Manifestação

02 jul17:33

BR 282 foi fechada nesta segunda em Xanxerê

A BR 282 foi fechada por uma hora em Xanxerê na manhã desta segunda-feira. O protesto foi realizado por entidades, autoridades, servidores públicos, comunidades em geral e parentes de pessoas que perderam a vida na rodovia. O principal objetivo da manifestação foi solicitar a retomada das obras de duplicação no trecho de travessia urbana da cidade.

O prefeito Bruno Linhares Bortoluzzi também participou da mobilização. Ele disse que a administração municipal está em contato com a empresa responsável pelas obras que estão paradas há oito meses.

- Estamos fazendo também pressão junto ao DNIT, Governo Federal e Ministro dos Transportes para que as obras sejam concluídas – disse o prefeito.

No dia 22 de junho também foi realizado um ato na rodovia.


Comente aqui
15 jun10:12

Estudantes da UFFS fazem protesto em Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Cerca de 200 estudantes da Universidade Federal da Fronteira Sul realizaram um protesto na manhã desta  sexta-feira em Chapecó. Eles se concentraram a partir das 8 horas na Praça Coronel Bertaso e depois partiram em caminhada pela Avenida Getúlio Vargas até a reitoria, na esquina com a rua Benjamin Constant.

Lá entregaram uma pauta de reivindicações. Um dos motivos do ato é o questionamento sobre a criação de um curso de Medicina em Passo Fundo, em detrimento de Chapecó. O presidente do Diretório Central dos Estudantes, Diogo Hartmann, argumentou que a proposta não foi discutida com a comunidade, não passou pelo Conselho Universitário e houve a criação de um curso numa cidade que nem campus da UFFS tem, em detrimento dos outros já existentes, como Chapecó.

No gabinete da reitoria a informação é que o reitor Jaime Giollo teria esperado as propostas na noite da quinta-feira, pois hoje estaria viajando. Na semana passada, quando anunciou a criação do curso em Passo Fundo, o reitor afirmou que havia encaminhado proposta para o Ministério da Educação no dia 17 de maio, com propostas para Chapecó e Passo Fundo. Ele informou que a decisão do Ministério da Educação foi por critérios técnicos.

Nesta sexta a reitoria divulgou uma nota de esclarecimento no site da instituição. Um dos tópicos tem a seguinte redação: “de acordo com o Ministro da Educação, Aloízio Mercadante, a abertura de novas vagas seguiu critérios específicos, como a disponibilidade de uma rede hospitalar que possa acompanhar a formação do médico, além do índice de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), que deve ser de cinco para cada profissional em formação. De acordo com o próprio plano, apresentado no dia 05/06, foram contempladas cidades-pólo de cada região, que atenderam, obrigatoriamente, às demandas estruturais necessárias”.

A nota aponta ainda que podem ser criadas mais vagas além das 40 anunciadas para Passo Fundo, mas que para solicitar as vagas os municípios devem se preparar com a estrutura adequada.


1 comentário
23 mai10:28

Agricultores familiares fecham trevo de acesso à Chapecó

[Atualizada às 10h40]

Mais de mil agricultores familiares fecharam o trevo de acesso à Chapecó, na BR 282, na manhã desta quarta-feira. Eles pedem o cumprimento da pauta apresentada ao Governo Federal há quase dois meses.  De acordo com o Inspetor Ivo Silveira da Polícia Rodoviária Federal, que está monitorando o local, a previsão é que a rodovia fique interditada até as 14 horas.

Segundo o coordenador Estadual da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul do Brasil (Fetraf-SUL/CUT) em Santa Catarina, Alexandre Bergamin, a mais de 50 dias os agricultores familiares esperam por respostas do governo em relação à estiagem.

As principais reivindicações são a melhoria do Seguro Agrícola, criação de um programa de irrigação e reabertura da negociação do endividamento agrícola.

Nesta terça-feira eles também realizaram um movimento, só que desta vez, com foco no Governo do Estado. Os agricultores se concentraram na Praça Coronel Bertaso em Chapecó e partiram em caminhada até a Cidasc, onde entregaram uma pauta de reivindicações.

Os agricultores familiares reclamam que a Cidasc terceirizou a inspeção sanitária, que antes era gratuita e agora é feita por profissionais contratados de empresas ou cooperativas, que cobram pelo serviço.

A Fetraf-Sul também cobra uma redução na alíquota do ICMS nos produtos da agricultura familiar, que é de 17%.

Segundo a Cidasc, em relação à cobrança das inspeções, a companhia não tem como dar conta das 800 empresas que tinha para fiscalizar e por isso adotou o modelo de credenciar empresas, que é utilizado em países desenvolvidos.


* colaborou Silvia Nowalski


Comente aqui
23 mai10:27

Agricultores pedem apoio para agroindústrias familiares

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Agricultores do Oeste de Santa Catarina realizaram ontem uma mobilização em Chapecó e Rio do Sul para cobrar do governo do estado políticas públicas de apoio às agroindústrias familiares. Os atos foram coordenados pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf-Sul).

Em Chapecó cerca de 60 pessoas se concentraram no início da manhã na Praça Coronel Bertaso e depois partiram em caminhada até a Cidasc, onde entregaram uma pauta de reivindicações. No início da tarde foram até a sede da Receita Estadual. Enquanto isso lideranças da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul, Fetraf-Sul, estiveram reunidos com representantes da Secretaria de Agricultura do Estado, em Florianópolis.

Os agricultores familiares reclamam que a Cidasc terceirizou a inspeção sanitária, que antes era gratuita e agora é feita por profissionais contratados de empresas ou cooperativas, que cobram pelo serviço.

Gelso Marchioro, consultor da Associação dos Pequenos Agricultores do Oeste Catarinense, disse que a cobrança varia de R$ 750 a R$ 2,5 mil por mês. –Isso deveria ser um serviço público e gratuito- explicou Marchioro.

Francisco Giordan, que é dono de uma agroindústria de embutidos em Coronel Freitas, disse que essa cobrança tira a competitividade do empreendimento. –É um custo que a gente não tinha e perdemos concorrência com isso- afirmou.

Vanda Biazussi, que tem uma empresa de massas e bolachas em Maravilha, reclama que o imposto é alto e que os contratos com o Estado demoram para ser renovados.

Os agricultores também reclamaram demora na liberação dos novos projetos. Sandra Bergamin, presidente da Cooperfamiliar, cooperativa ligada à Fetraf Sul, disse que a Cidasc está com quadro de veterinários defasados, o que prejudica a assistência aos produtores. A Fetraf-Sul também cobra uma redução na alíquota do ICMS nos produtos da agricultura familiar, que é de 17%.

O presidente da Cidasc, Enori Barbieri, reconhece que o quadro está defasado, mas que não há previsão de contratação de novos médicos veterinários. Em relação à cobrança das inspeções ele afirmou que a Cidasc não tinha como dar conta das 800 empresas que tinha que fiscalizar e por isso adotou o modelo de credenciar empresas, que é utilizado em países desenvolvidos.

Sobre a demora na aprovação dos projetos, disse que muitos não estão adequados às exigências. Por isso haverá uma reunião no dia 5 de junho, com responsáveis técnicos da Fetraf-Sul, para tratar da “reciclagem” desses profissionais.

Uma nova mobilização dos agricultores deve ser realizada hoje, cobrando mais medidas de compensação contra a estiagem.



Comente aqui
04 mai09:13

20% dos professores estão em greve em SC

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) anunciou para o dia 8, terça-feira, nova assembleia no CentroSul, em Florianópolis. Para a presidente do Sinte, Alvete Bedin, a expectativa é boa:

— Fizemos duas grandes manifestações. Em Chapecó, reunimos 1,2 mil professores de toda a região, e em Florianópolis cerca de 1 mil estiveram em frente à Assembleia.

No Oeste, os professores foram recebidos na Secretaria de Educação e mostraram números do movimento na região. O Sinte estima adesão de 20%. A previsão era de que depois do feriado de 1º de Maio este número alcançasse 50%. Para a presidente do Sinte, os números são diferentes, e existem cidades onde as aulas estão 100% suspensas.

Uma das reivindicações da categoria é o reajuste do piso em 22,22% de forma igual. De acordo com o Sinte, o governo deu o aumento total somente para parte dos professores, principalmente em início de carreira. E isso dividido em cinco parcelas até 2013.

Atualmente, a rede pública estadual de ensino conta com 65,8 mil professores, dos quais 22 mil são efetivos na ativa, 19,8 mil ACTs e 24 mil aposentados, distribuídos em 1.112 unidades escolares. O número de alunos é de 640 mil.

Enquanto o Sinte estima que 20% dos professores estejam em greve, a Secretaria de Estado da Educação divulga que a adesão é de 1%.

Em Florianópolis, professores da rede estadual fecharam a SC-401 em frente ao Centro Administrativo do Governo, na tarde desta quinta-feira. As pistas foram liberadas perto das 16h15min. O comando de greve conseguiu entrar no Centro Administrativo e protocolar o pedido de audiência com o governador Raimundo Colombo. O grupo garantiu que deixou o local após o governo de SC reafirmar que não haverá negociação enquanto a greve continuar.

Em Chapecó, os professores protestaram nesta quinta-feira e entregaram uma carta pedindo uma a reabertura das negociações com o governo.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
03 mai15:42

Professores fazem ato no centro de Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Os professores estaduais fizeram no início da tarde desta quinta-feira um ato para reivindicar a abertura de negociação do Governo do Estado com a categoria. O ato começou na praça Coronel Bertaso, seguiu com caminhada pela Avenida Getúlio Vargas e deve encerrar com a entrega de um documento na Secretaria de Desenvolvimento Regional de Chapecó.

De acordo com o coordenador regional do Sindicato dos Trabalhados em Educação, Cléber Ceccon, eram esperados mil pessoas das 12 regionais. Ele afirmou que intenção é pressionar o governo a reabrir a negociação. Na terça-feira está marcada uma assembleia estadual da categoria.

Em Chapecó a adesão à greve aumentou à tarde, em virtude do ato. Na Escola Bom Pastor, segunda maior do Estado, com 2.387 alunos, três professores efetivos estavam parados e durante a tarde mais nove pararam de um total de 93. No entanto, de acordo com a diretora da escola, Sandra Galera, eles devem retornar nesta sexta-feira.

Para os alunos que não tiveram aula foram realizadas outras atividades, como exercícios lúdicos.

No Colégio Zélia Scharff, o segundo maior de Chapecó com 1720 alunos, as aulas estavam praticamente normais das 14 turmas até a quinta série. No entanto, nas 16 turmas a partir da sexta-série até o ensino médio, apena sete tinham aula. A assessora da direção Jussane Emerich disse que até nesta quinta-feira 24 dos cerca de 80 professores haviam parado. Mas à tarde a paralisação era de cerca de metade dos docentes, em virtude do ato.

Muitos alunos nem foram para a escola em virtude disso. O servidor público Vilmar Ferreira disse que a greve parcial acaba causando transtornos. Seu filho mais novo, Michel, que vai na quinta série,  teve aula. Já o mais velho, Maicon, que vai no primeiro ano do Ensino Médio, não teve aula. Ele afirmou que há dias que apenas algumas disciplinas são dadas.

Com isso ele tem que levar os filhos em diferentes horários. A assessoria da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Chapecó informou que a paralisação nesta quinta era de 6,3%.


1 comentário
03 mai12:05

Professores de SC fazem manifestação para pedir reabertura das negociações

Roberta Kremer | roberta.kremer@diario.com.br

Os professores das escolas estaduais em greve de Santa Catarina realizarão dois atos públicos na tarde desta quinta-feira, ambos às 14h, para solicitar a reabertura das negociações salariais. Um deles será na Praça Tancredo Neves, no Centro de Florianópolis, e o outro na Praça Coronel Bertaso, em Chapecó.

O governo deixou de negociar com a classe dos trabalhadores depois que a paralização foi iniciada, na segunda-feira da semana passada.

Enquanto o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) estima que pelo menos 30% dos professores estão em greve, a Secretaria de Estado da Educação afirma que existe apenas 1% de adesão.

Uma das reivindicações é o reajuste do piso em 22,22% de forma igual. De acordo com o Sinte, o governo deu o aumento total somente para parte dos professores, principalmente em início de carreira. E isso dividido em cinco parcelas até 2013.

Atualmente, a rede pública estadual de ensino conta com 65,8 mil professores, dos quais 22 mil são efetivos na ativa, 19,8 mil ACTs e 24 mil aposentados, distribuídos em 1.112 unidades escolares. O número de alunos é de 640 mil.


Comente aqui
16 mar13:16

Caso Marcelino Chiarello

Representantes do Fórum em Defesa da Vida, por Justiça e Democracia, composto por 42 entidades, fazem manifestação nesta sexta-feira, dia 16, a partir das 13h30, em frente ao Fórum de Chapecó.

O ato acontece durante a reunião dos promotores do Ministério Público, que investigam o caso. O Fórum vai entregar um documento com informações sobre as contradições na investigação da morte do vereador Marcelino Chiarello.

>> Junta conclui que Marcelino morreu por enforcamento

O vereador foi encontrado morto em casa na manhã do dia 22 de novembro de 2011. Peritos que impressionaram o Brasil ao desvendar o assassinato da menina Isabela Nardoni, em SP, devem analisar os laudos do caso.


3 comentários
24 jan18:16

Voluntários Amigos dos Bichos de Chapecó realizaram manifestação

A manifestação contra a Crueldade Animal foi realizada no domingo, dia 22, na Praça Coronel Bertaso em Chapecó.

Segundo Jovane Bottin, Diretora-Presidente da ONG Voluntários Amigos dos Bichos de Chapecó, ações como estas são importantes para chamar a atenção sobre o assunto.


Confira fotos do evento:


1 comentário
19 jan14:29

Voluntários Amigos dos Bichos de Chapecó participa de manifestação

O controle de populações de animais domésticos é uma importante ação de saúde pública preventiva. Segundo a Organização Mundial de Saúde, controle populacional de cães e gatos é sinônimo de controle de zoonoses. Manter as populações sob controle também é uma ação de bem-estar

animal. O excesso de nascimentos, sem que existam lares responsáveis para todos os filhotes, resulta em abandono e em dificuldade dos guardiões em manter a qualidade de vida e a saúde dos animais.

Neste sentido, a Associação Voluntários Amigos dos Bichos, junto com a Prefeitura de Chapecó, com apoio do Ministério Público Federal, Justiça Federal de Chapecó e Servioeste, inauguraram no dia 4 de outubro – dia mundial dos animais – o CEPA: Centro de Esterilização de Pequenos Animais.

O CEPA é fruto de uma parceria entre o município e a entidade que compreendem a castração como a forma mais eficiente e viável de atacar o problema das superpopulações animais.

No Centro são esterilizados animais de rua, identificados pelos voluntários, e animais de famílias em situação de risco social, identificados pelas agentes municipais de saúde. Importante ressaltar que não se trata de um programa de assistência veterinária ou de um abrigo.


Manifestação contra a Crueldade Animal

A manifestação está marcada para às 15h, deste domingo, dia 22, na Praça Coronel Bertaso em Chapecó.

Jovane Bottin, Diretora-Presidente da ONG Voluntários Amigos dos Bichos de Chapecó convida os donos de animais para participar da manifestação. – É importante que seja levado água e saquinhos de lixo para recolher as necessidades dos animais – disse Jovane. Ela recomenda também que as pessoas usem uma tarja preta no braço em sinal de luto.

Para saber mais acesse o site www.crueldadenuncamais.com.br.


Comente aqui