Pesquisa

15 set09:34

Pesquisa aponta o que os homens esperam de um relacionamento

Laura Schuch

“Que seja eterno enquanto durar”. É assim que a maioria dos homens encara os relacionamentos, de acordo com pesquisa do site ParPerfeito. A resposta foi a preferida de usuários de todas as idades, convidados a escolher entre três opções.

Ainda que a frase inspirada por Vinícius tenha predominado em todas as faixas etárias, as demais preferências variaram. Os homens de 18 a 24 anos se identificaram mais com a expressão “vamos nos divertir sem pensar no amanhã”, enquanto a segunda colocada entre aqueles de 25 a 35 foi “e viveram felizes para sempre”.

A pesquisa foi feita com 35 mil homens cadastrados no site, em agosto desse ano.


DONNA ZH


Comente aqui
11 set10:15

Estudo diz que tipo do copo influencia no consumo de cerveja

Se você quer começar uma dieta nesta semana, mas não consegue recusar aquele segundo copo de cerveja no jantar com as amigas, preste atenção neste estudo. De acordo com pesquisadores britânicos, o segredo para beber menos está no copo em que a cerveja é servida.

Segundo o estudo, publicado no jornal científico PLoS ONE, as pessoas tomam cerveja mais rápido e em maior quantidade quando o copo escolhido tem curvas. A tendência é de tomar 60% menos bebida em um copo reto.


Outras pesquisas


A pesquisa sobre copos de cerveja se junta a outras que mostram formas nada convencionais de comer ou beber menos. Outro estudo concluiu que o tamanho do prato influencia na quantidade de comida ingerida. De acordo com pesquisadores, colocar o almoço em um prato pequeno é uma excelente pedida. Servir-se em pratos grandes faz com que você sinta necessidade de preenchê-lo, mesmo que não esteja com fome para tanta comida colocada ali.


DONNA ZH



Comente aqui
04 set18:20

Cesta básica aumenta 1% em Chapecó, mas elevação dos produtos supera 3%

O valor do cesto de 57 produtos básicos teve em agosto aumento de 3,58% em Chapecó, em relação ao mês anterior. Já a cesta de 13 produtos apresentou elevação de 1,01%. Esses são índices mostrados por levantamento que é realizado mensalmente pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó. A maior elevação de custo registrada no cesto de produtos foi da carne suína, com o expressivo índice de 75,10%, enquanto na cesta básica a batata inglesa liderou o aumento, com 1,55% de variação positiva.

Dos 57 itens pesquisados para o cesto de produtos básicos, 34 registraram aumento no mês passado. O valor do cesto de produtos básicos, que era de R$ 867,18 em julho, passou para R$ 898,22 em agosto, o que significa uma diferença de R$ 31,04 a mais no valor. Com isso, o aumento de 3,58% no mês passado representa o maior registrado nos últimos 12 meses, enquanto a queda mais expressiva ocorreu em junho deste ano, de 1,33%.

De agosto de 2011 a agosto deste ano o aumento acumulado dos 57 produtos básicos chega a 17,02%, passando o cesto de R$ 767,56 para os R$ 898,22 registrados no último mês, ou seja, uma elevação nominal de R$ 130,66. Enquanto a maior elevação foi evidenciada na carne suína, a queda mais significativa de custo em agosto foi verificada na banana, em 28,06%.


Cesta básica

Em agosto, a cesta básica chegou ao valor de R$ 244,06, ante o custo de R$ 241,22 que havia sido registrado em julho. Para o aumento de 1,01% na cesta básica em agosto, todos os 13 produtos contribuíram com elevações. Além de 1,55% no aumento do preço da batata inglesa, os outros produtos com variação mais significativa foram o açúcar, que teve elevação de 1,14%, e a carne de gado, com majoração de 1,04%.


