Oeste

17 jan09:25

Previsão aponta sol e chuva isolada em Santa Catarina nesta terça-feira

O sol predomina no Oeste e na Serra de Santa Catarina nesta terça-feira. Nas demais regiões, o sol aparece entre nuvens e há previsão de chuva isolada, principalmente no início e no fim do dia, segundo a Epagri/Ciram, órgão estadual que monitora as condições climáticas.

As máximas chegam entre 27ºC e 28ºC na Grande Florianópolis, no Litoral Norte, no Vale do Itajaí e no Planalto Norte. No Oeste, os termômetros atingem 32ºC. Na Serra e no Sul, ficam por volta dos 24ºC, aponta previsão do Instituto Nacional de Meteorologia.

Na quarta-feira, o sol predomina em todo o Estado. Apenas o Litoral Norte deve ter uma formação maior de nuvens e condição de chuva fraca no início e fim do dia. Temperaturas ficam elevadas.

DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui
17 jan07:08

Plano de combate à estiagem é considerado insuficiente

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Um pacote de R$ 28,6 milhões dos Governos Federal e Estadual foi confirmado ontem em Chapecó, com a presença dos ministros da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, do Desenvolvimento Agrário, Afonso Bandeira Florence, do ministro interino de Relações Institucionais, Claudinei Nascimento, e do governador Raimundo Colombo.

O plano prevê ações emergenciais, como recursos para os municípios bancarem serviços de transporte de água, mas também medidas a médio e longo prazo, como perfuração de poços e crédito para construção de cisternas e sistemas de irrigação.

Os R$ 10 milhões do Ministério da Integração Nacionais serão utilizados para perfuração de 333 poços artesianos, o que dará uma média de quatro poços por município. Cada município deve receber um distribuidor de adubo orgânico, já que o Estado liberou R$ 1 milhão para compra destes equipamentos, que custam cerca de R$ 15 mil.

O governo do estado também anunciou R$ 1,6 milhão para auxílio dos municípios em despesas de transporte de água e silagem, sendo que 1,3 milhão já haviam sido anunciados há duas semanas. Isso dá cerca de R$ 20 mil por cidade. O prefeito de São Carlos, Élio Godoy, considerou as medidas como “razoáveis”. Ele lembrou que muitos poços perfurados em seu município não dão água. E que é necessário investimento mais forte em reservatórios e cisternas. Ele já gastou cerca de R$ 50 mil com o transporte de água. Em Chapecó já há exemplos de cisternas que vem dando certo. O Governo do Estado liberou R$ 10 milhões para bancar o juro de financiamento de cisternas, sistemas de captação e armazenagem de água e distribuição. E também assinou um termo de cooperação técnica com as agroindústrias para incentivar a instalação desses sistemas nos aviários e pocilgas. O presidente da Aurora Alimentos, Mário Lanznaster, disse que a empresa vai incentivar seus integrados a acessarem o programa Juro Zero. Ele considerou a medida positiva para evitar o transporte de água nos períodos de estiagem.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Bandeira Florence, disse que as dívidas que vencem neste início de anos foram prorrogadas para 31 de julho. E que elas podem ser renegociadas até cinco anos. O coordenador da Federação da Agricultura Familiar da Região Sul, Fetraf-Sul, Celso Ludwig, entregou uma pauta de reivindicações para os ministros. Ele afirmou que o que foi anunciado ontem é muito pouco. –Não pode ficar só nisso senão é fogo de palha- explicou.

Ludwig disse que as medidas não resolvem o problema da renda do produtor. A prorrogação das dívidas não resolve. Os ministros afirmaram que o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária vai atender as perdas e que os técnicos da Epagri estão fazendo os laudos das perdas. Em Santa Catarina 3,2 mil produtores, dos 130 mil contratos de custeio, já solicitaram o Proagro. No entanto o programa só pode isentar o financiamento, a partir de 30% de perdas, garantindo uma renda para o produtor de, no máximo, R$ 3,5 mil.

O agricultor Valdecir Carvalho, de Chapecó, espera a visita de um técnico para verificar as perdas. Ele estima em 50% a quebra no milho e 40% na soja. Se for confirmado esse percentual ele terá isenção de 50% no financiamento de R$ 51 mil da lavoura de milho e 40% nos R$ 30 mil da lavoura de soja.

-As ações ajudam a minimizar as perdas- avaliou. Mas ele afirmou que precisa uma prorrogação das dívidas. Além disso ele pretende acessar o programa Juro Zero e construir uma cisterna para seus dois aviários.

O Ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, afirmou que o governo está empenhado em desenvolver ações para evitar que a situação se repita nos próximos anos. Celso Ludwig disse que é necessário investimento em irrigação, com recursos subsidiados, para garantir parte da produção nas propriedades.

Ou seja, as medidas anunciadas ontem devem ser apenas o começo de ações de infraestrutura que resolvam a falta de estiagem de forma permanente.


Outras medidas anunciadas

-Prorrogação das dívidas que vencem no início do ano para 31 de julho

-Compra de milho e trigo pelo Governo Federal para disponibiliza-los aos produtores do Sul com transporte subsidiado.

-Garantia de benefício de seguro do financiamento e renda até R$ 3,5 mil do Programa de Apoio à Atividade Agropecuária (Proagro).



Comente aqui
17 jan07:07

Agricultor aproveita chuva para plantar safrinha

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Para o agricultor Natalino Bortoli mais dos que as medidas governamentais o que mais lhe ajudou nos últimos dias foi a chuva da semana passada, que foi de 71 milímetros segundo registro da Epagri.

Tanto que ontem ele começou o plantio da safrinha, segunda safra, numa área de seis hectares. Nessa mesma área ele perdeu metade da lavoura de milho. Mas a chuva salvou outra área de quatro hectares, onde o agricultor espera colher 400 sacas. Essa produção, somado ao que espera colher na safrinha, deve garantir alimentação para as 40 vacas, que produzem 450 litros por dia. A produção havia diminuído 20% e ele já vê recuperação após a chuva, pois o pasto voltou a ficar verde. –As vacas já aumentaram dois a três litros por dia- explicou.

Bortoli disse que as medidas governamentais não devem beneficiá-lo. Ele não pegou empréstimo no banco. Mas acredita que os pequenos produtores terão benefício com as medidas.


Comente aqui
16 jan08:52

Sol aparece entre nuvens em Santa Catarina nesta segunda-feira

O tempo fica firme no Oeste de Santa Catarina nesta segunda-feira. Nas demais regiões, ocorre variação de nuvens com aberturas de sol e chuva isolada no início e fim do dia, segundo a Epagri/Ciram, órgão estadual que monitora as condições climáticas.

As máximas chegam entre 28ºC e 29ºC na Grande Florianópolis, no Litoral Norte, no Planalto Norte e no Vale do Itajaí. No Oeste, os termômetros atingem 30ºC. No Sul e na Serra ficam entre 25ºC e 26ºC.

Na terça-feira, a manhã tem presença de sol em boa parte do Estado. Porém, na faixa litorânea, deve ter nebulosidade variável e chuva isolada durante todo o período. Nas demais regiões, sol e pancadas de chuva entre a tarde e a noite. Temperaturas ficam elevadas com sensação de ar abafado.

DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui
16 jan07:10

Pacote contra a seca terá R$ 28,6 milhões

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Será de R$ 28,6 milhões o montante de verbas de combate a estiagem em Santa Catarina, que será anunciado nesta segunda-feira no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nês, em Chapecó. Estarão presentes os ministros da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, do Desenvolvimento Agrário, Afonso Bandeira Florence, e o ministro interino de Relações Institucionais, Claudinei Nascimento, além do governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo. Uma coletiva está prevista para às 10 horas e, às 10h30, o ato com a presença de prefeitos e outras lideranças políticas.

Depois está prevista a visita a uma propriedade rural em Chapecó. Os ministros devem confirmar a liberação de R$ 10 milhões do Governo Federal e que devem ser aplicados na perfuração de 333 poços artesianos nas comunidades rurais dos municípios atingidos pela estiagem, que eram 80 até o final de semana. Também será assinado um convênio entre o Ministério, o Governo de Santa Catarina e o Banco de Desenvolvimento Econômico do Extremo Sul, no valor de R$ 6 milhões, para financiamento de sistemas de captação de água e irrigação. O recurso tem prazo de 12 anos para pagar e juros de 6,75% ao ano.

O Governo de Santa Catarina vai anunciar R$ 12,6 milhões em recursos. São R$ 10 milhões para o Programa Juro Zero, da Secretaria da Agricultura, que servirá para subsidiar o juro dos investimentos que os agricultores tomarem para financiar cisternas e outros sistemas de armazenamento de água.

Mais um milhão será destinado aos municípios em situação de emergência para a compra de distribuidores de distribuidores de água, que são distribuidores de dejetos de suínos adaptados para a função. Cada um custa R$ 13 mil. Além disso o governo vai anunciar mais R$ 353 mil para os últimos 20 municípios que decretaram situação de emergência, totalizando R$ 1,6 milhão dividido entre as prefeituras, para bancar serviços de transporte de água e silagem. Cada município recebe conforme o número de propriedades rurais, o que dá uma média de R$ 20 mil por município.


Perdas já atingem R$ 497 milhões

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf-Sul), vai entregar uma pauta de reivindicações ao ministro Mendes Ribeiro Filho, solicitando disponibilização de milho para os animais, programa de irrigação, programa de sementes para plantio de safrinha e desburocratização na liberação do seguro. O coordenador da entidade, Celso Ludwig, disse que as ações são importantes mas insuficientes em relação ao volume de perdas.

– Precisamos buscar uma solução para a renda do agricultor. Em Santa Catarina as perdas na agropecuária já somam R$ 497 milhões, segundo dados divulgados ontem pela Secretaria da Agricultura.



80 Municípios em situação de emergência


Itá e Xavantina foram os dois últimos municípios a decretar.


Abelardo Luz

Águas de Chapecó

Águas Frias

Anchieta

Arvoredo

Bandeirante

Barra Bonita

Belmonte

Bom Jesus

Bom Jesus do Oeste

Caibi

Campo Erê

Caxambu do Sul

Chapecó

Cordilheira Alta

Coronel Freitas

Coronel Martins

Cunhataí

Cunha Porã

Descanso

Dionísio Cerqueira

Entre Rios

Faxinal dos Guedes

Formosa do Sul

Flor do Sertão

Galvão

Guaraciaba

Guarujá do Sul

Guatambu

Iporã do Oeste

Ipuaçu

Iraceminha

Irati

Itá

Itapiranga

Jardinópolis

Jupiá

Lajeado Grande

Lindóia do Sul

Maravilha

Marema

Modelo

Mondaí

Nova Erechim

Nova Itaberaba

Novo Horizonte

Ouro Verde

Palma Sola

Palmitos

Paraíso

Passos Maia

Pinhalzinho

Planalto Alegre

Ponte Serrada

Princesa

Quilombo

Riqueza

Romelândia

Saltinho

Santa Terezinha do Progresso

Santiago do Sul

São Bernardino

São Carlos

São Domingos

São João do Oeste

São José do Cedro

São Lourenço do Oeste

São Miguel da Boa Vista

São Miguel do Oeste

Saudades

Seara

Serra Alta

Sul Brasil

Tigrinhos

Tunápolis

União do Oeste

Vargeão

Xanxerê

Xavantina

Xaxim

Lista atualizada às 17h40, do dia 13 de janeiro de 2012, pela Defesa Civil.




Comente aqui
15 jan19:02

Dois acidentes com morte no Oeste

Dois acidentes com morte ocorreram no Oeste no final de semana, ambos no sábado.

Um deles ocorreu por volta da 1h15, no quilômetro 58,9 da BR 153. Uma Kia Besta de Campo Alegre bateu num ônibus da Pluma, que fazia a linha Porto Alegre/Curitiba. Morreu Edésio Pereira Soares, 45 anos, de Navegantes, passageiro da Kia. O motorista do veículo, Milton Emanuel Mafra, 53 anos, e o passageiroAdemilson Santos Ferreira, 36 anos, ficaram feridos e foram levados ao hospital de Irani mas não correm risco de vida. Do ônibus o motorista Amilton Oliveira Antunes, 25 anos, e os 58 passageiros saíram ilesos.

