Infraestrutura

10 dez09:00

Alunos reclamam das condições do prédio da Udesc em Pinhalzinho

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Em meio a uma lavoura de soja desponta o prédio do curso de Engenharia de Alimentos da Udesc, em Pinhalzinho. A proximidade com o campo até seria boa, para estar próximo das matérias-primas, não fossem os transtornos que os alunos enfrentam para estudar na unidade. O prédio inaugurado em 2005 está com mofo tanto na parte externa, quanto na parte interna. A pintura está descascando. As paredes e até o teto apresentam rachaduras e, quando chove, tem professor dando aula com as goteiras pingando na cabeça.

Além disso, na semana passada houve até queda de energia, o que obrigou alguns alunos a concluírem provas com o auxílio de uma lanterna.

– O nosso prédio é esquecido pelo governo, que nos deixa estudar num prédio sem a mínima estrutura necessária – reclamou por email a estudante Shalu Posanske Corrêa.

Outro problema é o acesso e o isolamento do curso, que fica a três quilômetros do centro da cidade. Para quem mora numa cidade maior pode até parecer pouco. Mas para uma cidade de 16 mil habitantes, que não tem ônibus coletivo, é muito. Os alunos tiveram que contratar transporte. Inicialmente não tinha nem cantina para os alunos fazerem lanche, o que foi resolvido recentemente.

Além disso não há um trevo de acesso ao campus na BR 282, o que tem provocado acidentes e até mortes, segundo os alunos.

Os problemas da Udesc em Pinhalzinho geraram até uma reunião entre alunos e coordenação de curso, na quinta-feira passada. Muitos alunos também reclamam dos problemas de infraestrutura mas evitam comentar por temer que seja cancelado uma das principais reivindicações deles, que é a instalação de usinas, que são mini-indústrias, para as aulas práticas.

Todos os alunos ouvidos ressaltam que a parte teórica do curso é muito boa e que os professores são de qualidade. Inclusive há casos de alunos que foram direto da graduação para o doutorado, na Unisersidade de São Paulo, e vários alunos que passaram no mestrado, na Universidade Federal de Santa Catarina. Isso mesmo com uma infraestrutura que deixa a desejar.

A má qualidade do prédio da Udesc em Pinhalzinho gerou até uma Ação Civil Pública, proposta pelo Ministério Público, em 2009. A Promotoria de Justiça de Pinhalzinho sustenta que fez uma perícia que constatou a não aplicação de R$ 53,8 mil dos R$ 817 mil pagos pelos governos municipal e estadual. Onze pessoas, entre proprietários da construtora responsável, administradores da época e responsáveis pela fiscalização, estão sob suspeita. Houve até bloqueio judicial de bens. O prazo de defesa já encerrou e o processo deve ser julgado no próximo ano.


O que diz a Udesc

O chefe do Departamento de Engenharia de Alimentos da Udesc, Gilmar de Almeida Gomes, reconheceu que a unidade apresenta problemas desde a sua instalação, mas que o curso vem tendo bom desempenho mesmo com essas dificuldades. Ele informou na próxima quarta-feira será assinado um contrato de locação de um prédio e equipamentos para a montagem da usinas. Estão previstas usinas de suco, leite, carne e cereais. Há também um projeto de construção de mais um prédio próprio, com 4,6 mil metros quadrados, para a instalação das usinas e laboratórios, orçado em R$ 5 milhões. Ele disse que a burocracia muitas vezes atrasa algumas ações, mas que ela é necessária para o controle do dinheiro público.

A diretora do Centro de Educação Superior do Oeste, Renata Mendonça Rodrigues, disse que Udesc enfrentou neste ano um problema financeiro, mas que está em processo de licitação a reforma do prédio. Além disso, por estar em ação judicial, a reforma precisa de autorização judicial.

Há também a previsão de criação de um laboratório de análise de leite, credenciado pelo Ministério da Agricultura, para atender a região.

Renata reconheceu que o campus de Pinhalzinho é isolado mas que há espaço para a ampliação de prédios e cursos, o que deve ser feito. Ela espera iniciar o novo prédio das usinas para as aulas práticas e o laboratório de leite até 2016. A área é de 3,5 hectares, o equivalente a quatro campos de futebol.