Comente aqui
03 set16:02

Pesquisa aponta queda no endividamento das famílias em Chapecó

Caiu o nível de endividamento das famílias em Chapecó de julho para agosto. Essa indicação está na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (Peic), realizada pela Federação do Comércio de Santa Catarina em parceira com o Sindicato do Comércio da Região de Chapecó (Sicom). Conforme esse levantamento, o número de famílias endividadas, que era de 54,4% em julho passou para 41,4% em agosto.

Outro dado positivo identificado pela pesquisa é a queda acentuada no número de famílias que dizem não ter condições de pagar suas dividas. Em julho eram de 44,4% e em agosto o índice foi reduzido para 22,1%. Essa evolução é considerada decorrente das injeções de renda que estão ocorrendo neste mês, na avaliação da economista Andrezza Piekas, da Divisão de Pesquisa e Estatística do Sicom.

- Essa injeção decorre da antecipação de parte do 13º salário dos servidores públicos, aposentados e pensionistas da Previdência Social, bem como da liberação do maior lote de Imposto de Renda da história brasileira – disse Andrezza.

A pesquisa também aponta como dado relevante o salto por endividamento via cheque especial, que passou de 2,4% para 18%, especialmente em famílias com renda superior a 10 salários-mínimos. Ainda quanto ao tipo de dívida, o cartão de crédito é o instrumento mais expressivo para o pagamento de compras a prazo, utilizado por 29,9% das famílias devedoras, enquanto os carnês chegam a 27,6% de utilização pelas famílias endividadas.


Total de famílias

Em números absolutos, o total de famílias endividadas em Chapecó caiu de 33.322 para 25.319. Desse número, conforme a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores, 6.206 indicaram ter contas em atraso e 1.374 especificaram que não terão condições de efetuar o pagamento.



Comente aqui
09 ago12:51

Pesquisa mostra oscilação nos preços da gasolina em SC

Distante das refinarias e distribuidoras, os postos de combustíveis da região Oeste novamente apresentaram em julho preços elevados para a gasolina comum, conforme dados divulgados pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó. A pesquisa utiliza dados levantados entre 01 e 26 de julho, pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Entre as 22 cidades pesquisadas, São Miguel do Oeste apresentou o maior preço médio de revenda ao consumidor em julho, que foi de R$ 2,884 por litro, enquanto o menor foi registrado em Itajaí, com R$ 2,566. Chapecó teve o preço médio de R$ 2,782, Concórdia e Xanxerê de R$ 2,826 e Videira de R$ 2,790.

Quanto à diferença entre os preços de distribuição e de revenda, Xanxerê foi o município que teve, em julho, a maior margem bruta média. O preço de distribuição foi de R$ 2,350, e como na revenda chegou a R$ 2,826, a diferença é de R$ 0,476 por litro. Nos demais municípios do Oeste pesquisados pela ANP e analisados pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, as diferenças entre a compra pelo posto e a venda ao consumidor foram de R$ 0,472 em Concórdia, de R$ 0,470 em São Miguel do Oeste, de R$ 0,416 em Videira e de R$ 0,396 em Chapecó.


Comente aqui
04 ago15:30

Tomate eleva o valor da Cesta Básica em Chapecó

O aumento de 3,13% no custo do cesto de 57 produtos básicos alimentares, não alimentares e serviços tarifados foi registrado em Chapecó no mês de julho. Esse índice é uma das informações que está em pesquisa realizada pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó. Entretanto, o dado mais expressivo levantado pelo curso refere-se à variação no custo da cesta básica de 13 produtos alimentares, exclusivamente, que chegou a 10,9%.

Em julho o preço da cesta básica foi de R$ 241,22, ante R$ 217,51 do mês anterior, o que representa um acréscimo de R$ 23,71. Dos 13 itens, 11 apresentaram aumentos no mês passado e dois tiveram redução no custo. As principais altas ocorreram no tomate, em 47,28%, no açúcar, em 27,54%, e no café moído, em 16,32%.

Quanto ao cesto de 57 produtos, 35 deles sofreram aumento no mês passado e 22 apresentaram diminuição no custo. O valor identificado em julho foi de R$ 867,18, enquanto no mês de junho havia sido de R$ 840,84, o que significa R$ 26,34 a mais. Em 12 meses, o valor teve alta acumulada de 14,48%, ou seja, R$ 109,65 sobre o custo de R$ 757,53, pesquisado em julho de 2011.

Em termos de grupos de produtos, os alimentos, que têm a representatividade de aproximadamente 72% no total do cesto, apresentaram em julho aumento de 3,32% e neste ano a elevação chega a 16,51%. No grupo dos produtos não alimentares, a alta de junho para julho foi de 8,35%, enquanto os serviços tarifados foram elevados em 0,82%.


Comente aqui
03 ago12:18

Pesquisa em Chapecó identifica intenção de compra para o Dia dos Pais

A aquisição de peças de vestuário, com pagamento à vista, para presentear no Dia dos Pais, representam dois dados entre os mais relevantes indicados em pesquisa de intenção de compras realizada em Chapecó. O levantamento decorre de uma ação conjunta entre a Federação do Comércio de Santa Catarina (Fecomércio) e o Sindicato do Comércio da Região de Chapecó (Sicom).

A pesquisa mostra que 52% dos entrevistados pretendem fazer compra de vestuário, 25,1% de calçados, 16,6% de perfumes e cosméticos e 9,4% de eletroeletrônicos. A forma de pagamento preferencial é à vista, conforme 60,7% dos entrevistados, que pagarão em dinheiro, e 6,7% no cartão de débito, enquanto 12,4% pretendem parcelar pelo crediário. O uso do cartão na forma de crédito à vista foi indicado por 9,7%, mesmo índice de preferência para a utilização do cartão para parcelamento. Ainda em termos de finanças, 58,3% daqueles que foram ouvidos em Chapecó indicaram que a situação está melhor, comparativamente ao mesmo período do ano passado.

Sobre a média de gastos, o levantamento especifica o valor de R$ 122,79, com a possibilidade de 43,2% fazerem compras de até R$ 100  e 36,9% de R$ 100 a R$ 200. Já a pesquisa de preço será feita por 48,3% das pessoas e a preferência pelos locais está no comércio de rua, em 77%, e no shopping, em 20,9%.


Ação por parte das lojas

No item da pesquisa Fecomércio/Sicom sobre a ação de parte do comércio, o atendimento personalizado, a concessão de descontos e as promoções para clientes fiéis foram os fatores mais indicados, como preferenciais, pelos consumidores ouvidos em Chapecó. A pesquisa também ouviu sobre a preferência quanto ao lazer em comemoração ao Dia dos Pais, e 54,1% indicaram que terão almoço ou jantar familiar e 10,3% irão a restaurantes.

No decorrer da pesquisa, de 23 a 25 de julho, foram realizadas 331 entrevistas em Chapecó. Desse total, 152 foram com pessoas do sexo masculino e 179 do feminino, 35,7% do total na faixa etária de 18 a 25 anos, 33,2% entre 26 e 35 anos e 18,4% na faixa dos 36 aos 45 anos.


Comente aqui
18 jul10:19

Pesquisa mundial revela a pandemia do sedentarismo

Joice Bacelo | joice.bacelo@zerohora.com.br

A falta de exercícios é responsável pelo mesmo número de mortes vinculadas ao ato de fumar. É essa a conclusão de um estudo que envolveu 122 países e que será publicado hoje pela revista britânica The Lancet. O sedentarismo, de acordo com a pesquisa, é responsável por uma em cada 10 mortes em todo o mundo, índice comparável ao impacto do tabagismo.

Para o coordenador do estudo global, que envolveu pesquisadores de 16 países, o gaúcho Pedro Hallal, do Centro de Estudos Epidemiológicos da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), há uma pandemia de inatividade física. O estudo publicado em forma de artigos científicos revela que a inatividade física se tornou um contribuinte de peso para as principais causas de morte no mundo. O grupo de sedentários é formado por 1,5 bilhão de pessoas, o que representa 31,1% dos adultos. Entre 13 e 15 anos, o número é assustador: 80% não atingem a recomendação de uma hora por dia de atividade física.

No Brasil, 49,2% das pessoas são inativas, o segundo pior resultado entre os países do continente americano. Perdemos apenas para a Argentina, que tem 68,3% de sedentários. O estudo, porém, traz perspectivas positivas, inclusive vindas da tecnologia. Já há resultados que comprovam que a telefonia móvel pode servir como incentivo para que um número maior de pessoas se torne fisicamente ativo, como no caso de Denilson Montenegro, retratado na página ao lado. Para Hallal, pela prevalência do sedentarismo em proporções globais e pelo impacto sobre a saúde, a inatividade física tem consequências imensas nas áreas de saúde, economia, ambiente e social.

– Não existe um cálculo do quanto deixaria de ser gasto se as pessoas praticassem o recomendado pela Organização Mundial de Saúde, mas, pelo que traz de benefícios, com certeza haveria uma grande economia.


Quem é inativo…

Em média, no mundo, 31,1% dos adultos e 80% dos adolescentes estão em risco elevado de doenças por deixar de fazer quantidades recomendadas de atividade física

No Brasil, 49,2% estão no patamar de inatividade física, o segundo pior índice das Américas, atrás apenas da Argentina (68,3%), e entre os piores índices do mundo.

As mulheres (51,6%) são, em geral, mais sedentárias do que os homens (47,2%)



Qual é o impacto…

Teoricamente, se o número de inativos diminuísse 10% ou 25%, entre 533 mil e 1,3 milhão de mortes poderiam ser potencialmente evitadas no mundo a cada ano. A expectativa de vida da população mundial aumentaria em torno de 0,68 ano se os inativos fossem elimihttp://wp.clicrbs.com.br/chapeco/wp-admin/post-new.phpnados.


A inatividade física é…

Não utilizar pelo menos 150 minutos por semana fazendo atividade física moderada (caminhada, por exemplo, em passo apressado, durante 30 minutos, cinco dias por semana), ou exercícios mais vigorosos por 20 minutos, três vezes por semana.

Responsável por 5,3 milhões das 57 milhões de mortes ocorridas mundialmente em 2008, e por cerca de 1 em cada 10 mortes em todo o mundo, comparável ao impacto do tabagismo.

Apontada como causadora de entre 6% e 10% das quatro principais doenças não transmissíveis (doenças coronárias, diabetes tipo 2, e câncer de mama e câncer de cólon).


Corrida tecnológica

Estimulado por aplicativos baixados no telefone celular, há dois anos o gestor de tecnologia da informação Denilson Montenegro, 42 anos, cumpre todas as etapas do treinamento físico. As etapas vencidas são narradas pela voz eletrônica: “faltam três quilômetros”, “você está indo bem”. Quando o percurso chega ao fim, o sistema envia uma publicação para o Facebook e, cada vez que um amigo curte, aplausos são disparados pelo fone de ouvido.

– Fica a sensação de que a galera está na torcida. Isso ajuda a aumentar o compromisso de manter o rendimento – comenta.

A tela do computador também é transformada por Montenegro em um estímulo para quem está do outro lado. A dentista Luciane Pandolfo, 43 anos, estava parada há cinco anos. De tanto ver as publicações de Montenegro nas redes sociais, Luciane deu um basta no sedentarismo e seguiu os passos do amigo, recebendo aplausos de outros esportistas e também de sedentários – que um dia, espera-se, vão aderir a exercícios, ajudando a reduzir o quadro de inativos em todo o mundo, diminuindo as mortes e aumentando a expectativa e a qualidade de vida da população.


História e prestígio

Fundada em 1823, a revista The Lancet, da editora Elsevier, é uma das mais importantes publicações científicas da área médica. De acordo com o Journal Citation Reports, sistema de avaliação da Thomson Reuters utilizado mundialmente para classificar o impacto científico de publicações, a Lancet, com fator de impacto igual a 38,28, é a 7ª revista científica em geral com maior fator de impacto internacionalmente e a 2ª mais importante na categoria medicina geral.


Comente aqui
12 jun15:10

Embrapa Suínos e Aves completa 37 anos em Concórdia

A Embrapa Suínos e Aves, empresa de pesquisa agropecuária vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), completa nesta quarta-feira, dia 13 de junho, 37 anos de atuação. A unidade, instalada em Concórdia, já disponibilizou mais de 400 tecnologias e vive um momento de crescimento.

- Aumentamos nossa produção científica, temos vários projetos em parceria com a iniciativa privada e investimos recentemente R$ 4,8 milhões em melhorias de estrutura – disse o chefe geral da Embrapa Suínos e Aves, Dirceu Talamini.

A trajetória da Embrapa Suínos e Aves começou em 1975, quando lideranças catarinenses iniciaram uma campanha para trazer a unidade dedicada à suinocultura para Concórdia. No dia 13 de junho de 1975 foi publicada a resolução que criava o Centro Nacional de Pesquisa de Suínos. Em outubro de 1978, a Unidade recebeu também a incumbência da pesquisa em avicultura e passou a se chamar Embrapa Suínos e Aves.

A contribuição da Unidade foi estudada pelo professor Antônio Pinheiro, da Universidade de Évora, de Portugal. Ele chegou à conclusão que 40% do progresso técnico da suinocultura a partir de 1975 deveu-se à Embrapa. Na avicultura, a contribuição com o progresso técnico chega a 20%.

Ao longo dos anos, a Embrapa Suínos e Aves teve papel fundamental no controle de doenças, aperfeiçoamento de rações, melhoria da qualidade genética dos animais, preservação do meio ambiente e desenvolvimento de equipamentos para a suinocultura e avicultura. Fez ainda um trabalho imprescindível em conjunto com outros órgãos do governo, da indústria e dos produtores para superar as restrições às exportações de carne suína e de frango.

A Unidade conta com 213 empregados, destes 50 são pesquisadores. Em 2011 recebeu seis prêmios ligados a sua produção científica.


Comente aqui
11 jun14:27

Produtos básicos têm pequena alta em Chapecó

Os produtos básicos de consumo familiar tiveram uma elevação de 1,71% no mês de maio em Chapecó. O cesto de 57 produtos, conforme pesquisa realizada pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, passou de R$ 837,85 para R$ 852,20, com uma diferença de R$ 14,35. Já a cesta básica, formada pelo grupo de 13 produtos, apresentou aumento de 4,01%. Com isso, o valor foi de R$ 181,60 em abril para R$ 188,88 no mês passado.

No período de um ano, o aumento acumulado é de 12,62%, em relação ao valor de maio de 2011, que era de R$ 756,70, o que significa R$ 95,50 a mais. O levantamento indica que nos últimos 12 meses o cesto oscilou entre valores positivos e negativos, com o maior aumento registrado em abril de 2012, de 2,56%, e a maior queda em maio de 2011, de 2,18%.

Quanto aos produtos que lideraram as altas e quedas em maio, eles são do grupo de alimentos. O pão francês liderou a alta, com 35,62%, seguido pelo leite, com 33,05%, e pelo tomate, que aumentou de preço em 30,25%. As maiores quedas foram no aparelho de barbear, em 30,07%, seguido pelo biscoito maria, em 24,42%, e pelo repolho, em 21,62%.


Cesta básica

A diferença de custo da cesta básica em maio, de 4,01%, representou R$ 7,28 a mais no valor. Essa cesta, semelhante à nacional, é formada por açúcar, arroz, banana, batata inglesa, café moído, carne moída de segunda, farinha de trigo, feijão preto, leite tipo C, margarina, óleo de soja, pão francês e tomate.

Mesmo ultrapassando os 4%, a maior variação positiva foi registrada em março deste ano, com 5,54%. No mês anterior ocorreu a maior variação negativa, de 5,04%. Em maio, uma família típica de Chapecó necessitou de 0,33% do salário mínimo para adquirir a cesta básica, um ponto percentual a mais do que em abril.


Comente aqui