Fotógrafa

04 mai09:21

Fotógrafa chapecoense realiza exposição em Chapecó

Abre nesta sexta-feira, dia 4 de maio, às 19h30 na Galeria Municipal de Artes Dalme Marie Grando Rauen,em Chapecó, a exposição Paris, Monochrome, da fotógrafa e artista plástica Mari Baldissera. Essa é a primeira exposição individual da fotógrafa que entrou no mundo das artes em 2008.

Mari é formada em Turismo e Hotelaria. Ela é integrante de grupos de artistas em Chapecó e também atua como professora de fotografia.

Conheça um pouco da mostra lendo o texto de apresentação, escrito pela também artista Janaina Schvambach.


Paris, Monochrome – Retratos da cidade luz

A exposição Paris, Monochrome retrata a cidade luz na sua contemporaneidade. Os recortes fotográficos dessa bela cidade exploram um olhar delicado por objetos e paisagens fugidias, recortes que privilegiam o ‘momento decisivo’ preconizado por Cartier-Bresson. Porém, Mari Baldissera faz intuitivamente uma grande homenagem a Eugène Atget, grande fotógrafo parisiense que no final do século XIX captou o vazio e o silêncio de uma cidade que suportava calada as transformações decorrentes do projeto da Modernidade. E agora, em pleno século XXI, a Paris apresentada se mostra uma mistura de tendências modernas e pós-modernas, de luz e muita sombra, de penumbra e recortes do passado. A memória evocada nessas imagens, nada mais é do que fato real, referente fotográfico pertencente a ‘velha’ linguagem da fotografia tradicional, permeado de contraste, meios-tons e morte do espaço-tempo. A imagem capturada se expande em um jogo de diversos olhares peculiares, pequenos, discretos e finitos, e é somente através da fotografia que esse conjunto de pequenas memórias é capaz de nos aprisionar em frente a algo que já passou, que nos resta apenas seu traço luminoso impresso no papel. Os flagrantes da Paris contemporânea fogem dos enquadramentos tradicionais, estão permeados de cantos, reflexos e ângulos, mas o que mais chama atenção são os transeuntes, todos sem identidade, porém todos carregados pelo peso de estar em uma bela cidade, que talvez para eles não seja nada além de um lugar. Mari Baldissera flanou pela grande cidade, soube recortar e aprisionar através das lentes de sua câmera uma experiência que poderia ter sido única e particular, porém está disponível como Arte, como Arte Fotográfica, na sua essência, na sua principal função: captar a luz do espaço-tempo. Portanto, se a fotografia pode ser considerada índice, estamos presenciando um traço de Paris, um pequeno resquício de sua luz.

Janaina Schvambach


Exposição pode ser visitada até o dia 5 de junho.


EXPOSIÇÃO ‘Paris, monochrome’ de Mari Baldissera

Horário: 13h às 19h [visitas podem ser agendadas em outro horário no telefone 49 3319-1010]

Local: Galeria Municipal Dalme Marie Grando Rauen – Praça Coronel Bertaso – Chapecó/SC



2 comentários
18 nov14:53

Fotógrafa de Chapecó expõe na capital

A fotógrafa e professora do curso de Jornalismo da Unochapecó, Angélica Lüersen, participa da exposição “Retrato, Identidade e Cotidiano”, que faz parte do Festival de Fotografia Floripa na Foto. O evento realizado na capital contou com palestras, fóruns, workshops, leitura de portfólio, debates, projeções e exposições.  A mostra pode ser visitada até o dia 20 de dezembro.

A exposição, que tem a intenção de provocar o olhar, reúne 34 fotografias com dimensão de 2 x 3 metros. Para Angélica, sua participação está sendo muito importante. – Trata-se de algo novo, de uma proposta diferenciada para aproximar a fotografia do público em geral. Além do mais, como a exposição conta com fotógrafos de todo o Brasil e, principalmente,  de Santa Catarina,  estar entre os selecionados me faz perceber que a linguagem fotográfica é uma forma interessante de me aproximar e de experimentar e relacionar-me com a realidade – disse.

Para Angélica, a fotografia selecionada é bem característica da região Oeste. – Foi um ensaio fotográfico realizado no interior de Xavantina, a produção rural é um dos pontos altos da nossa região. Retratar o cotidiano dos agricultores me parece algo relevante socialmente, além de que tenho muito apreço por estas narrativas visuais – destacou a professora.

Exposição

Reunindo fotos de 34 artistas de todo Brasil, a exposição acontece até 20 de dezembro, no Terminal Urbano do Centro (Ticen), em Florianópolis.

Quanto a importância de participar da exposição, Angélica salienta que sempre é relevante, pois além de valorizar o trabalho, qualifica a forma de ‘escrever’ com a luz através da linguagem fotográfica. – Como jornalista, mostrar uma realidade local de maneira informativa mas, mais do que isso, compondo o discurso visual numa estética atrativa também se torna um desafio constante”, afirma.



Comente aqui