O que diz o Dnit

De acordo com a assessoria de imprensa do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, o acesso ao campus de Pinhalzinho, na BR 282, está previsto no pacote de obras de R$ 700 milhões do projeto Crema II, que vai restaurar 1,2 mil quilômetros em Santa Catarina, fazer 33 quilômetros de terceiras faixas e implantar 33 interseções, uma delas a da Udesc, em Pinhalzinho. A obra já foi licitada e a ordem de serviço deve ser assinada até o dia 20 de dezembro.


Udesc no Oeste

Alunos: 803

Cursos: Zootecnia (Chapecó), Enfermagem (iniciou em Palmitos e, a partir de 2013, será totalmente em Chapecó), Engenharia de Alimentos (Pinhalzinho) e Tecnologia em Produção Moveleira (Palmitos)



Comente aqui
01 ago11:44

Obras do acesso à BR 282 serão reiniciadas

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O secretário de Infraestrutura de SC, Valdir Cobalchini, anunciou nesta manhã em Chapecó o reinício das obras de duplicação da BR 480, conhecido como Acesso Plínio Arlindo de Nes, que faz ligação com a BR 282. A obra ficou parada uma semana para alguns reajustes como readequação de redes de água, telefonia e energia, além das desapropriações.

– Como não podemos interromper o fluxo de veículos para resolver essas questões tivemos que fazer alguns ajustes – disse.

Nesta quarta-feira funcionários da empresa vencedora do edital devem voltar ao trabalho no viaduto, localizado no trevo da BR 282. Já as obras na duplicação iniciam na próxima semana. Cobalchini disse ainda que o pagamento, por parte do Governo do Estado,da empresa vencedora do edital está em dia e que as obras devem ser concluídas em 2013.



O secretário de Infraestrutura de SC, Valdir Cobalchini e o secretário da SDR de Chapecó Eldimar Jagnow.



- Não estamos com nenhum atraso – disse o secretário.

Na coletiva de imprensa o secretário falou também sobre o Pacto por SC que irá revitalizar duas rodovias do Oeste. Na SC 283, que liga Chapecó à Águas de Chapecó, devem ser investidos R$ 6 milhões na revitalização de 40 quilômetros, já na SC 480, rodovia que liga Chapecó com o Rio Grande do Sul, vão ser investidos R$ 29 milhões na restauração completa da pista de 20 quilômetros.

- As obras devem iniciar ainda neste ano após o edital apontar a empresa vencedora da licitação – disse o secretário. Cobalchini disse que a revitalização na SC 480 deve ser concluída em 2014, já as obras na SC 283, ainda em 2013.


Comente aqui
15 mai16:50

Inquérito do homicídio do Gerente de Infraestrutura da SDR de Dionísio Cerqueira é concluído

A Polícia Civil, através da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de São Miguel do Oeste, concluiu Inquérito Policial instaurado para apuração de fraudes em licitações e liberação irregular de Verbas Públicas na Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) de Dionísio Cerqueira.

As investigações iniciaram após a morte do secretário de infraestrutura da SDR de Dionísio Cerqueira, Dalmar Libardoni, ocorrida em 20 de novembro de 2011.

Segundo o Delegado Coordenador da DIC, Albert Silveira, ao investigar os motivos do crime os policiais constataram diversos indícios de irregularidades em licitações públicas e liberação de valores dos cofres públicos do Estado, por meio da SDR de Dionísio Cerqueira.

No início de 2012, os Policiais Civis cumpriram Ordens Judiciais de busca e apreensão no interior daquela Secretaria e em empresas que prestavam serviços por meio de contratos públicos. Na ocasião diversos documentos físicos e virtuais foram apreendidos e analisados.

– Durante as investigações os policiais verificaram que houve a inclusão de dados falsos junto ao Sistema de Controle de Obras no Estado de Santa Catarina, o SICOP/SC, gerando a liberação indevida de verbas públicas em, no mínimo, quatro Obras. No período de inserção dos dados, ocorreram pagamentos relacionados a construções e serviços que não haviam sido realizados. – disse o delegado.

>> Homicídio de gerente em Dionísio Cerqueira tem dois suspeitos

>> Estão presos suspeitos de homicídio em Dionísio Cerqueira

>> Homem que matou gerente da SDR alega pedido de propina

Os policiais também comprovaram o desvio de verbas, no valor de R$ 36.400,00 em uma das licitações. – Em relação a este desvio, um empresário de Dionísio Cerqueira foi indiciado por Falsidade Ideológica e Fraude em licitação. O indiciado confessou a participação nos crimes – disse o delegado.

Foram ouvidos os servidores da Secretaria de Desenvolvimento Regional e diversos empresários. De acordo com o delegado alguns atribuíram as irregularidades apuradas ao secretário de infraestrutura Dalmar Libardoni, pois as licitações e contratos relacionados às irregularidades eram do setor que ele gerenciava.

- Ainda que nada justifique um crime de homicídio, estas irregularidades teriam relação com os motivos do homicídio comedido por Mário Duarte no interior da SDR, vitimando o secretário – disse o delegado.

O inquérito foi encaminhado ao Poder Judiciário de Dionísio Cerqueira e passará pela apreciação do Ministério Público.



Comente aqui
08 mai07:53

Aeroporto de Chapecó terá novo terminal

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Além da reforma da pista, que está em andamento, o aeroporto Serafim Enoss Bertaso, de Chapecó, deverá receber um novo terminal de passageiros. Em audiência pública sobre o aeroporto realizada ontem no Hotel Lang, o prefeito José Cláudio Caramori e o secretário de Infraestrutura do Estado, Valdir Cobalchini, anunciaram que o Governo do Estado vai priorizar investimentos na melhoria do aeroporto, com recursos da compensação pelas perdas da Resolução 72, que unifica em 4% a alíquota de Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços em Produtos Importados.

Caramori disse que a obra vai custar cerca de R$ 80 milhões. Cobalchini afirmou que investimentos de R$ 44 milhões já estavam previstos mesmo antes da compensação do ICMS. A previsão é de ainda em 2012 assinar os convênios entre o Estado, Prefeitura e Governo Federal, para dar início ao processo licitatório.

O projeto, elaborado pela Prosul, já está com os governos do Estado e Federal. De acordo com o engenheiro civil Robson Sebastiany, o projeto prevê pátio para seis aeronaves de grande porte, 12 hangares particulares, terminal de passageiros de 2,5 mil metros quadrados e capacidade para 503 passageiros/hora, terminal de cargas de mil metros quadrados, aumento da pista de 2.563 metros para 2.940 metros, pista de taxiamento de 1.500, torre de controle, dois conectores ligando o avião ao terminal e estacionamento para 250 carros.

Sebastiany disse que o novo aeroporto poderá receber até Boeing 767 300, com capacidade para 320 passageiros. Antes da interdição, o aeroporto recebia aviões até 142 lugares.

A construção de um novo terminal é uma das exigências da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O diretor de operações da Anac, Carlos Eduardo Pellegrino, que esteve ontem na audiência pública, disse que, para a ampliação de voos em Chapecó é necessário adequações em seguranças e a retirada de obstáculos numa área de 150 metros da pista.

Atualmente essa recomendação não é cumprida. Pellegrino disse que a reforma da pista, que está em andamento, vai permitir a retomada dos voos, suspensos completamente desde que dia 21 de abril, na mesma situação anterior a primeiro de março, quando houve uma interdição parcial, restringindo operações a aeronaves com menos de 72 passageiros. O Governo do Estado investiu R$ 9 milhões e a Prefeitura mais R$ 2 milhões para a reforma, que deve ser concluída até 5 de julho.

Após o término da obra a Anac ainda precisa aprovar a reforma. Mas, segundo o diretor, isso é rápido.

A deputada estadual Luciane Carminatti (PT), uma das proponentes da audiência, disse que ficou claro a necessidade da interdição em virtude das más condições da pista do aeroporto. Ela destacou a necessidade de uma gestão mais profissional do aeroporto, que é administrado pelo município. De 2010 para 2011 o movimento aumentou 26%, passando de 198 mil passageiros para 250 mil. Antes da interdição eram oito voos diários.


1 comentário
12 abr15:49

Parque da Femi em obras

A Comissão de Infraestrutura da 16ª Festa Estadual do Milho – Femi 2012 já está trabalhando nos últimos detalhes. Durante o período de melhorias, foram realizados serviços na tubulação, que foi trocada, além de limpezas em toda a extensão do Parque de Exposições Rovilho Bortoluzzi. A feira acontece de 28 de abril a 6 de maio em Xanxerê.

