Militares

07 dez12:29

Novos Bombeiros Militares em Chapecó

A formatura de 39 novos Soldados do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, foi nesta quinta-feira, dia 6 de dezembro. O curso de formação com carga horária de 1500 horas/aulas, teve inicio em abril e foi realizado em Chapecó.

A turma do Soldado BM Marcelo Metzler Gomes, teve como Patrono o Empresário Izair Gambatto e como Paraninfo o 2º Tenente BM Felipe Gelain.

O primeiro colocado, o novo Soldado Tiago Luiz Fiorini, obteve média geral final de 9,45 e recebeu pelo seu desempenho uma lembrança das mãos do Comandante Geral do CBMSC, Coronel BM Marcos de Oliveira, do Paraninfo e do Patrono.

Durante a solenidade, o Presidente da Fecabom, Marcelo Schrubbe realizou a entrega simbólica de fardamentos adquiridos pela associação com recursos recebidos de uma empresa catarinense e que beneficiarão mais de quatro mil Bombeiros Comunitários em todo o estado.


Comente aqui
04 mai15:47

Novos policiais militares na 4ª Companhia

A partir desta quinta-feira a 4ª Companhia de Polícia Militar de Xanxerê conta com o reforço de 13 novos policiais militares. Os novos soldados, 12 homens e uma mulher, se formaram no último dia 21, em Florianópolis, após quase oito meses de curso.

Os soldados foram recebidos pelo capitão Maurício Gonçalves Viríssimo, comandante da Unidade PM, e pelo tenente Vilte dos Santos, subcomandante. Depois de conhecer as instalações da Unidade e as seções administrativas, eles foram atuar nas ruas.

Coordenados pelo tenente Vilte e pelo soldado Fiúza, os policiais realizaram uma blitz em frente ao quartel, com o objetivo de ter um primeiro contato com a população e também fiscalizar a documentação de porte obrigatório, uso do cinto de segurança e demais exigências do Código de Trânsito Brasileiro.

Além do reforço policial de Xanxerê, a área da 4ª Companhia também foi contemplada com seis soldados no Pelotão PM de Xaxim, onde eles foram recepcionados pelo comandante do Pelotão, tenente Jefferson Fernando Cavalheiro, pelo prefeito Gilson Luiz Vicenzi, pela presidente da Câmara de Vereadores, Joseane Sampaio, pelo vereador Plínio Lenoir Lunardi, além de representantes do Conselho de Segurança, convidados e imprensa.


Comente aqui
21 abr07:40

Itá firma convênio com o Corpo de Bombeiros Militares

A administração de Itá e Associação Comercial e Industrial se reuniram com o comando do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina. No encontro ficaram definidas as tratativas finais para a celebração de convênio com os Bombeiros Militares do estado. A corporação fará a execução dos serviços de segurança contra sinistros, exames de projetos e vistorias de segurança contra sinistros em edificações, desenvolvidas pela Corporação de acordo com o Art. 108 da Constituição Estadual.

Os recursos arrecadados no cumprimento do convênio serão depositados diretamente em uma conta do município os quais serão investidos em novas viaturas, equipamentos, instalações e despesas de custeio. Para viabilizar o convênio, o executivo elaborou uma lei aprovada pela câmara de vereadores e já sancionada pelo prefeito Egídio Gritti.

O Major Luiz Carlos Balsan Comandante do Corpo de Bombeiros Militar de Chapecó e Região ficou surpreso com a agilidade com que o município criou e aprovou a lei que possibilita a atuação dos militares com amparo legal.

O Major explica que com a criação da lei, existem condições legais de implantar uma corporação comunitária no município.

Segundo o Assessor de Gestão Administrativa do município, Domingos Zanandréa, o convênio deverá ser assinado no próximo dia 16 de maio em Chapecó. O ato contará com a presença do comando geral do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina e do governador do estado, Raimundo Colombo.


Comente aqui
08 jan10:08

Militares de Santa Catarina e da Marinha do Brasil se reúnem em Chapecó

Cerca de 40 militares do Corpo de Bombeiros Militar, da Polícia Militar Ambiental e da Marinha do Brasil se reuniram na tarde da sexta-feira, dia 06, na sede do 6° BBM, para discutir medidas que evitem a prática de crimes e contravenções nas áreas de balneários utilizadas por banhistas e embarcações de pesca e lazer.

A proposta é criar um Procedimento Operacional Padrão (POP) interinstitucional, para que os órgãos públicos militares estaduais e a Marinha do Brasil trabalhem de forma coordenada e cooperada para a manutenção da ordem e da segurança pública.


Trabalho de prevenção do Corpo de Bombeiros

De acordo com o Aspirante a Oficial, Ilton Schpil, o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) possui uma preocupação constante em relação aos locais onde há presença de banhistas e embarcações, portanto concentra esforços através de procedimentos de prevenção. – A exigência do Guardião de Piscina e as vistorias são algumas medidas adotadas para garantir a segurança da população, bem como a presença dos Guarda Vidas Militares do CBMSC em balneários públicos, como o Goio-Ên – afirma o Aspirante a Oficial.

No caso das vistorias realizadas em parques aquáticos, lagos, rios e afins, a Instrução Normativa n° 033 do CBMSC, prevê desde a não liberação do alvará de funcionamento à interdição dos locais que não cumprirem as determinações exigidas.


Comente aqui
02 set10:59

Concordienses conquistam medalhas em Nova Iorque

Dois policiais militares de Concórdia , representantes de Santa Catarina no Jogos Mundiais de Policiais e Bombeiros, disputado em Nova Iorque, ganharam medalhas de prata e bronze em provas de atletismo. Eles retornam para o Brasil no dia nove.


Gesiel Lorenzetti, 26 anos , ficou com a prata na prova dos 110 metros com barreiras. Marcos Rodrigo Sartori, 34, conquistou o bronze nos 400 metros com barreiras .


Os medalhistas: Gesiel Lorenzetti e Marcos Rodrigo Sartori.



Além da pressão das provas, os catarinenses enfrentaram a fúria do tempo porque Nova Iorque foi uma das cidades mais atingidas pela passagem do furacão Irene pelos EUA. O início das provas chegou a ser adiado para que os moradores fossem atendidos.

– A organização do evento até enviou e – mail aos atletas pedindo voluntários para auxiliar n a remoção das pessoas de áreas de risco e na distribuição de suprimentos – relata Marcos.


Ele e Gesiel não se machucaram.


Os Jogos Mundiais de Policiais e Bombeiros são disputados de dois em dois anos e reúnem profissionais das áreas de segurança pública, como policiais militares, civis, federais, rodoviários, bombeiros, guardas municipais e agentes prisionais. A competição começou em 1967, na Califórnia.


Cerca de 16 mil atletas competem em 65 modalidades. Além das provas olímpicas, como atletismo, há provas específicas para policiais e bombeiros, como adestramento de cães, tiro policial, bombeiro mais resistente e até paintball.



Comente aqui
26 ago10:45

Dia do soldado

Policiais militares são homenageados em Concórdia.

A moradora do bairro dos Estados, Geni Gomes de Almeida, presenteou os policiais militares de Concórdia com dois bolos em agradecimento a serviços prestados pela corporação. A entrega foi na quinta-feira, dia 25, dia do soldado.

- Foi um jeito de agradecer os policias militares por terem tomado medidas, para diminuir a perturbação provocada por som alto nas proximidades da minha casa – declarou.

De acordo com Assessoria do 20º Batalhão de Polícia Militar, eram recebidas várias reclamações de perturbação, provocada por som de veículos que ficam estacionados nas dependências de um posto de combustível, próximo a residência dela. Após intensa fiscalização e o recolhimento de alguns veículos, em decorrência da perturbação, a incidência deste delito diminuiu consideravelmente.

Comente aqui
22 ago11:40

Militares retornam de operação no Complexo do Alemão

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

 

Um esquadrão com 116 militares que estiveram atuando na Força Pacificadora no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, retornou na sexta-feira ao quartel do 14 Regimento de Cavalaria Mecanizada (RCMec), em São Miguel do Oeste.

Houve uma formatura de recepção para os militares que ficaram três meses fora. Eles trabalharam para garantir a segurança no complexo de favelas que no ano passado foi tomado pela polícia, com auxílio do exército, para desmantelar quadrilhas de roubo e tráfico que atuavam de forma ostensiva na região. A ação foi numa área de quatro quilômetros quadrados com uma população de 400 mil pessoas.

Para o comandante do 14 RCMec, tenente-coronel Amaro Soares de Oliveira Neto, a atuação do Exército no Rio de Janeiro está entre as atribuições legais, para manter o ordenamento jurídico numa área onde havia a ausência do Estado.

- Houve o resgate de cidadania para uma população que estava sob o jugo do crime- declarou.

O comandante prevê que essas missões de paz ficarão mais freqüentes pelo crescimento da importância do Brasil no cenário mundial. Ela afirmou que a ação também qualifica os militares para outras missões. A expectativa é que em abril do ano que vem mais militares de São Miguel do Oeste estarão numa missão no Haiti, onde o Exército Brasileiro já está presente.

Tumultos em baile funk

O choque cultural foi inevitável para o cabo Sérgio Veit, natural de Itapiranga, quando chegou ao Rio de Janeiro. –Eles são um povo mais individualista- comparou. –Lá todo mundo vive um em cima do outro- lembrou, sobre as construções das casas emendadas uma na outra.

Cabo Sérgio Veit.

Ele afirmou que os momentos de maior tensão foram nas horas em que tinham que encerrar as festas, como baile funk, pois tinham horário determinado para encerrar. –Havia tumulto pois a população reagia contra a atitude da tropa- explicou.

Veit disse que não sentia medo de entrar na favela pois estava preparado para enfrentar o que viesse. Mas os familiares ficaram preocupados. Agora ele estão aliviados pelo retorno do filho.

Veit disse que aprendeu muita coisa nesses três meses. Uma delas é valorizar o lugar onde mora. –Aqui é um paraíso- comparou.

 

 

Tráfico ostensivo foi reprimido

A ação da Força Pacificadora teve como resultado positivo a eliminação do tráfico ostensivo, na avaliação do capitão Diego Morais Duarte. Ele comandou o esquadrão no Rio de Janeiro, em ações de controle de vias urbanas, cercos e escoltas. Os militares receberam treinamento específico para atuar na área urbana, entre eles a utilização de arma não letal.

Capitão Diego Morais Duarte.

Duarte lembrou que um dos momentos mais tensos foi uma abordagem na Praça São Lucas, na Vila Cruzeiro. –Já na chegada um militar levou uma pedrada- lembrou. Em outra ação, houve um disparo de arma de fogo de longa distância, de um ponto do morro, que, por sorte, não atingiu ninguém.

Em algumas ações, os militares tiveram que utilizar gás lacrimogêneo e disparos com arma de borracha. Ele lembrou que, no início, havia um receio da população em relação à atuação da Força Pacificadora. Mas aos poucos foram ficando mais receptivos. –A população passou a ter confiança no nosso trabalho- disse.

Duarte afirmou que a ação do Exército e das outras forças policias permitiu a chegada de serviços essenciais numa área antes dominada pelo tráfico. – Agora chega a empresa de recolhimento de lixo, correio e até postes de iluminação pública- explicou.

O capitão afirmou que o tráfico não foi exterminado completamente, mas já não é quem domina o território, pois a força do Estado se faz presente.

 

 

Ovos e tentativa de atropelamento

Uma das coisas que mais chamou a atenção do tenente Rafael Silva Romani no Rio de Janeiro foi que a população protegia os traficantes. –Eles estão tão acostumados com isso e têm medo- afirmou.

Romani lembrou que os traficantes conhecem a população e por isso muitos temem o que vai acontecer após a saída do exército.

Tenente Rafael Silva Romani.

Romani disse que o Complexo do Alemão era uma área onde não havia regras. Houve apreensões de drogas e produtos roubados. O transporte coletivo era feito por motoristas sem habilitação. Quando o exército chegava numa área, todo mundo sumia. –Os becos ficavam vazios de repente- disse.

As situações mais complicadas eram nas prisões. –Tinha que ser rápido senão acabava formando tumultos- disse.

Numa festa os militares estavam fazendo revista e alguém jogou ovos nos soldados. Os militares prenderam quem jogou os ovos e houve tumulto pois os moradores queriam defender quem foi preso.

-Tínhamos que agir rapidamente para evitar confusão- explicou. Houve até uma tentativa de atropelamento numa blitz. Segundo Romani, um Policial Militar à paisana não quis parar e quase atropelou um soldado. Ele foi parado com um tiro de borracha.

O tenente defende a permanência da Força de Pacificação no local. –Se o Estado tiver vontade acaba com o tráfico- opinou.

Comente aqui