Eleições 2012

12 ago14:57

Tucanos conseguem adesão da oposição


Em São Miguel da Boa Vista os tucanos, que já tinham o prefeito e o vice, conseguiram mais apoio para esta eleição, que terá chapa de consenso.

De acordo com o atual prefeito, Milton Müller (PSDB), a chapa com Gilnei Guth (PSDB) e Valmir César Schroter (PSD) já estava encaminhada. – A oposição nos chamou pois entenderam que seria melhor consenso- explicou Müller.

O prefeito entende que a união foi pensada no crescimento do município. O presidente do PMDB, Ivânio Signor, afirmou que a opção por fazer chapa única foi para evitar que alguma disputa pudesse dividir a população. –É um município pequeno e uma disputa pode prejudicar o desenvolvimento da comunidade- explicou.

Para vereador, também é chape única com 12 candidatos, para nove vagas. O PSD terá quatro candidatos, o PMDB terá três, o PSDB e PP tem dois e, o PT, apenas um.


Comente aqui
12 ago14:55

Chapa única mas sem consenso

Em Caibi apesar de ter uma chapa única para prefeito e vice, não houve consenso. O atual vice-prefeito, Dilair Menin (PT), desta vez vai concorrer na cabeça de chapa. E o PMDB, do atual prefeito Adilar Carlesso, indicou o vice, Elói Líbano (PMDB).

A chapa tem ainda o apoio do PSD. No entanto o PP, não lançou candidato, mas também não apoiou Menin. –

-Eles não nos procuraram e nós não procuramos eles- afirmou o presidente do PMDB, Sidinei Bellé.

A coligação terá 13 candidatos, sendo oito do PMDB, quatro do PT e um do PSD. Já o PP terá cinco candidatos ao legislativo. Eles disputam os 4.845 votos.

Comente aqui
12 ago14:53

Consenso pelo segundo ano- Houve apenas inversão de partidos na majoritária

Emancipado há apenas 20 anos, pela segunda eleição municipal consecutiva Jardinópolis terá apenas um candidato a prefeito.  A cidade é uma das oito em Santa Catarina com apenas um postulante ao executivo.

O agricultor Sadi Gomes Ferreira (PMDB), 36 anos, vai disputar sozinho os 1469 votos. Quer dizer, ele e seu vice, Alderi Nadaletti, que é do PP.  A diferença em relação à eleição passada é que o PP, deixa a cabeça de chapa para ser vice e, o PMDB, que era vice, vira cabeça de chapa. Os dois partidos já foram coligados há três eleições, quando Sadi foi eleito prefeito, para o mandato de 2005 e 2008. Em 2008 houve o consenso e agora, novamente, com o apoio do PT, PSD e PSDB.

Ferreira disse que  não foi difícil manter o consenso. –Foi tranquilo pois o PP já era prefeito e abriu mão para o PMDB- explicou. Na avaliação do candidato, a união dos partidos, dá menos brigas e gastos. Além disso fica mais fácil buscar recursos estaduais e federais.

Nadaletti lembrou que na primeira eleição em Jardinópolis houve uma disputa acirrada que refletiu negativamente na comunidade. –Quem era de um partido não ia compra no comércio- lembrou.

Para ele, num município pequeno, o consenso é  o melhor. Mas não é porque eles não têm adversários que deixam de fazer campanha. A dupla pretende visitar todos os moradores e tem até material de campanha.

Mesmo que seja necessário apenas um voto para ser eleito, a meta é superar os 70% de aprovação. A maioria da população aprova a chapa única. –É mais calmo- dizem algumas moradoras.  O aposentado Generino Picoli, de 74 anos, também aprova o consenso. –Dá menos gasto e menos bagunça, é 100%- aprovou. Mas ele admite que algumas pessoas na cidade são contra. –Era só o que faltava- contou, sobre a reação contrária de um morador.

Para o diarista Norberto Klasmann, com a chapa única dá menos briga na cidade. –Não gera conflito, é bem melhor- afirmou a servidora Marli Bez. O professor de Educação Física Christian Marmentini, disse que o consenso é melhor para o crescimento da cidade.

Sadi Ferreira disse que a cidade já é quase toda pavimentada. Sua meta para o próximo mandato é atrair indústrias e incentivar a agricultura, que ainda é base da economia local.