Os espaços onde vão ficar o gado, o rodeio, o leilão, o parque de diversões e estacionamento interno já estão prontos. Nos próximos dias serão colocadas placas indicativas no estacionamento para facilitar o tráfego de veículos. Uma nova rua foi aberta nas proximidades do milhão para facilitar a circulação dos visitantes.

Toda a parte elétrica também recebeu melhorias através da instalação de novos transformadores e aumento de potência para atender a demanda dos expositores que sempre trazem novidades para a feira.

A Comissão Central Organizadora da Femi também se preocupou com a instalação de geradores que estarão disponíveis durante a feira. – Caso houver algum problema com energia elétrica no município, o Parque de Exposições Rovilho Bortoluzzi estará assistido com geradores – comenta Gilso Cherobin, Coordenador da Comissão de Infraestrutura.

Serão quatro geradores, sendo dois para o local dos shows e outros dois para o restante do parque de exposições.

Na última edição da Festa Estadual do Milho, os banheiros foram reformados. Agora a comissão revisou todos os banheiros, realizou a pintura externa onde houve necessidade e também já iniciou o trabalho de limpeza. Além da estrutura que já existe, serão dispostos em pontos estratégicos banheiros e chuveiros ecológicos.


Comente aqui
21 dez15:32

Homicídio de gerente em Dionísio Cerqueira tem dois suspeitos

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Duas pessoas são suspeitas do homicídio do gerente de infraestrutura da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira, Dalmar Libardoni, ocorrida no final da tarde de terça-feira. Uma delas foi identificada tanto pelos funcionários da secretaria, quanto pelas câmaras de segurança. Trata-se de Mário Duarte, um dos proprietários da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA, responsável pela construção da Escola Estadual Irineu Bornhausen, que deveria estar sendo concluída.

A outra pessoa que acompanhava Duarte ainda não foi identificada. O diretor geral da secretaria, Sedi Zanella, estava na sala com Libardoni quando chegaram os dois homens. Zanella disse que terminou o assunto e caminhou cerca de 20 metros em direção à cozinha, onde iria tomar água, quando ouviu os disparos.

– Não deu um minuto- explicou. Aí começou uma gritaria na repartição, onde estavam 20 pessoas. Um funcionário foi na janela e gritou para chamarem a polícia.

>> Secretário de Dionísio Cerqueira recebe escolta da PM

O funcionário de uma loja que fica em frente à secretaria disse que ouviu os estampidos do tiro e, em seguida, viu um senhor correndo em direção a uma Strada de cor prata. –Tinha um adesivo da construtora- afirmou.

A Polícia Civil segue as investigações e tenta localizar os suspeitos.


3 comentários
21 dez09:44

Secretário de Dionísio Cerqueira recebe escolta da PM

[atualizado 10h24]

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br*

O secretário de desenvolvimento regional de Dionísio Cerqueira Flávio Berté está recebendo escolta da Polícia Militar após a morte do gerente de infraestrutura Dalmar Libardoni, 51 anos, ocorrida no final da tarde da terça-feira quando dois homens entraram  no prédio da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira e pediram pela sala do gerente. A Polícia não tem certeza de quem fez os disparos.

O velório está sendo realizado na Câmara de Vereadores da cidade e o enterro está previsto para as 16h desta quarta-feira no cemitério municipal.

Cerca de 30 pessoas estavam no local e fugiram quando ouviram os tiros. O prédio foi interditado pela Polícia para a realização da perícia. De acordo com informações levantadas pela Polícia Militar e Polícia Civil o suspeito dos disparos pode ser Mario Duarte, da família proprietária da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA. A empresa era a responsável pela construção da nova unidade da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen.

De acordo com o comandante da 2ª Companhia da Polícia Militar de Dionísio Cerqueira, tenente coronel José Leopoldo Alves de Moura, o secretário de desenvolvimento regional Flávio Berté já havia registrado um boletim de ocorrência, há cerca de dois meses, por ter recebido ameaças da mesma pessoa suspeita de ter matado o engenheiro civil. Ele não quis comentar sobre o crime.

No momento dos disparos o secretário não estava no local. Moura disse que a vítima era os “olhos técnicos” do secretário na obra.

Foram mobilizados policiais militares e civis da região, a Força Nacional e até a Gerdameria Argentina para controlar os acessos e tentar localizar o suspeito, o que não aconteceu até a manhã desta quarta-feira. O delegado Claudir Stang informou que está ouvindo as testemunhas do caso para tentar esclarecer o crime.

No final da tarde da terça-feira o Governador Raimundo Colombo enviou nota lamentando a morte do secretário. – A trágica morte do servidor, Dalmar Libardoni, no exercício da função, enluta a todos que acreditam no trabalho exercido com espírito de missão. À família minha solidariedade e meu compromisso de fazer com que esta tragédia não reste impune – disse.


Obra em escola teria motivado o crime

As suspeitas da Polícia é que as obras de construção da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen, que está sendo executada no bairro Três Fronteiras, em Dionísio Cerqueira, foram o estopim para o crime. A vítima era fiscal da obra.

A escola com dois pavimentos tem 16 salas de aula, laboratório de informática, laboratório de ciências, sala de artes, cozinha, banheiros 3,3 mil metros de área construída e custo estimado em R$ 2,5 milhões. A construção iniciou há cerca de dois anos e a previsão de conclusão era prevista para o final deste ano. A obra chegou a ficar paralisada por alguns meses. O secretário de Desenvolvimento Regional, Flávio Berté, estava descontente com andamento dos trabalhos realizados pela empreiteira.


* Colaborou Juliano Zanotelli




Comente aqui
21 dez00:02

Gerente de infraestrutura é morto dentro da secretaria

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Um homem armado de revólver entrou no final da tarde da terça-feira no prédio da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira e matou a tiros o gerente de infraestrutura, Dalmar Libardoni, 51 anos.

Cerca de 30 pessoas estavam no local e fugiram quando ouviram os tiros. O prédio foi interditado pela Polícia para a realização da perícia. De acordo com informações levantadas pela Polícia Militar e Polícia Civil o suspeito dos disparos é Mario Duarte, da família proprietária da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA. A empresa era a responsável pela construção da nova unidade da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen.

De acordo com o comandante da 2ª Companhia da Polícia Militar de Dionísio Cerqueira, tenente coronel José Leopoldo Alves de Moura, o secretário de desenvolvimento regional Flávio Berté já havia registrado um boletim de ocorrência, há cerca de dois meses, por ter recebido ameaças da mesma pessoa suspeita de ter matado o engenheiro civil. Ele não quis comentar sobre o crime.

No momento dos disparos o secretário não estava no local. Moura disse que a vítima era os “olhos técnicos” do secretário na obra.

Foram mobilizados policiais militares e civis da região, a Força Nacional e até a Gerdameria Argentina para controlar os acessos e tentar localizar o suspeito, o que não tinha acontecido até o início da noite de terça. O delegado Claudir Stang informou que está ouvindo as testemunhas do caso para tentar esclarecer o crime.


Obra em escola teria motivado o crime

As suspeitas da Polícia é que as obras de construção da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen, que está sendo executada no bairro Três Fronteiras, em Dionísio Cerqueira, foram o estopim para o crime. A vítima era fiscal da obra.

A escola com dois pavimentos tem 16 salas de aula, laboratório de informática, laboratório de ciências, sala de artes, cozinha, banheiros 3,3 mil metros de área construída e custo estimado em R$ 2,5 milhões. A construção iniciou há cerca de dois anos e a previsão de conclusão era prevista para o final deste ano. A obra chegou a ficar paralisada por alguns meses. O secretário de Desenvolvimento Regional, Flávio Berté, estava descontente com andamento dos trabalhos realizados pela empreiteira.

Comente aqui
16 nov11:29

9º Fórum da Sociedade Amigos de Chapecó

O Fórum programado para a quinta-feira, 17, no auditório da Amosc, a partir das 8h, vai tratar sobre “Espaço e infra-estrutura e estratégias de desenvolvimento sustentável para Chapecó e região”. Esse é o nono fórum dos 10 programados, dentro do projeto Chapecó 2030.

Representantes de entidades ligadas ao setor estão convidados a participarem do debate. A discussão terá como princípio a palestra ministrada pela coordenadora do projeto Florianópolis 2030, Anita Pires.

Ao todo, 10 fóruns devem discutir até o final de 2011 as demandas, dificuldades, potencialidades e alternativas para a Chapecó do futuro, dentro de cada setor.


Comente aqui