Documentário

07 nov15:44

Mostra de documentários “Ó o Doc Aí” está de volta

            Em sua quarta edição, a Mostra de Documentário de Chapecó “Ó o Doc Ai” terá cinco produções. O evento inicia nesta quinta-feira, 8 de novembro, e será encerrado no sábado. É uma iniciativa da Associação de Cinema e Vídeo de Chapecó e Região (Cinelo), com a participação da Unochapecó, através dos cursos de Jornalismo e de Produção Audiovisual. Os filmes serão exibidos gratuitamente, à noite, no segundo piso da Galeria Soprana, na Avenida Getúlio Vargas 658-N, esquina com o Calçadão.

            A abertura da mostra acontece na quinta-feira, com duas apresentações. O primeiro filme a ser exibido, às 20h, é o curta-metragem “Piove – Il film di Pio”, com direção de Thiago Mendança e duração de 15 minutos. O longa-metragem de 90 minutos “Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz”, dirigido por Joel Pizzini, será exibido às 20h30. Confira o trailer clicando em www.youtube.com/watch?v=RM6AD6jOmUY.

            Na segunda noite, sexta-feira, o filme “Ela sonhou que eu morri”, com direção de Maíra Bühler e Matias Mariani e duração de 75 minutos, será exibido às 20h. Para conferir o trailer clique em www.youtube.com/watch?v=Sa5mSH_fXo0.

            Além das exibições de filmes e documentários, a mostra oferece oficina de “Cinema e suas Tecnologias”, que vai tratar sobre a evolução tecnológica do cinema, do analógico ao digital, e as novas possibilidades de realização audiovisual. Essa oficina, a ser ministrada pelo professor da Unochapecó Hilario Junior dos Santos e pelo coordenador do evento e representante da Cinelo, João Lucas, está prevista para sábado, das 15h às 18h. A inscrição para a oficina deve ser feita pelo e-mail contato@cinelo.com.br.

            Na noite de sábado, às 19h30, será exibido o documentário “A praça Walt Disney”, com direção de Renata Pinheiro e Sergio Oliveira. Trechos do curta estão em www.youtube.com/watch?v=D7OBCRlp7XU.

Para encerrar a quarta edição do “Ó o Doc Ai”, o documentário “Vou rifar meu coração”, com duração de 76mim, será exibido a partir das 20h. O documentário tem direção de Ana Reiper. Assista o trailer acessando www.youtube.com/watch?v=Y2fFyH5ET2k.

            A mostra, que tem o apoio da UnowebTV, é aberta para toda a comunidade, especialmente para os que admiram produções audiovisuais. Os acadêmicos dos cursos de Jornalismo e de Produção Audiovisual estarão representados por algumas turmas, acompanhados de seus professores.

Comente aqui
26 jun15:29

Documentário produzido no Oeste é selecionado em Concurso da TV Câmara

O documentário “Celibato no Campo”, produzido na região oeste de Santa Catarina, está entre os 42 selecionados para exibição na TV Câmara. A relação dos filmes foi divulgada pela Comissão Especial de Licitação responsável pelo 2º Concurso de Documentários da TV Câmara. Foram inscritos no concurso mais de 230 documentários de média-metragem. “Celibato no Campo” foi lançado no final de 2010 e tem sido exibido em mostras e circuitos alternativos. A produção do documentário é da Margot Produções, com direção de Cassemiro Vitorino e Ilka Goldschmidt.

O filme trata da migração de filhos de agricultores, especialmente moças que saem para estudar e dificilmente retornam às propriedades rurais, provocando um novo fenômeno social: o celibato masculino no campo. No documentário, agricultores contam suas histórias e falam dos motivos que contribuem para o predomínio de homens e idosos no meio rural. A narrativa do filme é constituída de depoimentos e situações do cotidiano dos agricultores em comunidades localizadas nos municípios de Seara, Formosa do Sul e Saudades.

O fio condutor das histórias é o casamento de dois jovens, um rapaz filho de agricultores e uma moça da cidade que aceita ir morar com o marido na casa dos pais, na comunidade de Barão do Triunfo, interior de Formosa do Sul. A intenção é mostrar que há pessoas dispostas a fazer o caminho inverso, se houver condições para isso. O documentário “Celibato no Campo” foi premiado no edital Prêmio Cinemateca Catarinense/Fundação Catarinense de Cultura de 2008.

A trilha sonora do filme foi originalmente composta pelos músicos Márcio Pazin e Carol Pereyr.


Comente aqui
22 mar14:25

Escola Marechal Bormann é tema de documentário

A Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Chapecó está realizando, através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pidib) de Letras, a primeira etapa de 2012 dos Projetos de Extensão “Cineclube Universitário” e “Oficinas de Fotografia e Documentário”.

Os encontros do mês de março, realizados com os alunos da 8ª série e 1º ano do Ensino Médio da Escola Básica Marechal Bormann, serão destinados à oficina de fotografia e documentário, coordenada pelo professor do campus, Leonardo Santos Leitão.

As aulas, que acontecem semanalmente, são dedicadas ao ensino de técnicas para produção de documentários. Na oficina, os alunos participantes são divididos em grupos. Enquanto alguns dedicam-se ao roteiro, outros pensam nas imagens e nos personagens da história a ser contada. A intenção é produzir um documentário sobre a própria escola dos alunos, que é uma das mais antigas do Município de Chapecó.

Segundo a aluna do 1º ano do Ensino Médio da Escola Marechal Bormann, Letícia Viana, participar de uma oficina como essa é uma oportunidade única. – Senão fosse através do projeto talvez a gente nunca pudesse ter contato com alguém que faz documentários e filmes e nem mesmo aprender a como fazer – disse. A aluna diz que essa pode ser uma porta para o futuro.

Segundo o professor e coordenador do Pibid e do Cineclube, Eric Duarte Ferreira, o objetivo é fomentar a apropriação crítica e reflexiva da produção de obras audiovisuais, bem como formar público para apreciação deste tipo de produção artística. – Esse momento de os alunos virem até a universidade é bem importante, porque assim eles vão conhecendo a UFFS e vão despertando a vontade de fazer, futuramente, um curso superior em nossa Instituição – ressaltou.

O documentário está em fase de conclusão. O foco principal é a Escola Marechal Bormann, mas durante o vídeo, que deve ser finalizado com 10 min e 15 min de duração, os alunos exploram os professores que já passaram pela escola, as experiências dos docentes que hoje estão lotados na instituição e, ainda, uma visão dos principais personagens da Marechal Bormann: os próprios estudantes. A próxima etapa da oficina será realizada no dia 22 de março, desta vez, na própria escola objeto do filme.


Comente aqui