Grãos

03 dez08:54

SC já calcula prejuízos com nova estiagem no Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A agricultura de Santa Catarina encerra o ano da mesma forma que iniciou: enfrentando problemas de estiagem. Quatro municípios já decretaram emergência: Irani, Jaborá, Ipira e Herval do Oeste. Em algumas cidades, como Videira, choveu menos de 10% da média histórica.

A hidrelétrica de Machadinho, em Piratuba, suspendeu a geração de energia. A perda no milho já chega a 10%, segundo o presidente da Companhia Integrada para o Desenvolvimento Agrícola (Cidasc), Enori Barbieri, vice-presidente da Faesc.

Ele destaca que, além da quebra, o milho está quase um mês atrasado, em virtude de problemas no plantio, o que agrava a crise no Estado. O grão está cotado em R$ 35 em Chapecó, o dobro do valor de dois anos atrás.

Barbieri afirma que SC precisa implementar uma política de estímulo ao plantio do milho. Os pedidos do Estado junto ao governo federal também surtiram pouco efeito, já que veio apenas 140 mil toneladas para uma demanda de 1,8 milhão.

O analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Epagri, Francisco Heiden, estima as perdas do milho entre 8% e 10%. Além disso, ele projeta um quebra de 8% a 12% na produção de leite, parte em virtude da fase de transição das pastagens, mas, principalmente, devido à falta de chuva.

A técnica em meteorologia do Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de SC (Ciram), Laís Fernandes, diz que há uma previsão de chuva próxima da média histórica.

— Não dá para dizer que vai ser uma estiagem — avalia Laís.

Na estiagem passada, que durou entre novembro de 2011 e junho de 2012, foram afetadas 800 mil pessoas em 152 municípios, com prejuízo de R$ 770 milhões. Muita coisa foi prometida, mas nem tudo foi cumprido.

O secretário de Agricultura, João Rodrigues, destaca que, em dezembro, será licitada a compra de 117 tratores e cem distribuidores de adubo líquido. E os municípios devem entregar a documentação para a perfuração de poços até o final do mês.


O que veio

- R$ 5,3 milhões, R$ 456,8 mil do Fundo Estadual da Defesa Civil e o restante do governo federal para compra de tanques, água mineral, purificadores e motobombas

- R$ 2,7 milhões do governo estadual para auxiliar nos serviços contra a estiagem, principalmente transporte de água.

- R$ 5 milhões do programa Juro Zero investidos na construção de 248 cisternas. Tem mais R$ 5 milhões disponíveis

- R$ 400 para 64 mil famílias beneficiadas pelo bolsa estiagem do governo federal. Ficaram de fora entre 10 mil e 15 mil famílias

- R$ 10 mil por família de crédito do governo federal, com juro de 1% ao ano e bônus de 20% para quem pagar em dia

- R$ 800 milhões do Proagro para o Sul

- Dívidas prorrogadas


O que falta chegar

- R$ 10,9 milhões para aquisição de 117 tratores e 100 distribuidores de adubo líquido para transporta água para os interior dos municípios de um convênio com Ministério da Agricultura e Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca (R$ 9,7 milhões) e contrapartida do governo do Estado (R$ 1,15 milhão)

- R$ 9,9 milhões do Ministério da Integração Nacional e Secretaria de Estado da Defesa Civil com R$ R$ 1,1 milhão de contrapartida do governo do Estado para perfuração de 336 poços com bombas d´água e reservatórios de 20 mil litros para 99 municípios

- R$ 60 milhões do Programa Caminhos do Desenvolvimento anunciado pelo governo do Estado (parte de um empréstimo de R$ 611 milhões com o BNDES) para minimizar os efeitos da estiagem.


O que não veio

- Anistia de dívidas

- Seguro que garantisse renda ao agricultor em caso de perdas e não somente cobrisse o financiamento

- Milho suficiente. Veio apenas 10 mil toneladas para uma demanda de 1,8 milhão de toneladas.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
06 set11:42

Conab confirma safra recorde de grãos

A produção de grãos na safra 2011/12 deve alcançar recorde de 165,9 milhões de toneladas, o que corresponde a um crescimento de 1,9% (3,09 milhões de toneladas) em comparação com a safra anterior 2010/11 (162,8 milhões de toneladas).

Os dados fazem parte do 12º e último levantamento sobre a safra 2011/12, divulgado nesta quinta-feira pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O próximo levantamento sobre safra de grãos ocorrerá no dia 9 de outubro e será o primeiro relativo ao período 2012/2013.

A última pesquisa sobre a safra 2011/12 confirmou o destaque para a segunda safra de milho, cuja produção deve crescer 73%, ou o equivalente a 16,4 milhões de toneladas sobre a última safra, alcançando 38,86 milhões de toneladas. No ano passado foram colhidas 22,46 milhões de toneladas na segunda safra do cereal.

O levantamento também confirmou a queda da soja, cuja produção deve recuar 11,9% (-8,9 milhões de t), para 66,38 milhões de t. A safra de arroz deve cair 14,8%, para 11,6 milhões de t (-2 milhões de t).

— As condições climáticas desfavoráveis foram as principais causadoras desta redução, principalmente nas fases de desenvolvimento das culturas, quando as mais prejudicadas foram as lavouras de milho e de soja nos Estados da região Sul, parte do Sudeste e no sudoeste de Mato Grosso do Sul — informa a Conab.


AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui
30 ago14:12

Governo de SC prorroga isenção do ICMS interestadual para suínos por 30 dias

O Governo do Estado, à pedido da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, prorrogou por mais 30 dias a isenção da taxa de Imposto de Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços Interestadual (ICMS) para a saída de suínos vivos, e de carne suína fresca, resfriada ou congelada. O anúncio foi feito na quarta-feira, 29.

A medida entrou em vigor dia 16 de julho e será válida até 30 de setembro.

- A decisão foi tomada para amenizar a crise de abastecimento de grãos em Santa Catarina, que afeta diretamente os suinocultores – explica o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues.

O secretário lembra que o Governo do Estado já adotou medidas para dar suporte aos produtores catarinenses, como o aumento de carne suína nas refeições oferecidas pelo Estado nas escolas, abrigos e centros de atenção social, hospitais e nos presídios, além de lançar uma campanha publicitária nas televisões para incentivar o consumo do produto.

Em Santa Catarina, são mais de 8 mil produtores de suínos. Destes, 70% estão na região Oeste, Meio-Oeste e Extremo-Oeste. Ao todo, são 420 mil matrizes e um plantel de 6,2 milhões de animais. As estimativas de produção para este ano no estado são de 800 mil toneladas, com destinação de 200 mil para consumo dos catarinenses, 150 mil toneladas para exportação e com uma sobra de 450 mil toneladas.


Comente aqui
22 ago10:06

SC quer ampliar o limite de abastecimento de grãos por produtor

Danilo Duarte | danilo.duarte@diario.com.br

As entidades que representam os pequenos e médio agricultores de Santa Catarina estiveram reunidas com o secretário da Agricultura João Rodrigues na manhã da terça-feira, dia 21, para avaliar as propostas divulgadas no dia anterior pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e pelo Ministério da Agricultura.

Os representantes da categoria consideraram baixa a oferta de até mil toneladas por produtor para diminuir a crise. A contraproposta formalizada hoje e que será encaminhada para Brasília pelo governo de Santa Catarina propõe que este limite seja ampliado para até 4 mil toneladas.

A expectativa é que o retorno para esta demanda seja dado em até uma semana. Na mesa do consumidor, o reflexo da crise pode ser o aumento dos preço das carnes de frango e do suíno de até 20%.

O secretário de Estado da Agricultura reconhece que a produção de milho em Santa Catarina está aquém do necessário, sem apresentar uma alternativa concreta para o problema. Segundo o governo federal, não falta abastecimento de milho e soja no país, mas o problema estaria no transporte do principal centro produtor, o Centro-Oeste, para outras regiões, como os estados do Sul.

Para amenizar o problema dos produtores catarinenses, o governo de SC está discutindo a possibilidade de cobrir a diferença do frete pago pela Conab ou ainda desonerar o ICMS das agroindústrias. As alternativas propostas por Rodrigues ainda precisam passar pela avaliação do governador Raimundo Colombo e do secretário da Fazenda, Nelson Serpa.

Enquanto o consumo diário gira em torno de 5,5 milhões de toneladas ao ano, a produção catarinense é de apenas 3,6 milhões do grão, conforme os dados da Secretaria de Agricultura, e sem perspectiva de expandir este número em função da pouca disponibilidade de terras para esta ampliação.

Nem mesmo a construção de silos da Conab no Oeste do Estado para estocar os grãos trazidos de Mato Grosso e Goiás, onde ficam os estoques para todo o país, está acompanhando a urgência que o caso exige — a previsão é de que as estruturas estejam disponíveis apenas em 2015.

Ontem, dia 20, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), José Maria dos Anjos, esteve em Florianópolis e informou que o governo trabalha para que, em até 20 dias, possa fazer um leilão no Centro-Oeste, onde os grãos serão ofertados a um preço 15% a 20% menos do que o valor da exportação, hoje em em torno de R$ 35 a saca de 60 quilos. Isso significaria um preço de R$ 29 por saca de 60 quilos para compradores de até mil toneladas por mês (ou seja, pequenas e médias agroindústrias).

Diante da necessidade e do consumo dos produtores catarinenses, o secretário e entidades que representam os agricultores pediram, além do aumento do limite para 4 mil toneladas, para que o frete se transforme em subsídio no preço da saca, uma vez que as empresas contratadas para fazer o transporte do milho não estão aceitando manter o preço do frete mesmo com a elevação nos custos.

O cenário vislumbrado pelas entidades do setor é que a baixa produção e o nível alto de demanda devem continuar a puxar para cima o preço das carnes de frango e suíno, além do leite. A crise no setor deve afetar ainda mais a vida das mais de 80 mil famílias do Estado e provocar um efeito cascata que chegará a mesa do consumidor.

— O custo para trazer uma saca (do Centro-Oeste) é de aproximadamente R$ 14, mas falta tranporte para que o grão venha para cá. Então vamos sugerir que este valor seja retirado do preço final vendido ao produtor, que por sua vez precisará arcar com a contratação do caminhão para fazer este serviço. Com isso, podemos chegar próximo de equalizar a falta de milho nas agroindústrias e nos pequenos produtores catarinenses — estima Rodrigues.



REPERCUSSÕES:


Nelton Rogério de Souza, diretor da Federação de Agricultores de SC:

“A medida (do governo federal) pode apenas aplacar o problema temporariamente. Os principais calos no Estado são a falta de silos da Conab para estocar grãos em Santa Catarina e a burocracia para que armazéns particulares sejam locados pelo governo federal”


Milton Dalago, coordenador técnico da Organização das Cooperativas de SC:

“Os governos de SC e federal não têm estruturas para resolver o problema de forma permanente. O ideal seria ter instrumentos de forma continuada, como estoques de segurança mais próximos ao produtor catarinense, principalmente no Oeste”


Clever Pirola Ávila, presidente da Associação Catarinense de Avicultura e do Sindicato da Indústria da Carne e Derivados em SC:

“A curto prazo, uma boa medida seria redirecionar parte da produção norte-americana, que é usada no biodiesel, para o uso na agricultura, liberando parte do que é produzido em SC. Mas a solução deve ser desenhada apenas na próxima safra brasileira e dos Estados Unidos”



Comente aqui
16 jun19:15

Conheça os benefícios do amendoim, um dos grãos prediletos dos brasileiros

Genuinamente brasileiro, o amendoim é uma das leguminosas produtoras de grãos mais plantadas no mundo. Devido ao seu alto conteúdo de proteína e óleos insaturados, tem papel fundamental na alimentação dos povos de países da América Latina, da África e da Ásia.

Além disso, cumpre um importante papel social, garantindo a segurança nutricional e a sustentabilidade da agricultura em áreas áridas e semiáridas de diversas nações, inclusive o Brasil. Na África, por exemplo, ajuda a combater a desnutrição de crianças, o que faz os especialistas acreditarem que o grão pode adquirir um papel mais central na alimentação mundial são algumas de suas características.

A qualidade do óleo do amendoim é superior à do azeite de oliva, o que pode ajudar na prevenção de doenças cardíacas. Os grãos também apresentam grandes concentrações de vitamina E — um antioxidante que previne câncer, diabetes e doenças autoimunes — e de proteína, podendo substituir a carne em países onde há escassez desse alimento.

— Não é à toa que o mercado internacional se interessa tanto por esse grão. Ele pode se tornar mais importante, em termos alimentares, do que a soja — aposta a pesquisadora da Embrapa/Cenargen Soraya Bertioli.

Segundo Howard Valentine, diretor executivo do American Peanut Council (APC), estudos clínicos feitos nos Estados Unidos mostram que pacientes que consomem uma porção do grão por dia têm menor chance de desenvolver males como o diabetes.

— Em 25 anos, será necessário que o mundo dobre a produção de amendoim — acredita Valentine.


Bons motivos para comer amendoim

:: Afasta a fadiga e o mau humor

:: Fortalece e aumenta a resistência dos músculos

:: Evita o aparecimento de doenças cardiovasculares

:: Ajuda no transporte e absorção das vitaminas

:: Gera saciedade

:: Ajuda na formação dos ossos e previne a osteoporose

:: Auxilia a cicatrização

:: Previne o envelhecimento

:: Alivia o estresse

:: Reduz a pressão arterial

:: Mantém o nível de açúcar no sangue


VIDA E SAÚDE

Comente aqui
10 mai11:18

IBGE: safra de grãos 2012 será de 159,3 milhões de toneladas

A previsão do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de abril projeta uma safra de 159,3 milhões de toneladas em 2012, com alta de 0,5% ante o levantamento de março, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No entanto, se confirmada, a safra será 0,5% inferior à do ano passado, quando foi de 160,1 milhões de toneladas. O levantamento indica que a área a ser colhida em 2012 será de 50,2 milhões de hectares, um aumento de 3,2% frente a 2011.

Em relação à estimativa de março, a expansão foi de 0,8%. As três principais culturas – arroz, milho e soja – que representam 91,2% da previsão da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, respondem por 84,3% da área a ser colhida no ano.

A pesquisa do IBGE mostra, ainda, que a estimativa para a safra de café em 2012 é de 50,5 milhões de sacas, o que representa um aumento de 14% frente a 2011 e de 0,9% sobre o levantamento de março.


AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui
10 abr12:28

Safra de grãos deve ser 2,2% menor do que a passada, prevê Conab

A produção nacional de grãos da safra 2011/2012 deverá atingir 159,2 milhões de toneladas, segundo estimativa divulgada nesta terça-feira pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Esse número é 2,2%, ou 3,63 milhões de toneladas, menor do que a safra 2010/2011, quando foram colhidos 162,84 milhões de toneladas.

De acordo com a Conab, a projeção de área plantada está em 52,29 milhões de hectares, 4,8% maior do que a do ciclo anterior (49,89 milhões de hectares). Segundo a estatal, a soja e o arroz são as culturas que devem apresentar a maior redução na produção, 9,72 milhões de toneladas e 1,95 milhão de toneladas, respectivamente.

A Conab atribui essa queda principalmente às condições climáticas desfavoráveis no período de novembro de 2011 a janeiro deste ano. A companhia considera que as lavouras de milho e soja foram as mais afetadas, principalmente no Sul, em parte do Sudeste e no sudoeste de Mato Grosso do Sul.

A Conab estima que a produção de milho segunda safra, no entanto, terá crescimento de 35,1%, o que equivale a 7,54 milhões de toneladas a mais.


AGÊNCIA BRASIL



Comente aqui
08 mar11:19

Safra de grãos 2011/2012 deve chegar a 157,8 milhões de toneladas

A produção de grãos brasileira deve chegar a 157,8 milhões de toneladas, de acordo com o sexto levantamento da safra 2011/2012, feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgado nesta quinta-feira. O volume é 3,1%, ou cerca de 5 milhões de toneladas, menor que os 162,9 milhões de toneladas colhidas na safra anterior. No entanto, em relação ao quinto levantamento, publicado há um mês, houve aumento de 0,5%, ou 744,2 mil toneladas.

Segundo a Conab, o acréscimo em relação ao último levantamento se deve à recuperação da lavoura do milho primeira safra e do crescimento do milho segunda safra. No total, a produção de milho deve crescer 7,5%, chegando a uma safra de 61,7 milhões de toneladas. Considerando apenas o milho segunda safra, deverá haver crescimento de 20,1%, com estimativa de 25,8 milhões de toneladas.

A soja, no entanto, que junto com o milho compõe mais de 80% do volume de grãos, deve ter sua produção reduzida em 8,7%, ficando em 68,7 milhões de toneladas.

A área plantada deve chegar a 51,68 milhões de hectares, 1,79 milhão de hectares, ou 3,6% a mais, que os 49,88 milhões de hectares da última safra. De acordo com a Conab, o milho e a soja são responsáveis pela ampliação de área. O Arroz e o feijão, no entanto, apresentaram redução na área plantada.

A pesquisa foi realizada por 60 técnicos da Conab, entre os dias 23 e 29 de fevereiro, ouvindo representantes de órgãos públicos e privados ligados à produção agrícola dos todos os estados produtores.


AGÊNCIA BRASIL



Comente aqui
28 out18:38

IGC espera produção recorde na safra global de milho

A produção global de milho deve crescer 3,5% em relação à temporada anterior, atingindo um recorde de 855 milhões de toneladas em 2011/12, afirmou ontem o Conselho Internacional de Grãos (IGC, na sigla em inglês). A estimativa anterior do IGC era de 845 milhões de toneladas.

A produção da Europa é estimada pelo IGC no volume sem precedentes de 63,8 milhões de toneladas, superior ao recorde de três anos atrás e 8 milhões de toneladas a mais do que temporada 2010/11. O IGC espera que a China produza 183 milhões de toneladas, 3 milhões de toneladas a mais do que previa em setembro. Enquanto isso, a safra de milho do Brasil é estimada em 27 milhões de toneladas e a da Argentina, em 60 milhões de toneladas.

— As perspectivas para a produção global de milho melhoraram durante o último mês, de modo que a previsão de safra é recorde, ou está perto, em muitos dos principais produtores — disse o IGC.

Embora haja mais grãos disponíveis do que o esperado anteriormente, o consumo também deve aumentar, segundo o IGC. Portanto, os estoque finais são estimados em apenas 5 milhões de toneladas a mais, totalizando 123 milhões de toneladas.

As importações da China foram revisadas para cima em 1 milhão de toneladas, para 4 milhões de toneladas – ainda abaixo as estimativas da indústria -, enquanto a expectativa é de que a Europa consuma mais grãos para ração.


Trigo

A expectativa também é de uma safra global de trigo maior, com produção estimada em 684 milhões de toneladas. O IGC aumentou sua previsão, portanto, em 5 milhões de toneladas. Os estoques finais foram estimados no recorde em dez anos de 202 milhões de toneladas.

A produção total de grãos esperada é de 1,819 bilhão de toneladas, um aumento de 13 milhões de toneladas em relação à projeção anterior do IGC. As informações são da Dow Jones.


AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui