo Antonio, Palmital, Quedas do Palmital e Universitário – 20h30 as 6h;

Grande Efapi e Centro – 21h as 5h30;

Seminário, Santa Maria e Esplanada – 20h as 6h.


O superintendente regional da Casan Nilso Macieski havia convidado a imprensa  para esclarecer e apresentar as obras que estão sendo realizadas para resolver o problema nesta sexta-feira. Porém o encontrou foi cancelado na tarde da quinta-feira.

- Voltaremos a marcar uma nova data para que seja possível acompanhar o sistema já em  funcionamento – disse Macieski.



Comente aqui
22 dez12:18

Falta de chuva preocupa em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A falta de chuva começa a preocupar e a prejudicar o abastecimento de água em Chapecó. Desde o dia 21 de novembro não é registrada uma chuva significativa na cidade.

Segundo o observador metereológico da Epagri Francisco Schervinski a única chuva representativa no mês de dezembro, até agora foi no dia 09, quando foram registrados 19 mm de chuva. – Tivemos também outros dois dias com pancadas isoladas na cidade que totalizam 22 mm de chuva no mês. Bem diferente da média histórica que é de 170 mm e da registrada em dezembro de 2010, que foi de 392 mm. Esse verão não será tão chuvoso como o do ano passado – salientou o observador.

A umidade baixa do ar também tem preocupado. Na tarde da quarta-feira, 21, a umidade chegou a 21%. Na manhã desta quinta-feira estava em 45%, o ideal seria de 60%. Uma das conseqüências disso pode ser o aumento no atendimento de crianças e adultos com problemas respiratórios. Segundo informações do Hospital Materno Infantil os atendimentos ainda não tiveram alterações.

Ainda segundo o observador metereológico a previsão para os próximos dias é de pancadas isoladas.


Sistema de rodízio nos bairros

A Casan iniciou um sistema de rodízio para garantir o abastecimento de água nos bairros de Chapecó. Uma reunião nesta sexta-feira vai esclarecer sobre as obras que estão sendo realizadas para resolver o problema.


Caminhão pipa no interior

O interior de Chapecó está recebendo água de caminhões pipa. Segundo o secretário de agricultura Ricardo Lunardi, cinco comunidades estão sendo atendidas com água. O secretário disse ainda que desde 2005 já foram construídos 200 poços artesianos no interior.


Comente aqui
22 nov12:29

Guarda-chuvas primaveris em dia frio

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A estação é Primavera, como mostram os guarda-chuvas coloridos e floridos que desfilavam na tarde da segunda-feira em Chapecó.

As vitrines, com vestidos curtos, lembravam o Verão. Mas pelos casacos da população de Chapecó, parecia Inverno. É que os chapecoense acostumados com temperaturas próximo de 30 graus nos últimos dias ontem viram os termômetros marcarem 17 graus. Neste ano, em que foram registradas geadas consecutivas no inverno, parece que o friozinho não quer ir embora.



Comente aqui
10 nov15:45

Chuva para refrescar

Darci Debona | darci.debona@diario.com

A chuva do início da tarde ajudou a refrescar a temperatura na cidade. O termômetro da Estação Meteorológica da RBS, que marcava 26,1 graus às 12h15, marcava 19,1 graus às 14h50.

Além disso já estava na hora de chover, o que não acontecia desde o dia 29 de outubro, segundo o observador meteorológico da Epagri, Francisco Schervinski. A chuva também é boa para as lavouras de milho, que estão em desenvolvimento. Também favorece o plantio das lavouras de soja.

No mês de novembro a média histórica é de 168 milímetros. Em outubro choveu 315 milímetros, para uma média de 220 milímetros.


Comente aqui
29 out14:36

Ouro e Recorde na Olesc

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Na sexta-feira, dia 28, começaram as provas de Atletismo da Olesc, que está sendo disputada em Chapecó. Para Tabata Aparecida Zucchi, de 17 anos, a prova de salto com vara já foi uma prévia dos Jogos Abertos de Santa Catarina, que serão disputados a partir de 10 de novembro, em Criciúma.

Na Olesc ela bateu o recorde da prova, com 3m10cm. E também melhorou em 60 centímetros a marca da Olesc do ano passado, onde também foi ouro com 2,50 metros.

–Foi treinamento, dedicação e um equipamento melhor- explicou, sobre a evolução.

Com essa marca ela acredita que vai brigar por medalha nos Jasc. A Olesc vai até terça-feira, dia primeiro.


Chuva adia temporariamente atletismo na Olesc

Devido à forte chuva que atinge o Oeste do Estado desde o início da manhã deste sábado, 29, os coordenadores da modalidade de atletismo e da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) decidiram suspender temporariamente, as provas que integram a programação da Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc), que está sendo realizada em Chapecó.

Às 17h deste sábado, haverá uma reunião com os técnicos dos municípios envolvidos na disputa do atletismo para tomar uma decisão sobre a retomada das provas. A reunião será no Complexo Verdão, junto ao local de provas. As disputas do atletismo começaram na sexta-feirae o encerramento está mantido para este domingo, conforme a programação inicial.

Comente aqui
14 out09:56

Deslizamento de terra destrói casa em Seara

A forte chuva que atingiu o Oeste de Santa Catarina provocou um deslizamento na quinta-feira em Seara. Uma casa ficou destruída pela terra. Três pessoas que estavam na residência sofreram ferimentos leves.

O incidente aconteceu na manhã de quinta-feira num morro do bairro Nossa Senhora Aparecida. Mais três casas no local também acabaram interditadas por causa do risco de novos deslizamentos. As famílias foram realocadas pela prefeitura para outras residências.



Área foi interditada pela defesa civil.



De acordo com a prefeitura, a chuva forte também provocou danos em pontes, estradas e tubulações, principalmente na região do Distrito de Caraíba e nas linhas Lajeado Forte, 13 de Maio e São Brás.

No Centro, a Avenida Paludo e as ruas Antonio Zonta, Claiton Wosgrau, Ermínio João Zonta e Bruno Selbach registraram estragos. O município de quase 17 mil habitantes deve decretar situação de emergência, informou o site da prefeitura.


DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui
13 out11:43

Deslizamento de terra atinge casa em Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A chuva forte da manhã de hoje trouxe transtornos para os moradores de Chapecó. Houve alagamentos de algumas ruas e casas em alguns bairros, como Universitário, São Pedro, Jardim América e Jardim do Lago. No Bairro Jardim América um deslizamento de terra atingiu uma residência, derrubando as paredes do banheiro e deslocando um dos lados cerca de dois metros.

O dono da casa, Nivaldo Rodrigues, de 37 anos, tinha saído poucos minutos antes.

–Tinha saído para comprar uma cano para consertar a rede de água que tinha estourado- explicou.

Quando chegava de volta em casa, ouviu um barulho e viu a terra descendo sobre sua casa.

–O barranco veio inteiro- disse.

A casa de madeira de 48 metros quadrados ficou comprometida. Há o risco de desabar. No final da manhã Rodrigues aguardava a Defesa Civil para ver o que iria fazer com os móveis.

–Não tenho pra onde ir, nem onde morar- lamentou.

Ele trabalha como auxiliar de produção numa agroindústria e morava há seis meses no local, que fica próximo a um córrego que é afluente do rio Passo dos Índios. A casa está em área de preservação permanente e, portanto, em área irregular.

>> Já choveu 80% da média do mês em Chapecó

Comente aqui