Espaço

04 jun15:46

Novo espaço para idosos foi inaugurado em Abelardo Luz

A terceira idade de Abelardo Luz conta agora com um novo espaço para realização de atividades sociais. Trata-se do Centro de Convivência do Idoso “Joana dos Santos Figueira”, localizado no Parque de Exposições “Manoel Lustosa Martins”. O local foi inaugurado pelo Governo Municipal, na quinta-feira, dia 31 de maio, com a presença de diversas autoridades.

A solenidade contou a participação de membros dos grupos de idosos Recanto das Águas, 25 de Maio, José Maria, Capão Grande, Indianópolis e Santos Inácio.

- O local é muito bonito e aos poucos vamos mudando para cá. Só temos que agradecer a administração pela obra que leva o nome da Dona Joana, uma pessoa simples e muito querida por todos – declarou a presidente do grupo Recanto das Águas, Ana Panisson Bodaneze.

Na inauguração também estavam presentes familiares de “Joana dos Santos Figueira”, idosa homenageada que dá nome ao novo espaço de socialização da terceira idade. – Toda quinta-feira era de muita alegria para minha avó, pois era o dia que ela vinha no quintal do idoso -ressaltou o neto da homenageada, Luiz Adriano Figueira, que falou em nome da família.

O espaço é dedicado a quem chegou à terceira idade e quer aproveitar essa etapa da vida da melhor forma.

O Centro de Convivência do Idoso vai funcionar inicialmente uma vez por mês. As atividades no novo local serão coordenadas com apoio pela secretaria de Assistência Social que disponibilizará transporte para levar os idosos até o local.

- Além de oferecer serviços voltados ao bem estar do idoso, o local oferecerá novas atividades aos freqüentadores para que vivam cada vez melhor – ressaltouo secretário de Assistência Social, Vilmar Baumgratz.


Comente aqui
07 mar10:56

Abelardo Luz vai ter novo espaço de lazer

Abelardo Luz vai construir um novo espaço de lazer na cidade. Trata-se da praça do bairro Arthur Andreis, obra que vai beneficiar também moradores do bairro Schalon e comunidades próximas.

A praça vai ser construída em um terreno da prefeitura com área de 1.590,46 metros quadrados. O local contará quadra poliesportiva, parquinho infantil, bancos e mesas para jogos.

O novo espaço de lazer é uma das reivindicações dos moradores aprovadas nas reuniões do Orçamento Participativo. Serão investidos nas obras mais de R$ 158 mil, sendo R$ 146 mil de convênio com o Ministério do Turismo e o restante recursos próprios do município.

As obras devem ser licitadas ainda neste primeiro semestre.


Comente aqui
07 fev17:47

Femi 2012 terá espaço para valorizar a arte e o artesanato local

Como parte da programação da 16ª Festa Estadual do Milho – Femi, a Coordenação do Museu do Milho está organizando o “Espaço da Arte”.

A proposta, segundo a Diretora de Ações Culturais e Coordenadora do Museu do Milho, Magda Vicini, é valorizar a arte e o artesanato locais. – A intenção é motivar a valorização da identidade cultural e histórica principalmente na produção artesanal de Xanxerê. Os artistas plásticos terão um espaço para expor suas pinturas, desenhos e gravuras – destacou.

O local do “Espaço da Arte” será na casa em frente ao milhão. A coordenadora comenta que o artesanato será uma ótima opção para os visitantes levarem alguma lembrança ou “souvenir” que tenham uma relação com a cidade e com a Festa do Milho.

Os artistas e artesãos que tiverem interesse em participar do “Espaço da Arte”, deverão fazer sua inscrição até o dia 11 de fevereiro, na Diretoria de Cultura, através do telefone 49 34418547.


Comente aqui
18 jan09:14

Santa Catarina perde espaço no mercado argentino

Felipe Pereira | felipe.pereira@diario.com.br

As barreiras protecionistas implantadas pelo governo argentino contra importações estão atrapalhando a venda de produtos de origem catarinense. E o país tem grande importância na pauta estadual de exportação, ocupando o terceiro lugar entre os maiores compradores de Santa Catarina.

As reclamações partem tanto de empresários de SC quanto dos da Argentina, que ficarão sem matéria-prima para setores como linha branca, alimentos e têxtil. Na prática, a barreira comercial determina que qualquer importação deve ser precedida de uma declaração juramentada, que será analisada em até 15 dias úteis.

A exigência passa a valer a partir de fevereiro. Os segmentos da indústria catarinense mais afetados serão o de papel, laminados de aço, carne suína, têxtil, refrigeradores, motores elétricos e cerâmica.

As novas medidas são consideradas um desrespeito ao Mercosul por Henry Quaresma, diretor de Relações Industriais e Institucionais da Federação da Indústria de Santa Catarina (Fiesc). Ele ressalta que a medida protecionista atrapalha a imagem do Mercosul e a negociação com a União Europeia. O diretor da Fiesc argumenta que cabe ao governo brasileiro recorrer a OMC, organização que regula o comércio entre nações.

A possibilidade de o Brasil não reagir com o vigor necessário é uma preocupação de Ulrich Kuhn, presidente do Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário de Blumenau (Sintex). Ele lembra que faz quatro anos que a Argentina vem anunciando sucessivas medidas protecionistas que contrariam o livre comércio, mas ressalta que governo brasileiro tem sido condescendente e que nunca houve resposta a altura.

Kuhn diz que a Argentina tem uma importância bastante significativa para a indústria têxtil do Estado — os US$ 40 milhões comprados em 2011 representam 23% do total exportado pelo setor no ano passado. A produção mais afetada é a de toalhas, que representa US$ 16 milhões em vendas externas por ano. O presidente do Sintex não sabe qual será o tamanho do prejuízo, mas prevê seja de pelo menos metade do total comercializado.

— Nada que está escrito vale, só vale a vontade da Argentina — protesta o presidente da Sintex.

Ele reclama que, enquanto Santa Catarina perde mercado por causa dessas medidas, o espaço é preenchido pelos chineses.

O presidente da Cidasc, Enori Barbieri, aponta outra consequência que pode ocorrer diante das atitudes do governo argentino: a saída de empresas do Estado para se instalarem no país vizinho. Hoje, o único frigorífico com participação na agroindústria catarinense que está presente na Argentina é o da Marfrig, com unidade que produz pizzas e carne bovina.

O presidente da Cidasc destaca que se não houver uma reaçao brasileira logo, a unidade também passará a atuar no setor de frangos e de carne suína, artigos exportados por SC.

Comente aqui