Mulheres

09 out09:39

Você sabe como realizar o autoexame de mama?

O autoexame não substitui uma consulta clínica, mas auxilia no conhecimento do corpo e na prevenção do câncer de mama. Mas pode ser que muitas mulheres não saibam a forma correta de fazer o exame.

Lembre-se que toda mulher acima dos 40 anos deve procurar um ambulatório, centro ou posto de saúde para realizar o exame clínico das mamas anualmente. Além disso, mulheres entre 50 e 69 anos devem fazer a cada dois anos a mamografia.

Aproveitando a campanha Outubro Rosa, que tem como meta ampliar a conscientização para a prevenção do câncer de mama, o Bem-estar tira suas dúvidas sobre o autoexame:


:: Quando fazer?

Faça o autoexame uma vez por mês. A melhor época é logo após a menstruação. Para as mulheres que não menstruam mais, o autoexame deve ser feito no mesmo dia de cada mês, como por exemplo todo dia 15. Aconselha-se começar a praticar o exame depois dos 21 anos.


:: Como examinar as mamas?

Na frente do espelho, eleve e abaixe os braços. Observe se há alguma anormalidade na pele, alterações no formato, abaulamentos ou retrações.

Durante o banho, com a pele molhada ou ensaboada, eleve o braço direito e deslize os dedos da mão esquerda suavemente sobre a mama direita estendendo até a axila. Faça o mesmo na mama esquerda.

Deitada, coloque um travesseiro debaixo do lado esquerdo do corpo e a mão esquerda sob a cabeça. Com os dedos da mão direita, apalpe a parte interna da mama. Inverta a posição para o lado direito e apalpe da mesma forma a mama direita.

Com o braço esquerdo posicionado ao lado do corpo, apalpe a parte externa da mama esquerda com os dedos da mão direita.


:: O que procurar?

Deformações ou alterações no formato das mamas:

— Abaulamentos ou retrações

— Ferida ao redor do mamilo

— Caroços nas mamas ou axilas

— Secreções pelos mamilos


Fonte: Ministério da Saúde


BEM-ESTAR



Comente aqui
05 set17:36

Falar do ex-namorado no primeiro encontro é tabu para as mulheres

As redes sociais são importantes para ampliar o círculo social, diz pesquisa realizada pelo Badoo sobre hábitos das mulheres na busca por um namorado ou paquera virtual. Mais de 70% das entrevistadas ressaltaram, porém, que quando se interessam por alguém utilizando essa ferramenta da internet, é necessário que o pretendente passe confiança e converse bastante antes de convencê-las a marcar um encontro off-line.

Elas também não gostam de falar sobre ex-namorados quando estão flertando virtualmente. De acordo com a pesquisa, 48,8% das mulheres julgam ser proibido falar sobre ex-namorados num primeiro encontro. Revelaram também suas maiores superstições na primeira vez que saem com uma nova pessoa: 49,6% delas admitem usar roupas íntimas combinando e 27,8% não se vestem com determinada cor.

A idade influencia o comportamento das mulheres no primeiro encontro. Enquanto 45% das que tem entre 18 e 24 anos usam roupas íntimas combinando, esse número sobe para 54,5% entre aquelas com mais de 45 anos. Por outro lado, falar sobre trabalho é algo mais natural para mulheres maduras nessa ocasião: apenas 19,1% condenam essa prática, contra 26,7% das mais jovens.

O Badoo, rede social global para conhecer novas pessoas, realizou uma pesquisa com 4.614 mulheres de todo o Brasil cujo tema foi “superstição, tradição e táticas para encontrar um parceiro”. O objetivo do levantamento foi avaliar o comportamento das mulheres brasileiras com relação a relacionamentos em redes sociais, paquera no mundo virtual e suas superstições e tabus na busca por um novo parceiro.

DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
15 ago17:01

Seis mulheres foram vítimas de tentativa de homicídio em Chapecó

[Atualizado 19h20]

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Seguem internadas no Hospital Regional do Oeste em Chapecó, quatro, das seis vítimas da tentativa de homicídio da madrugada da quarta-feira, dia 15, na Linha Água Amarela, interior de Chapecó. O veículo onde elas estavam foi atingido por mais de 40 disparos de pistola calibre 380. Até o final desta quarta-feira nenhum suspeito pelo crime havia sido preso.

