Nivaldo

21 nov19:38

Nivaldo recebe fã

O goleiro Nivaldo, que completou no sábado 206 jogos pela Chapecoense, recebeu nesta semana a visita de um fã na Arena Condá. O advogado Guilherme Pereira, 24 anos, tem o goleiro como ídolo desde a Conquista do Campeonato Catarinense de 2007.

-Ele é um dos maiores jogadores da história da Chapecoense se não for o maior- avaliou Pereira. Para o advogado, além de ter conquistado dois Catarinenses (2007 e 2011), os acesso da Série C (2009) e da Série B (2012), o goleiro mostrou um grande caráter ao permanecer no clube mesmo nos momentos difíceis.

Ele tem cinco modelos de camisa do goleiro. Entre algumas das defesas importantes, o torcedor lembra das duas no primeiro jogo contra o Luverdense, que ajudaram a garantir o acesso para a Série B.

Nivaldo levou o torcedor até a área de uma das goleiras, para mostrar que não é muito fácil evitar que a bola entre no gol. Ele ficou lisonjeado por ser considerado um ídolo para o torcedor. –É bom ter esse reconhecimento e eu já me sinto chapecoense depois de tanto tempo- explicou o goleiro.

Ao despedir-se de Nivaldo, Pereira desejou que ele continue no clube no próximo ano, para disputar a Série B. –Ele merece- concluiu.

Comente aqui
14 nov10:59

Nivaldo faz história na Chapecoense

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Quem projetou a maquete de construção da Arena Condá bem que poderia ter reservado um espaço para uma estátua do goleiro Nivaldo. Ou a “impressão” de suas mãos numa calçada da fama.
Com a conquista do acesso para a Série B o goleiro consolida sua carreira como o maior vencedor da história da Chapecoense.

Dos quatro títulos estaduais do clube, Nivaldo estava em dois, sendo que, em 2007, foi escolhido o melhor goleiro do Catarinense. Na época até ganhou uma faixa da torcida com os dizeres: “Nivaldo Eterno”. Nem o torcedor, nem o goleiro, imaginavam que ele iria durar tanto no gol do Verdão. Nos dois acessos do clube, da Série D para a C e da C  para a B, ele era o titular.

E, aos 38 anos, é o goleiro menos vazado da Série C.  A Chapecoense levou apenas 13 gols em 20 jogos. Nivaldo tem média ainda melhor, de oito gols em 14 jogos. Ele começou a competição na reserva, devido a uma lesão. E ficou dois jogos fora devido a uma expulsão contra o Oeste, adversário na semifinal, por revidar uma agressão do atacante Serginho.

O goleiro quase parou de jogar em 2010, devido a uma série de lesões. Mas persistiu e voltou a jogar em grande estilo. Na primeira partida contra o Luverdense, em Chapecó, salvou o time logo no início da partida, num lance em que o atacante adversário entrou livre na área. Depois quase fez um milagre ao espalmar um chute que ia no ângulo.

O carisma do goleiro com a torcida é tão grande que o diretor de futebol Cadu Gaúcho até brinca: — O Nivaldo vai pra prefeito na próxima eleição. Nivaldo já completou mais de 200 jogos pela Chapecoense.  E ainda não decidiu quando vai parar. Seu sonho era levar a Chapecoense para a Série B antes de se aposentar. O que vier agora é lucro.

“Quero o título da Série C”
Confira a entrevista com o goleiro do Verdão

Diário Catarinense —  Você sempre dizia que antes de se aposentar gostaria de levar a Chapecoense para a Série B, como é realizar este sonho?
Nivaldo —
É muito bom. Ainda mais jogando. Em 2011 fui campeão estadual como reserva, mas o título valeu. Jogando tem outro sabor. Pude ajudar diretamente na conquista. Hoje uma Série B é muito bom. É bom para a cidade. Tem que parabenizar esse grupo, a diretoria, o torcedor que vem a campo. Mas, principalmente, o grupo. Quando estávamos mal chegaram a nos chamar de vagabundos. Ficamos mordidos por dentro. Esse acesso foi conquistado pelo brio dos jogadores.

DC — Você viveu a ascensão da Chapecoense, que estava quase fechando.
Nivaldo —
Quando cheguei, em 2006, o presidente me falou que talvez iria mudar o nome do time. Pensei em disputar a competição e “vazar” Mas aí fomos campeões depois de uma década sem chegar. Aí foi melhorando e eu fiquei.

DC — O que te fez ficar seis anos e meio no clube?
Nivaldo —
Com a conquista de 2007 o pessoal passou a gostar da gente. Me senti bem aqui. Mesmo em 2010, numa situação difícil, fiquei 90 dias sem receber, depois me pagaram, e nunca reclamei. Em 2009, quando tomei um frango na semifinal contra o Macaé, que nos tirou da final, estava só esperando acabar o jogo para receber vais de todo o estádio. Mas só uma meia dúzia vaiou. O restante me apoiou.

DC — Este foi o seu pior momento?
Nivaldo —
Os piores momentos foram nas lesões. Em 2010 tive uma lesão na quarta rodada do Catarinense e só voltei para a Série C. Em 2011 lesionei no primeiro jogo, contra o Avaí, e aí contrataram o Rodolpho e, quando voltei, o Rodolpho estava muito bem. Além disso quebrei um dedo. Só jóquei um jogo. Em 2012 estava em no estadual e tive uma lesão muscular no final do returno. Ia voltar para a Série C e fraturei uma costela. Mas depois voltei e agora estou me sentindo muito bem.

DC — Pensou em parar em algum momento?
Nivaldo —
Em 2010 fiquei três meses e meio parado e pensei em parar de jogar. Tive uma lesão na coxa e,  quando voltei, sentia uma lesão no quadril que não curava. Aí pensei, ou curava, ou parava. Acabei curando e voltei a jogar.

DC — Você conquistou o acesso para a Série B de 2012, agora, vai querer disputa-la, certo?
Nivaldo —
Essa resposta não vou te dar agora. Tem que ver o que vai dar a eleição no clube, quem vai ser o treinador.  O que eu quero agora é o título da Série C. Aí seria muito bom.

Comente aqui
08 nov20:23

"Consegui o objetivo tão sonhado", diz Nivaldo após acesso da Chapecoense

Aos 38 anos, Nivaldo é a cara da Chapecoense. Passou pelas mais diferentes fases do time e esteve nas decepções de 2010 e 2011, quando o Verdão passou perto de conquistar o acesso à Série B. Em 2012, fez parte da trajetória vitoriosa. Começou como reserva na campanha e, com a lesão de Rodolpho, tornou-se titular. Além disso, foi fundamental.

Na partida contra o Luverdense, esteve decisivo quando teve que trabalhar. Foi o cara da partida decisiva e a Chapecoense deve, e muito, o posto que ocupa: estar entre os 40 melhores times do Brasil.

– Graças a Deus consegui o objetivo tão sonhado. Não tem como não enaltecer o grupo. Os que jogam e os que não jogam, que sempre ajudam. Não tem nem o que falar – disse o camisa 1, emocionado.

A programação da Chapecoense prevê a chegada a Chapecó na sexta-feira. Os jogadores dormem em Cuiabá, de onde pegam um avião para Florianópolis e, posteriormente, embarcam em um ônibus para o Oeste.

Comente aqui
20 set09:42

Nivaldo não treinou

O goleiro Nivaldo não participou do treinamento desta quarta-feira. Ele teve uma inflamação no joelho direito e ficou em tratamento.

A previsão é de que ele volte aos trabalhos nesta quinta-feira à tarde e deve ser confirmado para a partida contra o Macaé, sábado, em Macaé.

Comente aqui
12 set14:28

Chapecoense terá dois reforços contra o Caxias

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Chapecoense terá dois reforços para o jogo contra o Caxias/RS, sábado, às 16 horas, no Ìndio Condá: o goleiro Nivaldo e o atacante Rodrigo Gral. Nivaldo conseguiu na terça-feira à noite, no Superior Tribunal de Justiça Desportiva, um efeito suspensivo da punição de quatro jogos, pela expulsão contra o Oeste, no dia 12 de agosto. Ele foi condenado a quatro jogos de suspensão por revidar uma agressão do atacante Serginho. Nivaldo ficou fora de dois jogos.

O atacante Rodrigo Gral, que chegou no clube no início de agosto, teve na segunda-feira seu nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol e poderá estrear. Ele teria condições físicas de estrear contra o Santo André, na abertura do returno, o que não ocorreu pela falta da documentação de transferência do DPMM, de Brunei.

Gral é esperança da torcida para ajudar o time a terminar com o jejum de gols, que já dura três jogos. A falta de atacantes foi um dos motivos que levou Itamar Shulle a criticar publicamente a direção, o que gerou sua queda.

Gilmar Dal Pozzo, que treinava o Veranópolis, foi apresentado na quarta-feira, quando já treinou o time. O desfalque para esta partida é o zagueiro Leonardo, que foi expulso contra o Vila Nova.

DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui
06 set15:01

Gral e Nivaldo não foram liberados

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Chapecoense não conseguiu a liberação do atacante Rodrigo Gral e do goleiro Nivaldo para o jogo de sábado contra o Vila Nova.

O clube tentava um efeito suspensivo da punição de quatro jogos do goleiro, pela expulsão contra o Oeste. Já o atacante Rodrigo Gral ainda não teve seu nome publicado no Boletim Informativo Diário da CBF. O motivo da demora é a transferência internacional, do DPMM, de Brunei, para o Brasil.

>> Gral e Nivaldo viajam sem confirmação

Com isso os dois treinam com o restante do grupo na manhã de sábado, no campo suplementar do Olímpico, em Porto Alegre, e depois retornam para Chapecó. O restante da delegação viaja para Goiânia onde enfrenta o Vila Nova, no Sábado. De acordo com o diretor de futebol, Cadu Gaúcho, a expectativa é de liberar os dois na próxima semana.


Comente aqui
05 set19:14

Chapecoense tenta efeito suspensivo para Nivaldo

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br



Sirli Freitas/Agência RBS



A Chapecoense está tentando um efeito suspensivo da condenação do goleiro Nivaldo, que pode ficar de fora dos próximos três jogos da Série C, em virtude da expulsão contra o Oeste.

De acordo com o diretor de futebol, Cadu Gaúcho, a ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva, a expectativa é de uma decisão até essa quinta-feira. Nivaldo viaja com o grupo na manhã de sexta-feira, para Porto Alegre. O time treina lá até sexta-feira, quando viaja para Goiânia, para enfrentar o Vila Nova, no sábado.

O zagueiro André Paulino está suspenso. Rafael deve entrar no time. Wanderson não treinou ontem em virtude de uma dor no tornozelo direito, mas deve jogar.


Comente aqui
05 set10:26

Nivaldo fora dos próximos três jogos

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O goleiro Nivaldo não poderá atuar pela Chapecoense nos próximos três jogos, contra Vila Nova, Caxias e Macaé. O goleiro foi julgado no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), na noite da terça-feira, dia 4, e foi condenado por revidar uma agressão do atacante Serginho, do Oeste.

Na partida conta o time paulista, no dia 12 de agosto, um jogador do Oeste chutou cruzado, Nivaldo fez uma defesa parcial e em seguida conseguiu segurar a bola. Nisso o atacante Serginho chegou de “carrinho” e atingiu o ombro do goleiro. Nivaldo levantou e deu um soco no ombro do atacante. O goleiro foi levado ao hospital e ficou com o ombro roxo por três semanas. Serginho recebeu oito jogos de suspensão, o dobro de Nivaldo.

Para os próximos três jogos Itamar Schulle tem como opções o goleiro Juliano, que entrou contra o Oeste e também atuou contra o Madureira, ou o goleiro Vanderlei, contratado recentemente.

A partida contra o Vila Nova é sábado, em Goiás.


1 comentário
21 ago17:40

Nivaldo deve voltar ao time titular do Verdão

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O goleiro Nivaldo, que cumpriu suspensão contra o Madureira/RJ, deve voltar ao time titular contra o Tupi/MG, sábado, em Juiz de Fora. Ele ainda está com o braço roxo em virtude da entrada do atacante do Oeste, Serginho, na partida realizada no domingo retrasado. Irritado, Nivaldo revidou e acabou sendo expulso, junto com o atacante do Oeste.

A volta de Nivaldo foi prevista na tarde desta terça-feira pelo técnico Itamar Schulle, em entrevista coletiva. Ele apenas iria confirmar com o treinador de goleiros, Anderson Buião.

Outra provável mudança é a entrada de um volante, Dudu ou Galiardo, no lugar de Neném ou Athos. Esquerdinha segue no time titular, mesmo com Willian estando à disposição.

Comente aqui
13 ago18:59

Chapecoense procura novo goleiro

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Chapecoense deve acertar até esta terça-feira a contratação de um novo goleiro. De acordo com o diretor de futebol, Mauro Stumpf, a direção já tem uma lista de nomes. O motivo para a busca de mais um atleta foi a lesão de Rodolpho, que no início do mês fez cirurgia no joelho direito e ficará fora até o final do ano, além da expulsão do goleiro Nivaldo, no domingo passado.

Nivaldo revidou uma entrada do atacante Serginho, do Oeste, e ambos foram expulsos. Há risco do goleiro pegar mais de um jogo de suspensão.

Comente aqui