Cinema

07 fev17:02

Maratona de cinema em Chapecó

Municípios do Oeste do Estado estão no grupo de treze cidades catarinenses selecionadas para integrar uma verdadeira maratona de cinema que começa dia 13 de fevereiro e só termina dia 30 de março. Em sua terceira temporada, o Gira Brasil Circuito SCGÁS de Cinema nas Comunidades vai apresentar cinco filmes brasileiros. As primeiras cidades a receber o projeto serão Chapecó e Concórdia. Até o fim do roteiro, mais de três mil e seiscentas pessoas vão assistir a sucessos como Eu e meu Guarda-Chuva, As Melhores Coisas do Mundo, O Mundo em duas voltas, O grilo Feliz e os Insetos Gigantes e O Menino da Porteira. Em Chapecó, as sessões, gratuitas, ocorrerão na Praça Coronel Bertaso (em frente à Catedral), em vários horários.

As apresentações acontecem no Cinemóvel, um caminhão adaptado especialmente para garantir o conforto da platéia. A sala, climatizada, tem 30 poltronas, duas acomodações especiais para cadeirantes, tela de 120 polegadas, som digital de alta qualidade e isolamento acústico e térmico. Pessoas com dificuldade de locomoção contam ainda com uma rampa de acesso.

Na edição 2012 o Circuito SCGÁS terá 123 sessões em 47 dias, para um público estimado em 3,7 mil espectadores. Em 2010 e 2011 o projeto percorreu 36 cidades catarinenses, realizando 384 sessões e conquistando mais de 10 mil espectadores em sessões gratuitas, sempre em espaços públicos.

- O cinema é uma atividade mágica. Por isso é muito importante facilitarmos o acesso do público aos filmes, ainda mais quando se trata da produção nacional – disse Jefferson Bevilacqua, diretor da Magma Cultura, empresa responsável pela produção do Projeto Gira Brasil 2012. Aprovado pela Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, o projeto tem patrocínio da SCGÁS e realização do Ministério da Cultura. Esse ano os interessados poderão acompanhar novidades do Circuito pela internet, na página do projeto.


Roteiro

Chapecó – 13 a 15 de fevereiro

Concórdia – 16 e 17 de fevereiro

Lages – 23 a 25 de fevereiro

Ibirama – 27 a 29 de fevereiro

Ascurra – 01 e 02 de março

Criciúma – 05 a 07 de março

Palhoça – 08 a 10 de março

Canelinha – 12 e 13 de março

Guabiruba – 14 a 16 de março

Blumenau – 19 a 21 de março

Joinville – 22 a 24 de março

Balneário Camboriú – 26 e 27 de março

Florianópolis – 28 a 30 de março


Sinopse dos filmes:

• O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes

Classificação indicativa: Livre

Sinopse: “O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes” é uma história do inspirado grilo azul que já havia encantado as famílias no primeiro filme. Agora, Grilo Feliz quer gravar um CD, mesmo desejo de uma divertida banda de rap formada por sapos, porém ambos se deparam com a vilã Trambika, que pirateia suas músicas, e acaba por unir sapos e insetos numa inesperada aventura.


• Eu e meu Guarda-Chuva

Classificação indicativa: Livre

Sinopse: Em sua última noite de férias, Eugênio, um menino de 11 anos, e seu melhor amigo, Cebola, envolvem-se em aventuras inimagináveis para resgatar Frida, sua paixão e colega de escola, que foi sequestrada pelo fantasma do temível Barão Von Staffen. Nesta odisséia, Eugênio contará com a ajuda de um guarda-chuva herdado de seu saudoso avô, que lhe dará a coragem necessária para seguir em frente. O duelo final entre o Barão e Eugênio decidirá o destino de Frida e de todos eles.


• O Mundo em Duas Voltas

Classificação indicativa: Livre

Sinopse: Em 1997, a Família Schürmann resolveu realizar um sonho: reeditar a expedição de Fernão de Magalhães, que em 1519 viajou contra as rotas tradicionais de navegação, completando a primeira volta ao mundo da história da humanidade. Duas grandes viagens e conquistas em um emocionante filme, com imagens de 30 países, quatro continentes e três oceanos.


• O Menino da Porteira

Classificação indicativa: 12 anos

Sinopse: Anos 50. No vilarejo de Rio Bonito o peão Diogo conduz uma grande boiada até a Fazenda Ouro Fino. Ao passar pelo sítio Remanso ele conhece Rodrigo, um garoto que sonha em se tornar um boiadeiro. Logo eles se tornam amigos, sendo também testemunhas das injustiças que ocorrem na região devido à ganância do major Batista, dono da Fazenda Ouro Fino. O major ordena que seus capangas chantageiem os moradores locais, de forma que vendam o gado pelo preço que deseja. A situação muda quando Otacílio Mendes, pai de Rodrigo, decide se rebelar, contando com a ajuda do farmacêutico dr. Almeida.


• As Melhores Coisas do Mundo

Classificação indicativa: 14 anos

Sinopse: Mano é um adolescente de 15 anos. Ele está aprendendo a tocar guitarra com Marcelo, pois deseja chamar a atenção de uma garota. Seus pais, Camila e Horácio estão se separando, o que afeta tanto ele quanto seu irmão mais velho, Pedro. Sua melhor amiga e confidente é Carol, que está apaixonada pelo professor Artur. Em meio a estas situações, Mano precisa lidar com os colegas de escola em momentos de diversão e também sérios, típicos da adolescência nos dias atuais.



Maratona de cinema em Chapecó

Projeto Gira Brasil Circuito SCGÁS de Cinema nas Comunidades vai passar pelo Oeste. Público vai assistir aos filmes dentro de um caminhão adaptado

 

Municípios do Oeste do Estado estão no grupo de treze cidades catarinenses selecionadas para integrar uma verdadeira maratona de cinema que começa dia 13 de fevereiro e só termina dia 30 de março. Em sua terceira temporada, o Gira Brasil Circuito SCGÁS de Cinema nas Comunidades vai apresentar cinco filmes brasileiros. As primeiras cidades a receber o projeto serão Chapecó e Concórdia. Até o fim do roteiro, mais de três mil e seiscentas pessoas vão assistir a sucessos como Eu e meu Guarda-Chuva, As Melhores Coisas do Mundo, O Mundo em duas voltas, O grilo Feliz e os Insetos Gigantes e O Menino da Porteira. Em Chapecó, as sessões, gratuitas, ocorrerão na Praça Coronel Bertaso (em frente à Catedral), em vários horários.

As apresentações acontecem no Cinemóvel, um caminhão adaptado especialmente para garantir o conforto da platéia. A sala, climatizada, tem 30 poltronas, duas acomodações especiais para cadeirantes, tela de 120 polegadas, som digital de alta qualidade e isolamento acústico e térmico. Pessoas com dificuldade de locomoção contam ainda com uma rampa de acesso.

Na edição 2012 o Circuito SCGÁS terá 123 sessões em 47 dias, para um público estimado em 3,7 mil espectadores. Em 2010 e 2011 o projeto percorreu 36 cidades catarinenses, realizando 384 sessões e conquistando mais de 10 mil espectadores em sessões gratuitas, sempre em espaços públicos.

- O cinema é uma atividade mágica. Por isso é muito importante facilitarmos o acesso do público aos filmes, ainda mais quando se trata da produção nacional – disse Jefferson Bevilacqua, diretor da Magma Cultura, empresa responsável pela produção do Projeto Gira Brasil 2012. Aprovado pela Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, o projeto tem patrocínio da SCGÁS e realização do Ministério da Cultura. Esse ano os interessados poderão acompanhar novidades do Circuito pela internet, na página do projeto.

 

Roteiro

Chapecó – 13 a 15 de fevereiro

Concórdia – 16 e 17 de fevereiro

Lages – 23 a 25 de fevereiro

Ibirama – 27 a 29 de fevereiro

Ascurra – 01 e 02 de março

Criciúma – 05 a 07 de março

Palhoça – 08 a 10 de março

Canelinha – 12 e 13 de março

Guabiruba – 14 a 16 de março

Blumenau – 19 a 21 de março

Joinville – 22 a 24 de março

Balneário Camboriú – 26 e 27 de março

Florianópolis – 28 a 30 de março

 

Sinopse dos filmes:

 

  • O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes

Classificação indicativa: Livre

Sinopse: “O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes” é uma história do inspirado grilo azul que já havia encantado as famílias no primeiro filme. Agora, Grilo Feliz quer gravar um CD, mesmo desejo de uma divertida banda de rap formada por sapos, porém ambos se deparam com a vilã Trambika, que pirateia suas músicas, e acaba por unir sapos e insetos numa inesperada aventura.

 

  • Eu e meu Guarda-Chuva

Classificação indicativa: Livre

Sinopse: Em sua última noite de férias, Eugênio, um menino de 11 anos, e seu melhor amigo, Cebola, envolvem-se em aventuras inimagináveis para resgatar Frida, sua paixão e colega de escola, que foi sequestrada pelo fantasma do temível Barão Von Staffen. Nesta odisséia, Eugênio contará com a ajuda de um guarda-chuva herdado de seu saudoso avô, que lhe dará a coragem necessária para seguir em frente. O duelo final entre o Barão e Eugênio decidirá o destino de Frida e de todos eles.

 

  • O Mundo em Duas Voltas

Classificação indicativa: Livre

Sinopse: Em 1997, a Família Schürmann resolveu realizar um sonho: reeditar a expedição de  Fernão de Magalhães, que em 1519 viajou contra as rotas tradicionais de navegação, completando a primeira volta ao mundo da história da humanidade. Duas grandes viagens e conquistas em um emocionante filme, com imagens de 30 países, quatro continentes e três oceanos.

 

  • O Menino da Porteira

Classificação indicativa: 12 anos

Sinopse: Anos 50. No vilarejo de Rio Bonito o peão Diogo conduz uma grande boiada até a Fazenda Ouro Fino. Ao passar pelo sítio Remanso ele conhece Rodrigo, um garoto que sonha em se tornar um boiadeiro. Logo eles se tornam amigos, sendo também testemunhas das injustiças que ocorrem na região devido à ganância do major Batista, dono da Fazenda Ouro Fino. O major ordena que seus capangas chantageiem os moradores locais, de forma que vendam o gado pelo preço que deseja. A situação muda quando Otacílio Mendes, pai de Rodrigo, decide se rebelar, contando com a ajuda do farmacêutico dr. Almeida.

 

  • As Melhores Coisas do Mundo

Classificação indicativa: 14 anos

Sinopse: Mano é um adolescente de 15 anos. Ele está aprendendo a tocar guitarra com Marcelo, pois deseja chamar a atenção de uma garota. Seus pais, Camila e Horácio estão se separando, o que afeta tanto ele quanto seu irmão mais velho, Pedro. Sua melhor amiga e confidente é Carol, que está apaixonada pelo professor Artur. Em meio a estas situações, Mano precisa lidar com os colegas de escola em momentos de diversão e também sérios, típicos da adolescência nos dias atuais.

 

Comente aqui
27 jan12:06

Estreia nesta sexta "Os Homens que Não Amavam as Mulheres"

Gustavo Brigatti | gustavo.brigatti@zerohora.com.br

Zombeteiramente, a contribuição da Suécia para o cinema mundial são diretores de filmes que ninguém vê, mas muitos comentam, e atrizes de produções que muitos veem, mas poucos admitem.

Agora, o país nórdico fornece enredo e cenário para um dos grandes thrillers do ano, baseado no bestseller do jornalista e escritor sueco Stieg Larsson (1954 – 2004): Os Homens que Não Amavam as Mulheres, que estreia hoje nos cinemas. Confira a programação do Cinema de Chapecó.

Em livro, Os Homens que Não Amavam as Mulheres tornou-se um dos maiores sucessos editoriais dos últimos tempos e é o primeiro da trilogia Millenium – toda ela devidamente adaptada pelo cinema sueco em 2009. O barulho em torno de Millenium assanhou Hollywood, que decidiu providenciar sua própria versão e chamou o diretor David Fincher (Clube da Luta, A Rede Social) para assumir a batuta.

E Fincher decidiu não correr riscos, sendo em parte fiel ao livro, em parte fiel ao filme original. Tão fiel que foi filmar na gélida Suécia, deixando como “recurso” hollywoodiano apenas o elenco, encabeçado pela novata Rooney Mara e por Daniel”James Bond”Craig – respectivamente a hacker Lisbeth Salander e o jornalista investigativo Mikael Blomkvist.

Na trama,Blomkvist é contratado para procurar pistas do desaparecimento de Harriet Vanger, adolescente que sumiu há 40 anos e,desde então,virou obsessão para seu tio, o magnata Henrik Vanger (Christopher Plummer). Para auxiliá-lo, surge Lisbeth, uma perita em computação de visual punk, comportamento antissocial e passado obscuro.

Durante o percurso, a dupla vai descobrir que a neve branca que recobre o idílico cenário é inversamente proporcional ao lodo que envolve a árvore genealógica dosVanger.

Para não perder a graça de quem já leu o livro e viu o filme sueco, Fincher mudou sutilmente o final. Nada, no entanto, que tire o brilho de sua versão e impeça que as continuações sejam feitas.


ATENÇÃO: CONTÉM ESPOILERS

Os textos abaixo trazem revelações sobre a trama do filme Os Homens que Não Amavam as Mulheres:


Filme x Filme

Enquanto a carga sexual é discreta no filme sueco, a versão americana tem pelo menos três tórridas cenas de sexo e muito topless – com direito a um ousado nu frontal-lateral de Rooney Mara. E David Fincher também é mais violento: não poupa o espectador na sequência de estupro de Lisbeth e sua posterior vingança. Já o visual de Lisbeth, até pelos detalhes estabelecidos por Stieg Larsson, não poderia ser muito diferente: corte de cabelo moicano que vira uma franja caindo até a metade do rosto estão presentes em ambos os filmes, bem como os piercings e tatuagens.A diferença, nesta última, é o tamanho: enquanto o dragão cobre as costas inteiras na versão sueca, na americana fica apenas em uma das omoplatas de Lisbeth. Uma diferença crucial, no entanto, é a presença da filha de Blomkvist no filme de Fincher. Ela é responsável por solucionar o primeiro grande mistério da trama – na versão sueca, é apenas citada.


Filme x Livro

Tal como na versão sueca,o diretor David Fincher decidiu enxugar a maior parte da gordura panfletária feminista que recheia o livro de Stieg Larsson,dando ênfase à sua boa estrutura policial.E Blomkvist não é o Don Juan escandinavo que Larsson pinta no papel,ficando restrito aos casos com sua sócia e,depois,Lisbeth. A curiosidade homossexual do vilão na sequência final é tratada com discrição por Fincher: nada de bolinação e beijo na boca entre homens como há no livro.O vilão também morre de maneira diferente do livro,capotando o carro em vez de colidir com um caminhão. Diferentemente do livro,o filme dá pouquíssimas pistas sobre o passado de Lisbeth,limitando-se a uma linha de diálogo entre os protagonistas já nos instantes finais.Já o desfecho do mistério central foi alterado por Fincher,deixando mais plausível: HarrietVanger não está escondida na Austrália,vivendo com novo nome, mas assumiu a identidade da prima que a ajudou a fugir 40 anos antes.


ZERO HORA



Comente aqui
26 jan17:03

Millenium – Os Homens que não Amavam As Mulheres

Embora já tivesse um respeitável currículo como coadjuvante, Daniel Craig só virou astro na pele de James Bond. O ator  de Os Homens Que Não Amavam as Mulheres está no remake do primeiro capítulo da trilogia literária Millennium, do sueco Stieg Larsson.

A refilmagem, nas mãos de David Fincher, estreia no Brasil em 27 de janeiro.

Craig vive o jornalista investigativo Mikael Blomkvist, contratado por um milionário que busca saber o que ocorreu com uma sobrinha desaparecida 40 anos atrás. Blomkvist tem como parceira na missão a hacker Lisbeth Salander (Rooney Mara).

Confira a programação completa do CINEMA de Chapecó.

Comente aqui
20 jan11:35

As Aventuras de Tintim, de Spielberg, em cartaz

Marcelo Perrone | marcelo.perrone@zerohora.com.br

Steven Spielberg conheceu e se encantou por Tintim já adulto, curioso com a comparação que franceses faziam entre as aventuras do arqueólogo Indiana Jones e as do destemido jovem repórter criado pelo desenhista belga Hergé no começo do século 20.

Hergé era entusiasta do pendor espetacularmente juvenil do diretor americano e confiou a ele, pouco antes de morrer, em 1983, os direitos para fazer de seu personagem estrela de uma superprodução do cinema, que somente em 2011 saiu do papel.

O filme está em cartaz em cópias 3D em opções dubladas e legendadas, As Aventuras de Tintim combina a vocação de Spielberg para o grande espetáculo que fascina crianças e adultos saudosos das matinês, com a sofisticada tecnologia que lhe permitiu recriar digitalmente o traço e o universo de Hergé. Para isso, ele contou com a parceria do colega neozelandês Peter Jackson, outro peso pesado dos blockbusters, fã entusiasmado de Tintim, que colocou em campo sua empresa de efeitos digitais Weta.

>> Confira a programação completa do cinema de Chapecó.

A primeira opção de Spielberg era um filme com atores. Manteve o plano, mas adotando a mesma técnica de captura de movimentos da Weta usada em sucessos como Avatar. O resultado, que impressiona nos primeiros instantes, porém, se dilui com a percepção de que Spielberg, mais do que a fidelidade a Hergé, faz ressaltar a fidelidade sobre si mesmo, outra vez assumindo o risco da grandiloquência estéril que ele conteve parcialmente em Cavalo de Guerra, mas não com Tintim.

Seu Tintim (modelado no ator Jamie Bell) é como um jovem Indiana Jones à frente de uma frenética gincana de caça ao tesouro, ao lado de seu inseparável cãozinho Milu e do beberrão capitão Haddock (Andy Serkis). A aventura remete ao mítico navio Licorne, que singrava os mares em busca de ouro e riquezas para o reino do francês Luis XIV. O roteiro do filme, primeiro de anunciada trilogia, combina três álbuns de Tintim: O Caranguejo das Pinças de Ouro, O Segredo do Licorne e O Tesouro de Rackham, o Terrível.

O entrave de As Aventuras de Tintim, sobretudo aos mais íntimos do personagem, é que o filme não deixa muito espaço para o aspecto lúdico dos quadrinhos, que leva o leitor a se imaginar ao lado do imberbe repórter diante de missões, lugares e personagens dos mais exóticos. É tudo tão perfeito, detalhado, por vezes demasiado frenético e confuso, que pouco deixa a ser contemplado além do visual.

Ganhador do Globo de Ouro de animação, As Aventuras de Tintim pode não ter a mesma sorte no Oscar. Em 2011, a Academia de Hollywood estabeleceu que a captura de movimento de atores, por si só, não caracteriza uma animação. Uma questão técnica e de interpretação e sobre e qual certamente os nomes de Spielberg e Jackson nos créditos deve pesar.


A tecnologia que ajudou Spielberg a reproduzir o visual de Tintim

Medonha criatura digital modelada no corpo do ator Andy Serkis, o Gollum da trilogia O Senhor dos Aneis (2001 — 2003) mostrou o fantástico potencial da chamada técnica de captura de movimentos que, aprimorada a cada ano, fez queixos caírem com Avatar (2009) e tornou possível agora a Steven Spielberg realizar As Aventuras de Tintim seguindo os traços do desenhista Hergé.

Por trás desse padrão de excelência está o cineasta Peter Jackson com sua empresa de efeitos digitais Weta, responsável também pela transformação de Serkis no chimpanzé César em Planeta dos Macacos — A Origem (2011).

A técnica de captura de movimentos consiste, basicamente, em vestir atores com malhas nas quais são colocadas sensores que transformam movimentos e expressões em uma estrutura virtual a ser manipulada no computador ao gosto do diretor.

Conhecido como “mocap” no jargão técnico (de motion capture), o recurso é um avanço permitido pela alta tecnologia em relação a técnicas desenvolvidas desde os primórdios do cinema, como a rotoscopia, ainda usada em produções recentes como Waking Life (2001) e O Homem Duplo (2006), de Richard Linklater. Nesse dois filmes, todo o registro feito com atores, como se fosse um filme normal, foi posteriormente tratado para ganhar o aspecto de animação.

Embora o desenho animado Sinbad: Nos Limites da Aventura (2000), modesta coprodução entre EUA e Índia seja listada como pioneira no uso da captura do movimento (com Brendan Fraser, entre outros atores, servindo de modelo para os personagens), o crédito de primeiro filme totalmente realizado com a técnica (inclusive com essa menção no livro Guinness dos recordes), é O Expresso Polar (2004), de Robert Zemicks, no qual Tom Hanks virou seis diferentes personagens, inclusive uma criança. Zemicks ficou tão entusiasmado como o potencial da técnica que a repetiu em A Lenda de Beowulf (2007), transformando o roliço Ray Winstone em um guerreiro musculoso, e Os Fantasmas de Scrooge (2009), com Jim Carrey encarnando oito personagens.

Se na reprodução de formas e feições humanas a captura de movimentos se mostra cada vez mais precisa, apesar da aparência um tanto artificial desse manequins sem alma, a técnica parece impressionar mais quando faz criaturas fantásticas interagirem com cenários reais e personagens de carne e osso, como em Avatar e Planeta dos Macacos — A Origem.

As Aventuras de Tintim segue um modelo híbrido. Todos os personagens “humanos” decalcados digitalmente dos atores – apenas o cãozinho Milu é fruto integral da computação gráfica — transitam por cenários realistas.

Comente aqui
12 jan14:22

Sherlock Holmes: O Jogo de Sombras

O clima noir da velha, suja e cinzenta Londres continua o mesmo no segundo filme de um dos detetives mais famosos do mundo: Sherlock Holmes. A direção também é a mesma, a cargo do ex-marido da Madonna, o inglês Guy Ritchie. Detalhes que deram certo no primeiro filme também foram mantidos, como o sarcasmo, as excelentes cenas de luta e os efeitos especiais, assim como a dupla central, que volta a ser vivida pelos atores Robert Downey Jr. (Holmes) e Jude Law (Dr. Watson). Filme entra em cartaz nesta sexta-feira no Cinema de Chapecó.

Com elementos como esses – e apoiado no sucesso que foi o primeiro filme da franquia -, Sherlock Holmes: O Jogo de Sombras consegue ser ainda melhor do que o anterior. Para divulgar o filme no Brasil, Robert Downey Jr. esteve no Rio  falou com a imprensa e com os fãs.

– Ao ler os livros de Sherlock Holmes, você precisa se sentir como uma testemunha. Senão, fica impossível explicar o que está acontecendo. Como, por exemplo, achar graça de um corpo morto na sua frente – afirmou o ator americano, ao falar sobre como é intercalar momentos de drama com humor no longa.

Sherlock Holmes: O Jogo de Sombras está fazendo tanto sucesso quanto o primeiro. O segundo capítulo da franquia estreou em dezembro em primeiro lugar nas bilheterias dos Estados Unidos. A parte 2 já arrecadou US$ 265 milhões em todo o mundo, sem contar com os US$ 140 milhões apenas nas salas de cinema americanas. O filme irá estrear nesta sexta-feira ainda em outros 25 países, incluindo o Brasil, e por isso os números deverão aumentar ainda mais. O primeiro filme arrecadou US$ 524 milhões.

O roteiro foi inspirado na obra O Problema Final, em que Holmes enfrenta o maior criminoso da Europa, o professor James Moriarty, tão inteligente quanto o detetive. O longa recria a cena da suposta morte do detetive, quando os dois caem das Cataratas de Reichenbach, na Suíça. A cena é ligeiramente diferente em relação ao livro, mas contar se Guy Ritchie decidiu matar ou salvar Holmes e o vilão estragaria a surpresa final, como explica Downey Jr.

– Algumas pessoas na Warner Bros. queriam que o Moriarty não morresse e voltasse num novo filme. E eu disse: ‘Não, de novo não’. Mas há algumas lutas que não devemos comprar. O livro e a adaptação são complementares.

>> Confira a programação completa do CINEMA de Chapecó.

A participação do irmão de Holmes, Mycroft (interpretado por Stephen Fry), que trabalha no serviço secreto britânico, é um dos destaques do filme. Segundo Holmes, seu irmão é mais inteligente do que ele, só que preguiçoso demais para deixar o escritório e investigar em campo. A cena dos irmãos confabulando soluções para os enigmas são impagáveis.

O diretor, no entanto, abusou do bullet time (efeito em câmera lenta que ficou famoso em Matrix) para retratar os momentos de luta. O efeito acaba se tornando cansativo, porque, antes de cada embate, Holmes repassa mentalmente e em câmera lenta os movimentos que fará na luta. Se no primeiro filme o recurso auxiliou na dinâmica da história, nesta segunda parte, Ritchie pesou na mão e exagerou. O ator, no entanto, defende a técnica.

– Eu e Guy somos amantes das artes marciais. Nessas cenas, Holmes parece um polvo, cheio de braços.

A atriz sueca Noomi Rapace também merece atenção, na pele da cigana Madam Simza Heron. A atriz de 32 anos ganhou notoriedade após interpretar a hacker Lisbeth Salander na adaptação sueca da trilogia Millennium. Em Sherlock Holmes, a personagem de Noomi é essencial para o sucesso da investigação. Outro ponto que poderá gerar críticas são as modificações feitas na história original. Apesar de recriar cidades europeias como Londres e Paris, não é possível afirmar que o filme seja uma adaptação fiel ao livro de Sir Conan Doyle.

AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui
06 jan13:53

Fim aos picaretas de Wall Street

Adultos e crianças, sem exceção, devem conhecer pelo menos um dos astros do cinema a seguir: Eddie Murphy, Ben Stiller ou Matthew Broderick. E quando os três estão no mesmo filme? Com exceção de Eddie Murphy, que já fez de tudo, a comédia de ação “Roubo nas Alturas”, que entra em cartaz hoje no cinema de Chapecó, é uma novidade para Stiller e para o eterno garotão de “Curtindo a Vida Adoidado”, Broderick.

O excesso de celebridades tem sido uma tendência nos filmes, e tantos famosos na mesma telona tem deixado a crítica desconfiada, tanto que o filme teve uma recepção, nos Estados Unidos bem dividida.

Com a ideia do filme toda pensada por Eddie Murphy, Arthur Shaw (Alan Alda) é um milionário dono de um empreendimento imobiliário luxuoso apelidado de A Torre. Quem mantém a ordem no prédio de luxo é Josh Kovaks (Ben Stiller) que, depois de uma reviravolta financeira envolvendo desvio de dinheiro cometido pelo chefe, se vê, junto com todos os funcionários de A Torre, sem seus fundos de pensão.

>> Confira a programação completa do CINEMA.

Enganado pelo chefe, que se revela um picareta de Wall Street, Kovaks decide se vingar e, para isso, planeja roubar tudo o que restou na casa do chefe. Para o trabalho ao qual não está nem um pouco familiarizado, chama o amigo de infância Slide (Eddie Murphy), que se tornou um ladrão. Para concretizar o plano, também chama Mr. Fitzhug (Broderick), um empresário falido, Charley (Casey Affleck), e a empregada com dons no arrombamento de cofres, Odessa (Gabourey Sidibe). Sidibe foi reconhecida pelo público por sua atuação em “Preciosa”, e aqui mostra sua versatilidade em uma atuação divertida.

A intenção, é claro, é dar risadas, mas não há como negar as coincidências no enredo e comparar o vilão da trama, Shaw, com o investidor Bernard Madoff, dado como um dos vilões pela crise atual nos Estados Unidos, e também da trupe criada por Kovaks com o movimento Ocuppy Wall Street.

AN.com.br

Comente aqui
25 dez12:17

Alvin e os Esquilos 3 no cinema de Chapecó

Alvin e os Esquilos 3  entra em cartaz neste domingo no cinema de Chapecó em dois horários. Confira a programação.

Inaugurada em 2007, a franquia “Alvin e os esquilos” deve boa parcela de sua popularidade às versões de sucessos da música pop – antigos e recentes – cantadas pelo trio de protagonistas. No episódio anterior, por exemplo, havia “I got a feeling”, do Black Eyed Peas. A receita, tudo indica, será mantida na terceira parte, onde os esquilos cantam “Bad romance”, hit da Lady Gaga.

No terceiro filme da série os roedores, Alvin, Simon, Theodore e as Esquiletes, que entraram em cena no segundo capítulo, lançado em 2010, e agora repetem a parceria, estão de férias a bordo de um luxuoso cruzeiro, agindo como de costume e transformando o navio em seu playground pessoal, até que eles ficam encalhados em uma ilha deserta.

De acordo com a sinopse do novo longa, a turma sairá de férias em um navio de cruzeiro, onde causará os problemas que deles se esperam. Em dado momento, todos terminam em uma ilha deserta, ou quase deserta. Dave Seville, personagem do ator Jason Lee, que esteve praticamente ausente do longa do ano passado, parece que retorna com participação mais significativa. Ele é o compositor que, no primeiro filme, “adota” os bichos.

Enquanto Dave Seville procura neuroticamente por sua equipe desaparecida, os Esquilos e as Esquiletes fazem o que eles mais sabem: cantar, dançar e causar confusão. Mas eles terão uma surpresa quando embarcam em uma aventura com seu novo amigo: um náufrago que é mais do que páreo para Alvin e os Esquilos. A direção é de Mike Mitchell, de Shrek Para Sempre.


>> Confira a programação completa do CINEMA de Chapecó


Entre no clima do filme e Esquileie-se. É fácil basta clicar na foto e em apenas três passos você vai criar o seu esquilo.


Sequências em 2011, serão 27 até o final do ano

Uma espiada na programação de cinema pode deixar a impressão de que o relógio parou: como acontece em toda temporada de superproduções americanas, personagens conhecidíssimos voltam às telas para disputar o carinho do público. A fórmula, na maioria quase absoluta dos casos, funciona a contento, afinal, as continuações têm o poder de multiplicar lucros e consolidar franquias por vezes bilionárias.

É um método conhecido. Em 2011, no entanto, Hollywood parece ter exagerado a dose. De acordo com o site Box Office Mojo, especializado em números de bilheteria, os estúdios bateram um recorde ao programar 27 sequências para este ano – muitas delas já estrearam.

A soma só encontra páreo na safra de 2003, quando houve 24 continuações. Mais impressionante é quantidade de séries longevas, que se desmembram em subdivisões e produtos paralelos. Um truque cada vez mais frequente é a “sequência da sequência”, que produz títulos como Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 e A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 1. “Nenhum executivo de cinema foi demitido por aprovar uma sequência”, ironiza o crítico Roger Ebert, em artigo escrito na revista Newsweek sobre o tema.

Brasil na contramão – Fato curioso é que, apesar da ótima acolhida de Tropa de Elite 2, Os Normais 2 e Se Eu Fosse Você 2, o cinema nacional não programou nenhuma sequência para 2011. Mas elas devem voltar, e com mais força, a partir de 2012, com títulos como Se eu Fosse Você 3 e De Pernas pro Ar 2.

– Essa é uma tendência que acompanha a profissionalização do cinema brasileiro. É um mercado que está aberto, mas a gente só pode investir numa continuação quando tem certeza de que o filme vai ser tão bom ou melhor do que o anterior – afirma Marcos Didonet, produtor do sucesso Se Eu Fosse Você 2.

Em ascensão – Nos primeiros meses do ano, o público brasileiro acompanhou os novos capítulos de Velozes e Furiosos, Pânico, Se Beber, Não Case, Piratas do Caribe, Carros, Transformers e Kung Fu Panda. A fita de super-herói X-Men: Primeira Classe estreou com um formato também em voga: o longa dispensa o elenco da série original para voltar às origens dos heróis da Marvel.

Até dezembro, os cinemas brasileiros serão tomados por uma onda de continuações que não deixará quase espaço algum para ideias originais. De filmes para crianças (como O Ursinho Pooh, Alvin e os Esquilos 3 e Deu a Louca na Chapeuzinho 2) a atrações para os mais crescidos (Atividade Paranormal 3, Piranha 3DD), a vitrine é ampla, ainda que quase monotemática: oferece um mundo de opções em longas de super-heróis, animações em 3D, comédias juvenis e produções de horror.


Comente aqui
21 dez16:24

Estreia nesta quarta "Missão: Impossível – Protocolo Fantasma"

Roger Lerina | roger.lerina@zerohora.com.br

Mais ação, mais adrenalina, mais equipamentos bacanas, mais implausível. Missão: Impossível — Protocolo Fantasma (2011) é uma montanha-russa de estímulos que transforma a sala de cinema em um parque de diversões.

O clímax do quarto filme da série é a sequência que mostra Tom Cruise escalando o edifício mais alto do mundo — e sem dublê.

O longa estreia nesta quarta-feira no Brasil com 614 cópias, legendadas e dubladas. Orçado em cerca de US$ 140 milhões, Protocolo Fantasma teve as principais cenas de ação filmadas em Imax, em que o negativo é duas vezes mais largo que o usual de 35mm. O resultado foi conferido por Zero Hora na semana passada na pré-estreia no Rio, com a presença dos astros Tom Cruise e Paula Patton e do diretor Brad Bird, quando o filme foi exibido em salas com equipamentos próprios para esse sistema: o público sente-se totalmente envolvido pelas imagens, em uma imersão mais efetiva do que a do 3D.

Mesmo que não haja ainda no Estado cinemas desse gênero, os espectadores locais não perderão em emoção: a correria frenética na tela é de tirar o fôlego em qualquer dimensão. A história começa com o agente Ethan Hunt (Cruise) sendo resgatado de uma prisão russa por colegas da Impossible Mission Force. Ao lado dos companheiros Benji (Simon Pegg) e Jane (Paula Patton), o superespião recebe mais uma missão impossível: surrupiar arquivos ultrassecretos de dentro do Kremlin. Uma explosão no coração de Moscou, porém, torna Ethan suspeito de terrorismo e pode desencadear uma guerra nuclear entre Rússia e EUA. A IMF cai na clandestinidade, e Ethan tem que limpar seu nome e de sua agência contando apenas com a ajuda de Benji, Jane e o analista Brandt (Jeremy Renner) — mais do que um mero burocrata. No encalço do verdadeiro vilão, o cientista maluco Kurt Hendricks (Michael Nyqvist, protagonista da série sueca de filmes policiais Millennium), o mocinho vai parar em Dubai, do lado de fora do edifício mais alto do mundo — o Burj Khalifa, de 828 metros e 160 andares.

— Foi sem dúvida a coisa mais perigosa de se fazer, por razões óbvias. Nós passamos meses nos preparando para isso. Mas mesmo assim foi muito arriscado para mim e para todos os envolvidos — revelou Tom Cruise para ZH no tapete vermelho, no Rio, acrescentando que construiu uma parede em casa para subir e descer com velocidade e treinar para as vertiginosas cenas no prédio.

Vencedor de dois Oscar, pelas animações Os Incríveis (2004) e Ratatouille (2007), o diretor Brad Bird estreia agora à frente de um filme com atores de verdade. Faz sentido: um filme como Protocolo Fantasma é tão inverossímil e hiperbólico quanto um desenho de ação. Bird cumpriu muito bem sua missão, acrescentando humor às cenas de tensão e suspense. Uma das sequências mais divertidas é aquela em que o engraçadinho mago da tecnologia Benji tem que manter o agente Brandt levitando de barriga para baixo — lembrando uma famosa imagem de Ethan no primeiro Missão: Impossível (1996). Mas o grande desafio de Protocolo Fantasma foi mesmo rodar as cenas de ação — segundo declarou a ZH o produtor Bryan Burk, sócio de Cruise e de J. J. Abrams na franquia:

— O maior problema foi garantir que minha estrela e parceiro produtor Tom Cruise não morresse. Ele sobreviveu, e estamos aqui comemorando.

Roger Lerina viajou ao Rio de Janeiro a convite da Paramount.


Missão: Impossível – Protocolo Fantasma

De Brad Bird. Com Tom Cruise, Paula Patton, Jeremy Renner e Simon Pegg.

Ação, EUA, 2011. Duração: 132 minutos. Classificação: 14 anos.

Em cartaz a partir de hoje (confira a programação do Cinema de Chapecó).

Cotação: 3 de 5


ZERO HORA

Comente aqui
18 dez10:45

Os Muppets estão de volta

Caco, o sapo, já é um senhor de quase 60 anos, mas continua em plena forma. Miss Piggy, sua eterna namorada, é claro, não revela a idade. Um dos casais mais emblemáticos do show business está de volta no filme Os Muppets, em cartaz no Cinema de Chapecó. A Disney, detentora dos direitos dos Muppets, decidiu não traduzir mais nenhum nome de seus personagens para o português, portanto, não estranhe se no filme Caco for chamado de Kermit.

Criados nos anos 50 por Jim Henson, os Muppets começaram como personagens do Vila Sésamo e ganharam o próprio programa nos anos 70. Nessa mesma década, a atração passou a ser transmitida também no Brasil. Na década de 90, uma versão em desenho animado o Muppet Babies, foi exibida no programa da Mara Maravilha, no SBT. Distantes da TV por quase uma década, quem explica por que ficaram tanto tempo assim longe da tela é o próprio Caco, que veio a São Paulo para divulgar o filme.

– Na verdade, nunca paramos. Gravamos discos, fizemos especiais, entre outras coisas – disse Caco.

Miss Piggy foi entrevistada em Los Angeles. Durante a conversa da reportagem com o sapo de bom coração, realidade e fantasia se misturaram. É que mesmo vendo o profissional responsável por manipular o boneco, quando Caco começa a falar, é difícil não entrar na onda e interagir com o Muppet, como se ele fosse de carne e osso.

O longa conta a história de Walter, um muppet, irmão de Gary (Jason Segel), um humano. Walter é um dos maiores fãs dos Muppets e sonha em vê-los de volta. Os dois viajam para Los Angeles, junto com Mary (Amy Adams), a noiva de Gary. Lá, descobrem que Tex Richman (Chris Cooper) quer perfurar um poço de petróleo em plena Hollywood Boulevard, onde fica o teatro dos Muppets. Walter decide ajudá-los reunindo todo o grupo, inclusive Gonzo, Miss Piggy e Animal, para um Teleton.

Fofo e com um roteiro inocente, Os Muppets é repleto de números musicais. Um prato cheio para conquistar novos fãs e encher de nostalgia os mais velhos.

Como é de praxe, há participações especiais que vão desde o vocalista do Foo Fighters, Dave Grohl, até a namorada de Justin Bieber, Selena Gomez. Todos interpretando a si próprios. Selena, que tem 19 anos, não chegou a ver Muppets na TV e brinca com isso no longa.

– Não sei quem são vocês, mas meu agente disse que seria bom para mim participar do filme – diz ela, na sua única fala no filme.


Saiba mais

A turma de Os Muppets foi criada em 1955 por Jim Henson, que também manipulava os bonecos. Nessa época, o sapo Kermit já estava no primeiro programa dos Muppets, o Sam and Friends. Gonzo foi o segundo do elenco principal a surgir, em 1970, no especial The Great Santa Claus Switch, seguido de Miss Piggy, em 1974.

Tanto Gonzo como a porquinha só ganharam em 1976 os nomes oficiais e as características vistas hoje, já no The Muppet Show, programa mais famoso da turma. Em 1975, outros como Fozzie e Animal apareceram pela primeira vez no The Muppet Show: Sex and Violence. Os bonecos têm nove filmes.

Confira a programação completa do Cinema Arcoplex Shopping Pátio Chapecó.


JORNAL DE SANTA CATARINA


Comente aqui
17 dez16:35

Confira a Agenda

A banda Nego Joe é uma das principais atrações desde fim de semana na Vila do Natal das Águas em Abelardo Luz. O show está marcado para às 23h, e faz parte da programação do 2º Motonoel, encontro que deve reunir mais de 1,2 mil motociclistas de 87 motoclubes de SC, PR, RS, SP e Paraguai. A entrada é gratuita.

A banda Nego Joe foi lançada em 16 de outubro de 2004, na cidade de Balneário Camboriú. Em 2011, a banda foi convidada a participar do Planeta Atlântida de SC, um dos maiores festival do país, tocando no palco principal ao lado do Santo Grau. O show era um dos mais aguardado pelos fãs catarinenses. A banda segue sua turnê de shows pelo Brasil e prepara o lançamento do novo álbum com músicas inéditas.

SHOW Nego Joe

Horário: 23h

Local: Vila do Natal – Abelardo Luz/SC

Entrada Franca


Caso tenha sugestões para a AGENDA encaminhe um email para participe@clicrbschapeco.com.br.


Confira a Agenda

17/12 – sábado

LANÇAMENTO Rota de Turismo Rural Itá

Horário: 18h

Local: Praça Central – Itá/SC


TEATRO Espetáculo Trovadores de Natal

Horário: 19h

Local: Praça Central – Itá/SC


TEATRO Espetáculo Trovadores de Natal

Horário: 19h30

Local: Praça Walnir Botaro Daniel – São Miguel do Oeste/SC


BALADA Banda Gandaya

Horário: 22h

Local: Dalla Microcervejaria – Chapecó/SC


BALADA Duelo Sertanejo Especial – Emerson e Daniel X João Gustavo e Leonardo

Horário: 22h

Local: Premier Bier – Chapecó/SC

BALADA Fat Duo

Horário: 23h

Local: Moai Club – Chapecó/SC


18/12 – domingo

EXPOSIÇÃO Panorama Sesc de Artes Visuais 2011

Artistas: Aline Assumpção (Blumenau), Diego de los Campos – Florianópolis, Helen H. Rampinelli (Criciúma), Karina Zen (Florianópolis), Lariessa Soligo da Campo e Liege Vesaro (Concórdia), Luciana Knabben (Balnerário Camboriú), Luciano Guralski (Chapecó), Osmeri Gonzatti (São Miguel do Oeste), Priscila Lemos dos Anjos (Joinville), Teresa Hobi (Concórdia) e Zilda Aparecida (Xanxerê).

Curadoria: Letícia Cardoso

Visitação gratuita de segunda a sexta em horário comercial, e sábados e domingos, das 18h às 20h.

Local: Galeria de Artes SESC Chapecó/SC


TEATRO Cortejo com os Trovadores de Natal do Grupo de Teatro de Pernas Pro Ar (Canoas/RS)

Horário: 19h30

Local: Praça Tiradentes – Xanxerê/SC


BALADA Prainha Dance

Local: Itá/SC


TEATRO A vida como ela é … [Festival Itinerante de Repertório Teatro Sim...Por que Não?!!! 25 anos]

Horário: 20h

Local: Clube Recreativo Chapecoense -Chapecó/SC

Entrada Franca


MÚSICA Batuque de Cordas de Porto Alegre/RS

Horário: 20h

Local: Teatro do Sesc – Chapecó/SC

Entrada Gratuita


E tem ainda o Cinema. Confira os filmes que estão em cartaz.


Comente aqui