Hidrelétrica

20 nov16:32

Hidrelétrica de Machadinho paralisa operação

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Usina Hidrelétrica de Machadinho, localizada no rio Uruguai, entre Piratuba e Maximiliano de Almeida-RS, paralisou suas operações às 10h13 desta terça-feira. O motivo é a pouca chuva registrada entre outubro e novembro.


Em Abril Machadinho também parou por causa da estiagem.


De acordo com o gerente de operação das usinas de Machadinho, Itá e Passo Fundo, Elinton Chiaradia, o motivo da paralisação é para preservar o nível do lago, que já está 11,5 metros abaixo do nível máximo. O reservatório útil para geração de energia está em apenas 20%.

Machadinho tem potência instalada de 1140 megawatts, o suficiente para atender 40% da demanda energética de Santa Catarina.

Chiaradia informou que, para manter a hidrelétrica funcionando, com apenas uma das três turbinas, o consumo de água era de 220 metros cúbicos por segundo. Mas a quantidade de água que estava chegando no lago, pelos rio afluentes, era de apenas 100 metros cúbicos, menos da metade do mínimo necessário.

Esse volume é seis vezes menos do que a média de vazão histórica na área do lago. Outra medida adotada é a redução da geração de energia em Itá, que fica no rio Uruguai, entre Itá e Aratiba-RS.

A operação, que estava em 70% da capacidade na semana passada, foi reduzindo até chegar a 15% na manhã de ontem. Itá tem potência instalada de 1450 megawatts, o suficiente para atender 50% da demanda de Santa Catarina.

Em Itá o reservatório está 2,5 metros abaixo do nível máximo e com 57% do volume útil. Chiaradia disse que esse é um período que normalmente as hidrelétricas geram em capacidade máxima.

-Este período seco não é normal para a época – argumentou.

Mesmo assim não há risco de desabastecimento energético já que a baixa geração no Sul é compensada por outras regiões. Em Abril Machadinho também parou por causa da estiagem.


Comente aqui
30 ago16:45

Licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica Itapiranga é suspenso pela Justiça Federal

A Justiça Federal determinou, na tarde desta quinta-feira, dia 30, a suspensão do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica Itapiranga, no extremo-oeste catarinense, até que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) se manifeste sobre as sugestões propostas no estudo elaborado pelos técnicos do Ministério Público Federal (MPF).

A perícia do MPF constatou a necessidade de complementação e modificação de alguns pontos do termo de referência, pois o projeto elaborado não atende aos preceitos ambientais e nem assegura os direitos da população atingida. A ação civil pública foi assinada pelos procuradores da República Maria Rezende Capucci, de São Miguel do Oeste/SC, Gabriel Silveira de Queirós Campos, de Santa Rosa/RS e Fernanda Alves de Oliveira, de Passo Fundo/RS.

Em junho deste ano o MPF já havia encaminhado recomendação ao Ibama, para que as considerações dos analistas periciais fossem inseridas no termo de referência, mas não os termos de recomendação não foram acatados.

O projeto prevê o alagamento de áreas em sete municípios. Três em Santa Catarina (Itapiranga, Mondaí e São João do Oeste) e quatro no estado gaúcho (Pinheirinho do Vale, Vicente Dutra, Caiçara e Vista Alegre).



Entenda o caso

Em 2010, o MPF recomendou ao Ibama que, após a análise do termo de referência da Usina Itapiranga e antes de sua aprovação, suspendesse o processo de licenciamento ambiental até que a perícia técnica do MPF se manifestasse, a fim de sugerir alterações ou complementações.

O Ibama, no entanto, não acatou os termos da recomendação. Os procuradores da República de São Miguel do Oeste/SC, Santa Rosa/RS e Passo Fundo/RS conseguiram, então, na Justiça Federal, por meio de uma ACP, a suspensão do licenciamento até que os peritos do MPF realizassem uma análise do termo de referência e apresentassem as suas conclusões.



Comente aqui
06 abr09:48

Efeitos da estiagem podem afetar SC até junho

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Apesar de estar com apenas 32% do volume útil do reservatório para a geração de energia e com mais de quatro metros abaixo do nível máximo a hidrelétrica de Itá não deve paralisar a geração.

De acordo com o gerente da usina, Elinton Chiaradia, o reservatório deve se manter até a vinda de novas chuvas pois a operação está com apenas 18% da capacidade.

A hidrelétrica, instalada entre Itá-SC e Aratiba-RS, é a que tem maior potencial de geração de energia nos dois Estados. São 1.450 megawatts, o suficiente para abastecer 45% da demanda de Santa Catarina ou 30% do Rio Grande do Sul.

Chiaradia disse que ao contrário de Machadinho, que já suspendeu a geração duas vezes, em 2006 e 2009, Itá nunca deixou de gerar, em quase 12 anos de operação. Ele afirmou que a baixa geração não compromete o abastecimento elétrico e o nível reduzido do lago não interfere nas atividades dos moradores da região. O lago era muito utilizado no verão, para atividades aquáticas e turismo. Mas, com a chegada do frio, o movimento fica reduzido. No entanto é possível observar uma borda de terra no lago.

Alguns barcos chegaram a ficar “encalhados” na margem, com a redução do leito do lago. Nas torres da igreja São Pedro, que foi parcialmente submersa com a inundação da cidade antiga, é notável a base de pedra que fica submersa quando o nível da água está mais baixo.


Efeitos da estiagem até junho

Os efeitos da estiagem continuarão a afetar os catarinenses até junho. A informação é do Diretor de Respostas a Desastres da Secretaria de Defesa Civil de Santa Catarina, Aldo Baptista Neto. Ele se baseou na previsão do Centro de Informações de Recursos Ambientais e Hidrometeorologia da Epagri, que prevê chuva abaixo da média entre abril e junho.

Há ocorrência de chuva, mas de forma irregular e não em volume significativo. Ontem por exemplo choveu em Chapecó, mas nada que mudasse o quadro de estiagem.

Diante disso o Grupo de Ações Coordenadas de Combate à Estiagem, formado por 10 instituições, entre elas a Defesa Civil, está trabalhando para minimizar os efeitos da falta de água.

Neto disse que foram conseguidos R$ 10 milhões com a Defesa Civil nacional. Disto, R$ 3,2 milhões já chegaram. O recurso foi aplicado na compra de kits com dois tanques e bombas para cada município em situação de emergência, que podem ser instalados em caminhões das prefeituras. Também foram adquiridos tanques que 10 mil litros que funcionam como estações que podem ser colocado próximo a reservatórios para tratamento químico e posterior distribuição.

Parte do recurso foi aplicado ainda em água mineral e serão repassados valores para a locação de caminhões-pipa. Até ontem 121 municípios já havia decretado situação de emergência. Neto disse que o número está se aproximando do pior cenário traçado no início da estiagem, que era de 134 municípios. Os prejuízos na agricultura já somam R$ 748 milhões.


Comente aqui
06 abr09:29

Vazão do Rio Uruguai está com 16% da média

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A vazão do Rio Uruguai no trecho onde está instalada a Usina Hidrelétrica Foz do Chapecó, entre Águas de Chapecó-SC e Alpestre-RS, está com apenas 16% da média anual. De acordo com o gerente da Usina, Gilson Carvalho, a média histórica do rio durante um ano é de 1.250 metros cúbicos por segundo. São 1250 caixas de água de mil litros a cada segundo. Pois nos últimos dias a vazão havia caído para apenas 200 metros cúbicos por segundo.

O nível da água baixou 80 centímetros mas isso representa 80% do reservatório útil para a geração de energia, já que a parte inferior do lago não pode ser desviado pelos túneis até a captação da Casa de Força.

Nos últimos dias a Foz do Chapecó vinha operando com apenas uma das quatro unidades geradoras, variando entre 130 e 210 megawatts. A potência máxima da hidrelétrica é de 855 megawatts, suficiente para abastecer 25% da demanda de Santa Catarina. Mas a geração média é de 432 megawatts.

Carvalho disse que a decisão de paralisar a operação foi tomada em reunião com representantes do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), para não esvaziar os lagos e assim comprometer atividades que ficam abaixo das barragens, como a passagem de balsas, a captação de água e a fauna aquática.

O gerente da usina garante que não haverá problema no abastecimento de eletricidade no Sul, em virtude de que o sistema é todo interligado. A redução na geração no Sul é compensada pela maior geração no Sudeste. –Agora alguém está gerando para nós- explicou.

