Homícidios

15 nov15:12

Dois homicídios em menos de sete horas em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Em menos de sete horas dois homicídios foram registrados em Chapecó, entre a noite de quarta-feira e a madrugada desta quinta-feira.

Por volta das 22 horas de quarta-feira, Claiton Ivair Veiga, 19 anos, morreu com três tiros na cabeça. O crime ocorreu na linha São Rafael, interior de Chapecó. Um morador da localidade ligou para a Polícia Militar dizendo que havia ouvido disparos de arma de fogo. Chegando no local, os policiais encontraram indícios de que alguém teria entrado no mato. Eles andaram cerca de 100 metros mata adentro e localizaram o corpo de Claiton.

O segundo homicídio ocorreu por volta das cinco horas da manhã desta quinta-feira na frente de um bar na Avenida Fernando Machado, no Bairro Bela Vista, em Chapecó. André Luiz Machado, 30 anos, foi atingido com um disparo de arma fogo, também na cabeça. Ele foi socorrido pelo Samu e morreu a caminho do Hospital Regional de Chapecó.

Até o começo da tarde ninguém havia sido preso pela Polícia Civil, que investiga os casos. A Polícia acredita que não há relação entre os dois homicídios.



Comente aqui
18 jul09:50

Polícia Militar encontra três corpos, armas e malote bancário em Chapecó

[Atualizado 11h13]

Danilo Duarte | danilo.duarte@diario.com.br

O disparo de vários tiros em uma casa chamou a atenção dos vizinhos na Rua Dom Carlos Eduardo de Mello, no Bairro Presidente Médici, em Chapecó. No interior, a Polícia Militar encontrou três corpos, duas armas, rádios na frequência policial e cerca de R$ 3.200, além de coletes e um malote bancário vazio.

Quando entraram na casa, os policiais encontraram os corpos de Cassiano Fernando Morais, de 27 anos, e Daniela dos Santos Chagas, 24 anos, ambos no chão da sala. Foram achados R$ 692 com o corpo de Cassiano. Também havia 18 cápsulas de pistola 9mm e .40 espalhadas pelo chão, dois revólveres calibre 38 com o total de 10 munições intactas, dois rádios HTS sintonizados na frequência da PM e o malote verde com a logomarca do Sicoob.

Conforme os dados da PM, Cassiano tinha 17 passagens anteriores por furto, tráfico e posse de drogas. Ele estava em liberdade provisória. Esta era a mais recente tentativa de matá-lo, depois de ele ter sido atingido com três tiros, sendo um no abdômem, um na perna e outro no braço, em 26 de fevereiro.

Enquanto a Polícia Civil e os técnicos do Instituto Geral de Perícias (IGP) recolhiam os corpos e realizavam uma perícia preliminar no local quando encontraram um terceiro corpo atrás da cama, em um dos quartos, e dois coletes balísticos.

O homem, identificado nesta quarta-feira como sendo Juliano Francisco Melara, de 25 anos, estava com R$ 2,6 mil no bolso da calça. Ele tinha oito registros de crime, entre eles roubo e furtos. Também havia um mandado de prisão por roubo e extorsão emitido no dia anterior pela Comarca de Xaxim contra ele.

Uma das suspeitas da PM é que o triplo homícidio seja resultado de um acerto de contas entre os três mortos e outros criminosos, uma vez que as armas, o dinheiro e os rádios não foram levados. A Polícia Civil começará a investigar o caso a partir desta quarta-feira.

DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
03 dez22:47

Crimes passionais dominam homicídios em Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br*

O crescimento do número de homicídios em Chapecó é confirmado pelos dados registrados pelas Polícias Civil e Militar. A Polícia Militar registrou 16 homicídios em 2010 e 40 em 2011. Já na Polícia Civil o número pulou de 33 para 50.

Os crimes passionais dominam os registros na Polícia Militar. Dos 40 homicídios, nove são por desentendimento. Outros nove por rixa, acerto de contas, vias de fato ou desavença. E quatro foram por questões amorosas ou ciúmes. Mortes ligadas ao tráfico de drogas foram seis. Cinco foram por assalto e latrocínio.

Para o comandante do 2º Batalhão de Polícia Militar de Chapecó, tenente coronel Benevenuto Chaves Neto, um dos motivos de tantos homicídios é a questão cultural na cidade, de lavar a honra com sangue.

–Infelizmente o pessoal resolve algumas questões na faca ou no tiro- explicou. Isso potencializado pelo uso de bebidas alcoólicas.

O comandante chamou a atenção para uma ocorrência registrada há 10 dias, no bairro Maria Goretti, onde uma família fez festa o dia inteiro e, quando o dono da casa foi dormir e reclamou do som alto, foi degolado pelos cunhados e um adolescente, a golpes de facão.




Casa no Bairro Maria Goretti onde homem foi degolado.


A reportagem foi na casa na sexta-feira e foi informada por vizinhos que a viúva e o filho não moram mais lá.

Outra questão problemática apontada pelo comandante é o baixo efetivo de policiais na cidade. Atualmente Chapecó tem 219 policiais militares para 183 mil habitantes. O tenente-coronel Chaves disse que houve uma reposição de 53 policiais no meio do ano e outros 83 estão em formação para a região. Mas é necessário ampliar ainda mais o efetivo, para dar conta do crescimento da cidade.

Com isso a polícia poderia combater principalmente os homicídios ligados ao tráfico.

O coordenador da Central de Polícia de Chapecó, delegado Fabiano Toniazzo, disse que houve vários homicídios ligados ao tráfico, principalmente no Bairro São Pedro e arredores.

–Somente numa semana foram três homicídios nessa região – explicou.

Ele também considera que os crimes passionais têm grande peso.

–Estão deixando de conversar para sair na bala- avaliou.

A delegada regional Tatiana Klein Samuel disse que já vinha observando o aumento do número de homicídios na cidade e, por isso, solicitou mais um delegado para a Divisão de Investigação Criminal de Chapecó, onde foi criada em novembro a Divisão de Homicídios.

–Com isso teremos um trabalho mais especializado nessa área- explicou. Atualmente esta divisão coordena as investigações do assassinato do vereador Marcelino Chiarello.

O aumento da violência na cidade está assustando os moradores, já que Chapecó sempre foi considerada uma cidade tranqüila. Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas, Gilberto Badalotti, esse aumento da violência é visível. Ele lembrou que os assaltos à estabelecimentos comerciais, que eram raros, agora estão freqüentes.

–A cidade está crescendo e atrai pessoas boas e pessoas ruins- disse Badalotti.


*Colaborou Juliano Zanotelli



1 comentário
08 ago09:16

Três homens são mortos em menos de 24 horas em Chapecó neste fim de semana

Suspeitos dos homicídios não foram identificados

Três pessoas foram mortas em menos de 24 horas em Chapecó neste fim de semana. Na madrugada deste domingo, Edson Rodrigues, 26 anos, foi encontrado morto com dois tiros na rua Marechal Deodoro da Fonseca, no bairro Maria Goretti. A vítima teria sido abordada por três suspeitos por volta das 3h, mas eles não foram identificados.

Sábado, por volta das 18h30min, um homem foi esfaqueado durante uma briga de bar, na rua Gregório de Matos, no distrito de Marechal Bormann. Ademir dos Santos, de 36 anos, foi golpeado no peito e nas costas após um desentendimento em um jogo de cartas. As testemunhas teriam dito a Polícia Militar que o suspeito seria o cunhado da vítima. O homem não foi encontrado.

Anderson Antônio Cordeiro, 25 anos, levou um tiro durante uma briga no bairro Engenho Braunn, por volta das 4h de sábado. A vítima morreu a caminho do hospital. O autor do disparo não tinha sido identificado até a tarde deste domingo.

DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui