Frigorífico

25 set09:28

Operário morre ao cair em misturador de carne em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O operador Atamis Itamar Bedin, 28 anos, morreu na madrugada desta terça-feira, em Chapecó, ao cair em um misturador de carne de um frigorífico de Chapecó. Ele trabalhava na limpeza do maquinário na hora do acidente. Ele, que era natural de Caxambu do Sul, será velado na funerária da cidade e o enterro será às 16h no cemitério municipal.

Segundo Lenoir Rolim de Moura, primo da vítima, Atamis trabalhava de dia em uma empresa de telefonia e durante a noite no frigorífico. Ele estava morando em Chapecó há quase três anos e com a namorada há menos de dois meses.

Os pais de Atamis estão abalados com a morte do único filho homem. A irmã dele, que mora em Porto Alegre, está vindo para o enterro.

- Ele era muito batalhador e queria terminar de pagar o carro e comprar uma casa – disse Lenoir.

De acordo com o Corpo de Bombeiros de Chapecó o acidente foi por volta das 00h30 no bairro Saic. Ao chegar no local encontraram a vítima sem vida no interior da máquina.

O corpo foi encaminhado para o Instituto Geral de Perícias (IGP) de Chapecó que comprovou a morte por politraumatismo. Exames serão realizados para saber se ele teve um mal súbito. O laudo deve sair em 30 dias.


Comente aqui
21 ago09:12

Frigorífico de Ipuaçu suspende abates temporariamente

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A crise na avicultura levou o frigorífico Forte Sull, da marca Sublime Sull, a suspender os abates. Desde a quinta-feira , dia 16, os cerca de 300 funcionários foram dispensados. Além disso, os avicultores estão com os pagamentos atrasados. Na segunda-feira (20) um grupo de avicultores foi até a empresa reclamar da situação.

O coordenador do Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da região de Xanxerê, Noel Machado, disse que situação é preocupante, pois os avicultores devem nos bancos, têm seus compromissos pessoais e não tem dinheiro.

– O frigorífico parou e não pagou – disse.

O diretor da empresa, Mário Iesbik, disse que a suspensão dos abates é temporária.

–Já viabilizamos uma parceria com outra empresa e ninguém será demitido – explicou.

Os funcionários devem voltar a trabalhar em 15 dias e os avicultores vão alojar para outra empresa.

Iesbik disse que essa foi a saída encontrada para não comprometer financeiramente a empresa. Para o diretor, não é viável produzir com este custo do milho, que está em R$ 33 a saca, e do farelo de soja, que está em R$ 1,8 mil a tonelada.

Para ele, o governo federal está esquecendo do setor ao incentivar a exportação de grãos e deixando as agroindústrias sem matéria prima, o que pode comprometer a geração de empregos.

–O governo está sendo omisso- avaliou.

O presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), Marcos Zordan, disse que as lideranças do setor há meses vinham alertando o governo sobre a possível crise. Ele afirmou que os suinocultores independentes foram os primeiros a reclamar.

Zordan disse que a tonelada de soja triplicou e o preço do milho aumentou 50% em relação ao ano passado. E o preço da carne não subiu tanto, o que acabou comprometendo o resultado das agroindústrias.

– Uma já parou e outras não estão mais alojando no campo e devem parar também – avaliou Zordan. Para ele o milho disponibilizado até agora “não dá nem pro cheiro”.

Para o presidente da Ocesc, é necessária uma ação urgente para evitar demissões no setor. E inevitavelmente o resultado será um aumento no preço da carne para o consumidor.


Comente aqui
13 ago19:58

Justiça garante abates ameaçados por greve

DARCI DEBONA – darci.debona@diario.com.br


Os frigoríficos de Santa Catarina não suspenderam os abates no início desta semana graças a uma liminar do Superior Tribunal de Justiça, que determinou aos fiscais federais agropecuários em greve a manutenção de 70 a 100% das atividades. O percentual depende da necessidade para que o trabalho seja realizado.

A categoria entrou em greve na segunda-feira passada e as agroindústrias estavam prestes a paralisar algumas linhas de produção em virtude da falta de estoques, causada pela não liberação das cargas.

De acordo com o diretor executivo da Associação Catarinense de Avicultura (Acav) e do Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados (Sindicarnes), Ricardo Gouvêa, os estoques já estavam altos em virtude da paralisação dos motoristas, ocorrida há duas semanas.

Ele afirmou que a decisão judicial foi decisiva para evitar as paralisações. Em alguns portos a movimentação já foi retomada embora ainda não esteja normalizada. Gouvêa disse que a partir desta terça-feira haverá uma avaliação melhor da situação.

Ele afirmou que o atraso nos embarques pode gerar multas contratuais e prejuízos para as agroindústrias do estado.

Comente aqui
13 ago16:18

Funcionários da Diplomata paralisaram abate em Xaxim

Darci Debona |darci.debona@diario.com.br

Cerca de 400 funcionários da Diplomata fizeram uma paralisação parcial na manhã desta segunda-feira, na unidade de Xaxim. Os funcionários reclamavam o pagamento do mês, que deveria ter sido feito no dia 7. Pela manhã, ao serem informados que receberiam o salário em cheques, muitos funcionários não aceitaram, por temor de falta de fundos ou demora na compensação.

Eles fizeram uma paralisação parcial. Após uma conversa entre representantes da empresa e do Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados de Xaxim, incluindo uma consulta ao banco para ver se o pagamento tinha fundos, o trabalho foi retomado, no final da manhã.

De acordo com o presidente do Sindicato, Pedro Kalinoski, houve um problema de compreensão sobre o pagamento. Ele confirmou o atraso e disse que o sindicato está acompanhando a situação. Mas acredita que a empresa fará a normalização dos pagamentos.

Recentemente avicultores ligados à Diplomata também reclamaram do atraso no pagamento dos lotes e até no fornecimento da ração.

A assessoria de imprensa da Diplomata informou que a empresa está passando por dificuldades financeiras, em virtude da crise no setor. Entre os fatores da crise estariam um aumento da produção, altos custos do milho e da soja e também a falta destes produtos no mercado interno. O milho e a soja representam 85% da ração.

Em virtude da crise, que obrigou a Diplomata a suspender os abates em Londrina e Mandirituba, onde abatiam 110 mil aves por mês, a empresa solicitou no início do mês um pedido de recuperação judicial, na justiça de Cascavel.

De acordo com a assessoria o pedido foi aceito e vai permitir à empresa negociar mais prazo com os credores. Esse pedido não deve afetar o pagamento do salário dos funcionários.

Em Xaxim a Diplomata tem 2,3 mil funcionários e abate 220 mil frangos por dia.

2 comentários
11 jan15:06

Mais de 4 mil atendimentos em Quilombo

Mais de 4 mil pessoas foram atendidas na “Ação Comunitária”, promovida no último final de semana, pela Fundação Aury Luiz Bodanese, Coopercentral Aurora (Aurora Alimentos) e Prefeitura Municipal de Quilombo. O evento aconteceu das 8 às 16 horas, na praça Helio Antonio Farezin. A iniciativa integrou a programação em comemoração aos 15 anos do Frigorífico Aurora de Quilombo (FAQUI).

A intenção do evento foi aproximar a empresa da comunidade através da prestação gratuita de serviços. De acordo com a presidente da Fundação, Isabel Machado, a ação comunitária valoriza os cidadãos através de serviços como emissão de documentos, prevenção à saúde, campanhas sociais e atividades lúdicas para as crianças. Além disso, as atividades envolveram funcionários e moradores.

No evento, a Fundação apresentou os programas “A Turminha da Reciclagem”, “Vivendo Saúde”, “Família é Tudo” e “Amigo Energia” com a contação de histórias. Auxiliaram nas atividades aproximadamente 50 voluntários. Também ocorreu degustação de produtos Aurora com a participação de 1.600 pessoas.


Atividades

Levantamento realizado pela Fundação apontou que o programa mais procurado pela comunidade foi a contação de histórias com 232 participantes. As crianças também se divertiram com brinquedos infláveis, biblioteca móvel da “Cultura nas Estradas”, oficina de perna de pau, palhaços, pintura fácil, oficina de bexiga, algodão-doce e outras brincadeiras.

Na área de prevenção à saúde foram disponibilizados 41 testes de tipagem sanguínea, 128 verificações da pressão arterial, 149 testes de índice de massa corporal (IMC) e 78 testes de glicemia.

Os programas da Fundação atenderam mais de 500 pessoas, sendo 219 do “Vivendo Saúde”, 219 do “Família é Tudo” e 87 “A Turminha da Reciclagem”. Na área social foram prestadas 340 orientações dos bombeiros e 18 esclarecimentos de questões previdenciárias por advogados. Também foram confeccionados 70 RG’s, 104 CPF’s e feitos 37 cortes de cabelo. Totalizando 3.925 atendimentos.

A iniciativa teve como parceiros o empresas locais, coordenação do Grupo de Danças Tradicionalistas Algrides Lunedo, SDR Quilombo, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e Polícia Rodoviária.


Comente aqui
06 jan15:22

Frigorífico em Quilombo completa 15 anos

A Coopercentral Aurora comemorou o aniversário de 15 anos do Frigorífico Aurora de Quilombo (FAQUI), nesta quinta-feira, dia 05, no SER Aurora. Participaram mais de 100 pessoas, entre diretores, colaboradores e autoridades. Na solenidade foi relembrado o primeiro abate da unidade que ocorreu no dia 6 de janeiro de 1997.

No evento foram apresentados os números da unidade, as ações sociais desenvolvidas durante o ano passado, bem como a importância do sistema cooperativista. O vice-presidente da Aurora, Neivor Canton, enfatizou a força que representa o sistema Aurora. – São 13 cooperativas filiadas, uma cooperativa central, 58.311 associados, 6.236 funcionários das filiadas, 15.654 funcionários da Aurora e um faturamento de R$ 6,7 bilhões – detalhou.

A unidade é responsável por ¼ do abate de frangos da Aurora e por 20% do total de exportações da cooperativa. Segundo o gerente do FAQUI, Vanderlei Luis de Ré, atualmente o frigorífico conta com 1.377 colaboradores e realiza o abate de 140 mil aves por dia. O mix de produtos da unidade é de cortes para mercado interno e externo, miúdos, produtos congelados separadamente e bandejas. – Quarenta por cento da produção da unidade é para exportação – complementou.


Programação

A programação de aniversário da unidade contou com corte de bolo, almoço de confraternização, exposição de fotos antigas, depoimentos de empregados e apresentações dos trabalhadores com o programa “Qual é o seu talento”.

Para encerrar as atividades comemorativas, neste sábado, dia 07, a Fundação Aury Luiz Bodanese, Coopercentral Aurora e Prefeitura Municipal de Quilombo, promovem a “Ação Comunitária”, das 8 às 16 horas, na praça Helio Antonio Farezin, no centro de Quilombo.


Comente aqui
14 dez14:32

Frigorífico de Ipuaçu é interditado pela Justiça

Atendendo a pedido formulado pelo Ministério Público, em ação civil pública, o juiz de direito de Abelardo Luz entendeu que o sistema de tratamento de efluentes da empresa é inoperante, por receber carga de resíduos muito superior à capacidade de tratamento. O fechamento foi no dia 06 de dezembro.

A decisão levou em conta também o laudo técnico apresentado pelo Ministério Público e que aponta as seguintes irregularidades:

a) desconformidade entre o objeto e as condicionantes da Licença Ambiental de Operação n. 607/2010 em relação à situação encontrada no local, e existência de fortes indícios de irregularidades no procedimento de licenciamento;

b) ausência de camada de impermeabilização em duas das quatro lagoas do sistema de tratamento de efluentes líquidos;

c) inexistência de controle de vazão de entrada e saída no sistema de lagoas de tratamento de efluente líquidos;

d) despejo de efluentes no curso d’gua denominado Lajeado Grande, em desacordo com os aspectos visuais esperados após o tratamento, indicando a ineficiência do sistema; e) existência de resíduos sólidos dispostos de forma inadequada;

e) intervenção em área de preservação permanente pela existência de lagoa do sistema de tratamento parcialmente inserida na faixa protegida.

Também foi fundamento da decisão o fato de a licença ambiental de operação ter sido concedida apenas seis dias depois da licença ambiental de instalação, o que, segundo as provas obtidas pelo Ministério Público, decorreu de ajuste político entre o então gerente da Fatma – Valmir Carlos Kirschner – e o prefeito de Ipuaçu – Denilso Casal.

A ordem judicial suspende as atividades da empresa até adequação de sua capacidade produtiva e determina a reavaliação da licença ambiental de operação pela Fatma, determinando ainda que a empresa promova a recuperação da área degradada, em sessenta dias. O juiz de direito cominou multa de R$ 10.000,00 por dia em caso de descumprimento da ordem judicial.

A Promotoria de Justiça pede na ação que sejam o ex-gerente da Fatma Valmir Carlos Kirschner e o prefeito Denilso Casal corresponsabilizados pelos danos ambientais, estimados em R$ 100.000,00, além de responsabilizados por improbidade administrativa, com a perda da função pública, a perda dos direitos políticos, por até cinco anos, o pagamento de multa de até 100 vezes o valor da remuneração dos agentes em agosto de 2010 e a proibição de contratar com o poder público, por três anos.

SIG nº 06.2011.000314-5

SAJ nº 001.11.003001-0


Fonte: MP Xanxerê

1 comentário