A redução na vazão do Rio Uruguai também comprometeu algumas atividades, com a dos pescadores. Milton Zimmer, disse que a inauguração da hidrelétrica, em 2010, já diminuiu em 60 centímetros a vazão do rio num trecho de 20 quilômetros, entre a barragem e a Casa de Força, pois a água foi desviada por túneis. Agora, com a estiagem, o rio diminuiu mais uns 10 centímetros, segundo Zimmer. O menor volume de água deixa de fora muitas pedras que ficavam encobertas e ainda forma um limo, que acaba grudando nas redes. Zimmer disse que após a paralisação da energia, o volume do rio até subiu um pouco.

O motivo é que parte da água que antes era desviada para as turbinas, agora está sendo jogada diretamente no rio, pelo vertedouro. Ontem estavam sendo liberados 183 metros cúbicos por segundo, enquanto que a vazão mínima é de 75 metros cúbicos por segundo. Na segunda-feira a Foz do Chapecó deve voltar a gerar energia, 380 megawatts/hora, para aproveitar a água que deve acumular com a geração de Itá, que fica acima.



Comente aqui
05 abr09:43

Itá opera com 18% da capacidade

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Hidrelétrica de Itá não deve suspender a geração de energia mas está operando com apenas 18% da capacidade, que é de 1450 metawatts. De acordo com Elinton Chiaradia, que é gerente de operação das usinas de Itá, Machadinho e Passo Fundo, o reservatório de Itá tem apenas 32% do volume útil para a geração de energia, mas por enquanto tem condições de manter a operação. O nível do lago está cerca de quatro metros abaixo do máximo.

Já são cinco meses com chuva abaixo da média em Santa Catarina. A falta de água começou em novembro, no Extremo Oeste, e foi avançado pelo Oeste, Meio Oeste, Planalto Serrano e, já atingiu até o Sul do Estado.

Ontem a Defesa Civil do Estado registrava 121 municípios em situação de emergência. O último decreto foi de Santa Rosa do Sul. A população atingida já soma 664 mil pessoas, segundo a Defesa Civil. (Abaixo a lista dos municípios).

Em algumas cidades, como Abelardo Luz, começa a faltar água para o consumo humano no interior. As prefeituras tem transportado água com caminhões pipa e tratores. Em algumas cidades, como Seara, há frequentes racionamentos. Algumas pessoas chegaram a ficar três dias sem água. A situação melhora quando há uma pancada de chuva, o racionamento é suspenso, mas depois de uma semana volta a faltar água.


Perdas já somam R$ 748 milhões

No campo os prejuízos já ultrapassam R$ 748 milhões segundo levantamento do Centro de Socieconomia e Planejamento Agrícola da Epagri. O prejuízo maior, de R$ 372 milhões, é no milho. A safra do cereal teve uma quebra de 23,5%. Há perdas também no feijão, soja, fumo e leite.

A previsão é de que entre hoje e amanhã uma frente fria chegará ao estado trazendo chuva. As informações são de que o fenômeno La Niña, que é o resfriamento das águas do Oceano Pacífico, e que interferem nas chuvas no estado, está perdendo força e deve normalizar em abril. Mesmo que a chuva comece a voltar à média histórica há um déficit nos rios e fontes que ainda vai levar meses para ser recuperado.


121 Municípios em situação de emergência

Abelardo Luz

Agrolândia

Água Doce

Águas de Chapecó

Águas Frias

Alto Bela Vista

Anchieta

Arabutã

Arroio Trinta

Arvoredo

Balneário Gaivota

Bandeirante

Barra Bonita

Belmonte

Bom Jesus

Bom Jesus do Oeste

Caibi

Campo Erê

Campos Novos

Catanduvas

Caxambu do Sul

Celso Ramos

Chapecó

Concórdia

Cordilheira Alta

Coronel Freitas

Coronel Martins

Criciúma

Cunhataí

Cunha Porã

Descanso

Dionísio Cerqueira

Entre Rios

Erval Velho

Faxinal dos Guedes

Formosa do Sul

Flor do Sertão

Galvão

Guaraciaba

Guarujá do Sul

Guatambu

Herval d´Oeste

Ibicaré

Içara

Iomerê

Ipira

Iporã do Oeste

Ipuaçu

Ipumirim

Iraceminha

Irati

Irani

Itá

Itapiranga

Jaborá

Jardinópolis

Joaçaba

Jupiá

Lacerdópolis

Lajeado Grande

Lindóia do Sul

Luzerna

Macieira

Maracajá

Maravilha

Marema

Meleiro

Modelo

Mondaí

Nova Erechim

Nova Itaberaba

Novo Horizonte

Ouro

Ouro Verde

Paial

Palma Sola

Palmitos

Paraíso

Passos Maia

Peritiba

Pinhalzinho

Pinheiro Preto

Piratuba

Planalto Alegre

Ponte Serrada

Presidente Castello Branco

Princesa

Quilombo

Riqueza

Rio das Antas

Romelândia

Saltinho

Salto Veloso

Santa Helena

Santa Terezinha do Progresso

Santa Rosa do Sul

Santiago do Sul

São Bernardino

São Carlos

São Domingos

São João do Oeste

São João do Sul

São José do Cedro

São José do Cerrito

São Lourenço do Oeste

São Miguel da Boa Vista

São Miguel do Oeste

Saudades

Seara

Serra Alta

Sul Brasil

Tangará

Tigrinhos

Treze Tílias

Tunápolis

União do Oeste

Vargeão

Videira

Xanxerê

Xavantina

Xaxim


Lista atualizada em 4 de abril de 2012, pela Defesa Civil.


Comente aqui
18 ago14:14

Hidrelétricas x reprodução dos peixes no Rio Uruguai

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O impacto da construção da Hidrelétrica Foz do Chapecó na reprodução dos peixes é um dos objetivos da pesquisa sobre rotas migratórias dos peixes da Bacia do Rio Uruguai, que está sendo desenvolvido pelo Projeto Piraqué. O projeto do Instituto Goio-Ên, ligado à Universidade Comunitária Regional de Chapecó (Unochapecó), tem o apoio da Foz do Chapecó Energia S.A., como compensação ambiental pela construção da barragem entre Águas de Chapecó e Alpestre-RS.

Com a barragem peixes migradores, como o dourado, que nadam em direção à nascente dos rios para desovar, acabaram por tem um obstáculo à sua reprodução.

- Queremos ver como eles estão se adaptando à essa mudança- disse a engenheira de aqüicultura do Instituto Goio-Ên, Michele Cavalheiro Nunes.

Michele já trabalhou na Usina Hidrelétrica de Machadinho, em Piratuba, onde constatou que ao chegaram na barragem, os peixes procuraram rotas alternativas. Uma delas é o afluente do rio Uruguai, o rio Ligeiro, onde acabam fazendo a reprodução.

Na Foz do Chapecó o objetivo é ver se ocorre o mesmo e assim identificar os pontos de desova.

Para isso estão sendo identificados os peixes. O projeto iniciou há um mês sua segunda etapa. Na primeira etapa, que iniciou em 2008, durante a construção da usina, foram marcados 201 peixes. Os pescadores chamavam os pesquisadores, que implantavam um brinco de plástico de quatro centímetros no animal, com telefone do Instituto. Agora são os próprios pesquisadores que capturam as espécies. A implantação é no opérculo, que é uma placa óssea que cobre a brânquia.

Os pescadores que fornecem informações de onde os peixes foram capturados, o peso e a medida recebem brindes como bonés, camisetas, lanternas e coletes. Com isso os pesquisadores conseguem monitorar o deslocamento e desenvolvimento. Na primeira etapa foi constatado que a reprodução ocorria bem acima da obra, próximo à barragem de Itá, ou abaixo da obra.

Agora a pesquisa que vai avaliar o impacto após a construção. Já foram identificados 10 peixes. E a meta é marcar 600 peixes, das espécies como dourado, suruvi, surubin, piracanjuba, pintado, piava, bocudo e jundiá. De acordo com o assistente técnico em piscicultura do Instututo Goio-Ên, Sidinei Follmann, depois de pesados, medidos e marcados os peixes são devolvidos ao rio, alguns acima da barragem e outros abaixo. Com isso os pesquisadores vão conseguir identificar o comportamento dos peixes tanto no lago, quanto abaixo dele. Tudo para tentar preservar as espécies que durante anos navegavam livremente pelo rio Uruguai e atualmente encontram cada vez mais obstáculos para sua reprodução.

Comente aqui