De acordo com a delegada da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso, Isabel Fauth, o caso está ainda com algumas informações desencontradas.

- Existem contradições nos relatos das vítimas – disse a delegada que ouviu o depoimento de duas mulheres e conversou com as demais no hospital.

Isabel disse ainda que as vítimas relataram não conhecer os suspeitos pelo crime. As investigações seguem com o apoio da Divisão de Investigação Criminal e do delegado Fabio Baja.

Cinco vítimas, sendo três adolescentes, uma de 12, uma de 14 e outra de 17 anos, e duas de 27 anos foram encaminhadas pelo Corpo de Bombeiros de Chapecó para o Hospital. Quatro passaram por cirurgia e seguem internadas em recuperação. A adolescente de 17 anos foi atendida e liberada ainda pela manhã.

Uma sexta vítima conseguiu fugir e se escondeu no mato.


1 comentário
30 jul18:11

Curso de mecânica básica para mulheres foi realizado em Chapecó

Uma iniciativa do Núcleo de Automecânicas da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic) torna acessível o conhecimento sobre mecânica automobilística para mulheres. Na última semana, a parceria com a Fundação de Ação Social de Chapecó (Fasc) atendeu 30 mulheres em curso teórico e prático.

A capacitação, ministrada pelos empresários do Núcleo, tem o objetivo de expor os cuidados necessários para garantir as boas condições do veículo. A aula teórica foi realizada na Fasc e a prática na Mecânica Moratelli, onde as mulheres tiveram que “por a mão na graxa”, explica o coordenador do Núcleo, Neuri Onghero.

Foi apresentado todo o funcionamento do motor, sistemas de freio, embreagem, uso de extintor, calibragem e troca de pneus, higienização do ar condicionado e a troca do filtro, troca de óleo, uso de lubrificantes, injeção eletrônica, entre outros fatores.

- Apontamos os passos para que as mulheres reconheçam quando o veículo apresenta sinais de alerta ou até mesmo como lidar com determinadas situações no trânsito causadas por falhas mecânicas – observou o coordenador.

Além de aprender sobre a manutenção preventiva e o funcionamento básico do veículo, as mulheres receberam dicas, até mesmo no que se refere ao atendimento nas oficinas.

- É fundamental que o proprietário escolha uma mecânica da sua confiança, para que a cada seis meses seja feita uma revisão para evitar o desgaste do veículo. É importante estabelecer essa relação, pois o profissional auxiliará a manter as boas condições do automóvel, aumentando a segurança no trânsito – complementou Onghero.


Núcleo de Automecânicas

Criado em janeiro de 1998, o Núcleo visa fortalecer o segmento das automecânicas, promovendo a capacitação técnica e empresarial e ações voltadas ao crescimento das empresas.

O Núcleo conta 21 empresas nucleadas.


Comente aqui
12 jul12:11

Elas têm menos infartos, mas morrem mais do coração que eles

Embora os homens sofram três vezes mais infartos, o número de mortes por doenças cardíacas é maior nas mulheres, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). O motivo é a ausência de sintomas. – Elas podem não ter uma angina clássica, e os sinais podem se confundir com dores por esforço físico – disse o cardiologista Cleber Mazzaro.

Segundo ele, o que leva as mulheres a apresentarem menos sintomas que os homens, como dores no peito, por exemplo, ainda não é claro para a medicina e está sendo estudado. Uma possibilidade é de a causa ser genética ou hormonal.

Por outro lado, o estilo de vida das mulheres é atualmente mais parecido com o do sexo oposto e, portanto, mais sujeito a jornadas de trabalho exaustivas e alimentação ruim.

- Isso fez com que os quadros agudos de doenças coronarianas que atingiam os homens também passassem a acometer as mulheres – conta o cardiologista.

Com os sintomas clássicos ausentes, fica mais difícil diagnosticar a doença para iniciar o tratamento. Os infartos são responsáveis por mais de 32 mil mortes de brasileiras por ano, segundo o Ministério da Saúde.

E o número poderia ser ainda maior se não fosse por um atitude tipicamente feminino, que é se preocupar mais com a saúde e ir ao médico com mais frequência do que os homens.

- Ao sentir uma dor mais intensa ou que persiste por mais tempo, a mulher procura orientação. O homem demora mais – disse Mazzaro.

Mesmo com as diferenças, o cardiologista alerta para as principais causas das doenças cardíacas, que podem ser evitadas.

- O tabagismo e o sedentarismo são propulsores das cardiopatias. Uma mulher que fuma e não adota hábitos de vida saudável está mais sujeita a sofrer um infarto -  afirma.


Comente aqui
13 jun11:36

Mulheres participam de oficina em Seara

A Secretaria Municipal da Assistência Social e do Desenvolvimento Comunitário de Seara promoveu no início de junho a primeira oficina do cobertor deste ano, no Bairro Vila Esperança. O objetivo do curso é ensinar as mulheres a confeccionar o próprio cobertor, para passar a estação mais fria do ano. Nesta primeira edição 21 mulheres participaram. A próxima oficina será no dia 21 de junho, na Linha Pinhal, abrangendo as comunidades de Rosário, Gramado e Toldo Pinhal.

De acordo com a Secretária da Assistência Social Jordane Fabrin, a Secretaria forneceu todo o material necessário e também a monitora para auxiliar na confecção dos acolchoados.

Nesta semana também, a Secretaria realizou curso de biscuit para os alunos da APAE de Seara.

- Eles aprenderam a fazer artesanalmente diversos enfeites e utensílios. O material e a monitora também foram fornecidos pela Secretaria – destacou Jordane.


Comente aqui
12 jun16:43

Apae de Chapecó promove curso de mecânica para mulheres

A Apae de Chapecó, em parceria com a Associação Comercial e Industrial (Acic) e o Núcleo de Auto Mecânicas de Chapecó, realiza nesta quarta e quinta-feira, dias 13 e 14 de junho, o curso de mecânica para mulheres.

O curso será realizado em duas etapas. Para quarta-feira, dia 13, estão programadas aulas teóricas sobre mecânica, com início às 19h15. Já na quinta-feira, dia 14, serão realizadas aulas práticas, com início também às 19h15. As aulas serão na sede da Apae, na Travessa Encantado 148-E, atrás do Parque Palmital.

Maiores informações no telefone 49 3322-1543.


Comente aqui
17 mai10:22

PRF apreende mais de mil frascos de lança perfume em Dionísio Cerqueira

[Atualizado 11h13]

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Por volta das 4 horas da madrugada desta quinta-feira Policiais Rodoviários Federais apreenderam na BR 163, próximo ao trevo com a BR 280, em Dionísio Cerqueira, 1.080 frascos de lança perfume. Quatro mulheres foram presas em flagrante pelo crime de tráfico de entorpecentes. Uma adolescente que acompanhava as mulheres e o motorista do táxi foram encaminhados para a Delegacia da Polícia Federal.

As mulheres, todas do Rio de Janeiro, prestaram depoimento na manhã desta quinta-feira e permanecem presas na Delegacia até serem transferidas para um Presídio da região. Elas vão responder por tráfico e associação ao tráfico de drogas e corrupção de menor.

A adolescente foi entregue ao Conselho Tutelar do município e será apresentada para o Ministério Público.

Após depoimento o motorista do táxi foi liberado. – Elas confirmaram que ele não estava envolvido no caso — disse o delegado da Polícia Federal, Aroldo Barcos Burguetti.

Segundo a PRF a droga estava embalada em jornal estrangeiro e acondicionada em seis bolsas e três mochilas como bagagem dentro do veículo com placas de Barracão/PR.

A ação da PRF faz parte da Operação Sentinela, que cuida da fiscalização e segurança nas fronteiras.



Comente aqui
15 mai20:20

Pesquisa mostra que mulheres se olham no espelho pelo menos 8 vezes ao dia

Quantas vezes você se olha no espelho todos os dias? Conte o espelho de casa, o do carro e até a câmera de celular, que serve para dar uma espiada na hora de reaplicar o batom. Se você ficou entre 8 e 10 vezes ao dia, está na mesma média de uma pesquisa feita no Reino Unido. O estudo acompanhou duas mil mulheres e indicou também que 50% delas não saem de casa sem algum espelho por perto.

Outros pontos interessantes do estudo: quase metade das entrevistadas declarou que se sente mais nervosa em sair de casa sem maquiagem do que de ir a uma entrevista de emprego. 70% disseram que não iriam para o trabalho sem maquiagem e 31% garantiram que usam cosméticos até para ir à academia.

Apesar das mulheres viverem às voltas com batons, bases e blushes, isso não significa que elas gostem de todo o processo. A pesquisa britânica apontou que 75% das mulheres detestam se olhar no espelho. Os pesquisadores concluíram que se elas checam cabelo e maquiagem o tempo todo, fazem mais pela pressão da sociedade de estarem sempre bem arrumadas, do que por se acharem bonitas.


Comente aqui
08 mai18:18

Trinta são os novos 20: mulheres na faixa dos 30 anos redefinem o termo balzaquiana

Roberta Ávila

Mulheres na casa dos 30 anos não estão nem aí para a idade. Ao contrário. Se libertaram dos preconceitos e fazem tudo o que queriam fazer aos 20 anos e não tinham coragem. Trinta anos, para uma mulher, já foi sinônimo de ter o destino traçado. Tema abordado em A Mulher de Trinta Anos, livro de Honoré de Balzac que completa 180 anos em 2012. Mas, se no século 19 as mulheres podiam se ver presas a um casamento malsucedido para o resto da vida, as trintonas do século 21 dão show de independência. No quesito beleza, as chamadas balzaquianas não devem nada na comparação com as mulheres de 20.

Há também a percepção de que são mais livres. Livres de pudores, obrigações e grilos sentimentais. Entram nas três décadas de vida com a graça e a confiança de mulheres como Isabel Cristina Silveira, 33 anos, que não se sente com 30 (“22, talvez”) e não se trocaria por nenhuma mulher de 20 e poucos anos. O mesmo pode ser dito sobre a modelo e apresentadora Maryeva Oliveira. A manezinha de 31 anos acredita que está no auge e não gostaria de voltar para os 20 de jeito nenhum.

– Não me vejo com 30. Não tenho namorado, não tenho filhos, não tenho planos de ter nenhum dos dois tão cedo e não estou nem aí para o que possam pensar ou dizer. Estou trabalhando muito, tenho tanta coisa para viver antes de casar. Este é o meu auge, o melhor momento da minha vida – analisa.

Ela acredita que ainda vai haver espaço para discutir a sexualidade das balzaquianas.

– A diferença é incrível. A mulher na casa dos 30 passou por todo um processo de autoconhecimento, de busca dos pontos do prazer, é outro jogo – garante.

Natural de Blumenau, Mariana Weickert, modelo e apresentadora, completou 30 anos em fevereiro e divide com Maryeva a paixão pela idade. Para ela, a mudança do dígito foi até almejada:

– Está sendo uma fase ótima, sem encanações. Não sei se a idade influi, mas estou uma mulher segura aos 30. Não fiquei nem um pouco encanada com a mudança, pelo contrário. Fiquei na expectativa, estava preparada para entrar para o time das mulheres de 30. Nesta idade, você passa a aceitar coisas que nem eram tão importantes, mas que você transformava num grande problema. A idade idade te traz tranquilidade.

Para a psicóloga Shirley Stamou, de Florianópolis, criadora do blog Garotas Modernas, não dá para comparar o estereótipo da balzaquiana com as mulheres de hoje:

– As mulheres de 30 são antenadas em moda, tecnologia e música tanto quanto as de 20. Usam minissaia e jeans.

Aos 39 anos, Shirley acredita que, antes, as mulheres de 30 eram senhoras. Hoje, isso mudou.

– Me olho no espelho, vejo minha energia e não me sinto com 30. Nem identifico as mulheres que foram minhas pacientes nos últimos 13 anos no consultório com as balzaquianas. Eu não sou uma senhora! – brinca.

Casada há sete anos, ela se sente mais próxima das amigas e primas de 20 e poucos do que das parentes mais velhas, com 40 ou 50:

– Passar dos 20 aos 30 é duro, mas, depois, a pessoa percebe que nada caiu de um dia para o outro.

Se os 30 anos são o auge, não se preocupe, os 40 não precisam ser a decadência. Basta ver Jeniffer Aniston, que declarou que seus 30 anos não foram muito bons, mas que os 40 estão sendo sensacionais. Courtney Cox, ex-colega na série Friends, chegou aos 40 linda e começou seu novo seriado, Cougar Town, tratando da situação de uma mulher nesta faixa etária que acaba de se divorciar. Seja na vitalidade de Luciano Huck, que acabou de entrar para o clube dos quarentões – uma camiseta de sua marca diz que “os 40 são os novos 20” –, ou na beleza de Patrícia Pilar e Carolina Ferraz, a lição é: idade, cada vez mais, é só um número.


Carreira em primeiro lugar

Em nome do sucesso na profissão, a família fica para depois ou vira opção. É o caso da consultora de imóveis Isabel Cristina Silveira, de Jaraguá do Sul. Aos 33 anos, ela está separada e gostaria de ter filhos, mas, se não acontecer, tudo OK.

– Se aparecer alguém que queira as mesmas coisas do que eu, tudo bem. Mas, se não acontecer, tudo bem também – diz.

É o mesmo com Janelize Borges, de Lages. Aos 30 anos, a jornalista deixou tudo para mais tarde e investiu na carreira.

– Pretendo casar e ter filhos. Mas ainda vai demorar para isso acontecer. Meu foco até agora sempre foi a minha carreira. Deixei o resto para mais tarde – confessa.

Fernanda de Nes

Fernanda de Nes, de Chapecó, dá sua opinião:

– As mulheres, hoje, demoram para se formar e querem independência financeira, um status legal na profissão.

A ginecologista Neuza Bornholdt acredita que, apesar de se tratar de uma decisão sem volta e extremamente delicada para as mulheres, as que deixam para depois a chegada dos filhos – mesmo correndo o risco de ter problemas para engravidar mais tarde – não se arrependem.

– As mulheres que têm essa postura são esclarecidas, sabem no que implica a decisão – garante a ginecologista.

Ela adverte, no entanto, que não ter filhos, ou tê-los muito mais tarde, tem alguns efeitos:

– A chance de engravidar depois dos 35 é muito menor e a possibilidade de ter um bebê com síndromes como a de Down aumenta com a idade para as mulheres, diferentemente do que acontece com os homens. As mulheres que não têm filhos também têm maior chance de ter câncer de mama.


Espelho, espelho meu

As entrevistadas foram unânimes: as mulheres se sentem mais bonitas aos 30 do que aos 20 anos. Se, por um lado, o psicológico e a autoestima fazem diferença, por outro, os tratamentos estéticos disponíveis fazem possível parecer ter 20 aos 30.

Fabíola Benvenuti, 30 anos, é dona de um corpo de dar inveja a mulheres de qualquer idade. Mantém a forma com dieta e malhação, mas já pensa em um dia fazer cirurgias estéticas ou procedimentos mais invasivos, como botox:

– Tenho orgulho de dizer que nunca fiz nenhuma plástica, mas, depois que tiver filhos, vou colocar silicone e quero usar botox. Pretendo manter a forma, mesmo que para isso precise de plásticas.

Segundo a esteticista Maya Marques, da Clínica Le Fabian, em Florianópolis, mesmo os tratamentos mais eficientes só vão funcionar se combinados com uma dieta balanceada.

– O peeling é um tratamento que rejuvenesce muito a pele, e atualmente existem outros além do químico, como o peeling de diamante, que é menos agressivo e tem um efeito excelente. Além disso, existem opções como o bioativo de nanoesferas, que trata as três camadas da pele de uma vez. É a evolução dos cosméticos junto com a tecnologia – afirma.


Na literatura

Comer, Rezar, Amar – Elizabeth Gilbert

Best-seller e sucesso nos cinemas, o livro é resultado da busca de Elizabeth Gilbert para um novo sentido em sua vida, que teve início ao completar 30 anos.


Persuasão – Jane Austen

Os livros da autora inglesa, considerada uma das mais lidas romancistas da língua, estão cheios de mulheres que deixam de lado suas paixões para apostar seu futuro no que é sensato e bem pensado. E vice-versa. O interessante, aqui, é que Leonor, a protagonista, vive o resplendor de sua beleza aos 30 anos e acaba encantando ótimos partidos, o que para a época era excepcional.


Depoimentos

“Ter 30 anos é como ter 20, mas com mais serenidade e experiência. Sou mãe de segunda viagem. Tive meu primeiro bebê com 19 anos e era completamente diferente a maneira de criar um filho, até a amamentação era diferente. Engravidei sem querer e, por causa disso, casei com meu namorado. Acabamos nos separando um ano depois. Casei de novo quatro anos depois de me separar e estou casada até hoje. A diferença é muito grande de casar mais jovem e mais madura. Vejo pela minha filha: um dia ela está namorando, no outro não está mais, depois está de novo. Quando se é mais velho, temos mais maturidade. Minha segunda gravidez também foi totalmente diferente, superplanejada. Foram dois anos estruturando as condições e mais um ano tentando engravidar. Conversei com meus chefes antes para saber se seria um momento conveniente para a empresa. Adiei meu segundo filho por muitos anos por causa da minha carreira de publicitária. Depois de algum tempo tentando, veio a Valentina, que hoje está com três meses. Desta vez fiz tudo que a pessoa deve fazer quando está grávida: trabalhei menos, mantive a calma.”

Solange Cardoso, 35 anos, de Florianópolis. Publicitária


“Concordo totalmente que as mulheres de 30 anos, hoje, são as mulheres de 20 anos de algumas décadas atrás. A gente aproveita muito a vida. Aproveitei muito meus 20, mas meus 30 estão ainda melhores. Tem uma malícia diferente, sei me safar de algumas roubadas e não tenho mais os grilos que tinha aos 20 e poucos. Não me preocupo mais com que roupa eu vou sair, se meu corpo está como deveria. Eu me aceito. Estou separada há um ano e, por incrível que pareça, está cheio de homem mais novo atrás das mulheres de 30, e eles não estão nem aí para a idade. Fiquei casada por oito anos, agora estou me redescobrindo. É difícil no começo, você fica meio perdida, mas, quando se encontra, é muito legal. Estou saindo com minhas amigas, indo para a balada. Me dou o direito de sair, tomar um porre e pegar um cara muito mais jovem se der vontade. Mas também me dou o direito de escolher. Desde que me separei, não tive relações sexuais por opção, preferi assim. Vou fazer sexo quando achar que vale muito a pena. Se eu tivesse 20 e poucos anos, acho que seria diferente.”

Andréa da Silva, 37 anos, de Jaraguá do Sul. Advogada


Quem foi Balzac

O escritor francês Honoré de Balzac (1799-1850) teve como uma de suas marcas a capacidade de fazer descrições minuciosas para analisar as convenções sociais e a consequência do destino dos homens quando guiados pela paixão. Serviu como influência para autores como Charles Dickens, Henry James, Machado de Assis e Jorge Amado.

Um de seus romances mais famosos, A Mulher de Trinta Anos, parte de sua ambiciosa série de livros A Comédia Humana, conta a história de uma mulher infeliz no casamento, mas presa a ele. Na época de Balzac, as mulheres de 30 anos já eram vistas como entradas na meia-idade ou até mesmo no crepúsculo da vida. Vem daí o termo balzaquiana. Em suas obras, o escritor as exalta como mulheres com uma personalidade e beleza mais maduras e serenas, que seriam capazes de amar e ser felizes com mais intensidade do que as frívolas moças entre a adolescência e os 20 anos – as heroínas típicas dos romances literários.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui