Fome

16 out15:54

Anda faminto, esquecido e chorão? A culpa pode ser da falta de sono

Cerca de um terço da população adulta dorme menos do que deveria, segundo uma pesquisa americana. Os riscos mais conhecidos de se dormir menos que o indicado – que costuma variar entre sete e nove horas de descanso por noite, dependendo da pessoa – são os problemas cardíacos e a obesidade. No entanto, uma série de pesquisas revelou as consequências mais sutis da falta de repouso. Descubra abaixo se você sofre de alguma delas:


Fome: um estudo apresentado em um encontro da Society for the Study of Ingestive Behavior revelou que a falta de sono aumenta os níveis do hormônio grelina – o mesmo que estimula a sensação de fome. Essa alta no hormônio não apenas dá vontade de comer mais, mas ainda de ingerir alimentos mais gordurosos e calóricos. É por isso que quem dorme menos corre maior risco de desenvolver obesidade.


Choro: chorar ao assistir comerciais da TV não é necessariamente TPM. A verdadeira culpada pode ser a falta de sono: ela pode tornar o cérebro até 60% mais sensível a imagens negativas ou chocantes e incapaz de contextualizar experiências emocionais, de acordo com estudo publicado em 2007 no USA Today.


Esquecimento: mesmo que você ache que é problema da idade ou do stress, o cansaço pode ser o grande responsável pela diminuição da memória, bem como pela dificuldade de se concentrar. Ele pode, ainda, causar confusão mental e problemas de aprendizagem, segundo o site WebMD.


Resfriado: quem dorme menos de sete horas por noite tem três vezes mais chances de se resfriar, de acordo com o LA Times. Resfriados prolongados também podem ser um indício de falta de sono. Fique atenta!


Falta de jeito: se você anda desajeitada (derrubando objetos, batendo nas coisas), isso também pode ser um sinal. Apesar de não saberem bem por quê, cientistas afirmaram em um artigo da revista Prevention que as funções motoras de pessoas com sono ficam mais lentas e menos precisas. Os reflexos enfraquecem, o equilíbrio diminui e o tempo de reação fica mais lento – tudo isso porque você dormiu pouco.


Diminuição do apetite sexual: a falta de sono pode deixar você ou seu parceiro sem vontade de ação entre os lençóis. Além disso, ela acarreta uma elevação nos níveis de cortisol – o hormônio do stress -, o que também contribui para a diminuição do apetite sexual, segundo o WebMD. Para combater esse problema, experimente passar mais tempo na cama – dormindo!


DONNA ZH



Comente aqui
16 jun14:59

Seis estratégias simples para emagrecer sem passar fome

Roberta Ávila | roberta.avila@diario.com.br

A nutróloga Liliane Oppermann acredita que para perder peso não é preciso passar fome nem abrir mão de alimentos e garante que, fazendo as escolhas certas, é possível se emagrecer comendo bem. Confira as estratégias elaboradas pela nutróloga para perder peso sem fazer dietas radicais:

Mantenha seu estômago alimentado

Fazer dieta pode ser estressante. Envolve autocontrole e a capacidade de fazer escolhas que nem sempre preferimos. Para que isso seja mais fácil, a dica de Liliane é manter o estômago alimentado. Isso ajuda a limitar os efeitos do cortisol, hormônio do estresse responsável pelo armazenamento de gordura corporal. Por isso é importante comer de três em três horas, além de evitar ficar com fome, você estimula o corpo a acreditar que não precisa armazenar gorduras.


Frutas são uma ótima pedida

Segundo Liliane, um estudo da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, nos EUA, analisou o consumo de frutas e constatou que uma pessoa com peso normal ingere cerca de duas porções de frutas por dia enquanto quem tem sobrepeso consome apenas uma por dia. Um outro estudo definiu que comer frutas no início das refeições reduz em 15% a ingestão de calorias. Além disso, comer frutas ajuda a saciar a vontade de comer doce.


A nutróloga sugere como porção de frutas:

- uma maçã

- duas ameixas

- meio mamão papaia

- uma fatia grossa de abacaxi

- meia fatia de mamão formosa


Aposte nas proteínas

A nutróloga cita estudos que indicam que pessoas que começam o dia com um café da manhã que inclua ovos podem perder até 65% mais peso do que as que comem pães. Liliane afirma que um quarto das calorias que consumimos durante o dia devem estar na primeira refeição do dia e que ele deve ter 30% de proteínas.


Sugestões para atingir esse objetivo:

- iogurte com queijo branco

- um copo de leite e um pão com requeijão

- pão com queijo e duas fatias de presunto


Exercite-se e coma antes e depois do treino

Exercício faz parte de uma boa estratégia para emagrecimento e também de um estilo de vida saudável. Para potencializar o efeito da malhação, a nutróloga recomenda comer antes e depois do treino, consumindo carboidratos e proteína. Segundo Liliane, isso ajuda a acelerar o crescimento e a recuperação dos músculos depois do esforço físico.


Salada sempre

Todo mundo que já fez dieta sabe que consumir salada é uma das melhores maneiras de emagrecer. Além de terem baixos índices calóricos, os vegetais têm nutrientes que ajudam a emagrecer, explica Liliane. Vegetais verdes folhosos, como o brócolis e o espinafre, por exemplo, têm folato, uma vitamina do complexo B. Segundo a nutróloga, existem estudos que indicam que dietas ricas em folato fazem com que a pessoa seja capaz de perder 8,5 vezes mais peso do que as que não consomem o nutriente.


Café da manhã é essencial

Má notícia para os que gostam de pular a primeira refeição do dia. Segundo Liliane, estudos indicam que não fazer essa refeição aumenta em 450% o risco de obesidade. Isso faz com que os músculos não sejam alimentados e o metabolismo seja mais lento. A sugestão de Liliane é que cardápio matinal misture proteínas com grãos integrais, frutas, vegetais e gorduras saudáveis, como as que estão presentes em castanhas, azeite, soja e peixes.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui