Lavoura

23 fev10:01

A salvação da lavoura

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Os pingos que caíram do céu na noite de terça para quarta-feira funcionaram como um tônico revigorante para lavoura de soja de Antonio Soave, agricultor de Arvoredo.

Sua lavoura de três hectares está em fase de formação de grãos, um dos momentos que mais precisa de umidade.

–Acredito que ainda vai dar umas 40 sacas por hectare – comemorou o produtor.

O potencial da lavoura era para 50 sacas. Mas, se não chovesse logo, não colheria nem a metade disso. A chuva também vai ajudar na germinação dos dois hectares de milho, que plantou recentemente.


Umidade vai recuperar pastagem e produção de leite

A umidade da chuva de ontem vai servir para recuperar a pastagem na propriedade de Decile Soave, em Arvoredo. Desde o final do ano passado a produção de leite caiu de 300 litros por dia para 230 litros.

– Com certeza ajuda no pasto pras vacas- disse. Além disso, o açude recuperou cerca de 20 centímetros.  Ela espera mais chuvas para, no início do próximo mês, semear nova pastagem.

Comente aqui
06 dez08:36

Fenômeno meteorológico pode prejudicar lavouras no Oeste de Santa Catarina

Daisy Trombetta | daisy.trombetta@diario.com.br

Lavouras prejudicadas, pastagens secas e baixas quantidades de chuva podem voltar ao cenário catarinense nos meses de verão. A preocupação está voltada à região Oeste, onde o fenômeno é mais frequente.

>> Esta matéria está na edição impressa do Diário Catarinense de hoje. Confira a versão completa do jornal aqui.

A justificativa da queda nos índices de chuva na estação, que começa em 21 de dezembro, está ligada ao La Niña, impulsionado pelo esfriamento das águas do Oceano Pacífico. Por conta disso, a meteorologia indica que essa condição pode resultar períodos em estiagens.

Se a previsão se confirmar, deve trazer consequências graves principalmente à agricultura e à pecuária. Conforme o meteorologista do Grupo RBS Leandro Puchalski, é justamente a temperatura do oceano que determina como deve ser cada estação.

— Temos que ter atenção ao Oeste, onde tradicionalmente temos estiagem e, em uma situação dessas, pode ser potencializada — explica.

Mas é possível que essa condição também traga consequências aos municípios do Sul. Isso porque, no mês passado, a chuva caiu menos do que o normal na região e atingiu apenas 30% dos níveis esperados.

O meteorologista explica que esta previsão de seca não significa que os dias da estação serão ensolarados. Isso porque as previsões de clima mostram que dezembro, janeiro e fevereiro devem, por causa do La Niña, ter períodos de massas de ar frio, trazendo dias mais agradáveis. Na Serra, poderá ocorrer até geadas.

Diante dos alertas, a Defesa Civil está monitorando os índices e repassando orientações, embora seja difícil avaliar se os municípios estão preparados para enfrentar a situação.

A ideia é fazer a população se preocupar com a seca, mesmo com a esperança de que ela não chegue. Além das áreas agrícolas, a conscientização também deve estar presente nos municípios litorâneos, onde o número de turistas aumenta nesta época. Uma dica é instalar caixas de água e fazer o seu uso de forma racional.

Comente aqui
07 nov09:27

Oito novos círculos no Oeste

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A formação encontrada na lavoura de trigo no começo da noite do domingo, dia 6, em Ipuaçu, surpreende pelo tamanho. São oito agroglifos, denominação dada aos círculos, estão em uma área de 50 metros.

Em novembro de 2008 desenhos semelhantes foram encontrados numa plantação da cidade. Para o ufólogo Ivo Hugo Dohl, que esteve no local, a formação parece ser autêntica. Já o astrônomo e presidente do Grupo de Estudos do Planetário da Universidade Federal de Santa Catarina Adolfo Stotz Neto, diz que as marcas podem ter sido produzidas por moradores.

— Não é possível que esses desenhos só apareçam em campos de cereais. Por que não acontece pouso em uma plantação de café, ou de cana-de-açúcar? Porque só é fácil confeccionar com uma corda, uma tábua e uma estaca, em duas pessoas, em um campo de trigo, cevada ou qualquer coisa semelhante — explicou.

Nos últimos dias foram encontrados três círculos na região Oeste, um em Ouro Verde e dois em Bom Jesus.


6 comentários
04 nov14:21

Círculo encontrado em Ouro Verde

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A formação circular, denominada agroglifo, encontrada na manhã desta sexta-feira, dia 4, em Ouro Verde é idêntica aos dois círculos encontrados em Bom Jesus, na segunda-feira, dia 31 de outubro. Os desenhos foram localizados na Propriedade de Delazir Barreta, na linha Barreta, interior do município.

O terceiro círculo encontrado na região Oeste tem cerca de 12 metros de diâmetro, com anel externo de um metro da planta em pé e outro amassado também de um metro. Em novembro de 2008 um círculo semelhante também foi encontrado numa lavoura de trigo.

Segundo o ufólogo, Ivo Hugo Dohl, que visitou a plantação, no local existem marcas de equipamento agrícola, como um trator. Ele acredita que os desenhos tenham sido feitos por moradores.

- Próximo ao grande círculo encontrei pequenas formações de 30 centímetros. Parece que alguém treinou para fazer um desenho perfeito. Foi usado uma espécie de estaca no centro como um compasso para amassar a planta. Mais acredito que a formação não foi feita por seres extraterrestres – disse o ufólogo.


Círculo pode ser visto da Prefeitura

O círculo é visível do prédio da prefeitura de Ouro Verde, que fica no centro da cidade.

O secretário de planejamento, Douglas Costacurta, que trabalha no terceiro andar, ficou surpreso ao olhar pela janela e ver o círculo.

- Na verdade olhei agora pela manhã e fiquei surpreso ao ver algo diferente na lavoura. Ele fica a uma distância de 1500 metros da prefeitura – disse Costacurta.

Na segunda-feira, dia 31, dois agroglífos foram encontrados em Bom Jesus, também no Oeste.

De acordo com Cesar Luiz Radaeli, responsável pela Delegacia de Bom Jesus, o caso não será investigado, porque até o momento não foi registrado nenhum Boletim de Ocorrência.


Astrônomo diz que não se trata de fenômeno sobrenatural

Para o astrônomo Adolfo Stotz Neto, presidente do Grupo de Estudos do Planetário da Universidade Federal de Santa Catarina, os desenhos encontrados na região são mal confeccionados. Ele garante que não se trata de nenhum fenômeno sobrenatural.

- Estes círculos em campos de cereais aconteceram inicialmente na Grã-Bretanha em fazendas com o mesmo tipo de plantação e depois se espalharam pela Europa e mundo afora – disse. O professor explica que esses círculos surgiram na década de oitenta e recentemente aportaram em solo catarinense, bem tardiamente em relação aos primeiros e que, ainda no século XX foram confessados pelos autores que os fizeram com cordas e tábuas.

- A técnica aprimorou-se e com uso de trenas e com um leve domínio de geometria e matemática desenvolveram-se verdadeiras obras de arte, bem distintas destas nossas aparições – explicou. De acordo com o astrônomo, em muitos casos ficou evidente a concordância dos proprietários que garantiam um certo marketing à sua fazenda .


1 comentário
31 out23:45

Dois agroglífos são encontrados em Bom Jesus

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Dois agroglífos foram encontrados em uma plantação de trigo na tarde desta segunda-feira, 31, na SC 467 que liga Abelardo Luz a Bom Jesus. Moradores avistaram os desenhos, visíveis da rodovia na linha Tiradentes, e comunicaram a Prefeitura de Bom Jesus. O ufólogo, Ivo Hugo Dohl foi até o local analisar as imagens. Ele acredita que os círculos não são autênticos e podem ter sido feitos por populares.

As duas formações distantes cerca de 150 metros uma da outra e a 300m da rodovia, tem formações com cerca de 12 metros de diâmetro com anel dobrado de 30 cm.

Para o Ufólogo, um deles pode ter sido feito há mais de duas semanas, pois o trigo já está voltando a ficar em pé.

- Acredito que os desenhos tenham sido feitos por pessoas. Eles não são autênticos pela posição disforme das plantas e caules que estão dobrados e quebrados. Posso estar enganado, mas acredito que não foram feitos por extraterrestres – disse.

Ele encaminhou fotografias para análise. O caso será investigado.

Desenhos como os encontrados nesta segunda-feira já foram registrados na região Oeste. Em novembro de 2008, Ipuaçu ficou conhecida internacionalmente com desenhos semelhantes encontrados em lavouras de trigo. No mesmo ano, os agroglifos surgiram também em Faxinal dos Guedes, Formosa do Sul e Xanxerê.

Em 2009, um desenho em forma de seta em uma plantação de trigo levou muitos curiosos a uma fazenda em Ipuaçu. Neste mesmo os desenhos levantaram polêmicas sobre fraudes.


Diferenças

Ivo explica que o desenho autêntico é aquele produzido por algum tipo de energia. – O trigo não é dobrado ele é acamado – disse. Diferente do encontrado em Bom Jesus. – Esses desenhos podem ter sido criados com ajuda de garrafas pets cheias de areia amarradas em um cabo de vassoura – acrescenta.


3 comentários