Japão

28 ago08:44

Carne suína de SC recebe sinal verde para exportação ao Japão

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Santa Catarina deve iniciar ainda em 2012 os embarques de carne suína para o Japão, principal importador mundial, que já chegou a comprar 1,3 milhão de toneladas do produto em um ano, e mercado cobiçado pelo Estado há pelo menos duas décadas.

Nesta segunda-feira, dia 27, às 8h, o governador Raimundo Colombo recebeu a ligação do embaixador do Brasil no Japão, Marcos Bezerra Galvão, informando que o Estado tinha sido avaliado positivamente na reunião da Comissão de Avaliação de Risco de Sanidade Animal, do Ministério da Agricultura, Pesca e Florestas do Japão.

Colombo esteve em setembro de 2011 em missão no Japão para estreitar os laços. Os japoneses também visitaram SC no ano passado, onde conferiram unidades da Aurora, BRF Brasil Foods, Marfrig, Pamplona e Sul Valle. A expectativa é que essas plantas sejam habilitadas para venda ainda neste ano.

— Nossa expectativa é para outubro. Isso muda tudo. SC passa a ter um mercado estável e que remunera melhor — avalia o governador.

O secretário da Agricultura, João Rodrigues, também prevê agilidade na liberação. E considera que a notícia é a redenção da suinocultura catarinense, que vem enfrentando forte crise principalmente pelo aumento de custos.

O presidente da Companhia Integrada para o Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri, destacou que a conquista é resultado de um trabalho de quase 30 anos de produtores, indústrias e governo do Estado. SC conquistou, em 2007, o Certificado de Zona Livre de Aftosa Sem Vacinação. Ele acredita que a presença das indústrias catarinenses na venda de frango vai facilitar os contatos.

— Nossa expectativa é de vender 130 mil toneladas de carne no primeiro ano e, depois, chegar a 30% a 40% (do mercado japonês) — disse Barbieri.

Para ele, a notícia vai representar a retomada de investimentos em SC. Barbieri afirmou que neste ano houve um aumento de produção de 50 mil toneladas em SC, já com a expectativa de vendas para o Japão, e que isso acabou contribuindo para a crise. Só a unidade da BRF Brasil Foods em Campos Novos, inaugurada no ano passado, tem capacidade para abate de 7,2 mil suínos por dia.

— Nossa perspectiva é dobrar as exportações catarinenses a partir de 2013 — projetou a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti.

O diretor de agropecuária da Aurora Alimentos, Marcos Zordan, afirmou que a unidade de Chapecó situada na saída para Guatambu e a planta de São Miguel do Oeste foram visitadas pelos japoneses e poderiam exportar. Zordan informou ainda que estão sendo investidos R$ 45 milhões na unidade de Joaçaba, com capacidade de 1,5 mil suínos/dia, com foco na exportação. Empresários japoneses que compram de empresas de SC já vinham sondando sobre a abertura do mercado.

O presidente do Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados de SC, Cléver Pirola Ávila, comparou a aprovação japonesa à conquista de um troféu. Mas ele é mais cauteloso nas avaliações. Ele ressaltou que ainda é necessário redigir um documento que é o Certificado Sanitário Internacional, que vai definir as regras para a compra. Os suínos terão que ser nascidos em SC e a ração precisa ser livre de ractopamina, aditivo que aumenta a produtividade.

Ávila prevê investimentos no aumento da capacidade de produção das unidades em SC. Mas avalia que neste ano apenas alguns embarques serão efetivados, pois as indústrias terão que se adaptar aos cortes exigidos pelos japoneses.

O vice-presidente de relações institucionais da Marfrig, João Sampaio, disse que a notícia é muito boa mas também é cedo para falar em números.

— Nós vamos ter que disputar em preço com outros mercados que já fornecem para o Japão — pondera.

Ele considera que SC já tem uma estrutura capaz de atender a demanda do Japão. Para Zordan, há opção de trocar mercados que remuneram menos pelo Japão, tanto internamente como externamente. Ele projeta que é possível um aumento de preço da carne para o consumidor. Ela deve subir 5% em breve, não em função da abertura dos japoneses, mas pelo aumento do custo de produção.

O presidente da Associação Catarinense dos Criadores de Suínos, Losivânio de Lorenzi, disse que a notícia é boa mas prefere aguardar os primeiros embarques para comentar a respeito.

— Outra vezes já ocorreram anúncios que acabaram não se confirmando — destacou.

Ele lembra que o setor ainda enfrenta o alto custo de produção e a falta de milho, que não foi resolvida pelo governo federal.

— Até agora atenderam apenas 10% do necessário — calculou.

Antes de vender para o Japão, o setor precisa receber milho do Centro-Oeste.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
27 ago13:38

Exportação de carne suína para o Japão deve iniciar ainda em 2012

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

As vendas de carne suína para o Japão devem iniciar ainda em 2012. A expectativa é do secretário de Agricultura do Estado, João Rodrigues, e do presidente da Companhia Integrada para o Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri.

O governador do Estado, Raimundo Colombo, recebeu informação da embaixada do Japão no Brasil, de que foi concluída a avaliação de risco sanitário e ela foi favorável a Santa Catarina. No ano passado uma missão japonesa esteve no estado avaliando frigoríficos da Aurora, Marfrig, Pamplona, BR Foods, Sul Vale.

João Rodrigues acredita que Santa Catarina pode abocanhar parte da fatia que os Estados Unidos vendem para os japoneses. Barbieri afirmou que há 30 anos essa venda é aguardada. Na opinião do presidente da Cidasc, a proximidade dos japoneses com as indústrias de Santa Catarina, que já exportam carne de frango há três décadas, facilitará o embarque de suínos.

- Já existe uma relação de confiança – afirmou Barbieri.

O Japão é o maior importador mundial de carne suína, comprando em média 1,2 milhão a 1,3 milhão de toneladas por ano. Barbieri estima que Santa Catarina poderá vender 130 a 140 mil toneladas para o Japão nos primeiros 12 meses. É quase o volume total que Santa Catarina exportou no ano passado, que foi de 153 mil toneladas no ano passado, num volume de US$ 452 milhões.

O próximo passo é negociar um Certificado Sanitário Internacional que vai garantir o cumprimento dos requisitos sanitários. Enquanto isso as empresas já devem começar a negociar as vendas.



Comente aqui
13 jun09:38

Santa Catarina a dois passos de abrir o mercado do Japão para carne suína

Janaína Cavalli | janaina.cavalli@diario.com.br

Na fila há 30 anos, Santa Catarina está muito perto de entrar no maior mercado importador de carne suína do mundo.

O Ministério da Agricultura do Japão aprovou, esta semana, a compra do produto catarinense. Faltam apenas duas etapas para um acordo oficial, mas o setor está otimista e acredita que fará os primeiros embarques dentro de dois meses.

Enori Barbieri, presidente da Cidasc, órgão de estímulo à agroindústria do Estado, projeta exportações de 10 mil toneladas e um incremento de US$ 50 milhões em faturamento mensal.

Uma boa medida do impacto da entrada no mercado japonês está nos números da carne suína catarinense no primeiro quadrimestre: a média mensal de embarques foi de 14,9 mil toneladas e o faturamento girou em torno de US$ 39 milhões.

A agroindústria local ainda contaria com uma vantagem logística, já que 90% frango consumido no país asiático é produzido em SC.

— A participação de mercado que alcançamos com o frango no Japão nos dará credibilidade para o aumento das vendas da carne suína.

Barbieri acredita que o Estado poderia conquistar 10% do mercado japonês de imediato. Mas, em uma década, poderia chegar aos patamares da carnde de frango. O país asiático tem um consumidor exigente, com demanda por cortes nobres e caros. Além disso, seu mercado é gigante também em volume. Apenas este ano, deve importar em torno de 1,3 milhão de toneladas.

Esta virada poderia mudar o rumo da suinocultura catarinense, que enfrenta uma crise. O baixo preço do suíno, aliado à alta de matérias-primas, traz prejuízos aos produtores. E, desde fevereiro, a Argentina, quinto maior mercado global para SC, impôs barreiras à carne do Estado. O país vizinho comprava 3 mil toneladas mensais. Hoje, praticamente não importa mais nada.

Mário Lanznaster, presidente da Cooperativa Aurora, segunda maior produtora do Brasil, diz que o setor está no fundo do poço. A principal razão é o preço dos insumos.

— Vínhamos pagando muito caro pelo milho e, agora, o quilo do farelo de soja subiu de R$ 0,60 para R$ 1. É impraticável — disse.

Lanznaster enxerga a abertura do mercado japonês como uma grande notícia para a suinocultura catarinense também porque os países asiáticos costumam ser cautelosos e demorados em relação à exportação de carne. Na sua análise, o Japão abrirá as portas de outros mercados do continente, como a Coreia do Sul. De imediato, a Aurora espera exportar 300 toneladas por mês para o Japão.

A liberação da carne catarinense ainda depende do sinal verde de uma comissão de risco, que regulamentará o acordo, e uma audiência pública.

Comente aqui
13 nov11:00

Expectativa na suinocultura

A expectativa da abertura de novos mercados para a carne suína, como Japão e Coreia do Sul, além do início dos embarques à China ainda neste mês pode trazer um ânimo para as exportações, em volume, da proteína em 2012.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Pedro de Camargo Neto, ainda não arrisca uma quantidade de carne suína a ser exportada no ano que vem, mas prevê a retomada dos níveis históricos, que eram por volta de 600 mil toneladas/ano.

- Acredito que Japão e Coreia do Sul vão autorizar os embarques de Santa Catarina no ano que vem. O volume a ser acrescentado será relevante, mas será um processo gradual. Talvez no primeiro ano consigamos um aumento de 100 mil toneladas – afirmou o executivo em entrevista à Agência Estado. Para ele, Japão é um dos maiores mercados importadores da proteína e a China, para onde os embarques brasileiros começarão nos próximos dias, é o segundo maior e tem potencial de ultrapassar o Japão no ranking mundial.

No final de outubro, uma comitiva do Estado de Santa Catarina, com a presença do governador Raimundo Colombo (PSD) visitou o Japão e a Coreia do Sul para estreitar o relacionamento e tentar agilizar o processo de abertura dos mercados à proteína do Estado.

- Foi uma visita política importante e a presença do governador deu mais força às negociações, o que é fundamental. Ainda há trâmites técnicos a serem resolvido com os dois países, o que é de praxe. A Coreia ficou de dar uma resposta até o dia 10. Estamos otimistas – comentou Camargo Neto.


Rússia

O presidente da Abipecs afirmou que mesmo com o embargo russo que já dura cerca de cinco meses, as vendas para outros países como Hong Kong e Ucrânia começam a compensar as perdas com a interrupção dos embarques ao país.

- Por conta do embargo russo vamos ter uma queda em volume em 2011, ficando abaixo das 540,417 mil toneladas exportadas no ano passado. Mas o comércio com esses outros países está fazendo com que possamos manter o volume mensal, o que é um indicativo de que estamos deixando de ser dependentes da Rússia – explica Camargo Neto.

Para ele, a vinda de técnicos russos ao Brasil no fim do mês pode ajudar o Brasil a reverter o embargo. Essa independência com o mercado russo também será sentida nas vendas de final de ano.

- Normalmente, entre novembro e dezembro registrávamos uma queda significativa nas exportações, já que as vendas à Rússia eram mínimas devido ao congelamento dos portos. Esse ano, com a diversificação de mercados, poderá ser diferente e as vendas deverão ficar estáveis ante os meses anteriores – disse Camargo Neto.


Agência Estado


Comente aqui
02 set11:42

Decorare aberta para visitação

Nesta sexta-feira foi aberta em Chapecó a Decorare 2011 – World Tour, uma viagem pelo Mundo. A mostra de arquitetura, decoração, design e paisagismo leva os visitantes para um passeio pela cultura de diferentes países. Ela pode ser visitada de terça a domingo, das 16h às 22h.


Os 34 profissionais , entre arquitetos, decoradores, engenheiros, artistas plásticos, designers de interiores e marchand, mostram, até o dia 16 de outubro, 21 ambientes inspirados na cultura e vida de um determinado país, cidade ou região.


Cozinha Japão


Idealizada pela arquiteta Ana Luiza Moretto o ambiente traz a praticidade e a beleza oriental, levando os visitantes para uma verdadeira viagem pela cultura nipônica.

A profissional criou um ambiente equilibrando funcionalidade e integração, aspectos predominantes do país, mas com a realidade das cozinhas brasileiras.


De acordo com Ana, foram utilizados móveis da Marel, em dois tons diferentes de vermelho. As gavetas da bancada, aproveitada nos dois lados, possui puxadores que se estendem por todo o móvel, tendência internacional e bastante característica da arquitetura de interiores japonesa. Já os armários e nichos brancos, levam uma leve estampa floral. A profissional utilizou ainda armários em vidro.


Decorare 2011


Instalada no Edifício Soprana, na esquina da Avenida Getúlio Vargas com o Calçadão, ficará aberta de terça a domingo, das 16h às 22h. O passaporte para visitar a mostra custa R$ 30 e só podeá ser adquirido no local do evento.


Os visitantes da mostra concorrem ao sorteio de uma viagem para Nova York. Os expositores, igualmente, concorrerão a uma viagem, a partir da indicação do melhor ambiente, por voto pelos visitantes. Estudantes pagam meio ingresso, mas não concorre ao sorteio da viagem para Nova York.


Comente aqui