Além da chapa única para prefeito, há apenas uma chapa para vereador, com 18 candidatos, para nove vagas. O PMDB tem sete candidatos, PP, com seis candidatos, PT, com três candidatos, PSDB e PSD com um candidato cada.


Comente aqui
08 ago17:22

Definida ordem de veiculação do horário eleitoral gratuito em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Foram definidos os tempos de propaganda e ordem de veiculação dos programas eleitorais em Chapecó. Neste ano dois candidatos concorrem à vaga de prefeito e 190 concorrem a uma das 21 vagas para a Câmara de Vereadores. O horário eleitoral gratuito começa no dia 21 de agosto e vai até o dia 4 de outubro.

Participaram do sorteio realizado, no dia 3 de agosto, no Fórum da cidade representantes dos partidos, das emissoras de rádio e TV, juízes eleitorais e chefes de cartório da 35ª e 94ª Zona Eleitoral de Chapecó.

Pela ordem do sorteio, o primeiro candidato será José Caramori (PSD) e Luciano Buligon (PMDB), da Coligação “O Povo de Novo”, composta por 16 partidos (PSD, PMDB, PSDC, PR, PMN, PSDB, PRB, PPS, PTB, PP, PSC, PRP, DEM, PSB, PT do B e PSL). O tempo de veiculação é de 19 minutos e 32 segundos.

Na sequência será Pedro Uczai (PT) e Elza Fortes (PDT), da Coligação “Aliança Pela Vida”, composta por nove (PT, PTC, PTN, PRTB, PHS, PV, PPL , PC do B e PDT), que ficou com 10 minutos e 27 segundos.

Segundo o chefe do cartório da 94ª ZN de Chapecó, João Henrique Alves da Silva, uma regra eleitoral prevê que o segundo faltante, para completar os 30 minutos de veiculação, fica para a coligação que veicular por último no dia.

A ordem de veiculação dos programas é alternada a partir do segundo dia de propaganda, sendo que o último candidato do dia anterior torna-se o primeiro.

As propagandas de candidatos a prefeito serão veiculadas nas segundas, quartas e sextas-feiras, e as de vereador serão as terças, quintas e sábados. No domingo não há horário eleitoral apenas inserções.

Na TV os programas serão veiculados em dois horários das 13h às 13h30 e das 20h30 às 21h. Na Rádio, também em dois horários, das 7h às 7h30 e das 12h às 12h30.


Comente aqui
07 ago12:13

Prazo para solicitar segunda via do título para eleitores que estão fora do domicílio eleitoral termina nesta quarta-feira

[Atualizado 17h48]

Os eleitores  que estão fora do domicílio eleitoral têm esta quarta-feira para requerer a segunda via do título em qualquer cartório eleitoral do país. Ao fazer a solicitação, o cidadão deve informar o local onde pretende receber o documento. As eleições municipais ocorrerão nos dias 7 e 28 de outubro — primeiro e segundo turnos respectivamente — em mais de 5,5 mil municípios brasileiros.

Para obter a segunda via, o eleitor deve se dirigir à zona eleitoral na qual está inscrito ou à Unidade de Atendimento ao Eleitor dos tribunais regionais eleitorais. Se estiver fora do seu domicílio eleitoral, poderá requerer a segunda via ao juiz da zona eleitoral na qual está inscrito.

O interessado em obter a segunda via deve procurar a zona eleitoral com a carteira de identidade ou o documento emitido pelos órgãos profissionais. Se não tiver o documento, pode apresentar as certidões de nascimento ou casamento.

Pelos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), há 15.351 candidatos a prefeito, 15.491 a vice-prefeito e 442.179 a vereador em todo país. Em 81 municípios, com mais de 200 mil eleitores, pode haver segundo turno no dia 28 de outubro.

No total, são cerca de 140 mil eleitores cadastrados em todo país para as eleições municipais de outubro. A previsão do TSE é que 252 mil eleitores que moram no Exterior justifiquem a ausência na votação, pois não terão condições de comparecer às zonas eleitorais.

AGÊNCIA BRASIL

Comente aqui
07 ago09:34

Justiça Eleitoral de Santa Catarina abre 566 vagas de técnicos de urnas

A Justiça Eleitoral de Santa Catarina está com as inscrições abertas para a contratação de 566 técnicos de urnas, para trabalho nas eleições deste ano.

