Dalmar Libardoni

27 jan20:40

Homem que matou gerente da SDR alega pedido de propina

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O empresário Mário Duarte, indiciado pela morte do gerente de Infraestrutura da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira, Dalmar Libartoni, no dia 20 de dezembro do ano passado, alegou em sua defesa que estava sofrendo pedido de propina da vítima.

O advogado de Duarte, Marcos Daniel Haeflinger, disse que seu cliente tinha R$ 400 mil para receber da obra na escola da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen. Duarte era um dos proprietários da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA, que realizava a obra.

No seu depoimento para a Polícia Civil, Duarte disse que repassou cerca de R$ 18 mil em dinheiro para o gerente. E relata que parte do dinheiro seria para o secretário de Desenvolvimento Regional, Flávio Berté. Ele argumentou que estaria sendo pressionado a liberar mais dinheiro para que os serviços da escola fossem pagos.

O advogado disse que seu cliente que não foi na secretaria com intenção de matar o gerente e que sacou a arma somente após uma discussão. Também foi divulgada uma nota da empresa que acusa a secretaria de direcionamento de licitações.

O delegado regional de São Miguel do Oeste, Albert Dieison Silveira, confirmou que recebeu denúncia formal de irregularidades na Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira. Ele abriu inquérito para apurar as denúncias e até foi realizada uma busca e apreensão de documentos na secretaria e numa empresa de Dionísio Cerqueira. Silveira disse que não pode adiantar se as denúncias se confirmaram mas informou que até o final do mês o inquérito será concluído.

>> Estão presos suspeitos de homicídio em Dionísio Cerqueira

>> Homicídio de gerente em Dionísio Cerqueira tem dois suspeitos

Também confirmou que Duarte é réu confesso do homicídio e que o inquérito deste caso já foi encaminhado para o Fórum de Justiça de Dionísio Cerqueira. O empresário segue detido em presídio não informado.

O secretário de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueria, Flávio Berté, disse que recebeu com surpresa as denúncias. –Isso não tem cabimento- declarou. Ele afirmou que nem acompanhava as medições da obra e considera que a empresa está tentando jogar a culpa em alguém que não pode se defender. Berté afirmou que a empresa apresentou vários problemas na execução da obra, que deveria ser entregue no final do ano passado. Ele afirmou que vai responsabilizar Duarte pelas declarações contra sua imagem.

Os familiares de Libardoni estão revoltados com a situação. –Alguém que está preso quer jogar a culpa em quem está morto- disse o filho de Dalmar, Guilherme Libardoni. Ele afirmou que a família tem um nome a zelar e vai conversar com um advogado na próxima semana para ver a atitude que será tomada. Em relação ao crime a família quer ver o caso julgado o mais rápido possível.


Comente aqui
23 dez12:10

Estão presos suspeitos de homicídio em Dionísio Cerqueira

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Os dois suspeitos pela morte do gerente de infraestrutura da SDR de Dionísio Cerqueira, Dalmar Libardoni, 51 anos, estão presos na Unidade Prisional de São Miguel do Oeste.. Eles se apresentaram, acompanhados dos advogados, na manhã desta sexta-feira para os delegados Albert Silveira, coordenador da DIC e Delegado Regional em exercício de São Miguel do Oeste, Claudir Stang, de Dionísio Cerqueira e do Delegado Cléverson Luis Müller, de São José do Cedro, designados para acompanhar o caso.


As câmeras de vigilância da secretaria flagraram a chegada dos dois homens no prédio. O de chapéu foi reconhecido como Mário Duarte.


 

A Polícia não divulgou o nome do segundo suspeito, apenas as iniciais R.C.Z., de 30 anos. O outro suspeito já havia sido identificado pelas câmeras de vigilância como Mário Duarte, de 59 anos, um dos proprietários da Construtora MD, que fazia a obra de uma escola fiscalizada pela vítima.

Segundo informações da Polícia, no interrogatório Mário Duarte assumiu a autoria do homicídio. Ele alegou que o segundo suspeito não teve participação, apenas acompanhou a ‘visita’ ao gerente.

A motivação do crime ainda não foi divulgada, pois a Polícia Civil segue no recolhimento das provas. A arma utilizada também não foi encontrada.

– Várias testemunhas já foram ouvidas e o Inquérito Policial deve ser concluído em 10 dias  – disse o delegado Albert Silveira.


>> Gerente de infraestrutura é morto dentro da secretaria



Comente aqui
22 dez18:45

Polícia ainda procura suspeitos

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Polícia Civil prossegue com as buscas aos dois suspeitos da morte do gerente de infraestrutura da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira, Dalmar Libardoni, morto no final da tarde de terça-feira, em seu local de trabalho.

Um dos suspeitos foi identificado como Mário Duarte, um dos proprietários da Construtora MD, que fazia a obra de uma escola fiscalizada pela vítima. Ele e outra pessoa, que ainda não foi identificada, estavam na sala do gerente no momento do crime. Havia expectativa que um deles se apresentasse nesta quinta-feira, o que acabou não ocorrendo. O delegado Claudir Stang disse que está ouvindo testemunhas e buscando informações com efetivo catarinense e também com o apoio da Polícia Civil do Paraná.


Comente aqui
22 dez10:00

Gerente é enterrado e polícia busca suspeitos

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Foi enterrado na tarde de ontem o gerente de infraestrutura da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira, Dalmar Libardoni, 51 anos. Ele foi morto na tarde de terça-feira, em sua sala, no prédio da secretaria.

Duas pessoas são suspeitas do homicídio, que foram flagradas por câmaras de monitoramento de segurança. Uma delas foi identificada. Trata-se de Mário Duarte, um dos proprietários da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA, responsável pela construção da Escola Estadual Irineu Bornhausen, que deveria estar sendo concluída. A outra pessoa que acompanhava Duarte ainda não foi identificada.

O secretário Flávio Berté em agosto já havia notificado a empresa por atrasos na obra, que custa R$ 2,5 milhões. O secretário disse que foi pago pouco mais da metade do valor, que era o que tinha sido executado. Mas a construtora queria mais valores alegando que a medição não estava certa. Berté acusou a empresa até de falsificar um laudo para participar de licitações de construção de outras escolas, o que foi denunciado pelo secretário e resultou na desclassificação da empresa. –Eles informaram que tinham concluído a escola, o que não é verdade- explicou.

Berté afirmou ter sido ameaçado de morte por Duarte há dois meses e registrou boletim de ocorrência. As ameaças teriam se estendido ao gerente. –Ele era um servidor que defendia o bem público- lamentou, com tristeza. Berté não estava na secretaria na hora do homicídio.

>> Secretário de Dionísio Cerqueira recebe escolta da PM

O diretor geral da secretaria, Sedi Zanella, estava na sala com Libardoni quando chegaram os dois homens. Zanella disse que terminou o assunto e caminhou cerca de 20 metros em direção à cozinha, onde iria tomar água, quando ouviu os disparos. –Não deu um minuto- explicou. Aí começou uma gritaria na repartição, onde estavam 20 pessoas. Um funcionário foi na janela e gritou para chamarem a polícia.

O funcionário de uma loja que fica em frente à secretaria disse que ouviu os estampidos do tiro e, em seguida, viu um senhor correndo em direção a uma Strada de cor prata. –Tinha um adesivo da construtora- afirmou.

Ontem a sede da construtora, em Barracão/PR, estava fechada. A Polícia Civil segue as investigações e tenta localizar os suspeitos.

O comandante da Polícia Militar de Dionísio Cerqueira, tenente coronel José Leopoldo Alves de Moura, disse que há informações de que o advogado de Duarte teria prometido apresentar seu cliente nesta quinta-feira, para esclarecer os fatos.


Comente aqui
21 dez15:32

Homicídio de gerente em Dionísio Cerqueira tem dois suspeitos

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Duas pessoas são suspeitas do homicídio do gerente de infraestrutura da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira, Dalmar Libardoni, ocorrida no final da tarde de terça-feira. Uma delas foi identificada tanto pelos funcionários da secretaria, quanto pelas câmaras de segurança. Trata-se de Mário Duarte, um dos proprietários da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA, responsável pela construção da Escola Estadual Irineu Bornhausen, que deveria estar sendo concluída.

A outra pessoa que acompanhava Duarte ainda não foi identificada. O diretor geral da secretaria, Sedi Zanella, estava na sala com Libardoni quando chegaram os dois homens. Zanella disse que terminou o assunto e caminhou cerca de 20 metros em direção à cozinha, onde iria tomar água, quando ouviu os disparos.

– Não deu um minuto- explicou. Aí começou uma gritaria na repartição, onde estavam 20 pessoas. Um funcionário foi na janela e gritou para chamarem a polícia.

>> Secretário de Dionísio Cerqueira recebe escolta da PM

O funcionário de uma loja que fica em frente à secretaria disse que ouviu os estampidos do tiro e, em seguida, viu um senhor correndo em direção a uma Strada de cor prata. –Tinha um adesivo da construtora- afirmou.

A Polícia Civil segue as investigações e tenta localizar os suspeitos.


3 comentários
21 dez09:44

Secretário de Dionísio Cerqueira recebe escolta da PM

[atualizado 10h24]

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br*

O secretário de desenvolvimento regional de Dionísio Cerqueira Flávio Berté está recebendo escolta da Polícia Militar após a morte do gerente de infraestrutura Dalmar Libardoni, 51 anos, ocorrida no final da tarde da terça-feira quando dois homens entraram  no prédio da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira e pediram pela sala do gerente. A Polícia não tem certeza de quem fez os disparos.

O velório está sendo realizado na Câmara de Vereadores da cidade e o enterro está previsto para as 16h desta quarta-feira no cemitério municipal.

Cerca de 30 pessoas estavam no local e fugiram quando ouviram os tiros. O prédio foi interditado pela Polícia para a realização da perícia. De acordo com informações levantadas pela Polícia Militar e Polícia Civil o suspeito dos disparos pode ser Mario Duarte, da família proprietária da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA. A empresa era a responsável pela construção da nova unidade da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen.

De acordo com o comandante da 2ª Companhia da Polícia Militar de Dionísio Cerqueira, tenente coronel José Leopoldo Alves de Moura, o secretário de desenvolvimento regional Flávio Berté já havia registrado um boletim de ocorrência, há cerca de dois meses, por ter recebido ameaças da mesma pessoa suspeita de ter matado o engenheiro civil. Ele não quis comentar sobre o crime.

No momento dos disparos o secretário não estava no local. Moura disse que a vítima era os “olhos técnicos” do secretário na obra.

Foram mobilizados policiais militares e civis da região, a Força Nacional e até a Gerdameria Argentina para controlar os acessos e tentar localizar o suspeito, o que não aconteceu até a manhã desta quarta-feira. O delegado Claudir Stang informou que está ouvindo as testemunhas do caso para tentar esclarecer o crime.

No final da tarde da terça-feira o Governador Raimundo Colombo enviou nota lamentando a morte do secretário. – A trágica morte do servidor, Dalmar Libardoni, no exercício da função, enluta a todos que acreditam no trabalho exercido com espírito de missão. À família minha solidariedade e meu compromisso de fazer com que esta tragédia não reste impune – disse.


Obra em escola teria motivado o crime

As suspeitas da Polícia é que as obras de construção da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen, que está sendo executada no bairro Três Fronteiras, em Dionísio Cerqueira, foram o estopim para o crime. A vítima era fiscal da obra.

A escola com dois pavimentos tem 16 salas de aula, laboratório de informática, laboratório de ciências, sala de artes, cozinha, banheiros 3,3 mil metros de área construída e custo estimado em R$ 2,5 milhões. A construção iniciou há cerca de dois anos e a previsão de conclusão era prevista para o final deste ano. A obra chegou a ficar paralisada por alguns meses. O secretário de Desenvolvimento Regional, Flávio Berté, estava descontente com andamento dos trabalhos realizados pela empreiteira.


* Colaborou Juliano Zanotelli




Comente aqui
21 dez00:02

Gerente de infraestrutura é morto dentro da secretaria

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Um homem armado de revólver entrou no final da tarde da terça-feira no prédio da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira e matou a tiros o gerente de infraestrutura, Dalmar Libardoni, 51 anos.

Cerca de 30 pessoas estavam no local e fugiram quando ouviram os tiros. O prédio foi interditado pela Polícia para a realização da perícia. De acordo com informações levantadas pela Polícia Militar e Polícia Civil o suspeito dos disparos é Mario Duarte, da família proprietária da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA. A empresa era a responsável pela construção da nova unidade da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen.

De acordo com o comandante da 2ª Companhia da Polícia Militar de Dionísio Cerqueira, tenente coronel José Leopoldo Alves de Moura, o secretário de desenvolvimento regional Flávio Berté já havia registrado um boletim de ocorrência, há cerca de dois meses, por ter recebido ameaças da mesma pessoa suspeita de ter matado o engenheiro civil. Ele não quis comentar sobre o crime.

No momento dos disparos o secretário não estava no local. Moura disse que a vítima era os “olhos técnicos” do secretário na obra.

Foram mobilizados policiais militares e civis da região, a Força Nacional e até a Gerdameria Argentina para controlar os acessos e tentar localizar o suspeito, o que não tinha acontecido até o início da noite de terça. O delegado Claudir Stang informou que está ouvindo as testemunhas do caso para tentar esclarecer o crime.


Obra em escola teria motivado o crime

As suspeitas da Polícia é que as obras de construção da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen, que está sendo executada no bairro Três Fronteiras, em Dionísio Cerqueira, foram o estopim para o crime. A vítima era fiscal da obra.

A escola com dois pavimentos tem 16 salas de aula, laboratório de informática, laboratório de ciências, sala de artes, cozinha, banheiros 3,3 mil metros de área construída e custo estimado em R$ 2,5 milhões. A construção iniciou há cerca de dois anos e a previsão de conclusão era prevista para o final deste ano. A obra chegou a ficar paralisada por alguns meses. O secretário de Desenvolvimento Regional, Flávio Berté, estava descontente com andamento dos trabalhos realizados pela empreiteira.

Comente aqui