O outro acidente com morte ocorreu às 12h30 no quilômetro 84 da BR 163, em Guaraciaba. Uma motocicleta Honda placas de Guaraciaba bateu na traseira de um caminhão placas de São José do Cedro. O condutor da motocicleta, Ivomar Mossmann, 26 anos, morreu no local. De acordo com relatório da Polícia Rodoviária Federal a vítima fez uma ultrapassagem de outro veículo pela direita e acabou batendo no Merceces Benz. O condutor do caminhão, Romeu Ammon, 60 anos, saiu ileso.

Comente aqui
14 jan14:55

Governo de SC vai anunciar R$ 11,2 milhões

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O Governo do Estado vai divulgar um pacote de R$ 10,2 milhões em ações de combate à estiagem na próxima segunda-feira, quando o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, estará em Chapecó. O ato deve ocorrer às 10 horas, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes. –Serão recursos para a construção de cisternas, irrigação e açudes- adiantou o secretário de Agricultura, João Rodrigues.

Os R$ 10 milhões deverão ser utilizados para o pagamento dos juros de empréstimos que os agricultores poderão tomar no banco.

O secretário adjunto de Agricultura, Airton Spies, informou que mais R$ 1 milhão devem ser destinados para a aquisição de equipamentos de transportes de água, que são os distribuidores de dejetos que são adaptados para o transporte de água. Cada distribuidor custa R$ 13 mil e transporta seis mil litros.

Alegria do agricultor Natalino de Bortoli com a chuva que começou na sexta-feira, dia 13.

Outros R$ 250 mil devem ser distribuídos aos municípios que decretaram emergência na última semana e que não foram beneficados pelos 1,3 milhão liberados na semana passada, de acordo com o número de propriedades rurais de cada município. Esse dinheiro pode ser aplicado em serviços como transporte de água e silagem. Ontem o número de decretos de emergência subiu para 80.

O Governo Federal anunciou R$ 10 milhões do Ministério da Integração Nacional para Santa Catarina, que devem ser utilizados na perfuração de 333 poços artesianos, nos municípios em situação de emergência.

–Vamos perfurar quatro a cinco poços por município- explicou Spies.

Santa Catarina tinha solicitado R$ 80 milhões em recursos para obras como a construção de 24,6 mil cisternas, 13,2 mil açudes particulares e mil açudes comunitários de médio grande porte. Mas esse dinheiro não foi liberado. Segundo Spies, esses números foram feitos numa estimativa baseada em cima de um estudo da Defesa Civil que apontou 132 municípios como os mais atingidos por estiagens. A idéia era liberar 200 cisternas, 100 açudes e oito reservatórios comunitários por município.

O ministro da Agricultura também deve anunciar uma linha de crédito do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) para sistemas de captação de água, com juros de 6,75% ao ano. As dívidas dos produtores também devem ser prorrogadas.

Para o coordenador da Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar de Santa Catarina, Alexandre Bergamin, a ação dos governos estadual e federal foi ágil e isso foi positivo. No entanto ele considera que os recursos são insuficientes diante do volume das perdas, que já atingem R$ 470 milhões. –O que foi anunciado não dá 2% das perdas- calculou Bergamin. Os recursos do Governo do Estado até ontem somam pouco mais de R$ 10 mil por município e, do governo do Estado, pouco mais de R$ 100 mil, segundo Bergamin. Ele afirmou que agora o momento do governo lançar linhas específicas que garantam a renda do produtor e o plantio da safrinha. –Tem que vir dinheiro que chegue no agricultor- disse.


80 Municípios em situação de emergência

Itá e Xavantina foram os dois últimos municípios a decretar.


Abelardo Luz

Águas de Chapecó

Águas Frias

Anchieta

Arvoredo

Bandeirante

Barra Bonita

Belmonte

Bom Jesus

Bom Jesus do Oeste

Caibi

Campo Erê

Caxambu do Sul

Chapecó

Cordilheira Alta

Coronel Freitas

Coronel Martins

Cunhataí

Cunha Porã

Descanso

Dionísio Cerqueira

Entre Rios

Faxinal dos Guedes

Formosa do Sul

Flor do Sertão

Galvão

Guaraciaba

Guarujá do Sul

Guatambu

Iporã do Oeste

Ipuaçu

Iraceminha

Irati

Itá

Itapiranga

Jardinópolis

Jupiá

Lajeado Grande

Lindóia do Sul

Maravilha

Marema

Modelo

Mondaí

Nova Erechim

Nova Itaberaba

Novo Horizonte

Ouro Verde

Palma Sola

Palmitos

Paraíso

Passos Maia

Pinhalzinho

Planalto Alegre

Ponte Serrada

Princesa

Quilombo

Riqueza

Romelândia

Saltinho

Santa Terezinha do Progresso

Santiago do Sul

São Bernardino

São Carlos

São Domingos

São João do Oeste

São José do Cedro

São Lourenço do Oeste

São Miguel da Boa Vista

São Miguel do Oeste

Saudades

Seara

Serra Alta

Sul Brasil

Tigrinhos

Tunápolis

União do Oeste

Vargeão

Xanxerê

Xavantina

Xaxim


Lista atualizada às 17h40, do dia 13 de janeiro de 2012, pela Defesa Civil.





Comente aqui
14 jan14:43

Projeto que amenizaria estiagem não recebeu apoio

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br


A ocorrência de estiagem no Oeste de Santa Catarina é quase tão previsível quanto o Natal ou o Carnaval. Somente na década passada foram sete períodos de falta de chuva. Com isso já daria tempo para tomar medidas preventivas que amenizassem a escassez de água.

Um exemplo é um projeto do Centro de Estudos e Pesquisas sobre Desastres da Universidade Federal de Santa Catarina, que foi elaborado a pedido da Defesa Civil de Santa Catarina. O projeto previa 555 ações em 194 municípios. Técnicos fizeram levantamento das principais dificuldades de cada município. Entre essas ações estavam construção de cisternas, perfuração de poços, proteção de fontes, construção de açudes, redes de distribuição e conjuntos de bombas de água. O projeto, orçado em R$ 44 milhões, foi apresentado ao Ministério da Integração Nacional em maio de 2006.

O projeto serviu de base para uma verba de R$ 10 milhões fosse destinada ao estado. Mas, segundo o diretor da Defesa Civl na época e atual secretário adjunto da Defesa Civil, major Márcio Luiz Alves, o recurso não foi destinado ao projeto e sim dividido em cotas de R$ 50 mil para cada município atingido. –Por interesses políticos a verba não foi destinada ao projeto, que tinha critérios técnicos e priorizava as ações- lamentou Alves.

Além disso, apenas cerca de 30% das cidades conseguiram acessar os recursos, devido à burocracia. O prefeito de São Carlos, Élio Godoy, confirma que seu município não recebeu esse dinheiro. –Foram poucas cidades que conseguiram- comentou.

O diretor de prevenção da Secretaria de Defesa Civil de Santa Catarina, major Emerson Neri Emerin, disse que na próxima semana deve ser feito um contato com a UFSC para retomar e atualizar o projeto. Ele afirmou que alguns municípios acabaram investindo por conta própria em melhorias. Coronel Freitas, por exemplo, construiu várias cisternas no interior. Em Chapecó foram perfurados 12 poços artesianos e implantados 49,5 mil metros de redes de água no interior, beneficiando 600 famílias, segundo o secretário de Agricultura Ricardo Lunardi. Um poço foi perfurado no distrito de Sede Figueira, beneficiando cerca de 100 famílias. Uma das beneficiadas foi a dona de casa Angelina Laval. –Eu sempre ficava sem água e tinha que lavar roupa no rio- conta. Neste ano, ela não teve nenhum problema.

A família de Cristiano Bortese também sofria com a falta de água. Eles conseguira uma rede do poço que resolveu o problema do abastecimento humano e, para os animais, construíram uma cisterna com capacidade para 300 mil litros. O investimento foi de R$ 18 mil com recursos próprios. E mesmo com a estiagem a família conseguiu abastecer o aviário com sete mil frangos e dar água para as vacas. –Nas outras estiagens tínhamos que buscar água no rio ou então do caminhão-pipa- contou Bortese.

Os irmãos Alves e Rudi Giuriatti conseguiram um financiamento do Governo do Estado para pagar os juros de 2% ao ano para construir a maior cisterna do Estado, com capacidade para R$ 1,3 milhão de litros. Eles gastaram R$ 58 mil no projeto, que foi concluído em 2009. –No início parecia muito gasto, mas valeu a pena- disse Isabel Giuriatti. Neste ano, se não fosse a cisterna, eles teriam que pedir água para a Prefeitura para terminar o lote de frangos, que consumia seis a sete mil litros por dia.

Também foi a salvação para as vacas de Alves Giuriatti. Ele fez um encanamento e improvisou bebedouros no potreiro, pois as fontes secaram. –Tinha um pouco de água no açude e no riozinho, agora não tem mais- disse Caroline Giuriatti, filha de Alves. Eles confirmam que um pouco de investimento vale mais do que ficar esperando o bom humor de São Pedro. Um pouco de vontade política também ajudaria.


SC financiou 1,2 mil cisternas em seis anos

De 2005 a 2010, a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, por meio de Programas Revitalizar e Água da Chuva e de recursos do Fundo de Desenvolvimento Rural, investiu R$ 7.9 milhões na construção de poços artesianos, açudes, cisternas e redes de distribuição de água. Esse valor beneficiou 2925 famílias com a concessão de empréstimos e subvenção de juros. De 2005 a 2010 foram 1.210 cisternas foram . 342 poços e 207 redes.

Comente aqui
13 jan13:59

Chega a 78 as cidades em emergência

[Atualizado 15h22]

O boletim divulgado pela Defesa Civil de Santa Catarina às 15h desta sexta-feira mostra que 78 municípios estão em situação de emergência por causa da estiagem no Oeste e Extremo-Oeste.

Os últimos municípios a decretar foram Cordilheira Alta, Mondaí e São João do Oeste.


Chega a 78 as cidades em emergência:


Visualizar Cidades em situação de emergência em um mapa maior

Comente aqui
13 jan10:44

Chuva traz a alegria de volta ao campo

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br *

A chuva que chegou na noite de ontem e prossegue hoje pela manhã, em todo o Oeste, trouxe a alegria de volta ao campo. O agricultor Natalino de Bortoli chegou a acordar às 2 horas com os pingos no telhado. –Ouvi um tchich, tchic- contou. Depois disso nem dormiu mais direito.

Ele estava feliz por salvar a lavoura de milho que está na floração. –Mais oito a 10 dias as plantas iriam secar e ia perder tudo – observou. Ele já tinha feito silagem com outra lavoura de seis hectares de milho, onde perdeu a metade da produção. Mas no pedaço que sobrou ele espera colher pelo menos 80 a 90 sacas por hectere, uma quebra de apenas 10 a 20%.

Além de salvar a atual lavoura ele ainda pretende plantar uma segunda safra nos outros seis hectares.

–Vou plantar mais milho e talvez um pouco de sorgo- explicou.

Fazia quase dois meses que não chovia bem. Ele calculava em cerca de 30 milímetros a chuva. –Bota boa nisso, tenho que agradecer a Deus- comemorou.

>> Rios estão secos no Extremo Oeste

A umidade também vai ajudar os seis hectares de pastagem, onde tem 44 bovinos. A produção de leite já havia caído 20%. A partir de agora ela começa a recuperar.

De acordo com o observador meteorológico da Epagri em Chapecó, Roque Sulzbacher, até às 10 horas de hoje havia chovido 24,2 milímetros. O acumulado do mês é de 34,6 milímetros. Ainda está longe da média para o mês, que é de 184 milímetros.


*Colaborou Juliano Zanotelli


Comente aqui