Greve

18 out10:19

Termina greve dos bancários

Seguindo o cenário nacional, em que a maioria das assembleia votou pela aceitação da proposta dos bancos, os bancários da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil de Chapecó retificaram a decisão de ontem, votaram pela aceitação da proposta e o retorno aos trabalhos ainda nesta terça-feira. A assembleia foi às 8h no auditório do Sindicato dos Bancários de Chapecó, Xanxerê e Região.

As duas pautas específicas seguem o reajuste apresentado pela Fenaban, de 9% sobre todas as verbas, e acrescentam pontos específicos. A proposta da Caixa inclui a manutenção da PLR Social (Participação nos Lucros e Resultados), valorização do piso e ampliação do quadro em cinco mil funcionários até final de 2012 – a redação da cláusula prevê a ampliação do quadro dos atuais 87 mil empregados para 92 mil.

Já a proposta do Banco do Brasil inclui a valorização do piso com reflexo no plano de carreira e melhorias na Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Também inclui alguns benefícios nas áreas sociais, de saúde e melhorias no plano de carreira.

>> Assembleia dos Bancos Privados foi na tarde desta segunda-feira. Bancários também voltaram ao trabalho.

Para o presidente do Sindicato dos Bancários de Chapecó, Xanxerê e Região, Sebastião Araujo, nesse ano as conquistas ficaram aquém do esperado. Entretanto, lembra que desde 2004 a categoria tem ganhado.

- Essas conquistas ano após ano produzirão novas conquistas que no momento é difícil mensurar – disse.

Na base do Sindicato, 41 agências paralisaram as atividades durante 21 dias greve. Em Chapecó, 100% das agências aderiram ao movimento.

Em relação ao Banrisul, até o momento os bancários se mantêm na greve. Há uma reunião agenda com a direção do banco para esta manhã, 18, em Porto Alegre.


Comente aqui
17 out18:34

Bancos privados reabrem nesta terça-feira

Na tarde desta segunda-feira, 17, os bancários de Chapecó votaram as propostas apresentadas pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos). A pauta foi aprovada e os bancários decidiram pelo retorno aos trabalhos nos bancos privados a partir desta terça-feira, 18.

Entretanto, os funcionários do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal rejeitaram as respectivas pautas específicas, e mantêm a greve, tendo nova assembleia na terça-feira, às 8h da manhã, para referendar ou não a decisão tomada, com base no resultado do país. O Banrisul não apresentou proposta e os funcionários também continuam a paralisação.

A Fenaban apresentou reajuste de 9% sobre todas as verbas, o que representa aumento real de 1,5%, e valorização do piso da categoria, com aumento real de 4,3%; o piso dos escrituários teve reajuste de 12% e os dos caixas, de 11,2%; e na Participação nos Lucros e Resultados (PRL) houve reajuste de 27,2%. A proposta também inclui cláusula que coíbe o transporte de numerário pelos bancários e o fim da divulgação de rankings individuais dos funcionários, combatendo o assédio moral.

Na avaliação do Sindicato dos Bancários de Chapecó, Xanxerê e Região, a greve prolongada mostra a ganância e a intransigência dos bancos em atender as reivindicações dos bancários. A greve tem sido o último recurso da categoria na busca de seus direitos.


Histórico

A greve foi a última alternativa da categoria para buscar seus direitos. Deflagrada no dia 27 de setembro, após cinco negociações sem avanços com a Fenaban, os bancários ficaram paralisados por 21 dias. Na quinta-feira da semana passada houve a primeira negociação após o início da greve, sendo encerrada no dia seguinte.

Esta foi a maior greve dos bancários nos últimos 20 anos, mobilizando trabalhadores dos bancos públicos e privados. Foram paralisadas 9.254 agências e vários centros administrativos em todo o país. Na região Oeste estiveram em greve 84 agências.


1 comentário
17 out10:57

Bancários de Chapecó realizam assembleia nesta segunda

Os bancários de todo o país realizam assembleias hoje, dia 17, para discutir e votar as propostas apresentadas na negociação com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) na sexta-feira, dia 14. Também devem ser analisadas as propostas específicas do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

Em Chapecó, a assembleia será realizada no auditório do Sindicato dos Bancários, às 16h30.


Propostas

A Fenaban propõe reajuste salarial de 9% (inflação do período mais aumento real de 1,5%), valorização do piso da categoria em 12%, o que representa aumento real de 4,3%, melhorias na Participação nos Lucros e Resultados (PLR), entre outras. A proposta também apresenta avanços nas condições de saúde, segurança e trabalho.


Comente aqui
17 out10:40

Fim da greve em Concórdia

Em reunião na manhã desta segunda-feira a maioria dos bancários da abrangência do Sindicato dos Bancários de Concórdia e Região, decidiu retornar ao trabalho. Eles avaliaram as propostas apresentadas na sexta-feira, dia 14, durante a sétima rodada de negociações com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), em São Paulo.

A Fenaban propõe reajuste salarial de 9% (inflação do período mais aumento real de 1,5%), valorização do piso da categoria em 12%, que passaria para R$ 1.400 (aumento real de 4,3%) e melhorias na Participação nos Lucros e Resultados (PLR), com elevação da parcela fixa da regra básica para R$ 1.400 (reajuste de 27,2%) e do teto da parcela adicional para R$ 2.800 (reajuste de 16,7%).

A presidente do Sindicato dos Bancários de Concórdia e Região, Sonia Hack, lamenta que em mais um ano tenha sido necessária a pressão através de greve, para que os banqueiros apresentassem uma nova proposta, neste ano foram 20 dias de paralisação, dez agências da região estavam com as portas fechadas. – Os bancários mostraram mais uma vez a força em busca de melhores condições de trabalho e atendimento – disse.

Os dias de greve não serão descontados, mas serão compensados em até duas horas por dia, de segunda a sexta-feira, até o dia 15 de dezembro e, assim como nos anos anteriores, eventual saldo após esse período será anistiado.

As propostas específicas do BB e da Caixa também apresentam melhorias para os bancários, envolvendo questões de carreira e condições de trabalho, dentre outras. Entre os principais avanços, destacam-se a PLR social e a contratação de 5 mil empregados na Caixa e a valorização do plano de cargos e salários no BB.


Comente aqui
15 out07:35

Bancários fecham acordo que pode acabar com greve

Representantes dos bancários e a Federação Nacional de Bancos (Fenaban) chegaram a um acordo hoje para encerrar a greve da categoria, iniciada no dia 27 de setembro. A proposta será encaminhada para aprovação em assembleias dos trabalhadores.

A proposta prevê reajuste de 9% dos salários a partir de 1º de setembro de 2011, assegurando aumento real pelo oitavo ano consecutivo. O piso salarial para bancários que exercem função de caixa passa para R$ 1.900, para jornadas de seis horas. Para a função de escriturário, o piso salarial passa para R$ 1.400.

Na Participação dos Lucros e Resultados (PLR), houve aumento da parcela adicional de R$ 1.100 para R$ 1.400 e do teto da parcela adicional de R$ 2.400 para R$ 2.800.

Segundo a Fenaban, os outros benefícios ficam reajustados da seguinte forma: o auxílio refeição sobe para R$19,78 por dia; a cesta alimentação passa para R$ 339,08 por mês, além da 13ª cesta no mesmo valor. O auxílio creche mensal é de R$ 284,85 por filho de até 6 anos.

Comente aqui
14 out11:24

Greve dos bancários

Na quinta-feira, dia 13, a Federação Nacional dos Bancos – Fenaban, chamou o Comando Nacional dos Bancários para a primeira negociação desde o início da greve no dia 27 de setembro. Segundo o Sindicato da classe em Chapecó, depois de quatro horas de reunião foi oferecido apenas 0,4% de aumento na proposta apresentada anteriormente e nada de concreto sobre a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e piso salarial foi apresentado.

Os bancários continuam em greve em todo o país enquanto aguardam o andamento da negociação, que segue na manhã desta sexta-feira, 14. À tarde, 16h30, a categoria se reúne em assembléia no Sindicato dos Bancários de Chapecó, Xanxerê e Região. A expectativa é que a Fenaban apresente uma proposta que atenda as reivindicações.

Na região Oeste há 84 agências paralisadas. No país são 9.254 unidades fechadas.


Quadro da Greve no Oeste

Banco do Brasil

● Ag. Centro – Chapecó

● Ag. Catedral – Chapecó

● Ag. São Cristóvão – Chapecó

● Ag. 25 de Agosto – Chapecó

● Ag. Empresarial – Chapecó

● Ag. Pinhalzinho

● Ag. Xanxerê

● Ag. BB/BESC Xanxerê

● Ag. BB/BESC Saudades

● Ag. Industrial – Chapecó

● Ag. São Domingos

● Ag. São Carlos

● Ag. Palmitos

● Ag. Xaxim

● Ag. São Lourenço do Oeste

● Ag. Coronel Freitas

● Ag. Abelardo Luz

● Ag. Águas de Chapecó

● Ag. Herval d’ Oeste

● 2 Ag. Campos Novos

● Ag. Água doce

● Ag. Capinzal

● 2 Ag. Catanduvas

● Ag. BB/BESC Herval Velho

● Ag. Lacerdópols

● Ag. Ouro

● 2 Ag. Joaçaba

● Ag. Treze tilhas

● 2 Ag. – São Miguel do Oeste

● Ag. Maravilha

● Ag. São José do Cedro

● Ag. Itapiranga

● 2 Ag. – Seara

● 2 Ag. – Concórdia

● PAB Arabutã

● Ag. Ipumirim

● Ag. Caçador

● 2 Ag. Videira


Caixa

● Ag. Centro – Chapecó

● Ag. Desbravador e Departamentos – Chapecó

● Ag. EFAPI – Chapecó

● Ag. Pinhalzinho

● Ag. Xanxerê

● Ag Xaxim

● Ag. Abelardo Luz

● PAB Unochapecó – Chapecó

● PAB Justiça Federal – Chapecó

● Ag. São Lourenço do Oeste

● Ag. Palmitos

● Ag. Joaçaba

● Ag. Campos Novos

● Ag. Capinzal

● Ag. Catanduvas

● PAB Joaçaba

● Ag. Fraiburgo

● Ag. São Miguel do Oeste

● Ag. Maravilha

● Ag. Dionísio Cerqueira

● Ag. São José do Cedro

● Ag. Seara

● Ag. Concórdia

● Ag. Caçador

● Ag. Videira


Banrisul

● Ag. Chapecó

● Ag. Joaçaba

● Ag. Caçador


Santander

● Ag. Centro – Chapecó

● Ag. Real/Santander- Chapecó

● Ag. Concórdia


HSBC

● Ag. Centro- Chapecó

● Ag. Concórdia


Itaú

● Ag. Centro- Chapecó

● Ag. Itaú/ Unibanco – Chapecó

● Ag. São Cristóvão – Chapecó

● Ag. Concórdia


Safra

● Ag. Chapecó


Bic Banco

● Ag. Chapecó



Comente aqui
14 out09:47

Após interrupção na audiência de negociação, bancos retomam nesta sexta diálogo com grevistas

O Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) vão se reunir nesta sexta-feira em São Paulo. A audiência de negociação realizada nesta quinta-feira foi interrompida por volta das 20h, para que ambas as partes consultem suas bases antes de prosseguir nas discussões.

Banqueiros e bancários tentam construir uma solução para o reajuste salarial da categoria, capaz de pôr fim à greve no setor, que completa nesta quinta-feira 18 dias. Hoje, o movimento cresceu com a paralisação de 9.254 bancos públicos e privados em todos os 26 Estados e no Distrito Federal, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), que coordena o Comando Nacional dos Bancários.

O diálogo entre as duas partes havia chegado a um impasse depois que a assembleias de bancários realizadas no Brasil todo recusaram a proposta de reajuste salarial de 8% feita pela Fenaban, e deflagraram em greve no dia 27 do mês passado. A oferta dos bancos representa só 0,56% de aumento real dos salários, muito abaixo das pretensões da categoria.

Os bancários reivindicam reajuste de 12,8%, o que corresponde a aumento real de 5% mais a inflação acumulada no período de 12 meses terminado em agosto. Os trabalhadores querem ainda valorização do piso salarial da categoria e maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR) dos bancos, além de mais contratações e fim das metas abusivas, entre outras reivindicações.

Comente aqui
13 out09:20

Após quase um mês de greve, funcionários dos Correios voltam ao trabalho nesta quinta-feira

Os funcionários dos Correios voltaram ao trabalho nesta quinta-feira após quase um mês de greve. O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu que o reajuste será de 6,87%, o que equivale à inflação, mais ganho real de R$ 80, e determinou o retorno às atividades.

Segundo o diretor de divulgação do Sindicato dos Trabalhadores em Correios do Estado, Luciano Robson, a decisão nacional pelo fim da greve e os riscos jurídicos foram determinantes para o retorno ao trabalho no Rio Grande do Sul. O sindicato realiza assembleia geral para avaliação da greve na próxima quarta-feira, dia 19.

A direção dos Correios espera regularizar a entrega de correspondências atrasadas no Estado em um dia. O assessor de comunicação da empresa, Darci Martins da Rosa Filho, estima em 300 mil o total de objetos e cartas que não foram entregues, mas destaca que problema maior ocorre em função de atrasos no centro do país.

Em todo o Brasil, os Correios esperam normalizar os serviços em até dez dias. Os grevistas terão sete dias cortados do salário e 21 compensados, com trabalho nos fins de semana.

RÁDIO GAÚCHA

Comente aqui
12 out19:30

Fenaban rompe o silêncio e chama bancários para rodada de negociações nesta quinta-feira

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) rompeu o silêncio e convidou o coordenador do Comando Nacional dos Bancários, Carlos Cordeiro, para uma reunião de negociação às 16 horas desta quinta-feira, para tentar acabar com a greve da categoria, iniciada em 27 de setembro e que mantém mais de 9 mil agências bancárias fechadas em todo o país.

A informação foi divulgada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) logo depois da manifestação da Fenaban. Como afirma Carlos Cordeiro, que também preside a Contraf, “foi a força da greve que reabriu finalmente o diálogo e agora esperamos que os bancos venham para a mesa de negociações com uma proposta decente, que atenda as justas reivindicações da categoria”.

A greve, que já é a maior da categoria nos últimos 20 anos, foi deflagrada depois que as assembleias dos sindicatos rejeitaram a proposta de reajuste de 8% feita pela Fenaban, que significa apenas 0,56% de aumento real.

Os bancários reivindicam reajuste de 12,8% (aumento real de 5% mais a inflação do período), valorização do piso, maior participação nos lucros e resultados, mais contratações, extinção da rotatividade, fim das metas abusivas e combate ao assédio moral, entre outros pleitos.

— Os bancos brasileiros são os que mais lucram na América Latina, no entanto, pagam um piso salarial menor do que o recebido por argentinos e uruguaios, mas pagam bônus milionários para seus altos executivos, os maiores do continente — aponta Cordeiro.

Conforme pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e da Contraf-CUT, o salário inicial pago pelos bancos brasileiros em agosto de 2010 era equivalente a US$ 735, mais baixo que o dos uruguaios (US$ 1.039) e quase a metade do valor recebido pelos argentinos (US$ 1.432).

— Um país onde os altos executivos dos bancos chegam a ganhar até 400 vezes mais que o piso salarial da categoria não pode ser chamado de justo — sustenta o dirigente sindical — Além disso, os bancos utilizam a alta rotatividade do mercado de trabalho, muito maior que em outros países, para reduzir a massa salarial dos bancários — concluiu.

AGÊNCIA BRASIL

Comente aqui
11 out18:36

TST considera greve dos Correios não abusiva

Por unanimidade, os ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) consideraram a greve dos Correior não abusiva, em julgamento que ocorre na tarde desta terça-feira. A sessão, iniciada às 16h, é realizada para votar o dissídio coletivo dos funcionários dos Correios, em greve há 28 dias. Logo em seguida, os ministros passaram a discutir a cláusula salarial.

A decisão sobre a abusividade da greve seguiu o voto do relator, ministro Mauricio Godinho Delgado. Ele votou pela devolução dos seis dias parados, descontados no último contracheque pela empresa, com a compensação de todos os dias de greve com trabalho no final de semana.

O ministro incorporou ainda ao seu voto a proposta de acordo feita pelo TST na audiência de conciliação do dissídio coletivo, ocorrida na última terça-feira: aumento linear de salários no valor de R$ 80,00, a partir de 1º de outubro e vale extra de R$ 575,00, a ser pago no mês de dezembro de 2011.

Ontem, em reunião à noite no TST, os grevistas mantiveram a decisão de não aceitar os termos da proposta apresentada pelo tribunal. A ideia era tentar um acordo antes do julgamento do dissídio, porém, não houve acordo.

Já a empresa reafirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que aceita a proposta do TST.

Por determinação do Tribunal, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) deve manter em atividade o contingente mínimo de 40% dos empregados em cada unidade operacional durante a greve.

ZERO HORA

Comente aqui