O serviço será contratado pelo Consórcio ESF, que é integrado pelas empresas Engetec, Smartmatic e Fixti, firmado junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os interessados devem se cadastrar no site da Engetec. Se forem selecionados, os candidatos vão atuar na preparação e no suporte técnico das urnas eletrônicas.

Os contratados têm carga horária semanal de 40 horas e recebem salário bruto de R$ 972,04, mais benefícios.


Pré-requisitos para os candidatos:

- Ser maior de 18 anos

- Ter concluído ou estar cursando o último ano do ensino médio

- Não possuir filiação com qualquer partido político, nem exercer atividades partidárias

- Não ser cônjuge, companheiro(a) ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o 3º grau, inclusive, de ocupantes de cargos de direção e de assessoramento e de membros e juízes vinculados à Justiça Eleitoral

- Não ser servidor(a) ou empregado(a) com vínculo com a Administração Pública Federal, Estadual ou Municipal

- Não ter parentesco, até o 3º grau, com nenhum candidato a cargo eletivo majoritário ou proporcional, nos municípios que compõem a zona eleitoral em que trabalhará


O SOL DIÁRIO



Comente aqui
02 ago11:10

José Caramori faz primeira caminhada em Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O candidato à reeleição em Chapecó, José Cláudio Caramori (PSD), da coligação “O Povo de Novo”, realizou hoje a primeira caminhada de campanha pelos bairros de Chapecó. Ele percorreu os bairros Zanrosso, Sereno Soprana e Colina do Sol.

Caramori estava acompanhado do vice, Luciano Buligon (PMDB), candidatos a vereador, simpatizantes e assessores de campanha.

Além das bandeiras verdes e amarelas com o número 55, do PSD, um carro de som anunciava a passagem dos candidatos já com o jingle de campanha, que foi lançado hoje.

O candidato visitou casas e estabelecimentos comerciais. Parou para tirar fotografias com a população.

–Um retratinho aqui, sorrindo- afirmava.

A coligação vai intensificar a partir de agora o contato corpo-a-corpo. Amanhã tem uma nova caminhada no bairro Quedas do Palmital.

-Queremos olhar nos olhos e ouvir as pessoas- afirmou. A coligação tem 16 partidos (PSD, PMDB, PSDC, PR, PMN, PSDB, PRB, PPS, PTB, PP, PSC, PRP, DEM, PSB, PT do B e PSL).


Comente aqui
31 jul12:30

Eleições 2012: Campanha em Santa Catarina já tem 336 candidaturas rejeitadas

Natália Viana | natalia.viana@diario.com.br

Mais da metade dos pedidos de registro de candidatos a prefeito e vereador já foi julgada em Santa Catarina. Faltando cinco dias para terminar o prazo legal para os julgamentos, 9.157 registros (57,8%) foram analisados pelos juízes eleitorais. Deste total, 336 candidaturas não foram consideradas aptas a concorrer nas eleições. os 15.828 pedidos de registro apresentados por candidatos a prefeito e vereador no Estado, 9.157 já foram avaliados pelos juízes eleitorais.

O levantamento é parcial e foi feito pelo Diário Catarinense com base nas informações do sistema informatizado da Justiça Eleitoral até às 18 horas de ontem. Na pesquisa, não foram contabilizados os 690 registros de candidatura de vice-prefeitos. Deste total, 8.821 registros foram considerados aptos para a eleição, sendo 335 para candidatos a prefeito e 8.486 para vereadores. Já os outros 336 foram considerados inaptos, ou seja, não poderão concorrer. Destes, seis são candidatos a prefeito e 330 a vereador.

>> Acesse o site Eleições 2012 do Diário Catarinense

Entre os candidatos a prefeito com registro negado, quatro renunciaram a candidatura (Abelardo Luz, Angelina, Meleiro e Monte Carlo) e dois foram indeferidos (Criciúma e São José do Cedro). Entre as candidaturas indeferidas estão aquelas barradas pela Lei da Ficha Limpa. Até agora, o caso de maior repercussão foi a candidatura do atual prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB), que foi indeferida pela acusação de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

Dos candidatos a vereador com registro negado, 170 renunciaram à candidatura, 138 foram indeferidos pelos juízes e um morreu. Além disso, 17 registros “não foram conhecidos” pela Justiça Eleitoral, ou seja, nem foram analisados pelo juiz eleitoral. Na prática, significa que nem chegaram a ser analisados, seja por terem sido apresentados fora do prazo legal ou por se referir a candidaturas não homologadas em convenções feitas pelos partidos. E quatro registros foram cancelados pelos partidos.

As decisões ainda não são definitivas e cabe recurso ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC). No caso das candidaturas proporcionais, para vereadores, os partidos têm até o dia 8 de agosto para preencher as vagas ainda em aberto na coligação, desde que se respeite os percentuais por sexo. Já na majoritária, para prefeitos e vices, as siglas têm até um dia antes da eleição para fazer a substituição de um candidato.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
26 jul17:35

Justiça Eleitoral alerta para golpe virtual que usa o nome do TSE em e-mail falso

A Justiça Eleitoral alerta para um golpe que vem sendo aplicado na internet. Utilizando-se de um endereço de e-mail falso, golpistas se fazem passar por representantes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Alegando pendências cadastrais no título eleitoral, o remetente induz o receptor da mensagem a clicar em links que podem conter vírus ou outro dispositivo virtual capaz de roubar dados do computador.

Confira a nota divulgada pelo TSE a respeito das mensagens falsas:

Desde o início da manhã desta quinta-feira (26), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem atendido inúmeras ligações de eleitores informando que receberam e-mail em nome da Central do Eleitor do tribunal, avisando que o título de eleitor está suspenso e pedindo que regularizem a situação por meio de formulário anexo. O Tribunal esclarece que esse e-mail é falso, não foi encaminhado pela Justiça Eleitoral e pode conter vírus.

O TSE reitera que não envia e-mails aos eleitores, nem mesmo para comunicar pendências ou cancelamento de títulos. A Corte Eleitoral também não autoriza qualquer instituição a fazê-lo. A única exceção são e-mails em resposta a dúvidas encaminhadas ao TSE. Dessa forma, caso o eleitor receba e-mail em nome da Justiça Eleitoral, a mensagem deve ser apagada.


ZERO HORA



Comente aqui
25 jul09:41

Campanha municipal tem 501 candidaturas contestadas em SC

Natália Viana | natalia.viana@diario.com.br

Mesmo com a Lei da Ficha Limpa e o aumento do número de candidatos, os registros de pedidos de impugnação para as eleições municipais deste ano diminuíram em Santa Catarina. A Justiça Eleitoral catarinense registrou 501 pedidos, contra 638 recursos apresentados em 2008. No mesmo período das eleições de 2004, foram 331 pedidos. Com a aplicação da Ficha Limpa, a expectativa era que o número de questionamentos de candidaturas aumentasse consideravelmente.

A nova legislação barra a candidatura de pessoas que foram condenadas por decisões colegiadas em, por exemplo, ações de improbidade administrativa ou ações criminais. Mas o número diminuiu em comparação com a última eleição municipal. Nos três maiores colégios eleitorais, Joinville, Florianópolis e Blumenau, por exemplo, não foi apresentado nenhum pedido de impugnação contra candidatos à prefeitura.

Uma explicação seria o maior cuidado dos partidos políticos, que já teriam feito um filtro entre as candidaturas para evitar problemas futuros. Dos 501 pedidos de impugnação registrados na Justiça Eleitoral catarinense, 64 têm como foco candidatos a prefeito, 25 pedidos estão relacionados a vices e 412 questionam candidatos a vereador.

Segundo informações do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC), os processos têm origens diversas, sendo apresentados pelo Ministério Público Eleitoral, por partidos e até por outros candidatos. Juízes devem analisar processos até 5 de agosto Feito o pedido de impugnação, o juiz de cada cartório eleitoral tem prazo até o dia 5 de agosto para o julgamento.

Se o magistrado aceitar a impugnação, o candidato tem prazo de três dias para recorrer ao TRE. Em muitos casos, a decisão final cabe ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os motivos que justificam um pedido de impugnação são os mais diversos, indo desde a falta de documentos e certidões, até suspeitas de falsificações, casos de analfabetismo e contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

A grande novidade destas eleições, a Lei da Ficha Limpa, também deve motivar boa parte dos processos. Neste ano, 17 mil candidatos foram registrados nos 295 municípios catarinenses. Houve um aumento de 30,7% em relação à eleição passada, principalmente por causa da criação de 167 novas vagas nas câmaras. Dessas cadeiras, 149 foram criadas com a aprovação de projetos municipais e 18 pela criação dos novos municípios – Balneário Rincão e Pescaria Brava.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui