Eleições

03 ago08:13

Urnas eletrônicas começam a ser distribuídas por Santa Catarina

As mais de 18 mil urnas que serão utilizadas nas eleições municipais deste ano em todo o estado começaram a ser distribuídas pelo Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina nesta semana.

A 1ª etapa prevê a distribuição de 14 mil urnas dos modelos 2006, 2009 e 2010 para um total de 99 zonas eleitorais. Já as urnas dos cartórios de São José e da Capital serão distribuídas em datas mais próximas ao dia do pleito.

Os técnicos que operarão as urnas durante as eleições passarão por um treinamento a partir de 13 de agosto, segundo previsão do calendário eleitoral. Em SC, a Justiça Eleitoral contratará 566 pessoas para a função.

Com informações do Tribunal Regional Eleitoral.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
02 ago19:18

Uczai faz caminhada pelos bairros

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O candidato a prefeito pelo PT em Chapecó, Pedro Uczai, realizou hoje uma caminhada pelo bairro Esplanada, acompanhado da candidata a vice, Elza Fortes (PDT, e candidatos a vereador. Este já foi o décimo bairro visitado, segundo a assessoria de imprensa.

Carregando uma garrafa de água na mão Uczai entrou no pátio de casas para cumprimentar os moradores e até numa construção. A caminhada durou cerca de 1h30. Agora à noite ele faz uma reunião com os moradores. Há duas semanas ele está cumprindo um roteiro de caminhada e reuniões pelos bairros para ter o contato com a população e retirar demandas para o plano de Governo.

-Aqui no bairro sentimos a falta de um posto de Saúde- disse Uczai. No próximo sábado a coligação inaugura o comitê central na rua Aquiles Tomazelli, com adesivagem de carros.

O jingle de campanha ainda não está finalizado. A coligação “Aliança pela Vida” é composta pelo PT, PDT,PC do B, PTC, PTN, PRTB, PHS, PV e PPL .

Comente aqui
02 ago17:19

Definidas datas de reuniões dos candidatos com o Conselho Empresarial de Chapecó

Representantes do Conselho das Entidades Empresariais de Chapecó (CEC) e das duas coligações que concorrem à eleição municipal participaram, nesta quinta-feira, de reunião para tratar dos encontros que vão acontecer com os candidatos a prefeito. O objetivo foi de discutir detalhes desses encontros e a ordem em que ocorrerão.

A definição da ordem foi realizada através de sorteio.

A primeira reunião ficou estabelecida para o dia 21 de agosto, às 18h, na sede do CEC, com o candidato José Claudio Caramori, da coligação “O Povo de Novo”.

No dia 28 deste mês será a reunião com o candidato Pedro Uczai, da coligação “Aliança pela Vida”, no mesmo horário.

Também foi estipulado o tempo de meia hora para exposição inicial de suas propostas por cada candidato e depois haverá uma hora para apresentação de questões pelos presidentes dos 16 sindicatos e entidades associativas empresariais que integram o CEC e que têm atuação em Chapecó e região.

Participaram da reunião desta quinta-feira os representantes da coligação de Caramori, Luiz Peruzzolo e Victor Nogara, e da coligação de Uczai, Deise Paludo, juntamente com o presidente do Conselho das Entidades Empresariais, Gilberto João Badalotti, e os assessores Valdemir Manoel da Silva e Hugo Paulo Gandolfi de Oliveira.


Comente aqui
01 ago12:45

Eleições 2012: Pedro Uczai destaca projetos relacionados à educação realizados em cargos públicos

Ex-prefeito de Chapecó, ex-deputado estadual e atualmente deputado federal. O candidato à prefeitura Pedro Uczai (PT) destaca, em suas atividades públicas, os projetos relacionados à educação.

A apresentação faz parte da série de reportagens Eu assino embaixo, produzida pelos jornais do Grupo RBS nos 10 maiores colégios eleitorais de Santa Catarina. Os candidatos desses municípios foram convidados a gravar um vídeo e escrever um texto de apresentanção pessoal respondendo a pergunta: “Quem sou eu?”.

Confira o vídeo do candidato e o texto na íntegra:


Texto do candidato

Sou professor universitário a 20 anos. Graduado em Estudos Sociais, Teologia, Mestrado em História do Brasil pela PUC de São Paulo.

Como deputado estadual destaco três grandes conquistas: a regulamentação do artigo 170, que já concedeu mais de 200 mil bolsas de estudos para nossos jovens estudar na universidade; a marca Sabor Colonial, hoje com mais de 800 produtos da agricultura familiar; e o sistema estadual de educação.

Como prefeito destaco o Hospital Materno Infantil; com a mobilização da comunidade conquistamos a Udesc; conquistamos o Instituto Federal. Com lideranças regionais e os movimentos sociais e sindicais conquistamos a UFFS.

Minha experiência de deputado federal posso destacar o apoio ao Governo Dilma, que está transformando o Brasil num país melhor para se viver. E o melhor presente que recebi da presidenta foi a sanção da Medida Provisória 559 na qual conseguimos transformar 90% do passivo das dívidas das universidades brasileiras em bolsas de estudo. Serão mais de 13 bilhões que, ao longo dos próximos 15 anos, serão destinados aos jovens. A educação é a melhor herança que deixamos para nossos filhos.

E em 1996, ter sido considerado o melhor educador de Chapecó, foi o melhor presente que recebi do povo chapecoense.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
01 ago12:41

Eleições 2012: José Cláudio Caramori conta sobre sua militância desde o movimento estudantil

O candidato à reeleição José Cláudio Caramori (PSD) conta sobre suas origens no Rio Grande do Sul e como se mudou para Santa Catarina. Destaca sua militância desde o movimento estudantil até sua chegada à prefeitura de Chapecó.

A apresentação faz parte da série de reportagens Eu assino embaixo, produzida pelos jornais do Grupo RBS nos 10 maiores colégios eleitorais de Santa Catarina. Os candidatos desses municípios foram convidados a gravar um vídeo e escrever um texto de apresentanção pessoal respondendo a pergunta: “Quem sou eu?”.

Confira o vídeo do candidato e o texto na íntegra:


Texto do candidato

Nasci em Getúlio Vargas-RS, migrando com a família em 1963 para Caçador-SC, onde morei até os 14 anos, estudando no Colégio Marista.

Em 1964 mudei para Florianópolis para trabalhar e estudar. Colégio Catarinense e Instituto Estadual de Educação.

Vestibulando de 1977, entrei para a ESAG- Escola Superior de Administração e Gerência, cursando 04 anos (dos cinco do curso) e estagiando no IPUF (Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis).

Aos 19 anos, após a morte repentina e prematura de meu pai Antonio (aos 59 anos) mudei para Chapecó (1980) para dar atenção à minha mãe (Rosa) que aqui veio residir.

Transferi a faculdade para Chapecó (Fundeste) concluindo o curso de Administração de Empresas em 1983.

Militando como líder estudantil, tive a oportunidade de conhecer profundamente os problemas (e as soluções) das tratativas da Fundeste, então uma universidade emergente, hoje nossa Unochapecó.

Casei em 1983 com Neyla Maria Baú Caramori, com quem temos dois filhos- Leonardo José e Louise Marina.

Trabalhando no comércio (loja de móveis e eletros) primeiro como vendedor, gerente de vendas e posterior como sócio-gerente, me envolvi sempre com entidades classistas e representativas, como CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) e ACIC (Associação Comercial e Industrial de Chapecó) participando sempre com espírito pró-ativo, voluntário, procurando modificar positivamente a minha sociedade.

Como membro da JCI (Junior Chamber Corp.) _ “Câmara Júnior”, como é conhecida essa organização mundial de formação de jovens líderes, pude desenvolver-me como cidadão consciente dos meus direitos e obrigações para com a sociedade que faço parte.

Esta vivência levou-me também à vida pública-Secretário Serviços Urbanos 1991; eleito vereador 1992; secretário desenvolvimento econômico 1994; presidente Câmara de Vereadores 1995/1996; prefeito interino de Chapecó por 03 ocasiões.

Sempre motivado pela educação de meus pais voltadas à participação comunitária e pela minha formação acadêmica, participei de conselhos comunitários, instituições e partidos políticos (PFL/DEM/PSD) procurando contribuir com o desenvolvimento social da minha cidade.

Retornei à política em 2008 como vice-prefeito de João Rodrigues. Assumi como prefeito em 31.03.2010. Concluo em 31.12.2012 o atual mandato. Busco a reeleição para dar continuidade às importantes obras iniciadas e a iniciar (já projetadas), para que possamos continuar crescendo com quantidade e com qualidade. Próximo mandato: ampliar a atenção à nossa gente- as pessoas em primeiro lugar.

Amo esta terra! Quero continuar governando-a para fazê-la a melhor cidade do mundo para viver!

Com “O povo de novo”!


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
31 jul12:30

Eleições 2012: Campanha em Santa Catarina já tem 336 candidaturas rejeitadas

Natália Viana | natalia.viana@diario.com.br

Mais da metade dos pedidos de registro de candidatos a prefeito e vereador já foi julgada em Santa Catarina. Faltando cinco dias para terminar o prazo legal para os julgamentos, 9.157 registros (57,8%) foram analisados pelos juízes eleitorais. Deste total, 336 candidaturas não foram consideradas aptas a concorrer nas eleições. os 15.828 pedidos de registro apresentados por candidatos a prefeito e vereador no Estado, 9.157 já foram avaliados pelos juízes eleitorais.

O levantamento é parcial e foi feito pelo Diário Catarinense com base nas informações do sistema informatizado da Justiça Eleitoral até às 18 horas de ontem. Na pesquisa, não foram contabilizados os 690 registros de candidatura de vice-prefeitos. Deste total, 8.821 registros foram considerados aptos para a eleição, sendo 335 para candidatos a prefeito e 8.486 para vereadores. Já os outros 336 foram considerados inaptos, ou seja, não poderão concorrer. Destes, seis são candidatos a prefeito e 330 a vereador.

>> Acesse o site Eleições 2012 do Diário Catarinense

Entre os candidatos a prefeito com registro negado, quatro renunciaram a candidatura (Abelardo Luz, Angelina, Meleiro e Monte Carlo) e dois foram indeferidos (Criciúma e São José do Cedro). Entre as candidaturas indeferidas estão aquelas barradas pela Lei da Ficha Limpa. Até agora, o caso de maior repercussão foi a candidatura do atual prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB), que foi indeferida pela acusação de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

Dos candidatos a vereador com registro negado, 170 renunciaram à candidatura, 138 foram indeferidos pelos juízes e um morreu. Além disso, 17 registros “não foram conhecidos” pela Justiça Eleitoral, ou seja, nem foram analisados pelo juiz eleitoral. Na prática, significa que nem chegaram a ser analisados, seja por terem sido apresentados fora do prazo legal ou por se referir a candidaturas não homologadas em convenções feitas pelos partidos. E quatro registros foram cancelados pelos partidos.

As decisões ainda não são definitivas e cabe recurso ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC). No caso das candidaturas proporcionais, para vereadores, os partidos têm até o dia 8 de agosto para preencher as vagas ainda em aberto na coligação, desde que se respeite os percentuais por sexo. Já na majoritária, para prefeitos e vices, as siglas têm até um dia antes da eleição para fazer a substituição de um candidato.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
27 jul12:13

Polícia Federal e Poder Judiciário no combate aos abusos e crimes eleitorais em Chapecó

Um encontro nesta tarde irá tratar sobre os abusos eleitorais cometidos por meio da internet e também para a apuração de outros crimes que venham a ser praticados durante as eleições 2012.

Participam da reunião na sede da Polícia Federal, em Chapecó, o juiz de direito titular da 94ª Zona Eleitoral, Jefferson Zanini, o juiz titular da 35ª Zona Eleitoral, Rafael Sandi e o delegado da PF Oscar Biffi.

O encontro está marcado para as 13h30.


Comente aqui
25 jul09:41

Campanha municipal tem 501 candidaturas contestadas em SC

Natália Viana | natalia.viana@diario.com.br

Mesmo com a Lei da Ficha Limpa e o aumento do número de candidatos, os registros de pedidos de impugnação para as eleições municipais deste ano diminuíram em Santa Catarina. A Justiça Eleitoral catarinense registrou 501 pedidos, contra 638 recursos apresentados em 2008. No mesmo período das eleições de 2004, foram 331 pedidos. Com a aplicação da Ficha Limpa, a expectativa era que o número de questionamentos de candidaturas aumentasse consideravelmente.

A nova legislação barra a candidatura de pessoas que foram condenadas por decisões colegiadas em, por exemplo, ações de improbidade administrativa ou ações criminais. Mas o número diminuiu em comparação com a última eleição municipal. Nos três maiores colégios eleitorais, Joinville, Florianópolis e Blumenau, por exemplo, não foi apresentado nenhum pedido de impugnação contra candidatos à prefeitura.

Uma explicação seria o maior cuidado dos partidos políticos, que já teriam feito um filtro entre as candidaturas para evitar problemas futuros. Dos 501 pedidos de impugnação registrados na Justiça Eleitoral catarinense, 64 têm como foco candidatos a prefeito, 25 pedidos estão relacionados a vices e 412 questionam candidatos a vereador.

Segundo informações do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC), os processos têm origens diversas, sendo apresentados pelo Ministério Público Eleitoral, por partidos e até por outros candidatos. Juízes devem analisar processos até 5 de agosto Feito o pedido de impugnação, o juiz de cada cartório eleitoral tem prazo até o dia 5 de agosto para o julgamento.

Se o magistrado aceitar a impugnação, o candidato tem prazo de três dias para recorrer ao TRE. Em muitos casos, a decisão final cabe ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os motivos que justificam um pedido de impugnação são os mais diversos, indo desde a falta de documentos e certidões, até suspeitas de falsificações, casos de analfabetismo e contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

A grande novidade destas eleições, a Lei da Ficha Limpa, também deve motivar boa parte dos processos. Neste ano, 17 mil candidatos foram registrados nos 295 municípios catarinenses. Houve um aumento de 30,7% em relação à eleição passada, principalmente por causa da criação de 167 novas vagas nas câmaras. Dessas cadeiras, 149 foram criadas com a aprovação de projetos municipais e 18 pela criação dos novos municípios – Balneário Rincão e Pescaria Brava.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
23 jul09:24

Eleição municipal tem 167 vagas de vereadores a mais em disputa

Natália Viana| natalia.viana@diario.com.br

Neste ano, os eleitores catarinenses vão eleger 167 vereadores a mais do que na última campanha municipal, há quatro anos.

A partir de 2013, o Estado terá 2.864 vereadores, 6,2% a mais do que o número atual. o total de novas vagas, 149 surgiram de projetos das próprias câmaras, após a aprovação da chamada PEC dos Vereadores pelo Congresso. As 18 restantes são relativas aos dois novos municípios catarinenses: Balneário Rincão e Pescaria Brava.

O levantamento foi feito pelo DC, com base nas informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Desde que a PEC dos Vereadores foi aprovada em 2009, os legislativos municipais começaram a elaborar projetos para aumentar o número de cadeiras. Para ser válida nestas eleições, a mudança teve que ser feita até o dia 30 de junho, último dia para as convenções municipais. Ao final do prazo, coube aos cartórios eleitorais checar o número de vagas válido em cada cidade. Em geral, a pesquisa foi feita nas leis orgânicas municipais, mas, nos casos de dúvidas, os juízes eleitorais contataram diretamente as câmaras.

Em Santa Catarina, 85 câmaras poderiam fazer a alteração, sendo que se todas tivessem aprovado projetos levando o número de vagas até o teto máximo, o Estado poderia ter mais 304 vereadores. O principal freio nesta mudança surgiu após a população de Jaraguá do Sul se posicionar contra o aumento e conseguir evitar a criação de novas vagas no município. O exemplo se espalhou pelo Estado e várias câmaras acabaram tendo dificuldades para levar a mudança adiante. Em São Joaquim, entidades encabeçaram um movimento que acabou com a apresentação de um projeto de iniciativa popular para revogar o aumento aprovado.

A pressão popular contribuiu para que 39 legislativos municipais mantivessem o mesmo número de parlamentares, entre eles algumas das maiores cidades, como Joinville, Blumenau e São José. Além disso, em nove câmaras o aumento ficou abaixo do teto máximo. Criciúma poderia ter até 21 parlamentares, mas fechou a conta em 17. Indaial e Laguna teriam o direito a 15, mas terão 13. Chapecó terá 21 vereadores.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
21 jul11:05

Dobra número de candidatas em Santa Catarina

São 17 mil candidatos nos 295 municípios catarinenses – incluindo os novos, Pescaria Brava e Balneário Rincão – em 2012, entre concorrentes a prefeito, a vice e a vereador. O perfil médio deste exército que está na disputa pelos mandatos nas prefeituras e câmaras é homem, casado e tem idade entre 45 e 59 anos. O número de candidatas dobrou em relação a 2008. Há quatro anos, 2.489 mulheres concorriam a algum cargo. Neste ano, são 5.203 nas listas de registros de candidaturas.

O retrato é baseado nos números do balanço publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que indica as características eleitorais. Revela, por exemplo, o aumento de 30,7% no número total de nomes desde a última campanha municipal. E que a participação de jovens ainda é baixa.

Os perfis dos postulantes do Executivo e ao Legislativo são coincidentes em aspectos como faixa etária e estado civil, mas se distanciam quando o assunto é a escolaridade. Entre os candidatos a prefeito, 51,5% afirmaram que completaram o curso superior. Já entre os aspirantes às 2.864 vagas em disputa nas câmaras municipais prevalece o ensino médio completo (31,13%). Dos 15.698 que tentam ser vereadores, 23,21% afirmaram que terminaram uma faculdade.

– O vereador está no primeiro nível da política, é uma porta de entrada que exige menos conhecimento, aberta para qualquer tipo de perfil, onde costumam contar mais as relações pessoais com as comunidades. No caso do prefeito, se exige mais. Ele precisa abarcar o todo, saber se relacionar com instâncias superiores – afirmaValeriano Costa, professor de Ciência Política da Unicamp.

Apesar de ainda ser bem menor em relação a dos homens, a lista de mulheres candidatas aumentou em relação à última campanha municipal. Há quatro anos, por exemplo, 2.362 candidaturas femininas foram registradas em Santa Catarina. Neste ano, o número chegou a 5.037 nomes, um acréscimo superior a 100%. Os dados ainda podem mudar até agosto, quando encerram os julgamentos de todos os pedidos de impugnações encaminhados.

DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui