Obras

25 abr11:50

Apreciar obras clássicas pode evitar a rejeição do organismo a tecidos e órgãos transplantados

Ouvir peças e óperas clássicas é um hábito que proporciona momentos de relaxamento. O que muitos amantes da música não imaginam é que o efeito dessas composições ultrapassa o puro prazer. Além de combater problemas como ansiedade e desconforto físico, como já demonstrado em alguns estudos, obras como La Traviata e peças de Mozart podem ajudar a diminuir a rejeição a órgãos transplantados.

Por mais estranha que a ideia pareça, essa foi a conclusão de uma pesquisa realizada em ratos de laboratório e publicada na mais recente edição do Journal of Cardiothoracic Surgery. Outro efeito do som harmonioso, de acordo com a mesma investigação, realizada no Japão, seria o fortalecimento do sistema imunológico.

Masateru Uchiyama, pesquisador da Universidade de Jutendo e chefe do estudo, diz que a música tem papel importante na cultura humana. Por isso, muitos cientistas estudam seus efeitos psicológicos, com resultados surpreendentes.

— A música pode melhorar o raciocínio lógico, reduzir o estresse, trazer sentimentos de conforto e relaxamento, promover a distração de uma dor e melhorar os resultados da terapia clínica — destaca o cientista.

De acordo com o imunologista Paulo Soares, há um dado consistente: o sistema imunológico é complexo e interage com o ambiente. Devido a isso, é plausível que ele esteja ligado a outras variáveis, além da música, que podem acalmar ou relaxar.

— O artigo especula que a música agiu no sistema dopaminérgico, ligado a vários centros de prazer e bem-estar do corpo. Provavelmente, o mecanismo pelo qual o som diminuiu o ataque ao coração está relacionado a esse sistema.

Para Soares, a grande questão que gira em torno do transplante é modular as células defensoras para que elas entendam que o tecido estranho não é agressor. Sempre que uma pessoa recebe um transplante, o sistema imunológico é acionado. O estudo comprovou que a música clássica pode diminuir a atividade do organismo, atuando como uma espécie de anti-inflamatório.


Musicoterapia

João Negreiro Tebyriçá, presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai), acredita que o artigo abre a possibilidade para a musicoterapia ser um elemento auxiliar na receptividade ao transplante.

— O mais interessante do estudo é que eles conseguiram medir a intervenção. Houve uma influência nas células que são ligadas ao processo de aceitação do órgão, que são chamadas de reguladoras; elas são importantes na prevenção de processos alérgicos e doenças autoimunes — afirma.


Emoções

Nelso Barreto, musicoterapeuta, explica que a música afeta diretamente o cérebro, tanto para o lado positivo, como para o negativo, influenciando as funções cognitivas:

— A música age no sistema límbico, responsável pelas emoções, mas envolve quase todas as regiões. Pode-se exemplificar isso da seguinte forma: ao escutar um som qualquer, ativam-se as estruturas subcorticais; se for um som ou uma música conhecida, ativa-se a memória. Ao se cantar uma canção, o cerebelo que é ativado.


VIDA e SAÚDE

Comente aqui
19 abr12:08

Obras no Aeroporto de Chapecó iniciam no domingo

[Atualizado às 14h28]

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

As obras para recuperação total da pista do Aeroporto Municipal Serafim Enoss Bertaso, em Chapecó, devem começar no próximo domingo, com previsão de durar 75 dias. Até o próximo sábado, os pousos e decolagens serão permitidos tanto para voos comerciais quanto particulares.

A reforma da pista vai custar R$ 10,6 milhões, sendo R$ 9 milhões oriundos do Governo do Estado de SC e outros R$ 1,6 milhão da Prefeitura de Chapecó.

Nesta sexta-feira, o prefeito José Cláudio Caramori participará de uma entrevista coletiva com a imprensa, a partir das 16h, na cabeceira Leste do Aeroporto.

No mesmo evento será assinada a ordem de serviço com a empresa Planaterra, vencedora do processo licitatório para o início das obras. Devem ser apresentadas ainda as medidas que vão ser adotadas com o fechamento do aeroporto.


