Oeste

27 abr10:10

Tempo permanece instável nesta sexta-feira em SC

A previsão é de mais chuva no final de semana em Santa Catarina. De acordo com o gerente de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil, Frederico Rudorff, a expectativa é de uma boa chuva, principalmente no Litoral Sul, onde as nuvens não foram generosas na quarta e quinta-feira.

Rudorff disse que está prevista uma reunião a partir das 14 horas de hoje com meteorologistas no Centro de Informações de Recursos Ambientais e Hidrometeorologia da Epagri, para avaliar a previsão de chuva nos próximos meses.

A previsão inicial é de pouca chuva ainda em mais o junho. A partir dessa reunião a Defesa Civil do Estado vai reavaliar as estratégias de combate à estiagem. A tendência é de redução das demandas. No entanto o órgão vai trabalhar em medidas permanentes de combate à falta de água.

O meteorologista Leandro Puchalski, da Central RBS de Meteorologia, também informa que maio deve começar com tempo seco. Mas depois a tendência é de ir normalizando.


Previsão do Tempo para o Estado

O tempo deve permanecer instável em SC nesta sexta-feira, apesar da possibilidade de menos chuva, segundo previsão da Epagri. O órgão que monitora as condições climáticas ainda aponta que as temperaturas podem chegar a 22ºC entre o Extremo-Oeste e o Oeste e 21ºC na Grande Florianópolis.

Para esta sexta, a previsão é de que seja grande a presença de nuvens em todas as regiões, com maior possibilidade de chuva nas cidades litorâneas. Esta condição climática ocorre em função da passagem de uma frente fria que provocou instabilidade e está se afastando do sul do Brasil.


>> Mais detalhes no Blog do Puchalski


Com isso, há chance de chuva em pontos no Leste e Norte do Estado, mas com baixos volumes. Nas demais regiões o dia será de tempo seco, com sol entre nuvens.

Os ventos sopram de sudeste a leste, com intensidade fraca a moderada com rajadas que podem chegar a 40 Km/h.

A previsão da Epagri ainda indica risco de chuvas fortes em Santa Catarina neste fim de semana para várias regiões.


DIÁRIO CATARINENSE


Comente aqui
27 abr09:48

Chuva começa a diminuir efeitos da estiagem

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A estiagem começa a dar sinais de que está indo embora. A chuva que ocorreu entre quarta-feira e ontem já trouxe alívio para grande parte de Santa Catarina. Em algumas cidades como Chapecó e São Miguel do Oeste choveu mais de 100 milímetros, o que representa o volume de quase um mês inteiro.

De acordo com o meteorologista Leandro Puchalski, da Central de Meteorologia da RBS, há 10 meses não chovia tanto em São Miguel do Oeste. O volume foi tão bom que resolveu momentaneamente o abastecimento de água nas áreas urbanas.

-O nível dos rios aumentou e o abastecimento está normal- informou o superintendente regional da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) no Oeste, Écio Bordignon. A Casan parou de puxar água de caminhão-pipa em Xaxim e Caxambu do Sul. Além disso outras cidades que estavam em risco, como Pinhalzinho, Dionísio Cerqueira e São Miguel do Oeste, a situação foi normalizada.

Até em Chapecó, onde a situação começava a preocupar, a barragem do Engenho Braunn, no Lajeado São José, recuperou cerca de dois metros e transbordava ontem à tarde. O mesmo ocorreu com a barragem do rio Caçador, em Seara.

O secretário de Defesa do Cidadão de Chapecó, Sérgio Wallner, disse que os 122 milímetros registrados na cidade praticamente normalizaram a situação. A chuva encheu as cisternas de cinco mil litros e 10 mil litros instaladas em sete comunidades do interior. O número de caminhões pipa, que eram oito, transportando 300 mil litros de água por dia, baixou para três, que devem transportar de 20 a 30 mil litros.

Para o gerente de Monitoramento e Alerta da Secretaria da Defesa Civil do Estado, Frederico Rudorff, o impacto da chuva no Estado foi bem positivo, pois foi acima do esperado. –Já começa a reverter o quadro- avaliou. Apenas no Litoral Sul a chuva foi insuficiente, ficando em menos de cinco milímetros em vários municípios.

No campo, apesar das prejuízos que já atingem R$ 777 milhões, a situação começa a melhorar. O agricultor Ivaldino Zarpelon, morador da Colônia Cella, em Chapecó, disse que o açude que chegou a ficar 60 centímetros abaixo do normal, acabou recuperando o nível com as duas últimas chuvas. –Só ontem acho que subiu uns 30 centímetros- calculou.

Zarpelon disse que a chuva foi boa e vai permitir o replantio da pastagem. No entanto a produção de leite, que caiu 25 a 30%, vai levar pelo menos dois meses para recuperar.


Hidrelétrica segue sem gerar energia

Mesmo em boa quantidade a chuva ainda não interrompe os efeitos da estiagem, como os prejuízos na lavoura e a interrupção de geração de energia. Em Machadinho o nível da barragem que estava 14 metros abaixo do nível máximo tinha recuperado apenas 15 centímetros até o início da tarde de ontem, segundo o gerente de operações das hidrelétricas de Machadinho e Itá, Elinton Chiaradia. –Precisa chover muito ainda para normalizar- disse Chiaradia. A hidrelétrica tem potencial de geração de 1140 megawatts, o suficiente para atender 45% da demanda de energia de Santa Catarina. Mas está parada desde o dia cinco de abril.

No entanto a chuva afastou o risco de paralisação da hidrelétrica de Itá, que é a maior de Santa Catarina, com 1450 megawatts. Itá foi inaugurada em 2000 e nunca tinha parado de gerar energia. Mas a falta de chuva já estava ameaçando seu funcionamento.

O número de municípios com decreto de situação de emergência subiu para 134. O último município a entrar na lista da Defesa Civil foi Vargem Bonita. Esse era o número que a Defesa Civil do Estado trabalhava no início da estiagem como o quadro mais grave, pois é a região onde historicamente há problemas com falta de chuva.

De acordo com o gerente de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil do Estado, Frederico Rodorff, a situação deve melhorar mesmo nos munícipios que decretaram situação de emergência recentemente, mas não estão descartados novos decretos, já que maio também é um mês de pouca chuva.


CHUVA ACUMULADA DE QUARTA-FEIRA E ONTEM

Porto União: 122 mm (mais que o normal do mês que é 90 a 100 mm)

São Miguel do Oeste: 117 mm (normal 160 a 180 mm)

Rio do Campo: 115 mm (mais que o normal do mês que é 90 a 100 mm)

Irineópolis: 103 mm (mais que o normal do mês que é 90 a 100 mm)

Novo Horizonte: 102 mm (normal 160 a 180 mm)

Rio Negrinho: 101 mm

Água Doce: 96 mm

Major Vieira: 90 mm

Blumenau: 63 mm

Florianópolis: 28,9 mm

Criciúma: 1,8 mm

Itajaí: 65,2 mm

Porto União: 126 mm


Fontes: Ciram/Epagri e Central de Meteorologia da RBS



Comente aqui
26 abr10:36

Chuva chega a 117 mm em São Miguel do Oeste e deve amenizar estiagem no Oeste

O volume de chuva registrado nas últimas 24 horas em Santa Catarina está próximo da média mensal em várias cidades, segundo a Epagri. O órgão que monitora as condições climáticas registrou 117 mm entre 7h de quarta e 7h desta quinta-feira em em São Miguel do Oeste. O volume representa aproximadamente 68% da média para o mês de março na cidade, que é de 170 mm.

A instabilidade no tempo ocorre em função de um sistema de baixa pressão que se formou entre o Paraguai e o Sul do Brasil, e vem se deslocando pelo Estado. Na média estadual, a chuva acumulada em 24 horas atingiu aproximadamente 40 mm, mas superou este valor em alguns municípios. É o caso de São Miguel do Oeste e Rio do Campo. A região da Grande Florianópolis e Litoral sul foram as menos afetadas pelas fortes chuvas.

>> Sobe para 132 o número de municípios em situação de emergência em SC

Segundo o meteorologista Marcelo Martins, como não houve registro de temporais, a chuva foi muito bem vinda paras os catarinenses, em função da escassez de chuva deste ano e pelo quadro de estiagem que SC atravessa.

— O volume de chuva é suficiente para criar uma reserva de umidade no solo que pode durar entre sete e 10 dias — avalia.

A previsão da Epagri é que a chuva permaneça em todas as regiões até o próximo fim de semana no Estado, como volumes mais expressivos entre a Serra e o Litoral.


Preciptação acumulada entre 7h do dia 25/04 até às 7h do dia 26/04 (em mm)


Região: Alto Vale do Itajaí

Ituporanga – 43,2

Rio do Campo – 103,2

Lontras – 57,0

Aurora – 42,0

Vidal Ramos – 40,7


Região: Grande Florianópolis

Florianópolis – 17,9

São José – 19,0

Racho Queimado – 25,4


Região: Litoral Norte e Médio Vale

Itajaí – 44,2

Indaial – 55,0

Itapoá – 63,2


Região: Litoral Sul

Criciúma – 1,8

Timbé do Sul – 2,4

Forquilhinha – 3,4


Região: Planalto Sul

Bom Jardim da Serra – 11,8

Urupema – 30,2

Forquilhinha – 3,4

São Joaquim – 25,0


Região: Meio Oeste

Água Doce – 90,1

Caçador – 73,6

Campos Novos – 52,9

Rio das Antas – 70,8

Tangará – 69,7

Lebon Régis – 59,6


Região: Oeste

Dionísio Cerqueira – 51,6

Novo Horizonte – 99,6

São Miguel d’Oeste – 117,0

Xanxerê – 79,6

Chapecó – 62


Região: Planalto Norte

Major Vieira – 76,6

Canoinhas – 53,6

Irineópolis – 89,4

Porto União – 107,8

Monte Castelo – 66,0


Fonte: Epagri


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
26 abr09:51

Quinta-feira deve ser de chuva no Oeste

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O tempo deve ficar instável em todas as regiões de Santa Catarina ao longo desta quinta-feira, de acordo com a Epagri. As temperaturas se mantém amenas no Estado. A máxima prevista é de 25ºC para o Extremo-Oeste e 21ºC na Grande Florianópolis.

O responsável é um centro de baixa pressão que vem se formando a partir do Paraná avançando para o mar. A condição melhora ao longo do dia, devendo ficar mais firme a partir do fim da tarde no Oeste.

Em algumas regiões, o volume de chuva pode ser próximo do esperado para todo o mesmo, de acordo com o meteorologista do Grupo RBS Leandro Puchalski.

Em Chapecó, entre a noite desta quarta-feira até as 9 horas da manhã desta quinta, foram registrados 62 milímetros de chuva. Segundo o observador meteorológico da Epagri, Francisco Schervinski o registrado no mês está próximo da média histórica para a cidade.

– Até a manhã desta quinta-feira choveu em Chapecó 159,7 mm, quase o mesmo volume da média histórica  do mês de abril que é de 167,2 – disse o observador que frisou ainda que há previsão de chuva para a tarde e para o final de semana na região.

No mesmo período foram registrados 116,8 milímetros em São Miguel do Oeste, em Xanxerê o volume chegou a 79,2.

Mais detalhes no Blog do Puchalski

A instabilidade no tempo também ocorre na circulação de ventos, que podem chegar a 70 Km/h no Sul de SC e 60 Km/h na Serra do Estado.


DIÁRIO CATARINENSE


Comente aqui
25 abr09:33

Tempo deve ficar instável em Santa Catarina nesta quarta-feira

A quarta-feira será de tempo instável em Santa Catarina, de acordo com a Epagri, órgão que monitora as condições climáticas no Estado. Ao longo do dia, predomínio de nuvens e, como tem sido durante a semana, temperaturas mais amenas. Na Grande Florianópolis, a máxima é de 23º C, enquanto na Serra não deve passar dos 21ºC.

Mais detalhes no Blog do Puchalski

À noite, a previsão é que os fãs de Paul McCartney acompanhem o show com chuva no Estádio da Ressacada, em Florianópolis.

Do Oeste ao Planalto há chance de aberturas de sol e chuva, com trovoadas isoladas entre a tarde e a noite, começando pelas áreas mais próximas do Paraná. No Vale do Itajaí, o dia será mais nublado, com chuva ocasional fraca.

Os ventos devem soprar de sudoeste a sudeste, com intensidade moderada, com velocidade de até 40 Km/h.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
24 abr10:30

Sol deve predominar sobre as nuvens em Santa Catarina nesta terça-feira

A terça-feira deve ser mais um dia com tempo estável em Santa Catarina, de acordo com a previsão da Epagri. O órgão que monitora as condições climáticas,aponta que as temperaturas devem se manter amenas, podendo chegar a 30ºC no Litoral Norte.

>> Mais detalhes no Blog do Puchalski

A massa de ar frio que está sobre SC faz com que o tempo não sofra grandes variações em relação aos dias anteriores. Pela manhã, baixas temperaturas devem ser registradas, principalmente na região serrana.

>> Temperatura na madrugada de terça-feira chega a -0,7ºC na Serra de SC

Na Grande Florianópolis, a máxima prevista é de 26ºC, enquanto não deve passar de 20ºC na Serra. No Oeste e Meio-Oeste o dia terá sol e tempo seco. As máximas não devem passar dos 22ºC.

Os ventos devem soprar com baixa intensidade e de sudoeste a sul. A velocidade deve ser de até 35 Km/h.

A presença de sol entre nuvens deve predominar em todas as regiões de Santa Catarina e ao longo do dia, com registro de nevoeiro no amanhecer de todo o Estado. Apenas nas regiões litorâneas há possibilidade de chuva fraca e isolada à noite.



DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
24 abr09:44

Estudantes fazem ato em apoio à greve

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Estudantes de Chapecó realizaram um ato em apoio à greve dos professores. Cerca de 150 alunos se reuniram no início da manhã na Praça Coronel Bertaso. De acordo com a vice-presidente do Grêmio Estudantil da Escola Zélia Scharff, Diana Chiodelli, os alunos mobilizaram-se pelas redes sociais onde criaram um grupo denominado “Luta pela Educação”. Diana disse que os alunos apoiam a reivindicação dos professores. –Queremos que a greve termine logo- afirmou.

Sua colega Neline Krawolski disse que é melhor perder um ou dois meses para posteriormente ter professores mais qualificados.

>> No Oeste 20% dos professores  estão em greve, segundo o Sinte

Para o presidente regional do Sindicado dos Trabalhadores em Educação do Estado (Sinte), Cléber Ceccon, os alunos deram exemplo para muitos professores. – Eles estão ajudando a construir o movimento e lutando pelos professores – destacou.

Hoje à tarde haverá uma reunião do comando regional de greve. Amanhã está prevista uma reunião do comando estadual, a partir das 9 horas, na sede do Sinte, em Florianópolis.


Comente aqui
23 abr21:38

20% dos professores em greve no Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) estima em pelo menos 20% a adesão dos professores na greve, na região Oeste. Já a Gerência Regional de Educação afirmou que apenas 7,7% dos professores não estavam em sala de aula na tarde desta segunda-feira, nas 40 escolas dos nove municípios abrangidos.

A orientação da gerência é que os pais mandem os alunos para as salas de aula.

Nesta segunda foram realizadas as assembleias em 30 regionais para definir os representantes do comando de greve. Em Chapecó a assembleia foi realizada no Sindicato dos Bancários. De acordo com o Sinte 250 professores participaram do ato.

Para esta terça-feira está prevista uma manifestação a partir das 8h30, na Praça Coronel Bertaso.

Em Chapecó uma das escolas com maior adesão foi a Zélia Scharff. Lá paralisaram 24 dos 83 professores, segundo o diretor Jubilei Dalcin. A escola tem 1,8 mil alunos. Os que tiveram autorização dos pais foram para casa. Foi o caso de Ariel Nolasco, da oitava série. Ele teve apenas uma aula de Ciências, dos cinco períodos previstos. Os professores das duas aulas de Matemática e das duas aulas de Inglês não apareceram.

- É ruim assim porque no final tem que vir de novo – argumentou Nolasco, sobre ter algumas aulas e outras não.

Em outras escolas grandes de Chapecó, como Bom Pastor e Marechal Bormann, a adesão foi de apenas dois professores em casa, segundo os diretores.

A presidente do Sinte, Alvete Bedin, que está em Chapecó, acredita que a adesão da categoria vai passar de 50%.

- O magistério sabe que o plano é achatado – argumentou.

Ela afirmou que foi para o Oeste pois é sua base e cada um dos dirigentes foi para uma regional, para auxiliar na mobilização.

Uma das reivindicações da categoria é o reajuste do piso em 22,22% de forma igual. De acordo com o Sinte, o governo deu esse reajuste somente para parte dos professores, principalmente em início de carreira. Alvete afirma que isso é um desestímulo para a carreira do professor.

Ela afirmou que o Sinte está aberto a negociação com o Governo do Estado e acredita que a sociedade vai ficar ao lado da categoria. Ela não teme desgaste com duas greves seguidas pois entende que a paralisação deste ano é continuidade da mobilização do ano passado.

Na quarta-feira acontece a reunião do Comando de Greve, às 9 horas, na sede do Sinte, em Florianópolis.



Comente aqui
20 abr11:28

Frio intenso na próxima semana no Oeste

Na quinta-feira o metereologista Leandro Puchalski informou sobre a chegada de uma massa de ar frio durante a semana que vem. – Hoje as informações vão confirmando o avanço deste sistema, mas como expliquei ontem ele terá o seu centro, onde as temperaturas são menores, sobre a Argentina e Uruguai chegando aqui em SC só a borda – disse o metereologista.

A arte  ajuda a entender melhor:

Desta forma os catarinenses que vão mais sentir a influência deste ar frio serão os do Oeste, da Serra e do Planalto Norte já na noite de sábado para domingo. As demais regiões terão uma queda maior na temperatura na noite seguinte, domingo para segunda.

Importante destacar que o frio não deverá ser tão forte quanto o que tivemos no final de março, mas será suficiente para trazer temperaturas próximas dos 0ºC na serra onde até a geada poderá aparecer no início da semana que vem.



>> Mais detalhes no Blog do Puchalski

Abaixo uma ideia de temperatura para a Região Oeste:

Sábado,21/04: mínima de 16 – máxima de 23

Domingo, 22/04: mínima de 10 – máxima de 20

Segunda-feira, 23/04: mínima de 7 – máxima de 21

Terça-feira, 24/04: mínima de 7 – máxima de 20


Comente aqui
20 abr09:29

Sexta-feira deve ser de tempo instável em todas as regiões de Santa Catarina

Presença de muitas nuvens intercalando com aberturas de sol ao longo do dia. Assim deve ser a sexta-feira em Santa Catarina, de acordo com a previsão da Epagri. O órgão que monitora as condições climáticas aponta ainda possibilidade de chuva, especialmente no Oeste e Meio-Oeste.

Mais detalhes no Blog do Puchalski

As temperaturas devem permanecer altas, podendo chegar a 28ºC na Grande Florianópolis e no Litoral Norte. As demais regiões também podem registrar temperaturas semelhantes.

A possibilidade de chuva se deve a influência de uma área alongada de baixa pressão, que desestabiliza o tempo no Estado.

Os ventos sopram de nordeste a noroeste, com intensidade fraca a moderada, não devendo passar de 50 Km/h na Serra e variar entre 35 Km/h e 45 Km/h nas remais regiões.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui