Latrocínio

11 set11:22

Adolescente de 17 anos assume autoria de latrocínio em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Um adolescente de 17 anos assumiu em depoimento para a Polícia Civil de Chapecó que matou o travesti Jacson Souza Neves, 29 anos. O crime foi no dia 13 de abril de 2012, mas o corpo de Jacson só foi encontrado no dia 19 de abril em estado de putrefação. O adolescente foi encaminhado para o Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep) de Chapecó onde cumprirá internação por 45 dias até que a Justiça determine a medida socieducativa.

Segundo o delegado da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Chapecó, Ronaldo Moretto, o adolescente disse no depoimento que cometeu o crime em co-autoria com um homem de 19 anos.

- Ele disse que ficaria com o veículo e o maior com um notebook, duas malas com material e dinheiro da vítima – disse Moretto.

A Polícia sabe quem é o co-autor e encaminhou o nome dele para conhecimento do Poder Judiciário.

Jacson foi levado até um motel em Chapecó e de acordo com a Polícia morreu estrangulado com uma corda na garagem do estabelecimento.O corpo estava abandonado na localidade de Água Amarela, interior de Chapecó.


Comente aqui
01 jan17:57

Latrocínio em Xaxim

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br 

Até o início da noite de domingo as Polícias Civil e Militar seguiam na investigação e busca dos três homens que praticaram um latrocínio na madrugada de sábado, em Xaxim.

Por volta das 2 horas três homens entraram na residência de Valdir Knoener, 56 anos, e anunciaram o assalto para o filho e dois amigos que jogavam videogame na sala. Knoener, que estava no quarto com a mulher, pegou uma raquete e investiu contra os assaltantes. Nisso levou um tiro de arma de fogo, no peito, e morreu no local. Ele foi enterrado na tarde de sábado, no cemitério municipal de Xaxim.

Comente aqui
15 set17:53

Terceiro envolvido em latrocínio é preso

O terceiro envolvido no latrocínio na Linha Marcon está no Presídio Regional de Chapecó.

Volmir Barbosa, 35 anos foi preso pela Brigada Militar de Erechim, na noite desta quarta-feira. Ele procurou auxílio médico.

Nesta tarde o delegado da Polícia Civil de Chapecó, Augusto Melo Brandão foi até a cidade gaúcha buscar o indígena. Após depoimento ele foi encaminhado para o Presídio.

Ele e mais três homens participaram do assalto a casa que resultou na morte de Ana Leia Willenbring.


Comente aqui
15 set10:51

Preso indígena envolvido em latrocínio em Chapecó

Policiais receberam a informação de que um indígena  internado no Hospital Santa Terezinha teria participado de latrocínio em Chapecó. Ele estava ferido por arma de fogo na mão direita.

Após telefonemas para a Polícia Militar e Delegacia da Polícia Civil de Chapecó foi constatado que Volmir Barborsa é um dos integrantes do assalto na Linha Marcon que resultou na morte de Ana Leia Willenbring.

Com a confirmação a guarnição foi até o Hospital Municipal e identificou Volmir. Ele permanece internado sob custódia da Brigada Militar. Ele será transferido para Chapecó na tarde desta quinta-feira.

O assalto foi no dia nove de setembro. Volmir praticou o crime na companhia de dois irmãos e de Jorge Marcelino. Os quatro são índios da tribo Guarani.

Jorge e um adolescente foram presos em flagrante. Volmir e o irmão conseguiram fugir. No dia 10, foi expedido mandado de prisão preventiva contra os dois. O quarto envolvido continua foragido.


Comente aqui
09 set10:57

Presos dois suspeitos de latrocínio

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br


Uma pessoa foi presa e outra foi apreendida na madrugada desta sexta-feira por suspeita de participação no latrocínio (roubo seguido de morte) ocorrido no final da tarde de quinta, em Chapecó. Jorge Marcelino, 28 anos, foi preso em flagrante e um adolescente foi apreendido, ambos em suas residências, na Aldeia de Toldo Chimbangue, em Chapecó, por volta das 2h30.

De acordo com o delegado da Polícia Civil Alex Passos as lideranças da aldeia auxiliaram o trabalho dos policiais. Os dois presos e outros dois suspeitos, que tem mandado de prisão preventiva e estão foragidos, são indígenas da etnia Guarani.

Segundo o delegado os quatro decidiram fazer o roubo na tarde de ontem, de forma “amadora”. Eles chegaram na casa de Leonildo Munarini, que mora próximo a aldeia, na linha Marcon, e se esconderam no porão. Eles usavam capuzes pretos. Nisso três deles saíram do porão justamente no momento que Leonildo tinha saído da casa. Sua filha adotiva, Ana Lea Willenbring, chamou pelo pai que tentou escapar no porão mas acabou amarrado.

Sua filha, que estava dentro de casa com a mãe, chaveou a casa. Os assaltantes pediram dinheiro. Enquanto a mãe jogava o que tinha em casa, Ana Lea pegou uma espingarda calibre 20 cano duplo e atirou contra os encapuzados, acertando um deles na mão. Nisso eles correram mas Ana Lea saiu em perseguição deles. O pai e a mãe chamaram para ela voltar. Ela alcançou um deles e entrou em luta corporal. Ela levou uma facada no braço. Nisso outro assaltante atirou nela com uma espingarda calibre 32. O tiro acertou o coração da jovem que morreu no local e os assaltantes fugiram.

As espingardas e duas facas utilizadas no latrocínio foram apreendidas pela Polícia Civil.

–Eles levaram apenas R$ 12 e um canivete- informou o delegado Alex Passos.

Ele ressaltou a ação rápida da polícia para evitar uma revolta na comunidade, que poderia gerar uma situação de tensão entre indígenas e agricultores.

O delegado recomendou que a população não reaja em caso de assalto e deixe para que os órgãos de segurança ajam nesses casos.


Comente aqui