Comente aqui
19 abr10:23

Obras na BR 282 em Lages e Xanxerê seguem a passos lentos

Pablo Gomes e Darci Debona | pablo.gomes@diario.com.br darci.debona@diario.com.br

Ainda que estejam em andamento contínuo desde que iniciaram, há pouco mais de um ano, as obras da BR-282 no perímetro urbano de Lages, na Serra Catarinense, vão atrasar.

Em Xanxerê, as obras de duplicação na mesma rodovia, que estão paralisadas há sete meses, devem ser retomadas até o final do mês. Na Serra, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) admite que os trabalhos não ficarão prontos até dezembro, que era o prazo inicial, e só devem ser concluídos entre junho e julho de 2013.

O supervisor do Dnit em Lages, engenheiro Enio Spieker, diz que 30% das obras já foram executados e mais 20% estão em execução. O atraso de meio ano ocorreu por problemas como o excesso de chuvas em 2011, a necessidade de retirada de uma rede de alta-tensão da Celesc na rótula com a Avenida Duque de Caxias e a descoberta de redes clandestinas de esgoto em alguns pontos das obras.

Outros entrave foi a demora na contratação da empresa responsável por fazer o levantamento de preços dos cerca de cem imóveis que serão atingidos e precisarão ser indenizados. As obras integram a segunda edição do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) do governo federal. O projeto inicial foi elaborado pela prefeitura e cedido ao Dnit, que fez as adequações necessárias e o colocou em prática.

O custo total das obras teve um teto estipulado em R$ 62 milhões, mas não deverá chegar a R$ 58 milhões entre execução, supervisão e desapropriações. O projeto prevê a construção de vias laterais nas duas marginais, entre o aeroporto, no km 215, e a rótula do Bairro São Paulo, no km 221. Prevê, também, a construção de cinco viadutos, todos com passagens para pedestres.

Dois já estão prontos e foram feitos sobre a estrada de ferro ao lado da empresa Klabin Papéis, no km 217,1; um será feito sobre o Rio Ponte Grande, no km 217,6; um no cruzamento com a Avenida Luiz de Camões (Hospital Infantil Seara do Bem), no km 218,3; e outro no entroncamento com a Avenida Duque de Caxias, no km 218,9. Não estão incluídas no projeto, mas serão solicitadas pelo Dnit três passarelas para pedestres ao longo do trecho: uma no Bairro Vila Mariza, no km 216; uma entre os Bairros Gethal e Santa Maria, perto do cruzamento com a Rua Campos Sales, no km 217,8; e outra no acesso ao Bairro Frei Rogério, no km 219,2.

As três passarelas deverão custar algo em torno de R$ 2 milhões e serão feitas quando todas as outras obras estiveram prontas. O objetivo das obras é desafogar o trânsito na BR-282 – que recebe, em média, 10 mil veículos por dia, chegando a dobrar no verão e em alguns feriados -, distribuir o tráfego local, facilitar o acesso dos moradores às suas casas e garantir segurança aos pedestres que cruzam a rodovia.


Xanxerê: nada anda há sete meses na duplicação

As obras de duplicação da BR-282 na travessia urbana de Xanxerê, paralisadas há sete meses, devem ser retomadas até o final do mês. Este é o prazo que o Dnit determinou para que a empresa CBMEI – Construtora Brasileira e Mineradora Ltda – retome os trabalhos. D e acordo com a assessoria do órgão, a não retomada pode implicar advertência, multa e até suspensão do contrato.

As obras no trecho de 14 quilômetros preveem duplicação de 8,1 quilômetros, vias laterais, viaduto, duas passarelas, ciclovia, iluminação e paisagismo. A ordem de serviço foi dada em 24 de julho de 2010, com previsão de conclusão de 720 dias. Os trabalhos ocorreram normalmente até setembro do ano passado, quando a empresa começou a atrasar salários, houve uma greve de 60 funcionários e o Ministério Público do Trabalho ajuizou uma ação contra a empresa.

Na época, a CBMEI reconheceu que a empreiteira passava por dificuldades financeiras, mas que pretendia fazer o acerto e estava no prazo de conclusão da obra. Cerca de 70% da obra foi realizado. Até setembro do ano passado foram investidos R$ 41 milhões, de um total de R$ 58 milhões. Em virtude dos problemas da empreiteira, o Dnit paralisou o contrato em janeiro deste ano. Nesse período, o órgão está revisando o projeto para adequar quantitativos de alguns serviços.

Mesmo com essa revisão, o Dnit informou que a obra pode ser retomada. Além disso, já estão garantidos R$ 20 milhões no orçamento para a conclusão dos serviços. A CBMEI foi procurada por telefone mas não houve retorno da ligação para informar sobre a retomada das obras.


DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui
19 abr09:53

Construção da perimetral deve iniciar em Pinhalzinho

Nesta terça-feira foi entregue a Ordem de Serviço para o início das obras de construção da marginal da Rodovia SC 469, entre o trevo de acesso à BR 282 e o Distrito de Machado em Pinhalzinho. No ato estavam presentes autoridades e lideranças.

O investimento da obra é de R$ 522.181,96 e contempla uma ciclovia de 1,5m, passeio público de 1,80m, uma via lateral de 6m de largura com pedras irregulares e um canteiro central de um metro de largura. Serão 1.447m lineares por 10,30m de largura, totalizando 8.685 m2.

O secretário da SDR de Pinhalzinho, Sandro Donati, destacou a parceria firmada entre Governo do Estado e a Prefeitura. Segundo o secretário, os recursos para o pagamento da obra já estão descentralizados na SDR.


Comente aqui
15 abr14:27

Contorno Viário Oeste em Chapecó

Com 75% já concluída, a obra do Contorno Viário Oeste está em fase final de conclusão. A inauguração deve acontecer até o mês de junho. Iniciada em fevereiro de 2009, a rodovia, com 7,8 quilômetros de extensão, liga a SCT 480, na saída para o Rio Grande do Sul, até a Avenida Leopoldo Sander, na rótula com a Avenida São Pedro e Attílio Fontana.

Com investimentos de R$ 12.321.152,86 por parte da Prefeitura de Chapecó, a obra vai desviar o fluxo de veículos de carga pesada que hoje corta a cidade, principalmente a Avenida General Osório. Também em andamento, a obra da ponte sobre o Rio Taquaruçú está orçada em R$ 3 milhões, totalizando cerca de R$ 15 milhões no Contorno Viário Oeste.

A ponte em ‘curva’ tem 130,33 metros de extensão, 11,57 metros de largura e 29,5 metros de altura. Todos os pilares e vigas, que servem de sustentação, já estão colocados, totalizando 85% da obra concluída.

Quase toda extensão do Contorno Viário Oeste já está com terraplenagem e drenagem concluída. A base também está pronta até as duas extremidades da ponte. Cerca de 65% da via já foi asfaltada. Neste momento também está sendo construído o trevo que dá acesso ao Contorno, no acesso ao Aeroporto Municipal Serafim Enoss Bertaso, que liga à SCT 480.


Primeiro elevado de Chapecó

Na interseção do Contorno Viário Oeste com as avenidas São Pedro, Attílio Fontana e Leopoldo Sander, no Bairro Efapi, será construído o primeiro elevado de Chapecó, para facilitar o fluxo de veículos na região. O edital, na modalidade de concorrência internacional, destinado à contratação de empresa de engenharia para a execução dos serviços necessários, será aberto ainda este mês.

O elevado vai ligar o Contorno Viário à Avenida Leopoldo Sander, deixando livre o trânsito entre as avenidas São Pedro e Attílio Fontana, que liga o Centro ao Bairro Efapi. Uma passarela também será construída no local para garantir segurança aos pedestres que precisam atravessar a via. O valor máximo orçado para a obra é de R$ 10 milhões com recursos próprios do município.


2 comentários
13 abr13:47

Obras serão realizadas no Distrito Marechal Bormann em Chapecó

A Administração Municipal de Chapecó anunciou na tarde desta quinta-feira, dia 12, a realização de novos investimentos no Distrito de Marechal Bormann. O Prefeito José Caramori, que esteve reunido com vereadores, secretários municipais e lideranças comunitárias, autorizou o início de diversas obras, que visam à melhoria da qualidade de vida dos moradores daquela localidade.

Na reunião foi assinada a ordem de serviço que autoriza o início imediato da edificação de uma ponte, a ser construída sobre o Lajeado Carneiro, na comunidade de Serraria Reatto. A empresa responsável pela edificação é a Terramax Construções Ltda. e o valor de investimento será de R$ 86.888.00.

Outra novidade foi a entrega de novas máquinas para realizar os serviços competentes a Superintendência do Distrito de Marechal Bormann. Os equipamentos adquiridos são dois caminhões traçados com basculante com capacidade de 12 metros quadrados, no valor de R$ 260.800,00 cada e mais uma retroescavadeira no valor de R$ 255.000,00.

As obras e aquisições anunciadas somam mais R$ 900 mil reais. De acordo com o Prefeito estas melhorias vem a complementar o conjunto de obras realizadas no Bormann desde 2009, que compreendem: a construção de mais de 100 casas populares; promoção da regularização fundiária de 470 famílias; a pavimentação com pedras irregulares; edificação de ciclovia, ginásio de esportes e Centro de Educação Infantil Municipal. Obras que somadas correspondem a investimentos superiores a R$ 6 milhões.


Comente aqui
29 mar09:49

Curso gratuito forma profissionais para os canteiros de obras em Chapecó

Promover a qualificação profissional conforme a evolução do mercado e, com isso, suprir a falta de mão de obra na construção civil em Chapecó. Este é o objetivo do Sindicato da Indústria da Construção e de Artefatos de Concreto Armado do Oeste (Sinduscon) e o Senai Chapecó ao oferecerem de forma gratuita, através da nova Escola da Construção Civil, o curso Aprendizagem Industrial Oficial de Edificações, voltado para capacitar profissionais que atuam nos canteiros de obras das empresas associadas.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas no Senai em Chapecó.

O presidente do Sinduscon, Lenoir Antonio Broch, explica que o curso atenderá profissionais até 23 anos, tanto homens quanto mulheres, que tenham a 7ª série do ensino fundamental completa, estejam cursando ou tenham certificado de conclusão de ensino fundamental ou médio. Não há limite máximo de idade para pessoas com deficiência, que também podem concorrer às vagas.

As aulas serão ministradas no período da manhã ou à tarde. São oferecidas 35 vagas, abertas também para mulheres. Os futuros oficiais de edificação receberão o piso da categoria, embora estejam em fase de aprendizado. Terão atividade profissional garantida com possibilidade de promoções e remuneração compatível com nível de qualificação proporcionado pelo curso. A carga horária é de 800 horas/aula (400 horas/aula no Senai e 400 na empresa).

O curso de aprendizagem industrial de oficial de edificações visa formar profissionais para executar, auxiliar e acompanhar as diversas fases da construção predial de acordo com padrões produtivos, buscando a qualidade e produtividade. – A atividade conta com a supervisão de um especialista, em conformidade com as normas legais, de saúde, segurança e preservação ambiental – enfatiza o presidente.

Mais informações pelo telefone (49) 3321 7300 (Senai) ou (49) 3322 5958 (Sinduscon).


Comente aqui
27 mar18:45

Novo presídio regional de Chapecó

O novo presídio regional, que está sendo construído próximo a Penitenciária Agrícola de Chapecó, deve ficar pronto na segunda quinzena de maio. A informação foi repassada pelo Secretário de Desenvolvimento Regional Eldimar Jagnow que fez vistoria na obra nesta terça-feira.

Assim que estiver pronto, o novo presídio regional terá capacidade para 352 detentos. O investimento do governo do estado é de R$ 8.996.684,00. A vistoria foi acompanhada pelo engenheiro da SDR Chapecó Roberto Barbosa e pelo diretor da Penitenciária Agrícola de Chapecó Adriano Cecchin.

A obra começou a ser construída em abril de 2010 e está com 84% concluído. Foram construídas 16 celas para dois detentos cada. Outras 40 celas terão capacidade para oito detentos em cada uma delas, totalizando 352 vagas. – Será um presídio de extrema segurança. Nossa previsão é que ele esteja pronto até a metade de maio, quando iniciará a transferência gradativa dos detentos – disse o secretário.

O presídio terá também bloco administrativo, alojamento para funcionários, bloco de encontros íntimos, parlatório e salas de apoio. Haverá guarita, torres de observação, sub-estação de energia elétrica, reservatório para abastecimento de água potável e reservatório para captação da chuva. No total a área construída será de 6.861 metros quadrados.



2 comentários
22 mar11:40

Prefeitura anuncia agenda de inaugurações em Chapecó

Estão marcadas diversas solenidades inaugurais de obras públicas em Chapecó nos próximos dias. De acordo com o Prefeito José Caramori, foram realizados novos investimentos nas áreas de educação, saúde, agricultura, esporte e lazer.

Neste sábado, dia 24, acontece a inauguração da Feira Livre do bairro Santo Antônio, às 9h. O novo espaço se localiza anexo ao Campo de Futebol e terá cinco bancas à disposição dos agricultores. Após, às 11h, será realizado o ato inaugural do Poço Artesiano e da Rede de Água da Linha Pereira, com extensão de 11Km, beneficiando 42 famílias da região.

Para a próxima semana outras inaugurações estão previstas. Na quarta-feira, dia 28, às 15h30, entrará em funcionamento a mais nova unidade descentralizada de retirada de medicamentos do município, a Farmácia Sul, localizado junto às dependências do Centro de Saúde do bairro Universitário. Já na quinta-feira, 29, será o dia da educação. Às 16h haverá a inauguração do Ginásio da EBM Florestan Fernandes e, às 19h, a inauguração da nova sede do Centro Educacional de Jovens e Adultos Municipal (CEJAM), anexa a Ala Sul da Arena Condá.

Ainda no final de semana a Prefeitura entrega mais duas obras. No sábado, 31, será realizada a inauguração de um dos maiores Centros de Educação Infantil do Estado: O CEIM Pequeno Príncipe, localizado no bairro Presidente Médici. A unidade atenderá cerca de 700 crianças de até seis anos nos turnos matutino, vespertino e também, no período integral. No domingo haverá a inauguração do Campo de Futebol do Boa Vista.


Comente aqui
22 mar09:50

Aeroporto ficará fechado por 75 dias em Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A partir do dia 21 de abril o aeroporto municipal Serafim Enoss Bertaso será fechado por um período de 75 dias, para a reforma da pista. A informação foi repassada ontem pelo procurador geral do município, Thiago Etges, em entrevista coletiva.

Inicialmente o município tinha planejado fazer a obra em três etapas, mantendo o funcionamento parcial e interditando totalmente apenas num período de 15 a 30 dias. No entanto foi avaliado com a empresa vencedora da licitação, a Planaterra, que haveria muito transtorno na montagem e desmontagem dos equipamentos. –Levaria duas horas só para montar os equipamentos- afirmou o engenheiro da Prosul, empresa que realizou o projeto, Gulherme Manenti Peruchi.

Ele destacou que até uma usina de asfalto será montada no aeroporto, para agilizar as obras.

O Plano Operacional de Obra se Serviços foi aprovado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mas ainda deve passar por algumas adequações, segundo Etges. Desde o dia primeiro de março o aeroporto foi interditado parcialmente, pois a Anac restringiu o uso da pista para aeronaves até 72 lugares, por motivo de deterioração da pista. Antes havia a operação de aeronaves com até 144 lugares.

Etges afirmou que o período de 30 dias para a interdição foi definido para permitir às companhias aéreas adequarem suas operações. Há possibilidade de deslocar os voos para o aeroporto de Passo Fundo, que fica a 200 quilômetros de Chapecó. A Avianca já tinha transferido suas operações para o aeroporto gaúcho. A Gol começou a operar com aviões menores, a Trip manteve os voos já existentes e colocou voos charter e a NHT continuou a operar normalmente. Outra opção seria utilizar outros aeroportos da região, como o de Concórdia, mas para isso seria necessária estrutura de segurança.

De acordo com o administrador do aeroporto, Eglon Buraseska, as empresas vão vender passagens somente com sete dias de antecedência. Ele citou que após a conclusão, a nova pista poderá comportar aeronaves com até 200 passageiros e aviões cargeiros. A Gol sinalizou a operação com o Boeing 737 800 e a Avianca deve operar com o Airbus A 320. O secretário de Defesa do Cidadão, Sérgio Wallner, disse que a nova pista poderia receber até cargueiros. No entanto para ampliar as operações do aeroporto, seria necessário outras melhorias, como mais um caminhão de bombeiros e mais profissionais.

A proposta inicial é retomar a operação nos mesmos moldes de antes da interdição, quando eram realizados oito voos diários e uma movimentação mensal de 23 mil embarques e desembarques.

A reforma da pista vai custar R$ 10,6 milhões, sendo R$ 9 milhões do Governo do Estado e R$ 1,6 milhão da Prefeitura.

Negócios prejudicados e transtornos

O fechamento do aeroporto vai trazer transtornos para os usuários e vai prejudicar negócios e feiras. Já com a interdição parcial muitas pessoas tiveram que enfrentar até 11 horas de ônibus até Florianópolis por falta de vagas. As passagens chegaram a R$ 1,2 mil de Chapecó para a capital catarinesne.

A Chapecoense já teve que fazer viagens de ônibus por falta de avião. O presidente da Aurora Alimentos, Mario Lanznaster, disse que a interdição vai criar problemas para o setor produtivo, já que a região recebe inúmeras missões internacionais. No entanto ele considera que deve haver uma compreensão da sociedade pois essa é uma medida que vai resolver de ver o problema da pista.


COMO VAI FUNCIONAR A REFORMA

A pista do aeroporto de Chapecó tem 2.563 metros de comprimento.

Trecho de 0 a 1,500 metros: Neste local existe hoje uma camada de 11 centímetros de capa asfáltica, mais 32 centímetros de pedra e brita. Será realizada uma fresagem na pista para a retirada de uma camada de quatro centímetros onde o asfalto está trincado. Depois será aplicada uma nova camada de asfalto, variando de 7,5 centímetros a 15 centímetros.

Trecho de 1.500 metros a 2063 metros: Tem atualmente 10,5 centímetros de capa asfáltica, mais 20 centímetros de brita e 35 centímetros de solo compactado. Esse trecho está interditado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Serão removidos o asfalto e o subleito e mais uma camada de terra, totalizando 1,5 metro.

Depois serão colocados 35 centímetros de pedra, 20 centímetros de brita, 7,5 centímetros de asfalto mais simples denominado binder e outra camada de 5 centímetros de asfalto mais resistente.

Trecho de 2.063 a 2.563: Trecho não homologado e que não será necessário ser mexido.


DADOS DA OBRA

Veículos: 25 caminhões, duas fresadeiras, dois vibroacabadores, oito rolos compactadores, uma retroescavadeira, uma valetadeira, quatro escavadeiras, uma carregadeira, uma máquina de pintura, duas motoniveladoras, três tratores agrícolas, três tratores de esteira.

Trabalhadores: 70

Turno de trabalho: 20 horas por dia

Período de execução: de 21 de abril a 5 de julho

Drenagem: 12 mil metros

Retirada de terra: 10 mil metros cúbicos, para as quais serão necessárias mil viagens de caminhão.

Retirada de resíduos de asfalto: 7,6 mil toneladas

Volume de pedra utilizado na obra: 22 mil toneladas

Volume de massa asfáltica: 26 mil toneladas

Será instalada uma usina móvel no aeroporto



1 comentário